FERNÁNDEZ BLANCO MUSEUM – PARTE III: A impressionante coleção de violinos antigos

Dentro do maravilhoso acervo o Museu a grande novidade é a recém inaugurada Sala de Instrumentos Notables. Esta sala dedicada à coleção de instrumentos musicais de Fernández Blanco reúne um importante número de peças de enorme valor artístico e histórico.

Para este colecionador, a música em geral e a coleção de instrumentos musicais em particular eram a sua obsessão mais profunda e o seu maior orgulho. Hoje, a maravilhosa coleção de Instrumentos Musicais do MIFB será um verdadeiro orgulho, não só para a Cidade de Buenos Aires, mas também para o resto da República Argentina.

Isaac Fernández Blanco: A coleção de violinos


A coleção de Isaac Fernández Blanco começou quando teve acesso à herança de seu pai na década de 1880. Durante esses anos viveu na Europa, onde se dedicou à aquisição de antigos instrumentos musicais estimulados por sua vocação musical que levou a conformar uma coleção importante de instrumentos de corda.

Retrato de Isaac Fernandez Blanco com seu violino Guarnerius / de Otto van Bosch. Planotype – Paris, por volta de 1890/95

Em 1901, Fernández Blanco voltou a Buenos Aires e aos poucos foi substituindo sua obsessão pelos instrumentos musicais, deixando-se invadir por sua inclinação historicista. Por meio de compras e algumas doações, ele resgatava tudo o que seus parentes e sua turma as principais famílias rejeitavam: leques, pentes, documentos, iconografia do período federal, móveis de vice-reinado e talheres antigos de prata.

Desde a década de 1910, o casarão Fernández Blanco abriu suas portas para visitantes interessados, ​​do país e estrangeiros, e foi Naïr a filha mais nova da família, a encarregada de conduzir as visitas guiadas. Em 1922, Fernández Blanco vendeu o prédio à Prefeitura de Buenos Aires e doou a esse governo a totalidade de seu acervo, abrindo-o como Museu Municipal em 25 de maio do mesmo ano.

Fernández Blanco permaneceu como Diretor Honorário até 1926, quando seu estado de saúde o obrigou a se aposentar, embora tenha continuado a aumentar o acervo do Museu, adquirindo obras de arte de maneira particular e depois doando-as à instituição. Sua morte ocorreu em 1928.

O mesmo método de ampliação do acervo foi implementado por seu genro e sucessor no cargo, Dr. Alberto Gowland, grande admirador e colecionador de arte do vice-reinado. Ao final de sua gestão, o Museu de Arte Hispanoamericana tinha mais de 9.500 peças dos séculos XVI a XX como patrimônio.

Em 1947, cumprindo o decreto de 1943 sobre especificações museológicas, a coleção hispano-americana do Museu Fernández Blanco foi transferida para sua localização atual, o Palacio Noel, em Suipacha 1422. Foi assim agregada à coleção do Museu Colonial, que em 1936, foi fundada pelo arquiteto Martín Noel em seu domicilio, junto ao património vice-reinal de um antigo Museu Municipal, dissolvido em 1940. No mesmo período, e em cumprimento do mesmo decreto, a coleção de instrumentos musicais foi derivada por empréstimo ao museu do Teatro Colón, os objetos históricos foram para o Museu Saavedra e as coleções de arte espanhola de Noel e Fernández Blanco foram para o então recentemente fundado Museu Larreta.

Com base neste decreto municipal, decidiu-se fundir o acervo da Casa Fernández Blanco (Hipólito Yrigoyen 1420) com o acervo do Museu Colonial (Suipacha 1422), de propriedade do arquiteto Martin Noel, escolhendo-se o Palacio Noel como única Sede do Museu, pelo conceito arquitetônico colonial do seu edifício e devido a sua maior capacidade.

A partir de 1947, passou a se chamar Museu Isaac Fernández Blanco de Arte Hispanoamericana, cumprindo a cláusula de doação de Isaac Fernández Blanco quem estabelecia o nome que o museu deveria ter, o seu.

A Casa Fernández Blanco continuou a pertencer à Câmara Municipal, tendo sido atribuída a funções administrativas durante mais de cinco anos. Mas o sonho de Isaac persistiu, e as equipes profissionais do MIFB nos últimos 30 anos lutaram incansavelmente para devolver o imóvel à instituição. Finalmente, a partir de 2001, a Sede da MIFB – Casa Fernández Blanco voltou a fazer parte do museu. Inaugurada oficialmente em 2012, atualmente exibe as coleções de artes aplicadas, brinquedos, roupas, talheres, móveis, pinturas, fotografia, entre outros, desde o momento da formação da Nação Argentina moderna entre 1850 e o início do século XX.

Instrumentos musicais notáveis ​​da coleção MIFB


Sala de exposições dedicada exclusivamente aos antigos instrumentos de corda: O Violino. A coleção é um conjunto de peças que, pela sua quantidade e qualidade, é único na América Latina, podendo ser comparado favoravelmente com coleções de instrumentos muito importantes de alguns museus do mundo.

A coleção de instrumentos musicais do Museu de Arte Hispano-americana Isaac Fernández Blanco

 

Do luthier Guarneri del Gesù, 1732, é a “estrela” da coleção do MIFB

A coleção também tem instrumentos de corda friccionada, corda dedilhada, sopro e teclado. Todos são exemplares da luteria italiana clássica, exceto os fabricados por Camillo Mandelli, um grande luthier italiano que viveu em Buenos Aires durante as duas primeiras décadas do século 20 e que foi o primeiro a ser contratado pelo Teatro Colón após sua inauguração em 1908.

Como é sabido, a Itália manteve a sua supremacia como nome ligado à qualidade e ao prestígio dos instrumentos de arco. Desde que os primeiros violinos conhecidos foram construídos pelo grande mestre Andrea Amati em Cremona na segunda metade do século XVI (c.1560), eles se tornaram tão populares que não demorou muito para que chegassem pedidos de várias cidades e tribunais da Europa.

A família Amati manteve a tradição até a década de 1740, mas já no século 17, o famoso Nicola Amati, neto de Andrea, havia treinado um valioso grupo de artesãos, incluindo Andrea Guarneri, Francesco Ruggieri, Giovanni Battista Rogeri e o famoso Antonio Stradivari. Entre os integrantes da família Guarneri, destacou-se Bartolomeo Giuseppe (1698-1744), conhecido como Guarneri del Gesù, um de cujos instrumentos, construído em 1732, é a “estrela” da coleção do MIFB.

Escola de lutheria

Pode-se dizer que a obra de Andrea Amati foi como uma espécie de Big Bang a partir do qual foram construídos instrumentos de qualidade, não só na Itália, mas também em outros países onde os luthiers locais copiaram ou imitaram os instrumentos trazidos pelos músicos de regresso de suas viagens. Compositores e violinistas virtuosos como Corelli, Vivaldi, Veracini, Locatelli e Tartini, entre tantos outros, desenvolveram novas técnicas que se espalharam pela Europa. Paralelamente a isso, nasceram várias escolas de lutheria, que ajustaram seus modelos, geralmente nascidos de Amati, aos gostos locais. Na Europa em geral e na Itália em particular, era comum nas artes e ofícios para as crianças,  geralmente os mais velhos, continuar o trabalho do pai.

É assim que se formam as chamadas “dinastias” de luthiers, como a dos Amati, que durou quase duzentos anos, a dos Guarneri, a dos Ruggieri, a dos Bergonzi, a dos Guadagnini (mesmo mais longo do que o do Amati, uma vez que se espalhou de c.1740 a 1948) e vários outros fora da Itália.

Os países que mais produziram instrumentos da família do violino, sem incluir a península italiana, foram França, Alemanha, Áustria, Boêmia (hoje República Tcheca), Inglaterra, Holanda e, em menor escala, Espanha. A partir do século 19, a Hungria e a Polônia e outros países como os EUA e a Rússia acrescentaram um bom número de artesãos na fabricação de violinos. E já no século 20, com as escolas internacionais de lutería de Cremona e Milão (Itália), Mittenwald (Áustria), Mirecourt (França), Salt Lake City (EUA), Newark (Grã-Bretanha), Tucumán (fundada pelo excelente italiano luthier Alfredo Del Lungo na década de 1940), Querétaro (México) e vários outros, onde o futuro desta grande embarcação parece assegurado.

 

fonte:

https://www.buenosaires.gob.ar/museofernandezblancohttps://www.buenosaires.gob.ar/museofernandezblanco/casa-fernandez-blanco

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.