OURO PRETO (MG): Igreja de São José – Parte I: Irmandade de São José dos Homens Pardos e Bem Casados e Músicos de Santa Cecília

Sendo São Jose (pai de Jesus) de profissão carpinteiro foi o santo patrono preferido dos artistas e artesãos. Em muitas regiões de Brasil as irmandades de São Jose adicionavam a seu nome o termo “dos quatro ofícios” a saber: carpinteiros, pedreiros, marceneiros e tanoeiros. Mas os ofícios no total foram muitos mais: oficiais mecânicos, artistas liberais (pintor ou músico), professores de primeiras letras, boticários, etc. Em Ouro Preto esta igreja foi denominada obviamente como a “Capela dos Artistas”. Mas quando lemos em detalhe a denominação completa desta irmandade reparamos vários termos que neste post vamos revelar: Irmandade de São José dos Homens Pardos e Bem Casados e Músicos de Santa Cecília … Como e bem conhecido Santa Cecilia e Padroeira dos Músicos … mas porque Homens Pardos? … porque Bem Casados? Continue lendo “OURO PRETO (MG): Igreja de São José – Parte I: Irmandade de São José dos Homens Pardos e Bem Casados e Músicos de Santa Cecília”

TIRADENTES (MG): Igreja Nossa Senhora das Mercês – Parte I: A Oredem das Mercês

Igreja_Barroco_Patrimônio_Humanidade_Unesco_Restauração_Estrada Real_Minas Gerais_Brasil_Mercedários_Virgem Generala

A Igreja de Nossa Senhora das Mercês dos pretos crioulos está localizada no Largo das Mercês, perto do Largo das Forras, no Centro Histórico de Tiradentes.

A Irmandade das Mercês, durante a época colonial, era reservada aos pretos nascidos no Brasil e aos mulatos principalmente. Em Minas Gerais tornou-se extremamente popular. Em praticamente todas as vilas mineiras existiram irmandades de Nossa Senhora das Mercês.

A igreja do final do século XVIII, construída em estilo rococó, esconde detras de sua fachada simples um interior com belas pinturas atribuídas a Manoel Victor de Jesus, das quais Kellen Cristina Silva fez um estudo iconológico muito detalhado em sua tese de graduação citada na fonte deste post. Continue lendo “TIRADENTES (MG): Igreja Nossa Senhora das Mercês – Parte I: A Oredem das Mercês”