TIRADENTES (MG): Capela do Bom Jesus da Pobreza – Parte II: O Natal Iluminado de Tiradentes

A Capela do Bom Jesus da Pobreza é Patrimônio Histórico Nacional tombado pelo IPHAN. Pouco se conhece sobre a construção capela do Bom Jesus da Pobreza além do fato de ter sido aberta ao culto em 1786.

A igreja tem fachada simples, em estilo barroco-rococó, e o interior marcado pela imagem de um Jesus Cristo agonizante em meio a um altar de madeira com pinturas florais coloridas. Ela já sofreu várias intervenções desde a construção, incluindo uma grande reforma nos anos 50.

Neste post vamos conhecer o seu interior e o belíssimo “Natal Iluminado” com projeções na fachada que recriam o espirito natalino na cidade histórica de Tiradentes.

Continue lendo “TIRADENTES (MG): Capela do Bom Jesus da Pobreza – Parte II: O Natal Iluminado de Tiradentes”

TIRADENTES (MG): Capela do Bom Jesus da Pobreza – Parte I: Marcada pela sua simplicidade a construção data da segunda metade do século XVIII

A Capela do Bom Jesus da Pobreza, ou Bom Jesus Agonizante, com aparência modesta em relação ao conjunto arquitetônico da cidade marca o Largo das Forras. Está entre bares e restaurantes e dá certo ar colonial à Praça. A história da igreja é bastante incerta, devido à falta de documentos sobre a construção. Acredita-se que ela date da segunda metade do século XVIII, construída no período entre 1771 e 1786. A igreja tem estilo barroco-rococó, e o interior é marcado pela imagem de um Jesus Cristo agonizante em meio a um altar de madeira com pinturas florais coloridas. Continue lendo “TIRADENTES (MG): Capela do Bom Jesus da Pobreza – Parte I: Marcada pela sua simplicidade a construção data da segunda metade do século XVIII”

MARÍLIA de DIRCEU: Casa Museu Tomás Antônio Gonzaga, Ouro Preto – Parte II

Inconfidência_Mineira_Maria_Dorotéa _Marília_Dirceu_Seixas_Patrimônio_estrada real_Unesco_Iphan

Todo mundo gosta de romance e ainda mais, de amores impossíveis. Pois bem, esta história tem todos os ingredientes de uma trama trágica, pois tendo data marcada para o casamento, o destino quis separar eles poucos dias antes da sagrada união. Por causa da Conjuração Mineira o poeta foi condenado ao exílio na África, sem nunca mais voltar a ver á namorada azarada, quem permaneceria solteira até o dia de sua morte.

Nesta segunda parte do post relacionado ao Museu Casa Tomás Antônio Gonzaga situado no casco histórico da cidade de Ouro Preto vamos a abordar o tão falado romance de Marília de Dirceu, personagens líricos dos poemas que Gonzaga dedicara a sua amada, Maria Doroteia.

Teve efeituado varias leituras ate achar a maravilhosa tese de Ana Cristina Magalhães Jardim (citada na fonte) para conseguir debelar os por menores de este romance, que conta com variadas e dissimiles versões, muito confusas e a maioria delas indocumentadas, fazendo muito difícil a tarefa de conseguir separar o mito da realidade. Continue lendo “MARÍLIA de DIRCEU: Casa Museu Tomás Antônio Gonzaga, Ouro Preto – Parte II”