SEMANA SANTA em OURO PRETO (MG): Dia 10 – Domingo de Páscoa: A Procissão da Ressurreição

Uma das mais significativas manifestações populares características da Semana Santa em Ouro Preto é a criação dos tapetes devocionais que recebem a Procissão da Ressurreição na manhã do domingo de Páscoa. Moradores e turistas se unem na noite de sábado, a partir das 20hs, para enfeitar e adornar as ruas da cidade histórica.

A festa do Domingo de Pascoa ganha então um grande colorido sobre o tapete que serve para o desfile mais uma vez dos personagens bíblicos e as irmandades. A Procissão da Ressurreição marca assim, o final da Semana Santa que comemora a ressurreição de Jesus Cristo para a vida eterna. Continue lendo “SEMANA SANTA em OURO PRETO (MG): Dia 10 – Domingo de Páscoa: A Procissão da Ressurreição”

SEMANA SANTA em OURO PRETO (MG): Dia 9 – Sábado Santo: Os Tapetes de Serragem

Após a Sexta-Feira da Paixão (cume da rememoração das dores se faz desfilar o féretro simbólico de Jesus pelas ruas da cidade à noite), o sábado tem sabor de interlúdio para meditação. O Sábado Santo é um dia de luto, pois é um dia de silêncio onde a comunidade cristã vigia junto ao túmulo de Jesus. Não há celebração eucarística. Calam os sinos e os instrumentos musicais. O altar está despojado. O sacrário aberto e vazio. As portas da igreja continuam abertas, mas as luzes não estão acesas.

É na madrugada entre o sábado e o domingo, quando as intenções da comunidade se voltarão para, num ato de fé, esperar pela ressurreição do Senhor até o amanhecer, dedicando a noite à execução dos tapetes.

Em Minas Gerais, a religiosidade popular é vivida intensamente nas celebrações da Semana Santa. Em Ouro Preto, os tapetes feitos com serragem, borra de café e cal branco enfeitam as ladeiras históricas e a cidade se transformam em um palco vivo da religião. Continue lendo “SEMANA SANTA em OURO PRETO (MG): Dia 9 – Sábado Santo: Os Tapetes de Serragem”

SEMANA SANTA em OURO PRETO (MG): Dia 5 – Terça Santa: A procissão de Nossa Senhora da Solidade

Durante a terça-feira da Semana Santa realiza-se esta procissão, que relembra o caminho de volta percorrido por Nossa Senhora, do sepulcro, onde deixara o Filho sepultado, até sua casa. A Mãe de Deus caminha sozinha, sentindo no mais profundo do seu coração imaculado a espada de dor que lhe transpassava a alma.

Esta celebração relaciona-se por ocasião também da procissão conhecida como “Triunfo Eucarístico”, em que se procedeu o retorno da imagem do Santíssimo Sacramento da primitiva capela do Rosário, finalizadas as obras de reforma na Matriz do Pilar e remete aos tapetes devocionais que serão confeccionados durante a noite no próximo Sábado de Aleluia. Continue lendo “SEMANA SANTA em OURO PRETO (MG): Dia 5 – Terça Santa: A procissão de Nossa Senhora da Solidade”

SEMANA SANTA em OURO PRETO (MG): Dia 4 – Segunda Santa: A disputa entre a Matriz do Pilar e a Matriz do Antônio Dias

A rivalidade entre os antigos arraiais dos Jacubas o dos Mocotós persistiram mesmo despois que o processo de urbanização chegara a consolidar a união deles no Morro da Quitéria, atual Praça Tiradentes.

As irmandades do Santíssimo Sacramento, presente na Matriz do Pilar e na Matriz de Antônio Dias foram responsáveis pela promoção da festividade socialmente integradora do corpo de Deus (Corpus Christi) e a celebração da Semana Santa.

A rivalidade ficou plasmada desde os tempos da colônia, sendo determinada a alternância na condução dos cerimoniais: nos anos pares, a Paróquia de Nossa Senhora do Pilar fica encarregada de organizar as celebrações; nos anos ímpares, essa função fica a cargo da Paróquia de Nossa Senhora da Conceição, do Antônio Dias. Continue lendo “SEMANA SANTA em OURO PRETO (MG): Dia 4 – Segunda Santa: A disputa entre a Matriz do Pilar e a Matriz do Antônio Dias”

Patrimônio Cultural Imaterial no Brasil: Lista Representativa e disciplinas nomeadas pela Unesco como Patrimônio da Humanidade – Parte VI

O Fandango Caiçara é uma expressão musical-coreográfica-poética e festiva, cuja área de ocorrência abrange o litoral sul do estado de São Paulo e o litoral norte do estado do Paraná.

A celebração do Espírito Santo é uma manifestação cultural e religiosa, de origem portuguesa, disseminada no período da colonização e ainda hoje presente em todas as Regiões do Brasil, especialmente na cidade de Paraty (RJ).

A Festa do Senhor Bom Jesus do Bonfim integra o calendário litúrgico e o ciclo de Festas de Largo da cidade de Salvador e é realizada anualmente, sem interrupção, desde o ano de 1745. A festa articula duas matrizes religiosas distintas, a católica e a afro-brasileira, assim como incorpora diversas expressões da cultura e da vida social soteropolitana.

A existência da devoção a São Sebastião na Região do Marajó remonta ao período de colonização e à ação missionária no século XVI. A ampla ocorrência das Festividades do Glorioso São Sebastião em toda  a região do Marajó e sua relevância cultural paras essas populações  possibilitaram sua inclusão no conjunto de bens imateriais reconhecidos como Patrimônio Cultural do Brasil, referências de memória e identidade para todos os brasileiros. Continue lendo “Patrimônio Cultural Imaterial no Brasil: Lista Representativa e disciplinas nomeadas pela Unesco como Patrimônio da Humanidade – Parte VI”