OURO PRETO (MG): Igreja de São Francisco de Paula – Parte II: A imagem do Santo atribuída ao Aleijadinho

São Francisco de Paula é um dos templos mais recentes da cidade, ela foi a última a ser construída no período colonial. Construção iniciada em 1804 e terminada em 1878, ficou inteiramente concluída em 1904. A imagem de São Francisco de Paula que pertence à igreja é atribuída a Aleijadinho.

Miguel Antônio Tregellas era um respeitado marceneiro que possuía uma das maiores oficinas de marcenaria de toda a Província. Seus trabalhos, principalmente castiçais e oratórios, ornamentavam algumas das mais importantes Igrejas de Ouro Preto e outras cidades da região. Ele foi fundador do Liceu de Artes e Ofícios em Ouro Preto e autor dos retábulos laterais desta igreja. Continue lendo “OURO PRETO (MG): Igreja de São Francisco de Paula – Parte II: A imagem do Santo atribuída ao Aleijadinho”

MALBA – Parte I: Museu de Arte Latino-Americana de Buenos Aires

Um dos museus mais populares da cidade de Buenos Aires, o Malba possui um dos mais importantes acervos da arte latino-americana. Além do patrimônio permanente, exposições temporárias importantíssimas passam por ele. Por isso, é um espaço cultural dinâmico e participativo, numa estrutura arquitetônica moderna, localizado no bairro de Palermo.

Entre os destaques estão a arte dos argentinos Xul Solar e Antonio Berni, o chileno Roberto Matta, o auto-retrato de Frida Kahlo, o muito famoso Abaporu, de Tarsila do Amaral, e instalações inovadoras de Julio Le Parc. Continue lendo “MALBA – Parte I: Museu de Arte Latino-Americana de Buenos Aires”

OURO PRETO (MG): Igreja de São Francisco de Paula – Parte I: A última igreja a ser construída no período colonial

A irmandade de São Francisco de Paula teve passo pelas duas matrizes da ciudade de Ouro Preto. Nasceu na Igreja Matriz de Nossa Senhora da Conceição de Antônio Dias e logo depois pela Matriz do Pilar, ate  1782, em que os “homens pardos nobres” terceiros mínimos de Vila Rica obtiveram uma patente desde Portugal para erigir seu próprio templo.

Erguida no Morro da Piedade, foi a última igreja a ser construída na cidade. Continue lendo “OURO PRETO (MG): Igreja de São Francisco de Paula – Parte I: A última igreja a ser construída no período colonial”

MUSEU de ARTE SACRA de OURO PRETO

Ouro Preto é a principal cidade do Ciclo do Ouro no Brasil e foi berço dos maiores artistas do estilo chamado Barroco Brasileiro. A cidade também foi cenário do movimento pela independência do Brasil em relação a Portugal, denominado de Inconfidência Mineira.

Por seu valor histórico e cultural, a cidade foi decretada Cidade Monumento Nacional em 1933, pelo então presidente Getúlio Vargas. Seu reconhecimento mundial se deu em 1980, quando a UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura) declarou a cidade Patrimônio Cultural da Humanidade.

Com planta atribuída ao arquiteto Pedro Gomes Chaves, a igreja Nossa Senhora do Pilar é erguida no decorrer do século XVII, e sua fachada atual é concluída em 1848. Hoje a Igreja abriga também o Museu de Arte Sacra de Ouro Preto, que reúne imagens sacras, documentos e algumas das vestimentas usadas na celebração do Triunfo Eucarístico. Continue lendo “MUSEU de ARTE SACRA de OURO PRETO”

Fundação Proa: Arte contemporâneo no bairro La Boca

Argentina_tango_Unesco_Boca_bairro_barrio_patrimonio_Museu_Quinquela Martin_Caminito_Riachuelo_arte_contemporâneo_ Arquitetura_

A Fundação Proa é um museu privado, dedicado a pensar e difundir a arte dos séculos XX e XXI, com foco especial em fotografia, audiovisual, design, moda, música e artes plásticas.

Inaugurada em 1996 é um centro de arte contemporânea que fica exatamente ao lado do famoso “Caminito” no bairro La Boca. O prédio – todo branco e envidraçado – foi restaurado e ampliado em 2008 com a aquisição de mais três imóveis, transformando-se em uma das grandes referências culturais de Buenos Aires.

Por trás de sua fachada, metade antiga, metade moderna, o espaço conta com quatro salas de exposições, um auditório multimídia e uma livraria com títulos muito bem selecionados. Ao todo, são três andares repletos de atividades artísticas e culturais. No último andar do museu tem um café/restaurante que dá para um terraço onde é possível experimentar uma  incrível vista panorâmica do bairro La Boca. Continue lendo “Fundação Proa: Arte contemporâneo no bairro La Boca”

Fortalezas em Santa Catarina: Os sistemas de defesa marítima do Brasil

Florianópolis_Santa_Catarina_Brazil_ilha_Brasil_Patrimônio_Unesco_ fortificações_Forte

A Ilha de Santa Catarina era um ponto de defesa estratégico, localizada exatamente na rota entre a Espanha e suas principais colônias na América do sul, Buenos Aires Assunção. Nesse cenário, o conjunto de fortes da Ilha de Santa Catarina compôs à época um sistema defensivo para impedir uma provável invasão espanhola, que mais cedo ou mais tarde haveria de acontecer, como aconteceu de fato.

Construídas pela Coroa Portuguesa a partir de 1739, com a função de guarnecer a entrada da Barra Norte da Ilha, as fortalezas de Santa Cruz de Anhatomirim, Santo Antônio de Ratones e São José da Ponta Grossa foram projetadas por José da Silva Paes, brigadeiro, engenheiro militar e primeiro governador da capitania de Santa Catarina. As obras deram início ao sistema defensivo da Ilha, que posteriormente foi ampliado com outras dezenas de fortificações, como fortes, baterias e trincheiras.

O sistema de fortificações na Ilha de Santa Catarina garantia a posse do território defendendo-a contra qualquer nação inimiga, em especial, a Espanha e o apoio logístico entre o Rio de Janeiro (onde Portugal tinha o seu vice-reinado) e a parte sul do continente. Quatro fortalezas foram construídas inicialmente, entre 1739 e 1744, incluindo também a edificação da Fortaleza de Nossa Senhora da Conceição de Araçatuba, na Barra Sul.

Santa Catarina chegou a somar cerca de 40 fortificações até o início do século XIX. Porém, ainda na primeira metade daquele século, a maioria das construções já havia desaparecido, por arruinamento, abandono ou demolição. Mesmo o tombamento como patrimônio histórico brasileiro, em 1938, pelo Sphan, (atual IPHAN), não foi suficiente para assegurar a preservação ou a recuperação dessas construções. Continue lendo “Fortalezas em Santa Catarina: Os sistemas de defesa marítima do Brasil”