CAFÉ LONDON CITY – Parte II: Literatura na veia. O Bar favorito de Julio Cortazar

Localizado no cruzamento de duas das artérias mais famosas da cidade; A Avenida de Mayo e Flórida, vizinha ao belo Edifício La Prensa e a poucos passos da Plaza de Mayo, é parada obrigatória para todos os portenhos e turistas que passam pelo centro de portenho.

Declarado um café notável em Buenos Aires em 2000, este bar foi um refúgio de poetas, artistas como Julio Cortazar, onde escreveu um de seus romances mais famoso, intitulado Los premios (1960).

Café London City

Endereço: Av. de Mayo 591, Montserrat


Localizado na esquina da Av. De Mayo e a rua Perú. em frente à saída do metrô, a uma quadra da Plaza de Mayo e da Casa Rosada, e a poucos metros do início da rua Florida, é muito frequentado pelos portenhos que trabalham na área, sendo também uma parada ideal para quem está visitando essa região da cidade, na mesma esquina onde começa o famoso passeio da Rua Florida.

Localizada no coração da cidade de Buenos Aires, desde 28 de setembro de 1954, “London City” foi um refúgio para poetas, artistas, políticos, que se deslocavam do Palácio Municipal ao prédio do Conselho Deliberativo, jornalistas que entravam e saíam do vizinho prédio do jornal La Prensa e dos portenhos e turistas que caminharam e trabalharam na bela Avenida de Mayo.

Argentina_Notaveis_Tango_bairro_Patrimonio_Cultural_ciudad_barrio_ Gardel_Monserrat_bar_Avenida de Mayo_Av. de Maio

Argentina_Notaveis_Tango_bairro_Patrimonio_Cultural_ciudad_barrio_ Gardel_Monserrat_bar_Avenida de Mayo_Av. de Maio

Um clássico da capital portenha, o Café London City ficou famoso principalmente por ser um dos preferidos do escritor argentino Julio Cortázar. Foi nas mesas do Café London City que Julio Cortázar escreveu um de seus romances mais famoso, intitulado Los premios (1960). O local inclusive é mencionado na obra, aparecendo apenas como “el London”.

A primeira coisa que se percebe é a agitação da cidade de Buenos Aires. Agitação, dentro e fora. A maioria dos homens vestem ternos. Os espelhos, colunas, carpintarias metálicas e retratos da autor de “Rayuela” procuram se destacar no conjunto.

Argentina_Notaveis_Tango_bairro_Patrimonio_Cultural_ciudad_barrio_ Gardel_Monserrat_bar_Avenida de Mayo_Av. de Maio
Café London City: um clássico da cidade

Em 1992 o edifício foi restaurado pelos arquitectos Casireghi, Dergarabedian, Imbrogno e Frangella, no âmbito do Programa de Revitalização da Avenida de Mayo (PRAM).

O bar foi declarado um café notável no ano 2000. Em 2013, o clássico café do centro de Buenos Aires fechou suas portas por vários meses até ser reaberto e reformado como um bar-restaurante, mantendo o estilo original. María Salazar Cobo, do estúdio Darq, foi a responsável pela reforma junto com Gustavo Terraza. O Bar Notable passou a fazer parte da rede de restaurantes Pertutti, que aliás tem unidades no Abasto, Avenida Santa Fé, Avellaneda, Lomas de Zamora e Quilmes.

Ao longo de todo o local, Cortázar é sempre lembrado. Do cardápio às paredes, das vitrines aos banheiros, são inúmeras as imagens ou referências ao escritor, o que dá um charme a mais ao London, especialmente para quem curte o ambiente da literatura.

A decoração do bar tem como eixo central Julio, que como todo bar histórico de Buenos Aires, guarda a mesa que ocupava, não só como lembrança, mas também como homenagem a um homem de cultura argentina.

Comemorando o mês do nascimento de Julio Cortázar, em agosto de 2014, em trabalho conjunto entre o Ministério da Cultura da Cidade de Buenos Aires, a Comisión de Bares Notables e o Café London City, no âmbito do Festival TANGO BA e Mundial, a reabertura se transformou em uma milonga que agradou a todos os presentes.

Presente no lugar, o Ministro da Cultura de Buenos Aires, Hernán Lombardi expressou: “É uma grande satisfação para a Cidade de Buenos Aires, com nossa equipe do Ministério da Cultura pudemos contribuir para preservar o espírito do bar, sentir que esse espírito, ao longo dos anos, continua a estar presente no tango, na dança e no Cortázar a pairar em cada esquina”.

Depois da reforma em 2014, os novos proprietários decidiram colocar uma estátua do escritor em uma mesa próxima à janela, em uma das esquinas do London City.

Os tetos e respectivas luminárias foram recuperados e brilham com o estilo original. Um lindo relógio de parede coroa o balcão da cafetaria, e as paredes espelhadas geram uma sensação de grande amplitude. Embora a mobília tenha a mesma aparência de antes, a cafeteria foi reformada com balcão de mármore, e mais uma confeitaria da rede Pertuti complementa o serviço de café.

O Café London City tem uma entrada pela rua Peru que dá para o restaurante, mas também para a confeitaria Pertutti, que é dos mesmos proprietários e é a responsável pela parte de doces, tortas e sobremesas em geral servidos no restaurante. Quem não tem tempo para sentar ou quer só algo doce para comer pode fazer o pedido diretamente no balcão e levar para viagem.

Hoje, as mesas de calçada na Avenida de Mayo são um lugar perfeito para parar para tomar um café (ou um copo de vinho) e ver o mundo passar.

Café Cortázar

Cabrera 3797, Palermo


Se voçe for fã do escritor Julio Cortázar existe mais uma opção. Na esquina das ruas Cabrera e Medrano, no bairro de Palermo, desde dezembro de 2015 funciona o Café Cortázar, um espaço gastronômico que recebe shows de jazz e exposições e que, claro, celebra o escritor Julio Cortázar, referência na literatura argentina e latino-americana.

Biografia de Júlio Cortázar


Júlio Cortázar

Júlio Cortázar (1914-1984) foi um escritor argentino, considerado o mestre do Realismo Fantástico – corrente literária que uniu a realidade ao universo mágico.

Júlio Cortázar nasceu em Bruxelas, Bélgica, no dia 26 de agosto de 1914. Filho de um funcionário da embaixada argentina na Bélgica, com o fim da Primeira Guerra Mundial, em 1918, mudou-se com seus pais para a Argentina, instalando-se no subúrbio de Banfield. Depois de completar seus estudos primários, ingressou no curso de magistério em Letras formando-se em 1935.

Em 1951  ganhou uma bolsa de estudos do governo francês e seguiu para Paris. Descontente com a ditadura peronista que se instalou na Argentina, fixou residência definitiva na capital francesa, onde trabalhou durante vários anos como tradutor da UNESCO. Em 1981, adquiriu a nacionalidade francesa em protesto contra a ditadura militar na Argentina. Cortázar ganhou o prêmio argentino Konex, em 1984 e morreu na França, em 12 de fevereiro desse mesmo ano.

Durante a década de 60, Julio Cortázar se tornou uma das principais figuras do chamado “boom” da literatura hispano-americana. Seu nome foi colocado ao lado de Gabriel Garcia Marquez, Mario Vargas Llosa, Jorge Luis Borges, Ernesto Sábato, entre outros.

Sua obra mais conhecida é O jogo da amarelinha, de 1963.

 

Fonte:

  • https://londoncity.com.ar/
  • http://hd-fotografia.blogspot.com/search/label/Av%20de%20Mayo%20591
  • https://www.telam.com.ar/notas/201907/373719-la-avenida-de-mayo-cumplira-el-martes-proximo-125-anos.html
  • https://www.ebiografia.com/julio_cortazar/
  • http://www.cafecortazar.com.ar/

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.