Igreja San Pedro González Telmo – Parte IV: Divisão eclesiástica 

Igreja San Pedro González Telmo: Divisão eclesiástica 

A população primitiva e pequena que se desenvolvera em torno da Plaza Mayor, em uma área não superior a cinco quarteirões, sob a influência do Cabildo e a tutela espiritual da Catedral, estava crescendo e se expandindo para os dois limites dos traços da cidade de Buenos Aires: o Zanjón de Granados (Rua Chile) e o Zanjón de Matorros (Rua Tres Sargentos).

Por volta de 1769, existiam quatro grandes centros populacionais ou bairros orilleros que foram precursores do crescimento da cidade: Santo Domingo e Alto de San Pedro ao sul, la Merced e da Socorro para o norteSanto Domingo e La Merced se desenvolveram mais rapidamente, devido à sua localização excepcional; o Alto de San Pedro e o Socorro, localizados fora dos muros, cresceram mais lentamente.

Até meados do século XVIII, apenas a Iglesia Mayor (Catedral) exercia jurisdição em um território de aproximadamente 50 léguas ao redor da Plaza Mayor; mas com o aumento do bairro de Buenos Aires e “seus subúrbios”, os dois padres orientadores do mesmo, não puderam cumprir satisfatoriamente as várias funções religiosas. A princípio, para resolver esse problema, foi estabelecido que certas igrejas como a de Concepción, São Francisco e San Nicolás, ajudassem a Catedral.

Primeira divisão eclesiástica

No final de 1769, foi realizada a primeira divisão eclesiástica da cidade de Buenos Aires devida de certa maneira à importância que as igrejas primitivas haviam adquirido. Casamentos, nascimentos, batismos e mortes foram registrados em cada um delas; foi prestada ajuda aos necessitados e, além disso, constituíram o ponto de encontro das comissões do bairro, para o tratamento de assuntos extremamente graves, como epidemias e inundações.

Esta primeira divisão eclesiástica deveu-se aos esforços do bispo Manuel Antonio de la Torre, que propôs a divisão do território da cidade em seis cuarteles, a saber: a Catedral, a Conceição, Monserrat, San Nicolás, La Piedad e Socorro.

O curato ou Paróquia da Conceição cobria a área limitada entre as ruas atuais Caseros, San José, Chile e as margens do Rio da Prata; consequentemente, o Alto de San Pedro deixou de pertencer à jurisdição da Catedral e tornou-se dependente da Paróquia de Conceição.

No início do século XIX, o Alto de San Pedro, que já fazia parte do traçado da cidade, adquirira grande importância. El 31 de maio de 1806, graças á iniciativa do Bispo Lué estabeleceu-se a paróquia de San Pedro González Telmo, tirada da jurisdição da paróquia de Conceição.

A partir dessa data, começou a segunda grande etapa de história do bairro de San Telmo, ao mesmo tempo que a paróquia de San Telmo, foi estabelecida como centro espiritual do bairro.

As ruas de San Telmo, empoeiradas no verão e enlameadas no inverno, careciam dos benefícios da pavimentação. La Rua Defesa , ex Camino do Comercio, era o caminho direto para a Plaza Mayor, e por causa de seu dinamismo, resultante do tráfego pesado de carros provenientes do interior do país, tornou-se um dos mais progressistas do bairro.

A segunda divisão eclesiástica

Após a queda de Rosas e até o início do último terço do século XIX, o bairro havia se tornado o local de residência de vários fazendeiros, proprietários de terras, arrendatários e profissionais; mas a grande massa de sua população era constituída por diaristas.

Em 1859, a cidade de Buenos Aires foi dividida em onze paróquias, os seguintes limites correspondentes à paróquia de San Telmo: Brasil, Defesa, Caseros, Bolívar e Chile. É necessário salientar que essa jurisdição eclesiástica também se estendeu na área dos bairros de Boca e Barracas. Nos arredores, em Puerto de los Tachos (hoje Vuelta de Rocha), foi possível observar um grande número de casas de madeira, sinalizando o nascimento do populoso bairro de La Boca .

Nesse mesmo ano, o Hospital General de Hombres foi construído  próximo à igreja paroquial de San Pedro González Telmo.

A terceira divisão paroquial

Em 1867, sendo capital provisória da Nação em Buenos Aires, foram estabelecidos os novos limites do município, a saber: o Riachuelo, as ruas atuais Sáenz, Boedo , Medrano e Córdoba e o riacho Maldonado.

As paróquias foram: Catedral, San Telmo, Concepção, Monserrat, Balvanera, San Miguel, San Nicolás, El Socorro, Pilar e a Piedade.

Em 1869, San Telmo se tornou um dos bairros mais populosos da cidade de Buenos Aires. De uma população total de 177.787 pessoas residia no San Telmo 12.329 indivíduos, dos quais 6588 eram argentinos.

A edificação adquirira grande importância. Num total de 1283 casas, predominaram as casas de material de um corpo com terraço; mas também era possível ver casas de material com telhado de telha, casas de madeira e ranchos de adobe com telhado de colmo.

Em 1869, a cidade de Buenos Aires foi dividida em treze tribunais e paróquias. A jurisdição do Tribunal a e da Paróquia de San Pedro González Telmo foi delimitada pelas seguintes ruas: Martín García, Bolívar, Caseros, Chacabuco e México. É necessário ressaltar que, pela primeira vez, desde a fundação da cidade de Buenos Aires, as fronteiras civis, policiais e eclesiásticas de San Telmo coincidiram.

Finalmente, neste bairro populoso, dinâmico e tradicional de Buenos Aires, limitado na época pelas ruas Martín García, Chacabuco e México, nele penetrou e se espalhou no início de 1871 o terrível flagelo da febre amarela, que dizimou sua população. Naquele ano trágico, San Telmo se tornou o bairro mártir da cidade de Buenos Aires.

 

 

fonte:

  • Iglesia San Pedro González Telmo – Nora Bazzi Figueroa de Pérez Alen (1)
  • Los Límites Primitivos de San Telmo – Dr. Rafael Berruti (2)
  • Los hospitales coloniales- Federico Pérgola (3)
  • www.revisionistas.com.ar

Igreja San de Ignacio de Loyola – PARTE IV: Projeto de Restauração Patrimonial

A igreja foi salva graças à reação do padre Francisco Delamer, que numa manhã de 2003, cortou a rua Bolivar aos gritos e os braços em alto para que não passassem mais ônibus.

Desde maio de 2003, uma estrutura metálica sustentou sua fachada por quatro anos ante a possibilidade de um colapso do edifício histórico, que data do final do século XVIII. As estruturas foram colocadas preventivamente como resultado das rachaduras sofridas pela igreja devido à ruptura do cano, que também afetou a fundação onde os fundamentos da fachada atingem.

Após as rachaduras que a igreja sofreu por causa da quebra de um cano, causou a inundação dos túneis históricos subterrâneos que atravessam a igreja, e afetando obviamente também os fundamentos da fachada. Por outro lado, o trânsito de ônibus e caminhões, que circulavam na rua Bolívar, contribuiu para essa deterioração.

Neste post veremos em detalhes o trabalho de restauração e conservação realizado por um grupo de especialistas que permitiu recuperar esse belíssimo Patrimônio Histórico: A primeira igreja construída na cidade de Buenos Aires.

Em 2007, iniciou-se um plano de restauração para este Monumento Histórico Nacional, que duraria três anos. Esse plano teve cinco etapas: consolidação estrutural; renovação e adaptação tecnológica; reabilitação e aprimoramento de fachadas, telhados, cúpulas e torres; tratamentos de espaços interiores e tratamentos de bens móveis. Continue lendo “Igreja San de Ignacio de Loyola – PARTE IV: Projeto de Restauração Patrimonial”

FAENA ART CENTER – PARTE III: Museu? … Galeria de arte?… Centro cultural?

A pérola do Distrito da Arte de Alan Faena, no cais 3 de Puerto Madero, é o Centro de Arte de Faena que funciona como um centro de experimentação e exposição aberto às expressões artísticas de vanguarda em Buenos Aires. Foi concebido como um espaço de experimentação para promover o cruzamento de expressões disciplinares, combinando arte, tecnologia e design, com exposições temporárias.

O Arts Center está localizado na antiga sala de máquinas de um moinho de farinha, recuperado através de um projeto do estúdio McCormack Asociados. Continue lendo “FAENA ART CENTER – PARTE III: Museu? … Galeria de arte?… Centro cultural?”

FAENA ART CENTER – PARTE II: Uma Catedral em Puerto Madero

O que costumava ser a casa das máquinas do antigo Moinho foi recuperado preservando o seu carácter original, para servir de centro de experimentação e exposição que apoie as mais recentes e ousadas formas de criatividade.

A primeira exposição neste novo centro foi a mostra do artista brasileiro Ernesto Neto, onde ele apresentou uma escultura pingente intitulada “O Bicho suspenso na Paisagem”, feita de um enorme emaranhado de malha de crochê pendurado no teto da sala principal do centro cultural. Continue lendo “FAENA ART CENTER – PARTE II: Uma Catedral em Puerto Madero”

Igreja San de Ignacio de Loyola – PARTE III: O Templo e seu acervo religioso

La Manzana de las Luces é um dos principais museus históricos do centro de Buenos Aires e recebe milhares de visitantes interessados em aprender sobre a história da cidade.

A Igreja de San Ignacio de Loyola, em Buenos Aires, foi construída pelos jesuítas no bairro de Monserrat, em Buenos Aires. Possui características em sua arquitetura que merecem destaque e que o tornam um edifício único.

Na última restauração, elementos originais foram recuperados e a igreja voltou a brilhar em todo o seu esplendor. Totalmente restaurado, por dentro e por fora, é um dos ativos históricos mais bem preservados da Argentina. Continue lendo “Igreja San de Ignacio de Loyola – PARTE III: O Templo e seu acervo religioso”

Igreja San Pedro González Telmo – Parte III: O Templo

Argentina_Patrimônio_Iglesia_Jesuítas_Belen_Bethlemitas_Zanjón Granados_Buenos Aires_ Plaza_Dorrego_Praça_Feira_Feria_San Telmo_Hospital

O começo da construção desta igreja é muito antigo, em outubro de 1734,  sendo fundada em primeiro lugar pelos frades Jesuítas. O risco do templo como a residência erguida do lado ficou a cargo do arquiteto irmão Blanqui, autor de muitos templos na época. Os ornamentos, carpintaria e marcenaria ficaram nas mãos do irmão  jesuíta José Schmidt. A comparação com a outra igreja jesuíta em Buenos Aires (San Ignacio de Loyola, no bairro de Monserrat), resulta inevitável … para surpresa de muitos a igreja de San Telmo é muito maior.

Vamos conhecer neste post o interior deste templo, que acompanhou o nascimento e desenvolvimento do antigo arraial de San Pedro, para transformar-se no centro de referencia espiritual do atual bairro de San Telmo, um dos bairros mais adorados pelo turismo internacional. Continue lendo “Igreja San Pedro González Telmo – Parte III: O Templo”

Igreja San de Ignacio de Loyola – PARTE II: Os primeiros jesuítas que chegaram a Buenos Aires

A primeira igreja de Buenos Aires foi erguida em 1608 no terreno que atualmente ocupa a Praça de Maio, na frente do Forte Real. No começo esteve sob a invocação de Nossa Senhora de Loreto. Dois anos mais tarde, sendo beatificado o santo em 1610, mudou seu nome para San Ignacio de Loyola. Lá eles permanecem algo mais de 50 anos. Embora a maioria dos edifícios juntos ao forte tenha sido demolida, a capela continuou em atividade até 1675, ano em que mudou-se para o local atual, na chamada Manzana de las Luces.

O edifício atual começou a construção em 1712, embora retenha partes da construção anterior, foi desenhado pelo arquiteto jesuíta Juan Krauss. A conclusão das obras em 1722 deve-se aos arquitetos jesuítas Andrés Bianchi e Juan Bautista Prímoli.

Neste post vamos analisar a fachada do tempo, mas também lembrar a chegada dos primeiros jesuítas a Buenos Aires e a chegada do primeiro Papa Jesuíta ao Vaticano: O Papa Francisco, o primeiro pontífice não europeu em mais de 1200 anos.

Continue lendo “Igreja San de Ignacio de Loyola – PARTE II: Os primeiros jesuítas que chegaram a Buenos Aires”

Igreja San Pedro González Telmo – Parte II: Fachada e Historia

Argentina_Patrimônio_Iglesia_Jesuítas_Belen_Bethlemitas_Zanjón Granados_Buenos Aires_ Plaza_Dorrego_Praça_Feira_Feria_San Telmo_Hospital

Os jesuítas estabelecidos na igreja de San Ignacio de Loyola fundaram sua segunda sede aqui, iniciando a evangelização do bairro incipiente da era colonial, quando San Telmo era conhecido com o nome de “Altos de San Pedro” ou “Ex-Mercado de Carretas”,  onde os viajantes pararam para descansar e dar de beber aos bois, antes de atravessar o Zanjón de Granados e entrar finalmente na cidade de Buenos Aires.

Em 1734, começou a construção da capela e foi em honor a Nuestra Señora de Belén. Em 1795 quando os jesuítas foram expulsos o local foi ocupado pelos frades Bethlemitas, uma irmandade muito ligada aos hospitais, tendo fundando um hospital na antiga residência dos jesuítas, eles assumiram a igreja.

A fachada de estilo italiano foi inspirada na Igreja dos Santos Vincenzo ed Anastasio, em Roma. O arquiteto desconhecido simplificou o conjunto de tímpanos que é uma das características dessa fachada, sem a coerência do modelo original. Foi alterado nas décadas do pintoresquismo (as duas primeiras décadas do século XX), pelo estilo colonial que é vista hoje.

Em uma intervenção que distorceu as características coloniais, a fachada foi completamente transformada por Pelayo Sainz em 1931, de acordo com um projeto neocolonial. Continue lendo “Igreja San Pedro González Telmo – Parte II: Fachada e Historia”

Igreja de São Juan Bautista de Betharram – Parte III: O Templo e o Convento

Bairrro_Monserrat_Buenos_Aires_Argentina_Iglesia_Patrimonio_Cultural_Religioso_ San_Telmo_Historico_Clarisas_Capuchinas_Clarissas_Capuchinhas_Betharram_Assis_Bayoneses

Bem antes da chegada dos Padres Bayoneses em 1856, a igreja acolheu um grupo de Freiras Capuchinas que vinheram de Santiago do Chile, elas construíram do lado da igreja o Convento de Nossa Senhora do Pilar das Freiras Capuchinha, em 174 7. Os únicos dois mosteiros de clausura que Buenos Aires possuía durante o período colonial foram: Santa Catalina de Sena, das freiras dominicanas – “calzadas” – e Nossa Senhora do Pilar, de freiras capuchinas – “descalzas” -.

Vamos conhecer nesta postagem o Interior do Templo e o Convento que em parte foi demolido. Por sua vez a igreja foi vitima de incêndio e roubo prejudicando consideravelmente seu acervo. Continue lendo “Igreja de São Juan Bautista de Betharram – Parte III: O Templo e o Convento”

Igreja de São Juan Bautista de Betharram – Parte II: Historia e Fachada

Bairrro_Monserrat_Buenos_Aires_Argentina_Iglesia_Patrimonio_Cultural_Religioso_ San_Telmo_Historico_Clarisas_Capuchinas_Clarissas_Capuchinhas_Betharram_Assis_Bayoneses_Convento_Mosteiro_Invasões _Inglesas_ Fachada

Bairrro_Monserrat_Buenos_Aires_Argentina_Iglesia_Patrimonio_Cultural_Religioso_ San_Telmo_Historico_Clarisas_Capuchinas_Clarissas_Capuchinhas_Betharram_Assis_Bayoneses_Convento_MosteiroMonserrat sedia a praça más importante da Argentina, a Plaza de Mayo, por tanto, a vida do bairro iniciou-se no primeiríssimo começo do nascimento da Cidade. O bairro de Monserrat vai ate a Av. Rivadavia pelo qual inclui a Casa Rosada e todos os edifícios históricos na famosa Av. de Maio, ate a praça e Congresso da Nação.

A Igreja de San Juan Bautista está localizada a poucos quarteirões da “Manzana da las luces”, sobre a mesma rua, Alsina.

Em 1646, a primitiva capela surgiu como local de oração, o “Curato de Indios” e escravos. Monserrat era conhecido como o “Bairro do Tambor” sendo no começos bairro de marginais, famoso por sua música, candombes e carnavais. Do outro lado da praça de Maio, o bairro de São Nicolas se ergueria como o mais abastado da sociedade portenha.

No século seguinte, os catalães e bascos estabelecidos na zona construíram una capela dedicada a Nossa Senhora de Montserrat (atual Igreja de Montserrat), evocação da Virgem venerada em Cataluña.

Na igreja de San Juan Bautista também tomaram conta os bascos, havia grande imigração dos nascidos no Pais Basco (norte da Espanha), que foram ao templo para assistir à missa. Por esse motivo, os Padres da Ordem do Sagrado Coração ou Padres Bayoneses ou Padres de Betharram chegaram aqui em 1856. E ahi que a Igreja San Juan Bautista ganha seu último sobrenome. Continue lendo “Igreja de São Juan Bautista de Betharram – Parte II: Historia e Fachada”