Tango Show: Café de los Angelitos

O Café de los Angelitos é um café histórico de tango na cidade de Buenos Aires, localizado na esquina da Avenida Rivadavia e Rincón, no bairro de Balvanera. Foi o local onde Carlos Gardel estabeleceu a turma dele a partir de 1912, quando iniciou sua carreira artística formando uma dupla com José Razzano. Este último, em 1944, compôs um famoso tango com letras de Cátulo Castillo, intitulado precisamente “Café de los Angelitos”.

Carlos Gardel morava na rua Rincón 100, que costumava comer puchero ou tomar uma bebida. Ele estava tão acostumado com o local que assinou aqui junto a José Razzano seu primeiro contrato de gravação com a Odeón.

Café de los Angelitos


Esse mítico boliche foi inaugurado em 1890 pelo italiano Batista Fazio, mas somente em 1919, comprado pelo galego Angel Salgueiro, passou a ser conhecido como Café de los Angelitos. Diz a lenda que um certo comissário da Balvanera foi quem batizou o café com esse nome. Aparentemente, o comissário costumava dizer aos seus homens: “Vamos lá pessoal, vamos ver se alguém deu confusão no Café daqueles anjinhos”. Os “anjinhos” era a malandragem. O local, além daqueles malandros de chapéu e olhos sombrios, era famoso por seus trovadores, como o mulato Gabino Ezeiza, José Betinotti e Higinio Cazón.

Em 1992, o café fechou após uma tomenta ter causado o colapso do telhado. As instalações tornaram-se um depósito de lixo até dezembro de 2000, que foi demolido por razões de segurança. 12 anos se passaram desde o seu fechamento e quatro desde a sua demolição. Durante todo esse tempo, dezenas de funcionários e legisladores prometeram resgatá-lo e ressuscitá-lo. Nem a prefeitura nem o secretário de cultura da nação se interessaram em preservar esse patrimônio cultural da cidade de Buenos Aires.

Finalmente, o Café de los Angelitos, um lugar-chave no simbolismo do tango de Buenos Aires, foi adquirido em 2004 por um grupo empresarial que o reconstruiu na mesma esquina de Rivadavia e Rincón, anunciando a reabertura em março de 2005. No entanto, somente em 2007, reabriu suas portas.

Recuperá-lo era impossível e o grupo econômico que o comprou teve que começar do zero. “Quase nada conseguiu ser salvo”, diz Fernando Piñera, um dos proprietários. “Nós o reconstruímos no estilo da década de 1930”. 

Imediatamente após o fechamento, um grupo de moradores fundou a Associação Amigos do Café dos Angelitos, que desde então se reúne para ouvir e dançar tangos toda quarta-feira, na esquina de Rivadavia e Rincón. “Lutamos muito para que este local não virasse um posto de gasolina ou um Mc’Donalds”, disse com satisfação a presidenta da Associação, Beba Morales.

Na abertura do local, dois tangos foram cantados por Jorge Gabino Ezeiza, neto de Gabino Ezeiza, famoso payador do início do século passado que costumava se apresentar no galpão de piso de terra que era o Bar Rivadavia. O mesmo que em 1920 foi renomeado Café de los Angelitos.

Alfredo Palacios e Juan B. Justo estavam acostumados a esse mítico boliche. Precisamente o deputado Alfredo Bravo foi o promotor em 1994 de dois projetos de lei apresentados no Congresso. Neles, ele pediu que o local fosse declarada de “utilidade pública e sujeita a desapropriação”, para que o Museu Nacional do Tango funcionasse lá.

O próprio Alfredo Palacios relata: “Entrei naquele café pela primeira vez em 1942. Eu tinha 17 anos; alguns líderes socialistas da Casa del Pueblo me levaram até lá”, lembra Bravo. E uma anedota resgata: “A Casa del Pueblo, localizada a cinquenta metros de Rivadavia e Rincón, foi inaugurada em 23 de janeiro de 1927. Naquela noite houve um jantar popular, onde comiam macarrão á bolonhesa e frango grelhado. Como era tradição entre os socialistas, apenas bebiam água. É claro que, depois do jantar, um grande grupo foi ao Café de los Angelitos e bebeu todo o vinho que havia”.

O Tango Show


O projeto de restauração era realmente mais ambicioso que o original. Para começar, acrescentou 1.600 metros quadrados, o que é mais que o dobro do que o Café de los Angelitos encerrado em 1992. Além de um bar e restaurante com capacidade para cerca de 120 pessoas, acrescentou um grande espaço para 330 pessoas destinadas a jantar-show basicamente destinado a turistas, não tanto pelo conteúdo, mas pelo preço, esclarece um dos proprietários, Rafael Piñera.

O tango alcança seu ápice de popularidade nos anos 40, época da poesia e das grandes orquestras. A radiofonia e o cinema contribuíram notavelmente para levá-lo a um período de sucesso até os começos dos anos 50. Entre 60 e 70, as preferências populares foram direcionadas para outros gêneros. No entanto, o tango teve um momento de especial criatividade em suas variantes modernas, especialmente com Astor Piazzolla. Nos anos 80, com a companhia Tango Argentino, o gênero fez furor em Paris e em Broadway.

O show dura cerca de 1 hora e 20 minutos e é composto por uma orquestra  (quinteto: piano, baixo, duas bandoneons e violino), cantores e cinco pares de dançarinos dirigidos por Sandra Bootz e Gabriel Ortega. O show percorre a história do tango dos anos 20 ate Piazzolla, com alguns toques modernos é um show dinâmico e intenso que agrada á audiência em um ambiente muito especial.

Você poderá reservar localizações no espaço exclusivo VIP na Planta Alta do salão com vista panorâmica para o cenário, ou poderá optar por localizações ao longo de toda a Planta Baixa na frente do palco, no centro ou no fundo do Café.

  • Planta Alta: Exclusivo VIP
  • Planta Baixa Centro: Ejecutivo
  • Planta Baixa Frente e Fundo: Standard

Lavado de dinero


Usando as novas identidades que o governo colombiano lhes deu nos anos 90, a viúva e o filho de Pablo Escobar Gaviria atuaram como conexão comercial entre o traficante José Piedrahita Cevallos, detido na Colômbia a pedido dos Estados Unidos, e o empresário e advogado argentino Mateo Corvo Dolcet. Juntos, eles formaram várias empresas: metade dedicada ao negócio imobiliário, a outra metade à gastronomia.

Agosto de 2018: a viúva e o filho de Pablo Escobar chegam aos tribunais de Morón para serem investigados

Mateo Corvo Dolcet era o chefe de um mega projeto imobiliário em Pilar, entre outros negócios, através dos quais sel lavaram entre 10 e 15 milhões de dólares desde 2008. O projeto incluía uma estação de trem VIP, estacionamento para 15 mil carros e um bairro privado de estilo Puerto Madero.

Como outros narcos colombianos, Piedrahita Ceballos conhecia bem a Argentina: ele viajou pelo menos 14 vezes em 2010 com sua verdadeira identidade e não se sabe quantos mais com nomes falsos. Usando testaferros argentinos, ele conseguiu lavar quase 15 milhões de dólares no mercado financeiro.

A Operativa foi chamada de “Café de los Angelitos” porque aparentemente uma das empresas que costumava lavar dinheiro de drogas administrava aquele café tradicional de Buenos Aires.

Em poucas horas, a policia realizou34 operações, uma delas no Café de los Angelitos e o outro em um setor do complexo de Faena, em Puerto Madero. No total, seis pessoas foram presas e US $ 537.890, € 14.200, 107.134 pesos, dois quilos de ouro, um carro Mercedes Benz, computadores e documentação foram seqüestrados. A importância dos movimentos narco colombianos em nosso país foi tão grande que sua prisão ocorreu em uma operação conjunta das autoridades dos Estados Unidos (DEA), colombianas e argentinas.

Via DEA, chegaram dados indicando que as autoridades colombianas haviam detectado três telefones celulares argentinos relacionados a Piedrahita Ceballos. Os dados indicaram que o colombiano José Piedrahita Cevallos – ex-chefe dos cartéis de Cali – havia começado a investir na Argentina porque sua intenção era se mudar para este país com toda a família.

O empresário Pedro Antonio Ruiz, dono do café “Los Angelitos” e amigo pessoal de Corvo, está entre os acusados ​​no caso que foi levado para julgamento em junho de 2020.

 

 

fonte:

  • https://www.cafedelosangelitos.com/
  • https://turismo.buenosaires.gob.ar/es
  • https://www.hoy-milonga.com/buenos-aires/es/
  • https://www.clarin.com/
  • https://www.fiscales.gob.ar/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *