CENTRO CULTURAL BORGES – PARTE I: O Ministério da Cultura assume a direção do espaço cultural das Galerias Pacífico

O Centro Cultural Borges volta à órbita do Estado. São 10 mil metros quadrados que abrigam auditórios e salas para exposições e demais atividades que farão parte do Ministério da Cultura da Nação.

Haverá um espaço permanente destinado a homenagear a Jorge Luis Borges, outra salas serão atendidas pelo Museu Nacional de Belas Artes e o Palais de Glace. e felizmente o Museu Nacional de Arte Oriental terá sede própria pela primeira vez em Buenos Aires. Continue lendo “CENTRO CULTURAL BORGES – PARTE I: O Ministério da Cultura assume a direção do espaço cultural das Galerias Pacífico”

MERCADO de SAN TELMO: Os Bares Notáveis do lado de fora do mercado

San Telmo é um bairro tradicional e querido da cidade de Buenos Aires, onde alguns de seus restaurantes, cafés e bares modificaram suas estruturas e decorações para focar seus negócios no público estrangeiro cada vez mais crescente.

Em 2000, o Mercado foi declarado Monumento Histórico Nacional pelo Governo da Cidade de Buenos Aires. Vamos conhecer a história de três Bares Notáveis ​​localizados do lado de fora do famoso Mercado de San Telmo. Continue lendo “MERCADO de SAN TELMO: Os Bares Notáveis do lado de fora do mercado”

BAR NOTÁVEL “LA CORUÑA”: O autêntico bodegón de bairro que partiu para nunca mais voltar

Me causa muita tristeza os lugares que já não estão, em especial este Bar Notável que frequentei muitas vezes durante meus passeios pelo mítico bairro de San Telmo. O mesmo boom turístico que impulsionou e revitalizou o Casco Histórico de Buenos Aires foi quem trousse novas tendências para satisfazer a demanda do novo publico alvo: os estrangeiros. Assim, um local de comida vietnamita veio a substituir um velho bar de imigrantes espanhóis que por décadas e décadas soube conservar a tradição da comida caseira argentina. Continue lendo “BAR NOTÁVEL “LA CORUÑA”: O autêntico bodegón de bairro que partiu para nunca mais voltar”

Igreja de São Juan Bautista de Betharram – Parte V: O Convento das irmãs Capuchinhas

Bairrro_Monserrat_Buenos_Aires_Argentina_Iglesia_Patrimonio_Cultural_Religioso_ San_Telmo_Historico_Clarisas_Capuchinas_Clarissas_Capuchinhas_Betharram_Assis_Bayoneses_Convento

Chegou a hora de falar sobre o Convento das Irmãs Capuchinhas, o Convento Nossa Senhora do Pilar, localizado junto á igreja San Juan Bautista no bairro de Monserrat.

Os únicos dois mosteiros de clausura que Buenos Aires possuía durante o período colonial foram: Nossa Senhora do Pilar, das Capuchinhas“descalzas”-Santa Catalina de Sena, das Freiras Dominicanas “calzadas”.

Um grupo de irmãs capuchinhas deixou Santiago do Chile em 1745 para se estabelecer o segundo convento de freiras da cidade de Buenos Aires. Depois de dois anos dolorosos de viagem por terra, elas chegaram em 174 7. As irmãs da congregação Capuchinhas viveram no claustro até 1982, agora chamadas Clarissas, mudaram-se para a cidade de Moreno (zona metropolitana de Buenos Aires).

Uma parte do convento, foi demolido. Onde atualmente se encontra o “Pátio da Reconquista”, cenário das batalhas sucedidas durante as invasões inglesas (1806 – 1807). Durante os confrontos bélicos o convento foi usado como hospital, para os feridos de ambos os lados. O pátio central era a área usada para atendê-los. A maioria dos soldados patriotas e ingleses falecidos em combate foram sepultados aqui.

O “Pátio da Reconquista” é uma bela praça arborizada, ligada a antigos pátios, cercada pelas paredes originais da igreja – com mais de dois metros de espessura. Nos fundos da igreja, lugar da antiga horta,  um importante hotel cinco estrelas foi construído, que a través do Pátio, o Convento e pela moderna torre do “Hotel Intercontinental”, o complexo turístico comunica-se nos fundos com os domínios da igreja. Continue lendo “Igreja de São Juan Bautista de Betharram – Parte V: O Convento das irmãs Capuchinhas”

Museu de Belas Artes Benito Quinquela Martín (MBQM) no bairro de La Boca

Benito Quinquela Martín foi um dos protagonistas da renovação que as artes plásticas do país viveram a partir da década de 1920 e que deram frutos em uma época de ouro da pintura argentina.  Pintor e muralista argentino, principal membro do grupo de pintores de La Boca, o bairro portuário de Buenos Aires em que nasceu e ao qual sempre permaneceria ligado. Com um estilo naturalista, o tema de sua obra girava, sobretudo, em torno de navios e portos, capturando igualmente a beleza de suas impressões e as duras condições de trabalho.

O acervo do museu (MBQM) esta conformado por uma ampla coleção de obras de artistas argentinos. O museu foi preenchido com óleos, aquarelas, pastéis, templos e pinturas de têmpera feitas em tela, papel e madeira; esculturas em pedra, bronze, como assim também gravuras e desenhos feitos com os mais variados procedimentos. Cerca de 5.000 peças compõem a coleção de fotografias digitalizadas.

O Museu de Belas Artes de La Boca oferece a possibilidade de conhecer a extensa obra artística de Quinquela Martín. O último andar tem a modalidade de Casa Museu, pois trata-se da própria casa e atelier do pintor, com amplos terraços que atuam como sala de exibição da importante mostra escultórica do museu. Continue lendo “Museu de Belas Artes Benito Quinquela Martín (MBQM) no bairro de La Boca”

Basílica Santa Rosa Lima – Parte II: O Interior do Templo

No bairro de Balvanera, a Basílica de Santa Rosa de Lima é uma das muitas jóias arquitetônicas da arte bizantina para conhecer e admirar na cidade de Buenos Aires.

A basílica de estilo românico-bizantino foi feita com base ao projeto do arquiteto Alejandro Christophersen. Enquanto a ornamentação,  o contraste entre o exterior pobre e o interior ricamente decorado é uma característica da arquitetura bizantina. Porem, a presença de outros estilos, tanto na fachada como no interior, enquadram esta obra dentro do movimento  “neo-românico eclético”.

Bora .. chegou a hora de conhecer o interior do templo. Continue lendo “Basílica Santa Rosa Lima – Parte II: O Interior do Templo”

Igreja de São Juan Bautista de Betharram – Parte IV: Imaginária, Virgens e Santos

Bairrro_Monserrat_Buenos_Aires_Argentina_Iglesia_Patrimonio_Cultural_Religioso_ San_Telmo_Historico_Clarisas_Capuchinas_Clarissas_Capuchinhas_Betharram_Assis_Bayoneses

Como em todas as minhas visitas ás igrejas, sempre procuro achar a Santeria Paroquial, o lugar onde habitualmente são vendidas estampas, rosários e imagens religiosas dos santos e virgens, na procura (com maior e menor sorte), de livros ou publicações que falem da historia e arquitetura do templo.

Não é o caso de esta igreja, alias no momento da minha visita a missa estava por começar. Abordo uma das fieis que estava envolvida na preparação do ritual junto ao padre. Diz-me que não tem nada impresso, mas que sim podia enviar um arquivo pdf a meu email (fez na hora) que falava alguns detalhes da igreja.

Dias depois abri com surpresa e descobri que se tratava de uma antiga publicação escaneada com a descrição precisa dos Altares Laterais e Altar-mor, repleta de imagens de santos da Ordem das Irmãs Clarissas Capuchinhas, devotas de Santa Clara de Assis, ordem religiosa feminina da ordem franciscana.

Agradecendo ter recebido tão detalhada informação foi que decidi dedicar este post á Imaginaria, ou seja, todo o conjunto de imagens, exibidas nesta igreja. Também vou falar da Tapeçaria Histórica que as Freiras Capuchinhas tinham nesta igreja e corresponde à obra de arte mais importante que a Argentina teve no século XIX; “A Adoração dos Reis Magos”, de Rubens. Continue lendo “Igreja de São Juan Bautista de Betharram – Parte IV: Imaginária, Virgens e Santos”

Igreja de São Juan Bautista de Betharram – Parte III: O Templo e o Convento

Bairrro_Monserrat_Buenos_Aires_Argentina_Iglesia_Patrimonio_Cultural_Religioso_ San_Telmo_Historico_Clarisas_Capuchinas_Clarissas_Capuchinhas_Betharram_Assis_Bayoneses

Bem antes da chegada dos Padres Bayoneses em 1856, a igreja acolheu um grupo de Freiras Capuchinas que vinheram de Santiago do Chile, elas construíram do lado da igreja o Convento de Nossa Senhora do Pilar das Freiras Capuchinha, em 174 7. Os únicos dois mosteiros de clausura que Buenos Aires possuía durante o período colonial foram: Santa Catalina de Sena, das freiras dominicanas – “calzadas” – e Nossa Senhora do Pilar, de freiras capuchinas – “descalzas” -.

Vamos conhecer nesta postagem o Interior do Templo e o Convento que em parte foi demolido. Por sua vez a igreja foi vitima de incêndio e roubo prejudicando consideravelmente seu acervo. Continue lendo “Igreja de São Juan Bautista de Betharram – Parte III: O Templo e o Convento”

Igreja e Mosteiro Santa Catalina de Siena – Parte III: O primeiro convento de freiras de Buenos Aires

A cidade de Buenos Aires teve dois mosteiros de freiras durante o período colonial, ambos fundados em meados do século XVIII. O Mosteiro de Santa Catalina de Siena (bairro San Nicolas), de freiras dominicanas e o Mosteiro de Nossa Senhora do Pilar (bairro Monserrat), de freiras capuchinhas.

Durante o ano de 2001 foram realizadas obras de arqueologia no convento e igreja, a fim de instalar o grande evento de design Casa FOA. Durante os trabalhos, foi encontrado um poço com um objeto metálico que representava um Macho Cabrío, com chifres e asas. Isso foi queimado e enterrado no pátio do convento transformando-o em um evento de difícil explicação, instalando-se por sua vez, o mito dum evento de exorcismo feito pelas freiras do convento … será verdade? Continue lendo “Igreja e Mosteiro Santa Catalina de Siena – Parte III: O primeiro convento de freiras de Buenos Aires”

Igreja de São Juan Bautista de Betharram – Parte II: Historia e Fachada

Bairrro_Monserrat_Buenos_Aires_Argentina_Iglesia_Patrimonio_Cultural_Religioso_ San_Telmo_Historico_Clarisas_Capuchinas_Clarissas_Capuchinhas_Betharram_Assis_Bayoneses_Convento_Mosteiro_Invasões _Inglesas_ Fachada

Bairrro_Monserrat_Buenos_Aires_Argentina_Iglesia_Patrimonio_Cultural_Religioso_ San_Telmo_Historico_Clarisas_Capuchinas_Clarissas_Capuchinhas_Betharram_Assis_Bayoneses_Convento_MosteiroMonserrat sedia a praça más importante da Argentina, a Plaza de Mayo, por tanto, a vida do bairro iniciou-se no primeiríssimo começo do nascimento da Cidade. O bairro de Monserrat vai ate a Av. Rivadavia pelo qual inclui a Casa Rosada e todos os edifícios históricos na famosa Av. de Maio, ate a praça e Congresso da Nação.

A Igreja de San Juan Bautista está localizada a poucos quarteirões da “Manzana da las luces”, sobre a mesma rua, Alsina.

Em 1646, a primitiva capela surgiu como local de oração, o “Curato de Indios” e escravos. Monserrat era conhecido como o “Bairro do Tambor” sendo no começos bairro de marginais, famoso por sua música, candombes e carnavais. Do outro lado da praça de Maio, o bairro de São Nicolas se ergueria como o mais abastado da sociedade portenha.

No século seguinte, os catalães e bascos estabelecidos na zona construíram una capela dedicada a Nossa Senhora de Montserrat (atual Igreja de Montserrat), evocação da Virgem venerada em Cataluña.

Na igreja de San Juan Bautista também tomaram conta os bascos, havia grande imigração dos nascidos no Pais Basco (norte da Espanha), que foram ao templo para assistir à missa. Por esse motivo, os Padres da Ordem do Sagrado Coração ou Padres Bayoneses ou Padres de Betharram chegaram aqui em 1856. E ahi que a Igreja San Juan Bautista ganha seu último sobrenome. Continue lendo “Igreja de São Juan Bautista de Betharram – Parte II: Historia e Fachada”