TACONEANDO: A casa de show fundada pela atriz Beba Bidart no coração de San Telmo

Beba Bidart, loira e carismática, com espírito arrabalero e linguagem lunfardo, Beba brilhou como uma das figuras femininas mais relevantes da cena cidadana: estreou no cinema aos 20 anos e rodou 34 filmes ao longo de cinco décadas, gravou trinta tangos e atuou nos teatros mais importantes do país.

Em 1979 criou um espaço de tango chamado Taconeando onde além de assistir ao show, o público acabava dançando no na pista principal. Beba cantou lá até a última noite de sua vida. Ele faleceu em 1994 e seu filho espalhou as cinzas naquele quarteirão. Um ano depois, a Prefeitura chamou aquela esquina de San Telmo de “a calçada de Beba Bidart”.

Taconeando

Balcarce 725


No coração de San Telmo, onde existem as casas de tango mais importantes, há um espaço íntimo que oferece um show de tango que conta a história do tango desde os compadritos dos antigos subúrbios até o tango moderno de Astor Piazzolla.

Em 14 de fevereiro de 1931, a orquestra de Pedro Mafia, com versos de Horacio Staffolani, estreou no Teatro San Martín um tango que se tornaria um clássico: Taconeando, uma milonga de tango fortemente rítmica, especial para dançar. A partir daí, este tango seria o preferido de inúmeros intérpretes e assim surgiram diferentes versões como as de Carlos Gardel ou Aníbal Troilo.

Em agosto de 1979, Beba Bidart inaugurou o “Taconeando”, um espaço de tango charmoso, tornando-se um reduto de tangueros e amantes desta música bela e sensual. Trouxe uma novidade: além do espetáculo artístico, a possibilidade do público dançar.

Planta real da casa: o que você vê em cores diferentes são as plataformas que estão a 30 e 60 cm do solo. O salão não tem colunas e isso torna todos os lugares em ótimas opções. Em 2007 as instalações foram ampliadas com a adição de mais andares, melhorando a infraestrutura interna e externa da casa.

Após a morte de Beba em 1994 e má gestão dos herdeiros, Miguel Ángel Battista assumiu o lugar em 1999. Ao longo dos anos, a Rua Balcarce entre o Chile e a Rua San Lorenzo foi chamada de “La Vereda de Beba”, em homenagem a uma grande mulher, criadora do um ótimo espaço de cultura popular.

Taconeando continua sendo um clássico consagrado das noites portenhas. Possui gastronomia de primeira classe com grande variedade de entradas, pratos principais e sobremesas do chef da casa.

“Taconeando” já é um clássico da vida noturna de Buenos Aires, um dos lugares mais típicos onde a música, a dança e o canto brilham com suas próprias luzes.

Show de Tango


O espetáculo homenageia os grandes compositores e autores de tango deste século, desde o nosso grande Carlos Gardel, até o final com Astor Piazolla, com sua “Balada para un loco” e “Libertango”.

Após o jantar poderá desfrutar de um excelente espetáculo, com a atuação de uma orquestra de 4 músicos, 7 casais de dança e 3 cantores; entre eles Daniel Olivera que o convida a viver um momento de puro prazer e lhe transmitirá um pedacinho da idiossincrasia de Buenos Aires para levar para casa como lembrança.

O show é de uma hora e quarenta minutos. É um desfile de imagens, luzes, sons, músicas, danças e cantos a partir de uma releitura da história do tango, combinando o clássico e o moderno por meio de uma homenagem aos autores e compositores do gênero e como toque final … uma dança onde o público é o protagonista principal.

Como toque final, ocorre um baile onde o público é a estrela da noite, em memória da querida Beba Bidart, dançarina, atriz e cantora, que com seu grande carisma e gentileza, fez de Taconeando um reduto de tangueros e dançarinos que ainda permanece vigente.

Beba Bidart


Beba Bidart, el “Gorrión de Buenos Aires”

Foi atriz, dançarina, empresária, tornou-se uma das figuras de maior destaque no meio artístico. Começou a carreira como vedette no Teatro Maipo, estreou-se no cinema aos 20 anos, rodou 34 filmes ao longo de cinco décadas e lançou-se como cantora de tango.

De porte mundano e sabor nostálgico, Beba Bidart foi, sem dúvida, sinônimo de mulher rioplatense. Recebeu o apelido de “Gorrión de Buenos Aires”, alusivo a Edith Piaf, certamente, por seu estilo expressivo.

Beba Bidart fez perto de trinta gravações de tango acompanhada por orquestras destacam-se suas interpretações de “Me bautizaron milonga”, “El firulete”, “La milonga y yo” (letra de sua autoria) e “Ventarrón”. Estreou-se no cinema no flime “Los pulpos”, em 1948, seguido de mais de trinta filmes.

No teatro apresentou-se em obras de tango como “Tu cuna un conventillo”, “Somos del dos por cuatro” e “Una noche en Buenos Aires”. A Beba formou sua voz para cantar seus primeiros tangos com grandes orquestras como Francisco Canaro, Color Tango e o Yumba Trio. Por força de vontade, estudo e talento, conseguiu gravar mais de trinta tangos. Sem ser uma grande cantora, ela começou a se misturar com as deusas do tango da sua época: Tita Merello, Elba Berón, Virginia Luque.

Tito Lusiardo e Carlos Gardel no filme “Tango Bar”

Além de atuar e cantar, Beba Bidart era uma grande dançarina de tango e seu parceiro mais famoso foi Tito Lusiardo, com quem dançavam um estilo particular de milonga chamado: “cabeça a cabeça”. Tito Lusiardo, assim como Beba, foi ator e dançarino apaixonado pelo tango, teve uma extensa carreira no cinema totalizando mais de cinquenta filmes rodados, entre eles “El día que me quieras” e “Tango Bar”, com Carlos Gardel rodados em Nova York.

Com sua parceira de dança Beba Bidart trabalharam juntos na peça Yo canto a mi Argentina, apresentada no teatro Avenida.

Beba Bidart manteve um relacionamento de mais de 12 anos com o animador Cacho Fontana e após a separação adotou um menino a quem deu seu sobrenome e batizou de Paulo.

Paulo Bidart é hoje bailarino, coreógrafo e diretor da Escola de Tango “Beba Bidart”.

Em 2 de novembro de 1991, José Gobello e Sebastián Piana a propuseram para ingressar e ser membro da Academia Porteña del Lunfardo. Morreu de infarto no dia 27 de agosto de 1994, após ter cumprido sua função habitual em Taconeando, no mesmo dia em que faleceu outra figura ícone do tango, Roberto “El Polaco” Goyeneche.

O passeio do Tango em San Telmo


O atual dono de Taconendo, uma das casas de tango mais antigas e emblemáticas do bairro de San Telmo, além de lutar para manter viva a tradição musical, agora busca um significado ainda maior: El paseo del Tango. Por isso Miguel Ángel Battista apresentou um projeto que consiste na colocação de estátuas dos mais importantes artistas do tango argentino. Assim como o bairro tem passeio de história em quadrinhos, neste caso procura representar as figuras de: Juan D´Arienzo na calçada do tango La Ventana; Astor Piazzolla em Michelangelo; Mariano Mores onde nasceu (Chile e Balcarce) e Edmundo Rivero em El viejo Almacén. “Agora queremos que Balcarce seja uma calçada para pedestres entre a rua Chile e a rua Independência e conseguir colocar um deck de madeira para com mesas e cadeiras e montar as milongas na rua, comenta Miguel Angel Batista, dono do Taconeando e autor da ideia.

Mas infelizmente em 2014, logo após a inauguração de uma escultura de Beba Bidart na porta do Taconeando, ela foi inesperadamente roubada.

A escultura foi feita pelo escultor Eduardo Carlos Noé e esse dia esteve presente, juntamente com o Ministro da Cultura do Governo de Buenos Aires, o filho de Beba, Paulo Bidart, acompanhado da esposa e filhos e outras personalidades e admiradores.

Como explicou Miguel Angel Batista, dois indivíduos subiram na calçada com um carro para derrubar a escultura e a carregaram no porta-malas para retirá-la, mas o pessoal da 2ª delegacia conseguiu pegar os ladrões, que escapava com a estátua, na esquina da Defensa com o Chile. Os vândalos foram pegos a poucos metros do local, para surpresa de todos, os ladrões eram membros das Forças de Segurança.

 

fonte

  • http://taconeando.com/la-cena.html
  • https://www.buenosaires.travel/tango-taconeando/
  • http://www.tangoymilonga.com.ar/noticias2014/escultura_beba.html
  • http://www.magicasruinas.com.ar/revistero/locales/tito-lusiardo.htm

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.