Igreja San José de Calasanz – Parte I: Primeiro o Colegio, depois o Templo

A Av. La Plata começa na Av. Saenz no bairro Pompeya e termina no cruzamento com a Av. Rivadavia no bairro Caballito. Talvez a principal peculiaridade desta avenida seja que todas as ruas e avenidas que a cruzam; elas mudam de nome. Assim, a Av. San Juan na altura de 4000 muda exatamente nesta esquina, virando Av. Diretório. Outra peculiaridade é que a Av La Plata é a linha divisória entre os bairros de Caballito Boedo e embora a igreja esteja na calçada correspondente ao primeiro, o Colegio Calasanz e a Iglesia San Jose de Calasanz são reconhecidos como um patrimônio típico do bairro de Boedo.

Os Padres Escolapios


Depois de várias tentativas de estabelecer uma fundação em Buenos Aires e Tucumán que não puderam ser realizadas por problemas financeiros, os Padres Escolápios já estão determinados a retornar à Espanha. Mas a Divina Providência quis que, a pedido do padre José Apolinario de las Casas, Pároco da Igreja do Socorro, e com o consentimento do Arcebispo de Buenos Aires, D. León Federico Aneiros, em 1891 os Padres Escolapios instalaram-se numa pequena casa perto da referida Paróquia para aí abrir alguns cursos de Educação Básica. Por falta de espaço e de recursos, em 1893 os Padres mudaram-se para uma casa na rua Santa Fe 2729. No final de 1895, o Colégio mudou-se para uma casa ainda maior na rua Rivadavia 5610.

Primeiro o Colégio


Sr. Juan Manuel Villarino e sua esposa Sra. Gertrudis Casalins, no início de 1895, doou à comunidade o terreno localizado na esquina da avenida La Plata e Diretório para que ali pudessem ser construídas uma escola de ensino. Na presença de autoridades eclesiásticas e da República, de representantes de diferentes associações e comunidades religiosas, e com grande afluência do público em geral, em 12 de abril de 1896 o Arcebispo de Buenos Aires, D. Uladislao Castellano, abençoa a pedra fundamental do Colégio que será erguido no terreno da Av. La Plata. A madrinha foi Dona Magdalena Dorrego de Ortiz Basualdo e o Dr. Antonio Bermejo, Ministro da Justiça, Culto e Instrução Pública, se apresentou em nome do padrinho: o próprio Presidente da República, Dr. José Evaristo Uriburu. 

O projeto e a direção da obra do novo edifício estão a cargo do notável arquiteto e engenheiro italiano Juan Buschiazzo (1846-1917) que contrata a firma Moliné Hnos para sua construção. Finalmente, durante o mês de agosto de 1900, as obras foram concluídas e no dia 27 a festa de San José de Calasanz foi celebrada na Capela do novo Colegio de las Escuelas Pías. Em 2 de dezembro de 1900, o novo Colégio foi oficialmente inaugurado com a assistência do Arcebispo de Buenos Aires Dom Mariano Espinosa, o Vice-presidente da República D. Norberto Quirno Costa, o Bispo D. Terrero e personalidades de âmbito político e militar.

Igreja San José de Calasanz


Quando se projeta a planta do Colégio Calasanz, não se leva em conta a construção de um templo, porque não parece necessária em um bairro tão desabitado e, além disso, não havia dinheiro para fazer frente a tal despesa.

Igreja San José de Calasanz e sua torre ainda em construção (1914)

Para as necessidades dos alunos e da comunidade religiosa, na atual esquina de Bonifácio e Senillosa, é construída uma capela interna. Quando os padres Escolapios chegam em 1900, o prédio do Colégio ficava isolado em um raio de cinco quarteirões ao redor. Com o passar do tempo, o crescimento da população no entorno do Colégio e a necessidade de atender a demanda dos moradores que buscavam um local próximo para cumprir seus deveres religiosos, fez com que em 27 de março de 1902 a capela interna seja aberta ao público. Graças à generosidade de algumas famílias caridosas como Pereyo, Sánchez e Guiraldes, em 29 de maio de 1906 foi erguido na Capela um altar simples mas elegante, composto por três altares de cedro unidos, dedicado a San José de Calasanz, ao Sagrado Cônjuge Coração e a San José bençoados solenemente pelo Bispo Mariano Espinosa.

Bispo Espinosa

No final da primeira década de 1900 o bairro cresce enormemente. Donde está instalada a Escola já é um núcleo populacional perfeitamente urbanizado, com esgotos e água encanada e rodeado por linhas de eléctrico por todo o lado. Com estas novas circunstâncias, na festa de San José de Calasanz em 1911, Dom Espinosa insiste ainda mais em seu desejo de que os padres Escolapios levantem um templo, que logo depois viraría paróquia.

Foto: 1930

Assim, foi estabelecida uma comissão de senhoras para construir um templo maior. Nessa comissão estava a senhora de Galcerán, esposa do médico da escola, que indicou o caminho certo e necessário para construir o templo: o reitor devia se dirigir a uma família rica, oferecendo-lhe a honra de erguer uma igreja em homenagem a San José de Calasanz, fundador das Escolas Pias. Assim foi que ele fez.

O Padre Reitor Victorio Marzo dirige-se por carta à senhora Inés Ortiz Basualdo de Peña (filha da falecida benfeitora senhora Magdalena Dorrego de Ortiz Basualdo), a qual, atendendo aos desejos de sua mãe, concorda em atender todas as despesas que a construção do templo poderia causar.

A benfeitora


Residência Ortiz Basualdo

A família Ortiz Basualdo morava no extinto Palácio Ortiz Basualdo Dorrego, uma luxuosa residência que existia em frente à Plaza San Martín, no bairro do Retiro. Não se deve confundir com o Palácio Ortiz Basualdo, atual sede da Embaixada da França em Buenos Aires, construído em 1912 para Daniel Ortiz Basualdo.
O grande casarão ocupava meio quarteirão delimitado pelas ruas Basavilbaso, Maipú e Arenales, foi projetado pelo arquiteto belga Jules Dormal a pedido da senhora Magdalena Dorrego de Ortiz Basualdo (1826-1905) para sua filha mais velha, Inés Ortiz Basualdo (1854-1922), viúva de Estanislao Peña y Lezica, e seu filho mais novo, Carlos Ortiz Basualdo (1863-1910) casados com Matilde de Anchorena Castellanos, todos membros de importantes famílias aristocráticas da Argentina no final do século XIX.

Inés Ortiz Basualdo (1854-1922)

A casa, que apresentava uma unidade composicional nas suas fachadas, foi dividida em duas áreas independentes no interior para preservar a privacidade de cada grupo familiar. Entrando na rua Arenales foi a residência de Inés, viúva de Estanislao Peña Lezica, onde morava com sua filha, Elisa Peña de Uribelarrea, e seu marido Manuel Adrián de Uribelarrea Anchorena. Concluída em 1904, nesse ano ganhou o prêmio municipal pela melhor fachada. O complexo residencial foi demolido em duas etapas, em 1945 o setor em Arenales, e o restante em 1969.

A fachada


A fachada é sóbria. É coroado por uma esguia torre de quatro esferas com 1,60 metros de raio. Acima o relógio e um conjunto de cinco sinos. A torre sineira tem um nicho, com a imagem de San José de Calasanz. Acima dele, em outro módulo, o escudo das Escolas Pias.

O projeto foi realizado em 1912 pelo arquiteto Juan Buschiazzo, e é de estilo românico-bizantino com influências lombardas

O esposo de Ines, D. Manuel de Uribelarrea, pede ao Reitor que confie a D. Juan Buschiazzo e a construção civil da obra a D. Pablo Colabelli, sob a direção técnica do referido arquiteto e do Ing. Ferruccio Baldantoni. Em 27 de agosto de 1912, às três da tarde, Sua Excelência o Arcebispo de Buenos Aires, Dom Mariano A. Espinosa abençoa a pedra angular do Templo. Embora as obras de alvenaria já estejam em andamento há exatamente três anos, ainda há muitos detalhes a serem feitos.

O acesso ao templo é por escada ou rampa e esta separado da calçada por uma cerca de ferro forjado

Finalmente, em 26 de novembro de 1915, na véspera da festa do Padroado de San José de Calasanz, às três da tarde e em cerimônia privada, com a presencia de poucos convidados, Mons. Espinosa abençoa a Igreja. Em seguida, de acordo com o ritual, o Santíssimo Sacramento é transferido da capela pública localizada nas ruas Senillosa e José Bonifácio para sua nova casa no templo.

Acompanha uma procissão solene digna de tal acontecimento, enquanto os alunos e os devotos vizinhos conseguem juntar-se à pequena procissão inicial. Posteriormente, em uma cerimônia realizada na Sala de Conferências, o Arcebispo, agradecendo em nome da Igreja, presenteou a Sra. Ortiz Basualdo de Peña e seu genro com a insígnia “Pro Pontifice et Ecclesia”. Os padres Escolapios, por sua vez, entregaram à Sra. um Ato-Pergaminho no qual a Ordem das Pias Escolas agradece sua generosidade e se compromete a celebrar 100 missas anuais em perpetuidade por suas intenções, estendendo este direito também aos seus descendentes. A comunidade também entregou à ilustre benfeitora um pergamino e um poema, de autoria do Padre Manuel Gómez.

No dia 27 de novembro, festa do Padroado de San José de Calasanz, com o consentimento do Superior Geral da Ordem e as devidas autorizações pontifícias, Dom Mariano Espinosa declara e erige o templo de San José de Calasanz na paróquia e apresenta o novo cura pároco, padre Victorio Marzo. Neste dia, o Padre Apolinario de las Casas, grande amigo dos padres Escolapios celebrou a missa.

No domingo, 28 de novembro, a paróquia é aberta ao público, celebra-se a missa solene e os primeiros nove batismos; O primeiro homem batizado, lógico: chamou-se José de Calasanz.

 

fonte:

  • https://www.colegiocalasanz.org/
  • 100 años de Calasanz en el corazón de nuestro barrio (1915 – 2015) – Ana Aurora Espósito
  • GOMEZ, Manuel sch.p., Colegio Calasanz. Antecedentes históricos. Archivo de la Comunidad, Bs. As, 1917

Uma resposta para “Igreja San José de Calasanz – Parte I: Primeiro o Colegio, depois o Templo”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *