MERCADO de SAN CRISTÓBAL: O mercado mais antigo da cidade de Buenos Aires

No cruzamento das avenidas Independencia e Entre Ríos funciona o centro comercial mais antigo da cidade, fundado em 1882, onde coexistem feiras americanas, açougues, antiquários e muitas outras surpresas.

Não é um local tipicamente turístico. O edifício atual foi construído sob o projeto do famoso estúdio de arquitetura SEPRA, autor de centenas de projetos que transformaram a cara de Buenos Aires. As 180 lojas do mercado atendem às necessidades dos moradores do bairro, já o Bar Gardel é um estabelecimento que ocupa a mesma esquina há muitos anos e desde a década de 1930 era conhecido como “Bar Gardel”.

Breve história do bairro


Quando foi criada a freguesia de San Cristóbal, a 28 de Junho de 1869, eram os tempos em que se fazia a divisão dos municípios tomando como referência o terreno em redor da igreja matriz. Para cumprir esta diretriz, foi necessária a construção de um templo na atual Av. Jujuy entre San Juan e Cochabamba, que só foi bento em 10 de fevereiro de 1884, com a presença do Presidente Julio A. Roca.

Nessa época, essa área de quintos viu sua população aumentar rapidamente, enquanto suas ruas começaram a se delinear e suas primeiras casas foram construídas. O terreno desta freguesia seria imenso, uma vez que abrangia toda a metade sul da freguesia de Balvanera, cuja sede era a Igreja Nossa Senhora de Balvanera.

O prédio que vemos hoje é um conjunto de ondas em tijolo que chama a atenção entre os edifícios altos que as rodeiam. As duas entradas públicas estão na Av. Entre Ríos e a entrada principal de carga, na Av. Independência.

Naquela época, o bairro de San Cristobal ocupava uma grande área de fazendas para o cultivo de hortaliças e alfafa e era atravessado pelo chamado Tren de las Basuras (Trem do lixo), braço do FC del Oeste que transportava todos os resíduos de Buenos Aires para as Queimadas Municipais. Ele correu ao longo da diagonal atual de Oruro e funcionou entre 1866 e 1895.

Em 1887, a população do bairro passou de 3.171 habitantes para 37.765, o que a tornou a área da cidade com o maior aumento populacional em dezoito anos, um terço dos quais eram estrangeiros. Na década de 1880 o bairro já possuía algumas ruas de paralelepípedos como Entre Ríos, San Juan e, principalmente La Rioja, que chegou a ser conhecida pelo nome de Florida del sur.

O progresso estava vindo rapidamente, de fato, importantes indústrias privadas foram instaladas em San Cristóbal, como a fábrica de água com gás La Argentina, a fábrica de leite La Vascongada ou as Oficinas Metalúrgicas de Vasena.

O mercado mais importante de todos foi o Mercado Italiano, que foi inaugurado em julho de 1895 e atualmente não é utilizado

A primeira feira de alimentos do bairro foi o El Mercado Italiano, construído em 1886 no pulmão dos blocos Catamarca, Constitución, Esteban de Luca e Pavón, possui uma área de 3.278 m², constituindo um edifício de grande porte arquitetônico e valor cultural de San Cristóbal.

Situa-se num quarteirão com características muito particulares, tem 4 acessos diferentes, através de 4 ruas diferentes e uma área central de 40 metros por 40 metros. O Mercado Italiano parou de funcionar há cerca de 4 décadas como tal, com a consequência de ter um setor do bairro muito importante, deprimido e em risco iminente de ser usurpado. Os vizinhos pretendem dar-lhe vida através de um projeto para desenvolver neste espaço atividades comerciais, gastronômicas, residências, escritórios, etc.

Foi projetada pelo arquiteto Tobares Dagostino e seu proprietário original foi Leandro Gómez. Foi batizado como “italiano” porque na redondeza 167 imigrantes italianos moravam nesse bloco do bairro.

Ex Mercado 9 de Julio (Av. San Juan 2379)

San Cristóbal soube ter muitos mercados de abastecimento entre os quais se destacaram os desaparecidos Abundancia (Carlos Calvo 3028), Entre Ríos (Av. Entre Ríos 1269), Urquiza (Av. Independencia 3076), 25 de Mayo (Av. Independencia 2715) e Ex Mercado 9 de Julio (Av. San Juan 2379), que era dos muitos mercados abastecedores do bairro, funcionava em um prédio que ainda está de pé, hoje ocupado por um supermercado.

Mercado San Cristóbal


Treze anos após a designação de San Cristóbal (1869) como bairro, no ano de 1882 foi inaugurado o Mercado de San Cristobal, ao mesmo tempo que se fundava a estação ferroviária “11 de Septiembre” (atual Estación Once del Tren Sarmiento), no bairro vizinho de Balvanera.

Ainda foi antecessor dos mercados de Abasto (1889) e San Telmo (1897). O bairro, desta forma, teve primeiro seu mercado e depois seu templo, que foi inaugurado em fevereiro de 1884; situação excepcional em um vilarejo de Buenos Aires cujos bairros antigos assumiam o nome de uma paróquia.

A primeira grande estrutura do Mercado foi construída em 1887. Era de ferro e vidro largo, com telhado de duas águas parecido ao primeiro mercado de Abasto de Agüero e Corrientes.

Aquelas instalações ficavam dentro de uma galeria contínua que funcionava como envolvente no térreo. Nele estavam as barracas de carne e vegetais, além de um café, um restaurante e outras lojas. No andar superior, havia uma área para barracas itinerantes, localizadas em torno de um grande vazio central.

O novo prédio do Mercado


A tradição mercantil desta esquina portenha teve um ponto de inflexão quando em 1945 se decidiu pela construção de um novo edifício, projeto do famoso estúdio de arquitetura SEPRA.

O edifício é uma grande estrutura formada por três arcos de 17,20 metros de luz e 35 metros de comprimento, construídos em concreto armado
Ingresso de carga

O SEPRA foi um prolífico escritório de arquitetura argentino, formado em 1936 por Santiago Sánchez Elía, Federico Peralta Ramos e Alfredo Agostini (Estudo SEPRA, segundo as iniciais dos sobrenomes). Durante suas cinco décadas de existência, apresentou mais de mil projetos e foi responsável por alguns dos edifícios mais importantes e conhecidos de Buenos Aires e outras cidades do país.

O estudo SEPRA surgiu com os primeiros passos do Movimento Moderno na Argentina. O trabalho deste estudo, que conseguiu manter-se unido ao longo do tempo, é muito vasto e de sucesso comercial sustentado. A qualidade construtiva e a modernidade aparecem em aqueles edifícios de maior escala. O valor expressivo da estrutura emerge em várias de suas obras e será um tema central na trajetória do estudo; concreto armado, grandes vãos, amplas janelas são usados ​​em seus edifícios, às vezes combinados com materiais tradicionais como o tijolo.

Mercado San Cristóbal

O estúdio SEPRA foi fundado em 1936, uma das primeiras obras foi o projeto para o novo Mercado de São Cristóvão (1940-1945). Impressiona a carteira de obras executadas: Telefone do Estado em Buenos Aires (1951-1956 atual Edificio República), Município de Córdoba (1954-1958), Edifício Diario La Nación (1959), Banco de Londres (associado a Clorindo Testa, 1960), edifício Diario La Razón (1962), Sheraton Hotel (1972), Banco Nación em Tucumán (1978), etc.

Em 1988, o estudo foi dissolvido em três estudos (composto por três unidades autônomas que trabalham independentemente ou em associação): Sánchez Elía-SEPRA, Diego Peralta Ramos-SEPRA e Asociados e Beccar Varela-SEPRA.

Esquina Gardel


Bar Gardel é um estabelecimento que ocupa a mesma esquina há cem anos e que já desde a década de 1930 era conhecido como “Gardel Bar”.

O Gran Café Gardel  ficou conhecido por usar durante muito tempo um pôster com a imagem do Morocho de Abasto.

O Gardel Bar (agora Gran Café Gardel) está localizado nas dependências externas da ochava desde a década de 1930

O mercado por dentro


O mercado retém muito de sua função original. Há açougues, franguearias, embutidos, duas peixarias, barracas de frutas e verduras, locais onde se vendem celulares, algumas livrarias antiquadas, um sapateiro, dois bares. Mas parece que a grande maioria das barracas caiu nas mãos de antiquários, principalmente os do último andar, e de algumas lojas de roupas.

Nesse sentido, este mercado se assemelha ao de San Telmo, mas com menos turismo e menos glamour. A sua aparência sofreu o desgaste do tempo e continua a ser na sua essência: Um Mercado de Bairro.

Muitas barracas ainda têm balcões de mármore e câmaras frigoríficas de madeira, algumas delas muito bonitas, muito bem conservadas.

Toda essa efervescência mercantil bate de segunda a sábado, das oito da manhã às nove da noite. Na avenida Entre Ríos existem duas entradas para o piso principal do Mercado. Pela Av. Independência existe uma entrada de carga, com espaço para carros e caminhões; ali no alto há um frontispício bege com letras em relevo que dizem: “Mercado y Frigorífico San Cristóbal”.

Lá dentro, a maioria das lojas fica no andar térreo, enquanto várias dezenas estão localizadas no andar de cima. Esses corredores do andar de cima oferecem uma vista panorâmica onde fica exposta a essência mesclada do lugar. O espetáculo de luzes, contrastes, música distante e texturas concentra-se nesta vista, complementada pelos arcos interiores do edifício histórico.

Os vizinhos fazem seu passeio por barracas coloridas cheias de raridades, objetos de outros tempos e podem fazer as compras para a mesa do dia. Existem vários pontos de venda de comida como o “Abundante y Casero”, dirigido por Carlos que antes vendia comida online e agora apostou em ter um lugar dentro do Mercado.

Alguns frequentadores do Mercado San Cristóbal vão para atualizar o guarda-roupa. E para eles existem locais como o de Chavela. onde é possível ver jaquetas, chinelos, pulôveres e outras peças de roupa. “Aqui tem de tudo para que com alguns pesos você possa se abrigar”, diz a vizinha de Isla Maciel, que pega vários ônibus todos os dias da semana para chegar e atender a clientela. “Estou aqui há doze anos, bem que agora o meu neto me ajuda”, acrescenta com um sorriso.

Existem vários açougues, com seus balcões de mármore e geladeiras de madeira antigas. Alberto está no local 72 há 40 anos, de terça a sábado, e garante: “Mudou o bairro, mudou o mercado, mas continuo aqui, eu continuo sendo um trabalhador de San Cristóbal”.

Muitos outros vão em busca de itens colecionáveis. E com Toto eles podem conversar. Este morador de San Cristóbal, que mora a duas quadras do Mercado, é dono de “Lo de Violeta”. Tem de tudo, desde alfinetes antigos a fotos, relógios antigos, videocassetes e peças de reposição. Ele conta que no começo foi um hobby e depois levou a sério: “Eu tinha um contêiner com objetos decorativos, estava pensando em vender sozinho mas vi que davam muito pouco, por isso eu aluguei este lugar. Agora os vizinhos vêm e me trazem objetos para comprar ou vender”.

Essa paixão por colecionar tem vários adeptos no Mercado. Na outra ponta, Mónica dirige duas lojas, uma com objetos e roupas velhas e outra com bonecos antigos que estão em exibição e não à venda, são antigas representações de Mafalda, Hijitus e outras personagens nacionais. “Com o meu marido cada um de nós tem um emprego, mas à tarde atendemos aqui, é um segundo emprego onde combinamos o nosso prazer em colecionar”.

Protestos na rua do mercado

Em janeiro de 2021 o mercado foi encerrado pela Agência de Controlo Governamental (AGC) do governo de portenho. Após quatro meses de fechamento do mercado devido ao isolamento social imposto pela pandemia, foram somados dois meses de fechamento por problemas regulatórios. Foi muito tempo para as 180 famílias que vivem do trabalho.

“Eles nos fecharam por causa de obras que a administradora anterior nos cobrou e nunca fez. Dos 7 problemas, resolvemos seis, falta-nos o sétimo, que é o mais caro, o sistema de incêndio avaliado em 4 milhões de pesos”, comentam os donos de lojas, que fizeram protestos com placas nas portas do mercado para reclamar pela situação deles

Os trabalhadores fizeram o trabalho de restauração com as próprias mãos e depois de conciliar com a agência AGC conseguiram reativar o mercado em março de 2021.

 

fonte:

  • http://detallesdebuenosaires.blogspot.com/2011/02/parroquia-san-cristobal.html
  • https://buenosaireshistoria.org/juntas/junta-san-cristobal/
  • http://www.sintesiscomuna3.com.ar/amplia-nota.php?id_n=1254
  • https://buenosaireshistoria.org/juntas/junta-san-cristobal/
  • https://www.modernabuenosaires.org/arquitectos/santiago-sanchez-elia

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.