Museu de Belas Artes Benito Quinquela Martín (MBQM) no bairro de La Boca

Benito Quinquela Martín foi um dos protagonistas da renovação que as artes plásticas do país viveram a partir da década de 1920 e que deram frutos em uma época de ouro da pintura argentina.  Pintor e muralista argentino, principal membro do grupo de pintores de La Boca, o bairro portuário de Buenos Aires em que nasceu e ao qual sempre permaneceria ligado. Com um estilo naturalista, o tema de sua obra girava, sobretudo, em torno de navios e portos, capturando igualmente a beleza de suas impressões e as duras condições de trabalho.

O acervo do museu (MBQM) esta conformado por uma ampla coleção de obras de artistas argentinos. O museu foi preenchido com óleos, aquarelas, pastéis, templos e pinturas de têmpera feitas em tela, papel e madeira; esculturas em pedra, bronze, como assim também gravuras e desenhos feitos com os mais variados procedimentos. Cerca de 5.000 peças compõem a coleção de fotografias digitalizadas.

O Museu de Belas Artes de La Boca oferece a possibilidade de conhecer a extensa obra artística de Quinquela Martín. O último andar tem a modalidade de Casa Museu, pois trata-se da própria casa e atelier do pintor, com amplos terraços que atuam como sala de exibição da importante mostra escultórica do museu.

Museu de Belas Artes de La Boca (MBQM)


A distribuição das obras nos diferentes espaços do museu também nos fala sobre a maneira como Quinquela ia estruturando sua coleção de arte argentina. Havia espaços especialmente projetados para as várias disciplinas. Uma sala foi atribuída às talhas de madeira da proa dos barcos “mascarones”, outra agrupou desenhos e gravuras e, nos lugares maiores, coexistiram pinturas e esculturas.

Ao abrir suas portas em 1938, o museu já possuía cerca de quinhentas obras organizadas em cinco salas, e a partir desse momento inicial é evidente a impressão “argentina” projetada por seu criador. Assim, seguindo o itinerário das primeiras aquisições realizadas, observamos que um ano antes da inauguração do museu, já haviam sido obtidas obras de Ciocchini, Perlotti, Lagos e Gramajo Gutiérrez, entre outras. Nesse mesmo ano, foram incorporadas uma paisagem montanhosa de Eduardo Taladrid e uma paisagem de Luis Tessandori.

Vista geral do Complexo Quinquelanio no bairra de La Boca

A hierarquia do museu também considerava a possibilidade de exibir a riqueza e variedade de disciplinas, técnicas e tendências artísticas. Assim, foi feita uma tentativa de educar os alunos e o público no conhecimento dos mecanismos e processos que formam a arte. E para a consecução desses objetivos, o museu foi preenchido com óleos, aquarelas, pastéis, templos e pinturas de têmpera feitas em tela, papel e madeira; esculturas em pedra, bronze, cimento e madeira foram incorporadas; como assim também gravuras e desenhos feitos com os mais variados procedimentos.

Cerca de 5.000 peças compõem a coleção de fotografias, incluindo fotos de obras, fotos sociais, fotos do bairro, entre outras. O arquivo está quase totalmente digitalizado (em 2003 a digitalização dos documentos começou e culminou em 2008).

No térreo do museu  esta a recepção e a loja, bem como a administração e seus escritórios. O museu tem 3 níveis. Para acessar as salas que estão no 2º e 3º nível pode ser feito por escadas ou por um elevador.

Segundo Andar


Já no segundo nível, entra-se na sala de arte argentina Alfredo Lazzari, um espaço amplo que leva a outros espaços que se distinguem  e dividem principalmente por causa das cores. A sala Alfredo Lazzari é grande, confortável de se movimentar.

Nesta sala você pode ver um panorama da arte figurativa argentina do final do século XIX até meados do século XX. Obras de grandes artistas, consideradas iniciadoras e precursoras das artes plásticas no país e também com obras de renomados artistas contemporâneos que atualmente doam suas obras para aumentar o vasta acervo do museu.

Sala Américo Bonetti


O nome do Salão foi homenageado por um renomado escultor de Boca, especializado na técnica de talha em madeira. Conformado por sua vasta produção, gravou inúmeras imagens para igrejas, incluindo San Pedro de La Boca, San Juan Evangelista e Nuestra Señora de la Guardia, em Bernal.

A maioria das máscaras que fazem parte da coleção foi construída no bairro de La Boca em meados e no final do século XIX

Na Sala Américo Bonetti são exibidas peças que foram usadas como desenhos esculturais nos barcos. Esses objetos acabaram se tornando obras de arte que foram coletadas por Quinquela Martín e testemunham a realidade do Bairro de La Boca em meados e no final do século XIX. No caso das peças mantidas no museu, as obras mostram a realidade do bairro de La Boca nos tempos em que funcionou como porto natural da cidade até o início do século XX, para depois se tornar o centro principal de construção naval no país e porto mercante de Buenos Aires.

Esses objetos, que com o tempo se tornaram obras de arte, foram coletados por Quinquela Martín. Embora a data em que começou a ser coletada não possa ser especificada, na época da abertura do museu, já havia um número significativo que foi aumentado com as doações subsequentes.

Mascarones


A tradição marítima dos imigrantes era vista em seus trabalhos, em seus costumes, na gastronomia, até em suas casas de madeira e chapas de metal sobre palafitas, em busca de conviver com as habituais inundações que aconteciam no bairro de La Boca.

Mas elas não são as únicas tradições que moldaram o bairro. Das mãos de carpinteiros, entalhadores e escultores, a tradição artística boquense começou a tomar forma. Os navios eram “decorados” com figuras emblemáticas, pedaços de madeira esculpidos que eram colocados nas proas dos navios que atracavam por aqui: goletas, balandras e pailebotes eram os mais característicos.

O olhar inteligente do colecionador Quinquela também é evidente no conjunto de mascarones que o artista resgatou do esquecimento, em momentos em que essas peças geralmente não eram consideradas “obras de arte”. Tradição originária de vários séculos atrás que dava identidade aos barcos, a maioria dessas figuras foi feita por mãos anônimas. Em geral, eram peças figurativas e policromáticas, algumas representando figuras mitológicas, como divindades e demônios que, provenientes de tradições antigas, desempenharam o papel de protetores do navio e de sua tripulação em suas viagens pelos rios e mares. O tempo e os diversos contextos socioculturais foram modificando e incorporando outras figuras a essas representações; em La Boca, o universo folclórico e cotidiano coexistia com semideuses, alegorias, símbolos nacionais e personagens históricos. Muitas vezes, nessas esculturas, notava-se uma mulher local, esposa e filhos de algum capitão, entre outras figuras populares.

Pouco se sabe sobre as mãos que criaram esses objetos misteriosos e pitorescos, e poucos deles foram preservados ao longo do tempo. A coleção do museu abriga 32 dessas primeiras expressões artísticas do bairro. Quinquela Martín soube reconhecer sua importância como objetos artísticos e patrimoniais e, em 1935, ele já possuía mais de vinte mascarones. Essa coleção, posteriormente doada ao estado nacional, foi configurada como uma das mais importantes da América Latina.

Quinquela procurou preservar essas peças porque as considerava elementos identificativos e representativos do bairro de La Boca. Por esse motivo, dispõe um espaço no Museu de Belas Artes de Artistas Argentinos para exibi-los. Acredita-se que algumas dessas esculturas tenham sido feitas pelas mãos de um dos primeiros imigrantes italianos a se instalar nas margens do Riachuelo: Francisco Parodi. Ele foi o primeiro artista e professor cujo nome ficou na memória e, segundo alguns autores, professor de outros dois futuros grandes escultores: Francisco Cafferata e Américo Bonetti.

Em 1937, um representante do Museu de Arte Naval dos Estados Unidos, Mr. Alexander, queria comprar a Quinquela toda a coleção de mascarones. O artista recusou categoricamente a venda, alegando “sentimentos patrióticos elementares”.

As máscaras frequentemente representavam o nome do barco ao qual pertenciam. Eles estavam localizados no topo da proa, sob o gurupés. Os mascarones que têm costas têm o formato de um instrumento musical. O encosto nasce na voluta, sob a qual a cabeça do mascarón ou imagem principal é colocada e continua da parte de trás até a base do mascarón. Assemelha-se ao braço do instrumento musical que também termina em uma forma esculpida.

Depois que a peça era esculpida em madeira, os mascarones eram revestidos com uma fórmula de masilla, consistindo de talco com óleo de linhaça cozido. Na massa, ainda fresca, as texturas eram impressas ou moldadas. Uma vez seca, a cor era aplicada. Um exemplo disso é o mascarón “Comércio Concórdia”, com os retratos de duas crianças segurando um escudo.

Um dos mascarones personifica uma mulher guerreira em traje de combate, cuja alegoria recorre a formas clássicas. Segundo Pozzo Ardizzi, seu proprietário, um antigo navegador de sobrenome Capurro, ascendente do escultor Roberto Capurro, teve seu mascarón esculpido em seu pailebot, o qual conservou ate o final. Quando ele vendeu o barco, ele o colocou em frente à sua loja que instalou em La Boca, e quando ele morreu tinha o mascarón em seu quarto, com a ordem de que fosse entregue a Quinquela Martín como lembrança. O nome desse mascarón é : Fama Italiana.

Na coleção MBQM, a maioria dos mascarones são anônimos, criados por entalhadores e artesãos. Alguns são de Amércico Bonetti, outro é atribuído a Francisco Parodi e outro, intitulado “La República”, criado para a famosa Fragata Presidente Sarmiento (foi colocado por ocasião da viagem instrucional N32 dos cadetes graduados na Escola Naval). No Museu é exibido o modelo da referida máscara construída por Lino Grilli.

Os vizinhos recebem a visita da Fragata Sarmiento no porto de La Boca

Exposições temporárias


Na Sala Victorica do museu e, às vezes, por uma questão de espaço, também na sala Alfredo Lázzari, são realizadas exposições de grandes mestres da arte argentina, contemporâneos e artistas emergentes, a fim de vincular a tradição representada pelas obras patrimoniais com produções mais contemporâneas.

Vista desde a janela da Sala Américo Bonetti. A iluminação natural é mais visível em uma parte da sala de mascarones, enquanto no restante é artificial e bem distribuída

A Casa Museu


A casa de Quinquela, no último andar, que hoje é o museu da casa, foi doada pelo pintor em uma entrega simbólica em 15 de fevereiro de 1968 e foi o próprio Quinquela quem detalhou tudo o que seria exposto ao público.

Se continuarmos à esquerda, veremos a cozinha, que não pode ser acessada, mas pode ser vista de fora. Também veremos os acessos ao terraço. À esquerda da cozinha e ao lado do elevador, quase esquecida, em um canto, está a prensa de xilografia de Quinquela.

A casa Museu de Benito Quinquela Martin esta localizado no último andar do prédio, na casa onde o pintor morava. Aqui são exibidos objetos pessoais e grande parte de sua produção artística. Suas obras são exibidas agrupadas em três séries: O Porto e a Obra, O Incêndio e o Cemitério dos Navios.

Terraços de escultura


Nos quatro terraços, existem obras do final do século XIX a meados do século XX. Ali são exibidas esculturas de artistas figurativos que trabalharam independentemente das tendências dominantes, como Agustín Riganelli, Pedro Zonza Briano, Rogelio Yrurtia e Francisco Cafferata. Lucio Correa Morales, Orlando Stagnaro, Luis Perlotti, Arturo Dresco e Américo Bonetti, entre outros.

Em uma das últimas extensões do museu, Quinquela abriu um espaço diferente para as esculturas: os grandes terraços do edifício

Todas as aquisições recentes de museus são doações. O MBQM não possui uma política de compras para adquirir novas obras de arte. Nos últimos três anos e meio, o museu teve pouco mais de 100 novas aquisições que aumentaram o seu acervo. Foram incorporadas obras de artistas nacionais que não tenham sido incluídos na coleção do museu, como Demetrio Urruchúa, Héctor Tessarolo, um conjunto de obras de Adolfo De Ferrari e outros de artistas que foram doados ao MBQM.

Em 31 de março de 2011,o museu  foi declarado Monumento Histórico Nacional. O processo de conversão do museu -escola em patrimônio histórico começou em 2008, com a intervenção do Ministério da Educação da cidade e, posteriormente, da Comissão Nacional de Monumentos.

 

 

fonte:

  • https://www.buenosaires.gob.ar/museoquinquelamartin
  • El museo de La Boca. El museo de Quinquela – Lic. Víctor G. Fernández. Director MBQM
  • http://fundacionquinquela.org.ar/

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.