Igreja San Pedro González Telmo – Parte IV: Divisão eclesiástica 

Igreja San Pedro González Telmo: Divisão eclesiástica 

A população primitiva e pequena que se desenvolvera em torno da Plaza Mayor, em uma área não superior a cinco quarteirões, sob a influência do Cabildo e a tutela espiritual da Catedral, estava crescendo e se expandindo para os dois limites dos traços da cidade de Buenos Aires: o Zanjón de Granados (Rua Chile) e o Zanjón de Matorros (Rua Tres Sargentos).

Por volta de 1769, existiam quatro grandes centros populacionais ou bairros orilleros que foram precursores do crescimento da cidade: Santo Domingo e Alto de San Pedro ao sul, la Merced e da Socorro para o norteSanto Domingo e La Merced se desenvolveram mais rapidamente, devido à sua localização excepcional; o Alto de San Pedro e o Socorro, localizados fora dos muros, cresceram mais lentamente.

Até meados do século XVIII, apenas a Iglesia Mayor (Catedral) exercia jurisdição em um território de aproximadamente 50 léguas ao redor da Plaza Mayor; mas com o aumento do bairro de Buenos Aires e “seus subúrbios”, os dois padres orientadores do mesmo, não puderam cumprir satisfatoriamente as várias funções religiosas. A princípio, para resolver esse problema, foi estabelecido que certas igrejas como a de Concepción, São Francisco e San Nicolás, ajudassem a Catedral.

Primeira divisão eclesiástica

No final de 1769, foi realizada a primeira divisão eclesiástica da cidade de Buenos Aires devida de certa maneira à importância que as igrejas primitivas haviam adquirido. Casamentos, nascimentos, batismos e mortes foram registrados em cada um delas; foi prestada ajuda aos necessitados e, além disso, constituíram o ponto de encontro das comissões do bairro, para o tratamento de assuntos extremamente graves, como epidemias e inundações.

Esta primeira divisão eclesiástica deveu-se aos esforços do bispo Manuel Antonio de la Torre, que propôs a divisão do território da cidade em seis cuarteles, a saber: a Catedral, a Conceição, Monserrat, San Nicolás, La Piedad e Socorro.

O curato ou Paróquia da Conceição cobria a área limitada entre as ruas atuais Caseros, San José, Chile e as margens do Rio da Prata; consequentemente, o Alto de San Pedro deixou de pertencer à jurisdição da Catedral e tornou-se dependente da Paróquia de Conceição.

No início do século XIX, o Alto de San Pedro, que já fazia parte do traçado da cidade, adquirira grande importância. El 31 de maio de 1806, graças á iniciativa do Bispo Lué estabeleceu-se a paróquia de San Pedro González Telmo, tirada da jurisdição da paróquia de Conceição.

A partir dessa data, começou a segunda grande etapa de história do bairro de San Telmo, ao mesmo tempo que a paróquia de San Telmo, foi estabelecida como centro espiritual do bairro.

As ruas de San Telmo, empoeiradas no verão e enlameadas no inverno, careciam dos benefícios da pavimentação. La Rua Defesa , ex Camino do Comercio, era o caminho direto para a Plaza Mayor, e por causa de seu dinamismo, resultante do tráfego pesado de carros provenientes do interior do país, tornou-se um dos mais progressistas do bairro.

A segunda divisão eclesiástica

Após a queda de Rosas e até o início do último terço do século XIX, o bairro havia se tornado o local de residência de vários fazendeiros, proprietários de terras, arrendatários e profissionais; mas a grande massa de sua população era constituída por diaristas.

Em 1859, a cidade de Buenos Aires foi dividida em onze paróquias, os seguintes limites correspondentes à paróquia de San Telmo: Brasil, Defesa, Caseros, Bolívar e Chile. É necessário salientar que essa jurisdição eclesiástica também se estendeu na área dos bairros de Boca e Barracas. Nos arredores, em Puerto de los Tachos (hoje Vuelta de Rocha), foi possível observar um grande número de casas de madeira, sinalizando o nascimento do populoso bairro de La Boca .

Nesse mesmo ano, o Hospital General de Hombres foi construído  próximo à igreja paroquial de San Pedro González Telmo.

A terceira divisão paroquial

Em 1867, sendo capital provisória da Nação em Buenos Aires, foram estabelecidos os novos limites do município, a saber: o Riachuelo, as ruas atuais Sáenz, Boedo , Medrano e Córdoba e o riacho Maldonado.

As paróquias foram: Catedral, San Telmo, Concepção, Monserrat, Balvanera, San Miguel, San Nicolás, El Socorro, Pilar e a Piedade.

Em 1869, San Telmo se tornou um dos bairros mais populosos da cidade de Buenos Aires. De uma população total de 177.787 pessoas residia no San Telmo 12.329 indivíduos, dos quais 6588 eram argentinos.

A edificação adquirira grande importância. Num total de 1283 casas, predominaram as casas de material de um corpo com terraço; mas também era possível ver casas de material com telhado de telha, casas de madeira e ranchos de adobe com telhado de colmo.

Em 1869, a cidade de Buenos Aires foi dividida em treze tribunais e paróquias. A jurisdição do Tribunal a e da Paróquia de San Pedro González Telmo foi delimitada pelas seguintes ruas: Martín García, Bolívar, Caseros, Chacabuco e México. É necessário ressaltar que, pela primeira vez, desde a fundação da cidade de Buenos Aires, as fronteiras civis, policiais e eclesiásticas de San Telmo coincidiram.

Finalmente, neste bairro populoso, dinâmico e tradicional de Buenos Aires, limitado na época pelas ruas Martín García, Chacabuco e México, nele penetrou e se espalhou no início de 1871 o terrível flagelo da febre amarela, que dizimou sua população. Naquele ano trágico, San Telmo se tornou o bairro mártir da cidade de Buenos Aires.

 

 

fonte:

  • Iglesia San Pedro González Telmo – Nora Bazzi Figueroa de Pérez Alen (1)
  • Los Límites Primitivos de San Telmo – Dr. Rafael Berruti (2)
  • Los hospitales coloniales- Federico Pérgola (3)
  • www.revisionistas.com.ar

O MERCADO dos CARRUAGENS: O novo centro gastronômico frente a Puerto Madero

O Mercado dos Carruagens será um importante centro gastronômico localizado em um prédio histórico localizado na Av. Leandro N. Alem e Tres Sargentos, frente ao famoso Puerto Madero. O que no bairro de Retiro ficou conhecido como “Garagens Presidenciais” logo será transformado no Mercado de Carruagens, um espaço que promete se tornar um centro gourmet à altura de outras cidades cosmopolitas do mundo.

Quando parecia que o novo mercado abriria as portas entre março e abril deste ano, a pandemia obrigou as obras de remodelação a ficarem suspensas por algum tempo. O prédio está sob os cuidados da Prefeitura e a empresa investidora recebeu autorização para retomar a parte final da obra, obedecendo a todos os protocolos Covid-19. Espera-se em dezembro a sua inauguração. Continue lendo “O MERCADO dos CARRUAGENS: O novo centro gastronômico frente a Puerto Madero”

Igreja San Pedro González Telmo – Parte III: O Templo

Argentina_Patrimônio_Iglesia_Jesuítas_Belen_Bethlemitas_Zanjón Granados_Buenos Aires_ Plaza_Dorrego_Praça_Feira_Feria_San Telmo_Hospital

O começo da construção desta igreja é muito antigo, em outubro de 1734,  sendo fundada em primeiro lugar pelos frades Jesuítas. O risco do templo como a residência erguida do lado ficou a cargo do arquiteto irmão Blanqui, autor de muitos templos na época. Os ornamentos, carpintaria e marcenaria ficaram nas mãos do irmão  jesuíta José Schmidt. A comparação com a outra igreja jesuíta em Buenos Aires (San Ignacio de Loyola, no bairro de Monserrat), resulta inevitável … para surpresa de muitos a igreja de San Telmo é muito maior.

Vamos conhecer neste post o interior deste templo, que acompanhou o nascimento e desenvolvimento do antigo arraial de San Pedro, para transformar-se no centro de referencia espiritual do atual bairro de San Telmo, um dos bairros mais adorados pelo turismo internacional. Continue lendo “Igreja San Pedro González Telmo – Parte III: O Templo”

Igreja San Pedro González Telmo – Parte II: Fachada e Historia

Argentina_Patrimônio_Iglesia_Jesuítas_Belen_Bethlemitas_Zanjón Granados_Buenos Aires_ Plaza_Dorrego_Praça_Feira_Feria_San Telmo_Hospital

Os jesuítas estabelecidos na igreja de San Ignacio de Loyola fundaram sua segunda sede aqui, iniciando a evangelização do bairro incipiente da era colonial, quando San Telmo era conhecido com o nome de “Altos de San Pedro” ou “Ex-Mercado de Carretas”,  onde os viajantes pararam para descansar e dar de beber aos bois, antes de atravessar o Zanjón de Granados e entrar finalmente na cidade de Buenos Aires.

Em 1734, começou a construção da capela e foi em honor a Nuestra Señora de Belén. Em 1795 quando os jesuítas foram expulsos o local foi ocupado pelos frades Bethlemitas, uma irmandade muito ligada aos hospitais, tendo fundando um hospital na antiga residência dos jesuítas, eles assumiram a igreja.

A fachada de estilo italiano foi inspirada na Igreja dos Santos Vincenzo ed Anastasio, em Roma. O arquiteto desconhecido simplificou o conjunto de tímpanos que é uma das características dessa fachada, sem a coerência do modelo original. Foi alterado nas décadas do pintoresquismo (as duas primeiras décadas do século XX), pelo estilo colonial que é vista hoje.

Em uma intervenção que distorceu as características coloniais, a fachada foi completamente transformada por Pelayo Sainz em 1931, de acordo com um projeto neocolonial. Continue lendo “Igreja San Pedro González Telmo – Parte II: Fachada e Historia”

Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade na Colômbia: Os bens culturais nomeados pela UNESCO – Parte III

UNESCO_Inmaterial_CULTURAL_Musica_Teatro_ritos_comunidade_Carnaval_Festa_Cultura_Humanidade_tradição_dança _tambor_Palenque

Patrimônio cultural imaterial ou Patrimônio Cultural Intangível é uma categoria de patrimônio cultural definida e adotada pela UNESCO, em 2003. Abrange as expressões culturais e as tradições que um grupo de indivíduos preserva em respeito à sua ancestralidade, para as gerações futuras. São exemplos de patrimônio imateriais: os sabres, os modos de fazer, as formas de expressão, as celebrações, as festas e as danças populares, as lendas, as músicas, costumes e outras tradições.

A Festa de São Francisco de Assis na localidade de Quibdó começa quando o santo atravessa o rio nas jangadas e a visita cada um dos bairros, onde as pessoas fazem suas oferendas.

O Encontro Nacional de Bandas de Música em Paipa foi criado em 1973. É o encontro com a maior cobertura nacional e o de maior diversidade de categorias (bandas juvenis, maiores, especiais, de festas ou populares e bandas universitárias ou profissionais).

Na cidade de Santiago de Cali um simpático evento que mediante a elaboração das macetas de alfeñique, uma delicia culinária da região, celebra a relação simbólica entre padrinhos e afilhados. Continue lendo “Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade na Colômbia: Os bens culturais nomeados pela UNESCO – Parte III”

Basílica Nossa Senhora do Pilar – Parte III: O Templo e o Convento

Centro_Cultural_recoletos_Franciscanos_Altar_Reliquias_Capilla_Cemitério

Em 1715, os frades recoletos descalços começaram a construção da igreja e do convento no que é hoje o bairro de Recoleta, em Buenos Aires. Inaugurada em 12 de outubro de 1732, a basílica Nuestra Señora del Pilar é o segundo templo mais antigo da cidade de Buenos Aires e o que melhor preserva o estilo colonial barroco original.

Construída pelos jesuítas, a Basílica Nuestra Señora del Pilar conserva altares, imagens e ornamentos originais. A igreja é um relicário de obras de arte, entre as quais destacam-se os Altares Laterais da Virgem do Carmo e do Cristo da Paciência e Humildade e uma escultura de San Pedro de Alcántara atribuída a Alonso Cano.

O visitante também tem a oportunidade de visitar um pequeno museu, onde antes ficavam os claustros dos frades recoletos. Fechados por quase três séculos, as galerias, praticamente intactas, foram abertas ao público em 1997, como um museu de arte. Continue lendo “Basílica Nossa Senhora do Pilar – Parte III: O Templo e o Convento”

Basílica Nossa Senhora do Pilar – Parte I: Recoleta o bairro mais elegante de Buenos Aires

Centro_Cultural_recoletos_Franciscanos_Ombúes_Virgem_Cemitério

O bairro Recoleta, em Buenos Aires, possui uma enorme variedade de atrações turísticas para todos os gostos. Uma das atrações mais importantes do ponto de vista histórico e cultural é a Basílica Nuestra Señora del Pilar.

Caminhando pela Avenida Alvear, cheia de palácios, hotéis e residências aristocráticas, chegamos á Praça Intendente Torcuato de Alvear e  a Praça França. Nos arredores, é possível fazer um belo passeio turístico pelo Cemitério da Recoleta, pelo Centro Cultural Recoleta, pelo Buenos Aires Design Center e por uma grande variedade de estabelecimentos gastronômicos em um dos bairros mais elegantes da cidade de Buenos Aires.  Continue lendo “Basílica Nossa Senhora do Pilar – Parte I: Recoleta o bairro mais elegante de Buenos Aires”

Ruinas Jesuitas no Brasil: Os Sete Povos das Missões

Florianópolis_Santa_Catarina_Brazil_ilha_Brasil_Patrimônio_Unesco_

Durante a era colonial, portugueses e espanhóis disputavam áreas de influências para definir seus objetivos políticos e religiosos. Após o Tratado de Madri, de 1750, as reduções ficaram com os portugueses em troca da Colônia do Sacramento para os espanhóis.

Os Sete Povos das Missões foram assentamentos criados por padres jesuítas espanhóis no sul do Brasil com o objetivo de espalhar a fé católica catequizando os indígenas. A tarefa não foi fácil, entre os desafios dos padres jesuítas estavam os de convencer os índios de que precisavam ser sedentários e monogâmicos, enquanto o povo originário guarani, eles eram nômades, poligâmicos e politeístas. Continue lendo “Ruinas Jesuitas no Brasil: Os Sete Povos das Missões”

Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade: Colômbia foi sede da última Convenção da Unesco em América Latina

Pela primeira vez, o Comitê Intergovernamental da Convenção para a Salvaguarda do Patrimônio Cultural Imaterial da Unesco se reuniu na América Latina e no Caribe.

O Comitê se reuniu em Bogotá de 9 a 14 de dezembro de 2019 com a participação de mais de 1.000 pessoas, representantes dos 24 Estados Partes no Comitê e na Convenção, organizações não-governamentais, estados observadores e membros da sociedade civil.

Colômbia foi sede da Convenção para la Salvaguarda do Património Cultural Imaterial

Atualmente, o chanceler colombiano é presidente da Comissão Colombiana de Cooperação com a Unesco, enquanto a secretária de Cultura, Recreação e Esporte de Bogotá, María Claudia López. Ela foi presidente do Bureau do Comitê da Convenção, responsável por liderar a reunião em Bogotá.

O Comitê é o órgão de tomada de decisão da Convenção da UNESCO para a Salvaguarda do Patrimônio Cultural Imaterial e tem como principais funções promover os objetivos da reunião, fornecer conselhos sobre práticas exemplares e fazer recomendações sobre medidas para salvaguardar o Patrimônio Cultural Imaterial Mundial.

Patrimônio Cultural Imaterial da Colômbia

A Colômbia tem dez manifestações declaradas Patrimônio Imaterial da Humanidade. Mas sua lista representativa é muito mais extensa e a conheceremos de aqui para frente através de várias publicações; uma viagem pelos costumes, tradições, expressões artísticas e religiosas do pais.

A Lista de Representativa é um mecanismo de salvaguarda do patrimônio cultural intangível. É constituído pelo conjunto de manifestações que são incorporadas a um catálogo especial por meio do ato administrativo da autoridade competente (Ministério da Cultura, Governadores, Prefeitos, autoridades Indígenas ou Conselhos da comunidade afro-colombiana).

A inclusão na lista tem como condição a elaboração de um plano especial de salvaguarda, acordo social para identificação, revitalização, documentação, divulgação e proteção das manifestações.

Lista de Representativa do Patrimônio Cultural Intangível da Colômbia:

  1. Espaço cultural de San Basilio de Palenque – 2008
  2. O sistema regulatório wayúu aplicado pelo palajero Putchipu’ui – 2010
  3. Música marimba e canções tradicionais do Pacífico Sul da Colômbia – 2010
  4. He Yaia Keti Oka, conhecimento tradicional (Jaguares de Yuruparí) para o manejo de grupos indígenas do rio Pirá Paraná – 2011
  5. Carnaval preto e branco de Pasto – 2009
  6. Procissões da Semana Santa em Popayán – 2009
  7. Cuadrillas de San Martín – 2017
  8. Carnaval de Riosucio – 2011
  9. Festas de San Francisco de Asís ou San Pacho em Quibdó – 2012
  10. Encontro Nacional de Bandas de Música em Paipa – 2013
  11. O processo de formar e viver como nükak baka (pessoas verdadeiras) -2013
  12. A tradição de celebrar afilhados com vasos de alfeñique na cidade de Santiago de Cali – 2013
  13. Bëtscnaté o Grande Dia da tradição Camëntsá – 2013
  14. Pinturas vivas de Galeras, Sucre – 2013
  15. Canções de trabalho de Llano – 2017
  16. A música vallenata tradicional do Caribe colombiano – 2015
  17. Galíes, ritos funerários das comunidades afro do meio de San Juan – 2014
  18. Manifestação cultural Silletera – 2015
  19. Carnaval de Barranquilla – 2015
  20. Partería afro del Pacífico – 2017
  21. O sistema de conhecimento ancestral dos povos Arhuaco, Kankuamo, Kogui e Wiwa da Serra Nevada de Santa Marta – 2017

 

fonte:

  • https://www.mincultura.gov.co/
  • http://www.unesco.org

 

Missões Jesuíticas Guaranis em Argentina e Brasil: Patrimônio Cultural Mundial da Unesco

Reduções_Paraguai_Brasil_Argentina_Reducción_Patrimônio_Unesco_Missões_Guaranis_Misiones

Atualmente, existem cerca de 30 ruínas de comunidades Guaranis / Europeias catalogadas, sendo 15 na Argentina, 7 no Brasil e 8 no Paraguai. Dessas, 7 foram declaradas Patrimônio Mundial pela Unesco, sendo 1 no Brasil (São Miguel das Missões), 4 na Argentina (San Ignacio Miní, Santa Ana, Nuestra Señora de Loreto e Santa María la Mayor ) e 2 no Paraguai (La Santísima Trinidad de Paraná e Jesús de Tavarangue).

Em 1984, as ruínas brasileiras de San Miguel de las Misiones, que já haviam sido declaradas Patrimônio da Humanidade pela Unesco em 1983, foram ampliadas para incluir as missões de San Ignacio Miní, Nuestra Señora de Loreto, Santa María la Mayor e Santa Ana , tornando-se um único site transfronteiriço. Continue lendo “Missões Jesuíticas Guaranis em Argentina e Brasil: Patrimônio Cultural Mundial da Unesco”