HOTEL 725 CONTINENTAL – Parte I: A restauração do Hotel permitiu ganhar um novo mirante para Buenos Aires.

O Hotel Continental, construído em 1927 por Alejandro Bustillo, em estilo francês tornou-se um símbolo da arquitectura portenha. A partir de 2005 o Boutique Hotel 725 Continental renasce com um novo nome e um estilo moderno e contemporâneo restaurado pelo Escritório Urgell-Penedo-Urgell.

O topo do hotel agora oferece um bar na cobertura, spa, piscina externa e solário com uma vista simplesmente alucinante. Lá em cima, com uma vista surpreendente da cidade, este terraço convida a contar as cúpulas de Buenos Aires.

Hotel 725 Continental


Hotel Continental, 1931

O edifício foi projetado em 1927 pelo arquiteto Alejandro Bustillo para a seguradora “La Continental”, que foi proprietária do hotel em seus primeiros dias. Construído pela empresa Erik Schmidt, o Hotel Continental foi inaugurado em 1931.

Ocupa um bloco triangular, emoldurado pela Avenida Sáenz Peña e as ruas Maipú e Teniente General Perón. Sua fachada leva elementos da arquitetura neoclássica, como as imensas colunas que se estendem por três pavimentos, denotando a influência do muito forte academicismo francês em Bustillo; e ainda é uma proposta moderna e inovadora para a época.

O Hotel Continental ocupa um dos graciosos blocos triangulares deixados pela diagonal, dando a possibilidade de construir um edifício sem divisórias em nenhum lado e com visuais garantidos.

É um hotel curioso, à sua maneira, pela sua triangularidade: os quartos tomam o anel externo, para a rua, depois um corredor perimetral e no centro uma ampla área de serviços com elevadores, armazéns e nada menos que duas escadas, a original com seus valiosos decorações em ferro, e a nova, adequada para emergências.

Arquiteto Alejandro Bustillo


Alejandro Bustillo limitou-se a projetar fachadas e alguns espaços internos, mas deixou a decoração de interiores em outras mãos e não dirigiu a obra. O Continental foi inaugurado com 186 quartos, todos com casa de banho privativa e mezanino, ocupados por áreas públicas e por utilizações de dependências independentes do hotel.

Bustillo foi um fiel representante da arquitetura francesa pré-revolucionária, propondo um “Estilo Clássico Nacional”, simplificando os códigos estéticos do classicismo. Um dos últimos representantes do ecletismo.

Escola de Arquitetura, onde tive ao arquiteto A. Christophersen como professor. Teve um hiato na carreira em que se dedicou à pintura, e se formou em 1914. Durante uma viagem a Paris cumprindo o ritual da classe alta argentina a que pertencia, de 1921 a 1923 gerou contatos que o serviram posteriormente para o desenvolvimento da sua profissão.

Dentre suas inúmeras obras, destacam-se:

Casa Enrique Duhau – Alvear 1750 (1924); Tornquist Bank – B. Mitre 553 (1925); Casa de Victoria Ocampo – R. de Elizalde e Mariscal R. Castilla (1928); Casa Fioravanti – Acoyte 741 (1931); Hotel Llao Llao – Bariloche (1938 1940); Banco da Nação Argentina – Plaza de Mayo (1940-1944); Complexo Provincial de Hotel e Casino mar del Plata – (1936-46).

Restauração em 2005


O hotel por muitos anos foi afundando na falta de reformas de manutenção, descapitalização e modernização. As grandes janelas entre as colunas monumentais da frente haviam sido cobertas com cortinas. O hotel foi vendido a investidores graças ao boom turístico no país. Adquirido pela Compañía Hotelera Argentina S.A., foi remodelado pelo estúdio Urgell-Penedo-Urgell em 2005.

O edifício é hexagonal, com três fachadas com arestas vivas nos ângulos

As fachadas de Bustillo agora são exibidas com força total. Molduras, varandas e decorações foram muito bem tratadas pelos restauradores. Nem uma única cor está fora do lugar e as graciosas aberturas do primeiro andar, que se prolongam em aparente pé-direito duplo até os vitrais do térreo.

A fachada tem um fundo de pedra leve e muito granulada e os seus sistemas de ménsulas suportam a grande varanda perimetral do primeiro andar. O espaço entre as quatro colunas monumentais da fachada principal, agora estão finalmente livre das antigas venezianas sujas. As três janelas muito altas promovem uma verticalidade reforçada pelas numerosas aberturas emparelhadas em falsas alturas duplas. Vale a pena parar um pouco para ver uma criação tão bem pensada.

O rés-do-chão estava praticamente aberto numa sala e uma grande confeitaria, para além da recepção e alguns serviços. Imediatamente acima, ficava o mezanino do escritório. Estes dois níveis foram tratados na fachada como se fossem de pé-direito duplo, com o simples expediente de acabá-la com uma importante moldura com pequenas varandas. As aberturas também sugerem uma altura dupla inexistente, o que ilumina agradavelmente a base do edifício.

Hotel 725 Continental

O elemento determinante é o portal monumental logo acima da entrada principal, com duas elegantes meias colunas ladeadas por pilastras planas, todas sustentando um entablamento simples e exato e ocupando quatro andares do edifício.

O 725 Continental Hotel Buenos Aires possui hoje 192 apartamentos, incluindo 10 suítes e 8 quartos preparados para deficientes físicos. A reforma do hotel não alterou drasticamente a planta do edifício: os banheiros são novos, a maioria estava em estado de deterioração e aqueles velhos e enormes armários, próprios de uma época onde o povo carregava baús ou chapéus nas suas viagens. Eles foram substituídos por móveis modernos, telas LED abundam, sua gama de cores é sedativa, e todo o prédio possui internet wireless. A renovação, no entanto, deixou de pé muitos tetos originais, as molduras, e um surpreendente conjunto de portas antigas de madeira, aquelas bem pesadas e maciças. Os corredores, que não tem luz natural, apresentam uma iluminação dramática ao nível do chão.

As janelas foram totalmente substituídas, são de alta tecnologia e com alto isolamento acústico. A outra intervenção visível do exterior é a pérgula de vidro e metal que protege a entrada.

No projeto de 1928, estão incluídas as três salas do porão que podem ser unidas em uma com capacidade para 400 pessoas. O amplo prédio na esquina da Perón com a Diagonal, por muitos anos foi a sede de uma seguradora, é hoje uma vinícola. O rés-do-chão tem o bar feito de novo e muito moderno.

Há também uma sala para 80 pessoas, enquanto no andar de cima, no mezanino, há três salas de reuniões para negócios, um escritório para passageiros e o restaurante Cetrino, para 140 pessoas.

Restaurante Cetrino: Com um ambiente aconchegante e agradável, o Restó Cetrino convida você a desfrutar de um energizante Buffet Americano, com pratos leves e omeletes preparados à vista pelo chef, champanhe e uma variedade de especialidades.

Bares: Os visitantes que desejam tomar um coquetel com vista para as cúpulas de Buenos Aires podem subir ao Roof Bar Las Terrazas, um lugar exclusivo localizado ao lado da piscina do terraço e do solário. Recomendasse aos hóspedes que visitem o famoso Bar e Bistrô 725, que serve coquetéis e vinhos especiais da casa, acompanhados por tradicionais tapas espanholas, queijos, petiscos, sanduíches e saladas.

Las Terrazas Pool & Bar

Av. Pres. Roque Sáenz Peña 725, piso 9


Lá em cima, com uma vista surpreendente da cidade que convida a contar as cúpulas O terraço é hoje o centro de um pavilhão envidraçado com bar, spa e serviços de piscina (foi construída uma estrutura de apoio à piscina), num terraço totalmente desobstruído uma vez que os depósitos de água ficam na cave, com equipamento de bombeio.

O espaço conta com dois níveis, um menor e mais silencioso com sala, e outro ao lado da piscina onde tudo mundo dança perto da cabine do DJ, que muda semana a semana mas mantém o mesmo estilo musical: eletrônica.

O estudo Urgell-Penedo-Urgell Studio, fundado em 1956, recebeu vários prêmios de grande prestígio a nível local e internacional, como o Prêmio Konex no Quinquênio 2002-2006 e o ​​Prêmio Bienal de Arquitetura SCA-CPAU 2006 ao Hotel Continental na categoria “Nova arquitetura sobre a existente”.

Em agosto de 2010, a Assembleia Legislativa de Buenos Aires impôs um nível de proteção estrutural a ela, considerando-a parte do patrimônio arquitetônico da cidade, junto com outras obras do arquiteto Bustillo.

 

fonte:

  • http://www.guiacultural.com/guia_regional/regional/argentina/bustillo.
  • htmhttps://www.skyscrapercity.com/threads/buenos-aires-725-continental-alejandro-bustillo.376296/
  • http://www.725continental.com/
  • http://www.725continental.com/gastronomia/

 

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.