Virgem de Caacupé – Parte II: A Virgem de origem Guarani em Paraguai e Argentina

Costuma-se dizer que Caacupé é a capital espiritual do Paraguai, porque possui o maior santuário do país pois a Virgem de Caacupé é a padroeira do Paraguai. Durante sua visita ao pais em 2015, o Papa Francisco elevou o Santuário da Virgen de Caacupé à categoria de Basílica Menor.

Em 1986 a Virgem chega a Argentina acompanhada como consequência da grande imigração paraguaia que vem acontecendo nas ultimas décadas, junto a outras nacionalidades latino-americanas como as procedentes de Bolívia, Peru e Venezuela. A Virgem chegou para se instalar no bairro de Caballito na antiga igreja fundada pelas freiras britânicas pertencentes à ordem francesa da União Sagrada dos Sagrados Corações, que construíram nos finais do século 19 junto ao Colégio da irmandade.

Em Paraguai, em 4 de novembro de 1980, a primitiva Igreja e Santuário de Tupao Tujá foi demolida para construir o novo Santuário da Virgem, hoje a Basílica Menor de Nossa Senhora de Caacupé. Para que a nova Basílica fosse construída, eles demoliram uma igreja do século 18.

Em 1937 o governo argentino desaproprio das freiras o Colegio e Igreja com o intuito de estabelecer lá o novo Palácio Municipal de Buenos Aires, fato que nunca chegou a se concretizar. A igreja infelizmente foi transformada em depósito, separada do prédio da escola, a capela ficou inativa e abandonada ao seu destino por mais de 40 anos.

Neste post vamos conhecer os templos da Virgem de Caacupé em  Paraguai e Argentina e descobrir como é que aconteceu esses sucessos tão infelizes para Patrimônio Histórico de amos os dois países.

Virgem de Caacupé em Argentina


A historia de esta Igreja tem comeco em 22 de setembro de 1884, quando as primeiras freiras britânicas pertencentes à ordem francesa da União Sagrada dos Sagrados Corações desembarcaram no porto de Buenos Aires procedentes de Liverpool, que, após a compra, ergueram seu convento no quintal de Wanklin (atualmente o Parque Rivadavia), onde estabeleceram a base da congregação na Argentina e abriram um estabelecimento escolar.

Em 6 de maio de 1885, a primeira capela começou a ser construída. Em abril de 1906, isto é, duas décadas depois, essa capela ficou pequena e um terreno vizinho foi adquirido ao oeste do convento onde outra capela seria construída e a escola gratuita seria ampliada. Em 14 de outubro de 1906, o bispo Espinosa abençoou a pedra fundamental da nova capela, a atual, sendo uma construção sóbria de estilo romântico, que ainda permanece, e que foi obra do prestigiado arquiteto Alejandro Christophersen, que também é autor de obras artísticas muito importantes na cidade, entre os anos de 1880 e 1920.

Em 1930, o governo de Gral. Agustín P. Justo decidiu aprovar um projeto pelo qual um novo Palácio Municipal de Buenos Aires deveria ser instalado no centro geográfico da cidade, ou seja, no bairro Caballito, e para isso seria instalado nas terras ocupadas pelo Colégio da Santa União e a Capela. Em 1937, foi aprovada a Lei de Desapropriação.

Finalmente, os planos nunca são finalizados e os prédios antigos foram destinados à Secretaria de Saúde Pública e ao Sindicato dos Trabalhadores e Empregados Municipais. A Paróquia infelizmente é transformada em depósito. Desde então, separada do prédio da escola, a capela ficou inativa e abandonada ao seu destino.

Em 1983, após tantos anos de negligência, a igreja foi completamente restaurada, embora certamente tenha perdido toda a sua decoração interior original. Em 18 de fevereiro de 1984 o cardeal Juan Carlos Aramburu, arcebispo de Buenos Aires, em comemoração ao Centenário da chegada das Irmãs da Santa União, em 18 de fevereiro de 1984.

Após a conclusão dos trabalhos de restauração e aprimoramento, foi novamente consagrada em 1986, desta vez sob a defesa da Virgem de Caacupe, padroeira do Paraguai. Assim, a igreja  transformou-se em um local de adoração para a grande comunidade paraguaia que reside em Argentina.

A dedicação à Virgem de Caacupé,  peregrinação, celebração e festa popular acontece todo dia 8 de dezembro. Durante as festividades, não apenas alude-se a um número importante de elementos de identidade da cultura paraguaia (idioma, refeições, danças etc.), mas também contém várias das situações difíceis que outras comunidades latino-americanas como a venezuelana sofrem atualmente.

Virgem de Caacupé (Tupâsy Ka’acupe) em Paraguai


A história da, também chamada Virgem dos Milagres de Caacupé, cruza-se com lendas e histórias populares transmitidas de boca em boca em Assunção, capital do Paraguai. Ao contrário de outras devoções marianas, a Virgem de Caacupé não é o produto de uma aparição, mas sim de uma imagem esculpida em madeira por um artista guarani nativo.

A história popular conta que em 1600, na cidade de Tobatí (perto da comarca localizada em Caagüy Cupé) evangelizada pelos franciscanos, um dia um guarani nativo da missão foi procurar materiais para suas esculturas nas selvas do vale de Ytú ce foi encurralado por um grupo de Mbayans, uma tribo que decidiu lutar contra a colonização espanhola e portuguesa, inimigos dos Guarani que moravam nos dois lados do rio Paraguai.

O artista guarani se escondeu atrás de uma árvore e rezou para a Virgem da Imaculada Conceição, prometendo que, se o libertasse de seus inimigos, gravaria uma imagem do mesmo tronco que o protegera. Os perseguidores passaram em frente à árvore onde ele estava e milagrosamente não a viram, este é considerado o primeiro milagre da Virgem de Caacupé e o início da dedicação. Em seguida, o artista cumpriu sua promessa e gravou duas imagens, a maior para a comunidade da igreja de Tobatí (supostamente saqueada pelos mbayás), e a menor para sua devoção pessoal.

O filho do índio José decidiu que a imagem deveria continuar na comunidade, mas acabou sendo transferida para Tobatí. Em 1750, um homem retornou de Tobatí, oferecendo a imagem à família Aquino, condicionando a construção de um oratório em sua própria terra para a virgem.

O primeiro santuário oficialmente dedicado à Virgen de los Milagros foi construído no terreno doado por Dona Juana Curtido de Gracia. A construção efetiva começou em 4 de abril de 1770, no mesmo local atualmente ocupado pela basílica. Essa data foi escolhida pelo governador Carlos Morphi para fundar Caacupé, reconhecendo seu mérito como centro religioso e local de peregrinação.

O oratório do índio José foi elevado, após 166 anos, à categoria de capela, a pedido do padre Andrés Salinas. Este pedido foi aceito satisfatoriamente pelo bispo Don Manuel de Espinoza Díaz em 1 de setembro de 1779.

Em 1852, em uma noite de tempestade, um raio destruiu o teto do Santuário, queimando as cortinas e reduzindo-as a cinzas, e a Virgem também recebeu o impacto, atingindo um dos dedos da Virgem e a pintura do rosto foi danificada. Foi restaurado em 1855 pelo pintor Manuel Marecos.

A imagem da virgem esculpida de Caacupé tem os mesmos traços característicos da Imaculada Conceição de Maria, uma dedicação adorada pelos franciscanos. Ele tem uma capa azul, com flores e arabescos dourados bordados na túnica branca, as mãos no peito pisando uma serpente, com o mundo e a lua sob os pés. Estes últimos são símbolos que foram adicionados posteriormente ao longo dos anos.

A primeira capela foi reformada e ampliada em inúmeras ocasiões, até ser erguida no Santuário Nacional. Em 1883, o templo é reconstruído olhando para o S.O. Em 1885, durante a presidência do general Bernardino Caballero, a torre, a frente e outros detalhes da moradía da Virgem foram concluídos.

Finalmente aquela pequena imagem da Virgem, após várias situações em que corria o risco de desaparecer (inundações, tempestades e guerras), permaneceu milagrosamente intacta e, em 1885, o santuário foi concluído em sua homenagem em Caacupé, cidade localizada a 54 quilômetros de Assunção.

Guerra da Tríplice Aliança


A Guerra da Tríplice Aliança, chamada pelos paraguaios de Guerra Grande ou Guerra de Guasú, Guerra da Tríplice Aliança pelos argentinos e uruguaios e pelos brasileiros Guerra do Paraguai, foi o conflito militar em que a Tríplice Aliança – uma coalizão formada pelo Império do Brasil, Uruguai e Argentina – lutaram militarmente contra o Paraguai entre 1864 e 1870. Existem várias teorias sobre as causas que deram origem á guerra, onde é atribuído um papel preponderante aos interesses do Império Britânico.

Na história da América Latina, não houve um conflito de guerra em que tantos homens lutaram, nem um em que tantos morreram, como a Guerra da Tríplice Aliança

Argentina, Brasil e Uruguai perderam cerca de 120.000 homens. Mas a verdadeira tragédia foi vivida pelo país que enfrentou essas três potências aliadas há um século e meio: o Paraguai, o perdedor da disputa. Para aquele país, não foi apenas uma derrota militar, foi um massacre que alguns historiadores consideram um genocídio. As quase 280.000 vítimas paraguaias representavam mais da metade da população do país.

O tesouro da Virgem, lentamente acumulado pela generosidade de seus filhos, estava destinado à construção de um templo mais de acordo com a magnificência de uma rainha. Prem em 16 de agosto de 1869 acontece a Batalha de Acosta Ñu (também chamada Batalha das Crianças pelos Paraguaios ou Batalha de Campo Grande pelos Brasileiros) que foi um confronto que ocorreu durante a guerra da Tríplice Aliança.  Após a batalha, toda essa riqueza do povo paraguaio caiu nas mãos dos brasileiros. Assim, o tesouro da Virgem se perdeu. Entre as jóias de maior valor, estava a coroa que fora entregue à Virgem por uma das irmãs do marechal, Dona Inocência López de Barrios; era essa coroa do ouro mais puro, adornada com pedras preciosas.

Guerra do Chaco foi um conflito armado entre a Bolívia e o Paraguai que se estendeu de 1932 a 1935. Originou-se pela disputa territorial da região do Chaco Boreal, tendo como uma das causas a descoberta de petróleo no sopé dos Andes. Foi a maior guerra na América do Sul do século XX. Deixou um saldo de 60 mil bolivianos e 30 mil paraguaios mortos, tendo resultado na derrota dos bolivianos com a perda e anexação de parte de seu território pelos paraguaios. Em 12 de junho de 1935, sob pressão dos Estados Unidos, foi aprovada a cessação das hostilidades. Foi precisamente na Guerra do Chaco que a fé popular na Virgem Azul cresceu e atingiu seu auge. As mães, as namoradas e as filhas e os próprias combatentes pousaram os olhos nela com fé como simbolo da salvação da Pátria.

O novo Templo que virou Basilica Menor


Em meados do século XX, foi decidido criar um santuário novo. Em 20 de fevereiro de 1940, o arquiteto Miguel Ángel Alfaro Decoud (1888-1968) fez um projeto artístico com um ar renascentista, inspirado nas obras dos grandes arquitetos da Itália. Em 1941, começaram as obras e, em 1945, foi lançada a pedra fundamental da basílica, cujas obras duraram até 1980.

Caacupé é considerada a capital espiritual do Paraguai hoje abriga o maior santuário do país. A construção do templo atual começou em 1945 e mantém a imagem da Virgen dos Milagros de Caacupé desde 1980. A igreja foi visitada por dois papas, João Paulo II em maio de 1988 e Francisco em julho de 2015 oprtunidade em que foi promovida como Basílica Menor. Esse titulo é simplesmente para diferenciá-lo das quatro principais basílicas: San Pedro, San Juan de Letrán, San Pablo de Extramuros e Santa María la Mayor.

O Santuário da Virgem de Caacupé como o conhecemos hoje poderia ter sido completamente diferente se o projeto do arquiteto Alfaro Decoud não tivesse sido truncado devido a problemas de natureza econômica.

Embora com o crescimento da hierarquia do templo, a fé, a devoção e a esperança dos fiéis aumentassem, infelizmente um dos mais importantes Patrimônios Históricos do país, por sua vez, foi destruído.

No ano de 1980, o templo histórico conhecido como “El Tupao Tuja” (antigo templo) havia desaparecido, o que aconteceu após a construção da segunda parte do altar-mor, hoje conhecida como Basílica Menor.

Para que a nova Basílica fosse construída, eles demoliram uma igreja do século 18. Hoje, apenas partes da estrutura podem ser vistas no museu da Basílica, inaugurado em 2018.

Em 4 de novembro de 1980, Tupao Tujá foi demolido para construir o Santuário da Virgem, hoje a Basílica Menor de Nossa Senhora de Caacupé.

O poço de agua da Virgen – Tupasy Ykua


Perto da basílica estão a réplica da antiga capela e o Poço da Virgem, que, segundo a tradição popular, tem propriedades curativas. Hoje quem vem a Caacupé procura a água do Poço da Virgem (Tupãsy Ykuá). Ao lado, o Poço da Virgem ultimamente deixou de ser potável, devido à contaminação nas águas superficiais. A escavação de um poço profundo (94 metros) próximo ao atual foi realizada para evitar a contaminação e, assim, fornecer um serviço seguro de água pura para os peregrinos.

O templo é uma réplica da antiga igreja, o Tupaõ Tuja.

 

 

fuente:

  • https://www.barriada.com.ar
  • http://www.historiaparroquias.com.ar
  • IV Jornadas de Historia Social de la Patagonia:  La Virgen de Caacupé-i símbolo de la inmigración paraguaya en San Carlos de Bariloche –  Lic. Barelli, Ana Inés (1)
  • http://www.marandudigital.com.py/espiritualidad/espiritualidad3.htm

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *