Planetário Galileo Galilei – Parte II: O disco voador que possuo no Bosques de Palermo

Argentina_Parque 3 Febrero_Palermo_Bosque_cúpula_Patrimônio_El Rosedal_ Full Dome_realidade virtual_Astronomia_RGB Lighting_Led

O Parque 3 de Febrero é o maior pulmão verde de Buenos Aires. Suas florestas, lagos, praças e passeios se estendem por 370 hectares do bairro de Palermo.

Uma das milongas mais importantes (salas para dançar tango) da história do  tango  foi o “Lo de Hansen”, que era o local mais popular da cidade entre 1895 e 1910 e demolido em 1912 por ordem do prefeito Anchorena, para realizar uma ampliação dos acessos ao velódromo. Estava localizado na esquina da Avenida Figueroa Alcorta e Sarmiento, onde hoje fica o  Planetário.

As obras do Planetário Galileo Galilei começaram, sob a direção do arquiteto argentino Enrique Jan em 1962. A abertura definitiva para o público em geral foi realizada em 5 de abril de 1968. Continue lendo “Planetário Galileo Galilei – Parte II: O disco voador que possuo no Bosques de Palermo”

Complexo Quinqueleano no bairro de La Boca

Através de seu trabalho artístico, Quinquela Martín percorreu a Argentina e viajou por vários países ao redor do mundo. Seu prestígio aumentou muito, mas ele sempre se manteve firme e fiel a sua temática: o trabalho no porto, os navios, a fumaça de carvão e a vida humilde daquele bairro que estava gravado no fundo do coração: La Boca.

Adotado aos 6 anos de idade, sua infância pobre e o ambiente do porto em que ele foi formado determinaram sua concepção de arte como parte da vida e do artista como um membro ativo e transformador da sociedade.

Em 1933, comprou vários terrenos que doou ao Estado para construir instituições dedicadas à divulgação de obras de arte e sociais. Assim, em 1936 foi inaugurada a escola Pedro de Mendoza e, em 1938, o Museu de Artistas Argentinos, hoje conhecido sob o nome de Museu de Belas Artes Benito Quinquela Martín. Mais tarde, ele doou outros espaços para criar o famoso “Teatro de la Ribera”, o Hospital de Odontologia Infantil, uma Escola Infantil, e um berçário.

“Não considero minhas doações como tal, mas como retornos. Eu devolvi ao meu bairro uma boa parte do que ele me fez ganhar com a minha arte”, disse o pintor.. O Complexo Quinqueleano virou realidade graças a sua  generosidade. No ultimo andar do Museu de Belas Artes o mestre Quinquela Martín instalou sua casa e oficina em 1948. Continue lendo “Complexo Quinqueleano no bairro de La Boca”