Bares Notables de Buenos Aires: A Poesia e Boêmia de San Telmo

San Telmo é assim: Histórico, Vibrante, Boêmio. Em torno de 20.000 visitantes passeiam todos os finais de semana pela Feira de Antiguidades de San Telmo, emblema da zona. Como em uma espécie de grande bazar, sifões, antigas câmaras fotográficas, selos, produtos de couro, bijuteria e artesanato de todo tipo podem ser encontrados entre as mais de 250 barracas colocadas ao longo da rua Defensa.

Nada melhor que combinar um descanso/jantar em um dos tantos “Bares Notables” tradicionais neste bairro de ruas coloniais e prédios antigos. Vamos conferir três  casos dentro do casco histórico da cidade de Buenos Aires, símbolos dentro do Bairro de San Telmo.

Bar La Poesía

Chile 502, bairro San Telmo


Originalmente fundada em 1982 pelo jornalista e poeta Rubén Derlis, La Poesía tornou-se um lugar para os artistas e pensadores de San Telmo contemplarem a democracia após o fim da ditadura militar argentina. O escritor Derlis pertenceu à Geração dos anos 60 e em seis anos transformou o bar em um âmbito de referência para este movimento intelectual de Buenos Aires.

Reduto de notáveis ​​escritores, músicos e artistas, foi patrocinado pela cantora Marikena Monti. Um de seus paroquianos míticos foi o poeta e letrista de tango uruguaio Horacio Ferrer, que conheceu a sua esposa a artista plástica Lucía Michelli lá. O encontro é imortalizado em sua música de 1992, “Lulú”, que mais tarde seria transformado em valsa por Raúl Garello.

Bar La Poesía, bairro de San Telmo

O bar foi fechado em 1988. Durante os seis anos que permaneceu em atividades, o Café La Poesía foi sede da boemia artística do San Telmo, o bairro favorito dos intelectuais. Aqui foi fundado o Grupo dos Sete e foi o lugar de encontro da UNCIPAR, (União de Cineastas de Passo Reduzido). Além disso, aconteceram aqui o ciclo “Poesía Lunfarda” e diferentes encontros de literatura policial e de jazz, além de oficinas de narrativa e poesia.

Entre as relíquias do Café estão o mural de Juan Manuel Sánchez, pintor, muralista, gravador y desenhador,  falecido em outubro de 2016, distinguido pela Legislatura portenha como Personalidade Destacada da Cultura. 

Juan Manuel Sánchez, em fevereiro de 2013, trepando escada para concluir os paneis do mural que hoje estão sobre os muros do bar “La Poesía”

Finalmente, La Poesía foi reaberta no final de 2008 por Pablo Durán e Laura Carro, a equipe de marido e mulher que administra três outros bares clássicos de sucesso na cidade: El Federal, a alguns quarteirões de distância em San Telmo, El Margot em Boedo, e Bar de Cao em San Cristóbal. Todos os quatro bares históricos são classificados como ‘Cafés Notáveis’ pela cidade de Buenos Aires.

Bar Seddon

Defensa 695, bairro San Telmo


O prédio antigo situado na esquina das ruas Chile e Defensa no bairro tradicional de San Telmo já foi uma farmácia no século 19. O Bar Seddon fue declarado “Bar Notável” de significado histórico pela cidade de Buenos Aires em agosto do ano 2000.

Bar Seddon, bairro de San Telmo

A história deste bar clássico nasceu em 1980 e sua localização era na Calle 25 de Mayo al 700, no bairro de San Nicolás, faz dele um dos mais jovens “Notáveis”.

Após 21 anos, o Bar Seddon ele teve que se mudar e seu local escolhido era uma esquina pitoresca do bairro de San Telmo. Um ano depois, o criador do bar Juan Seddon faleceu deixando o negócio nas mãos da família como o legado mais precioso foram aqueles itens de sua outra paixão de antiquário, elementos que até hoje podem ser vistos no local.

A atmosfera é agradável, o piso quadriculado, os móveis de madeira antigos, o balcão do bar em formato quadrado, a iluminação em arandelas e abajures, estátuas e outros objetos combinam muito bem um estágio em que o tempo não passa. Este bar tem a tradição de ser escolhido por grandes artistas da cena nacional, músicos, pintores, atores e visitas do cenário internacional como a renomada banda U2.

O Bar Seddon é um bar teatral. Subindo as escadas que levam a um mezanino com vista para o térreo.

Infinitos de detalhes na decoração: Os espelhos, a boiserie que decora um dos cantos, as esculturas de origem francesa e italiana, os lustres com velas derretidas e o piso de xadrez.

Bar Sur

Esq. Estados Unidos e Balcarce, bairro San Telmo


Sur nasceu no dia 31 de janeiro de 1967 e seu fundador e atual proprietário é Ricardo Montecino, que até então atuava como poeta e tinha sua alma intimamente ligada à cultura artística. O edifício foi construído em 1910, por isso teve de ser restaurado como novo, mas sempre mantendo o seu estilo original.

Ricardo sonhou em abrir um local que serviria como ponto de encontro entre artistas de diferentes áreas onde eles poderiam compartilhar seu amor pela arte. Apaixonado desde a infância pelo bairro de San Telmo, que naqueles tempos respirava ares boêmios e abrigava alguns ateliers, teatros alternativos, cervejarias, adegas e lojas de antiguidades.

Bar Sur, bairro de San Telmo

A sua decoração é composta por pequenos pedaços de história de Buenos Aires que foram obtidos por Ricardo em leilões realizados naquela época, quando eram comuns as demolições de grandes residências. É por isso que quando você visita este lugar, pode encontrar móveis feitos de carvalho da Eslovénia e um espelho que pertencia à residência de Dardo Rocha e que agora adornam o pequeno palco, além de cortinas e artigos originais que datam os tempos antigos.

Há mais de 50 anos, todo esse espírito cultural e boêmio daquela época permanece vivo até hoje no Bar Sur e atrai pessoas de todo o mundo ansiosas para conhecer e desfrutar de um Show de Tango tradicional e participativo, com músicos talentosos e cantores e dançarinos de grande prestígio.

 

fonte:

  • http://www.losnotables.com.ar/
  • https://turismo.buenosaires.gob.ar
  • https://www.lanacion.com.ar

 

 

5 respostas para “Bares Notables de Buenos Aires: A Poesia e Boêmia de San Telmo”

  1. Having read this I believed it was rather informative. I appreciate you taking the time and energy to put this information together. I once again find myself personally spending way too much time both reading and leaving comments. But so what, it was still worth it! Dyan Broddy Handal

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *