Museu de Belas Artes Benito Quinquela Martín (MBQM) no bairro de La Boca

Benito Quinquela Martín foi um dos protagonistas da renovação que as artes plásticas do país viveram a partir da década de 1920 e que deram frutos em uma época de ouro da pintura argentina.  Pintor e muralista argentino, principal membro do grupo de pintores de La Boca, o bairro portuário de Buenos Aires em que nasceu e ao qual sempre permaneceria ligado. Com um estilo naturalista, o tema de sua obra girava, sobretudo, em torno de navios e portos, capturando igualmente a beleza de suas impressões e as duras condições de trabalho.

O acervo do museu (MBQM) esta conformado por uma ampla coleção de obras de artistas argentinos. O museu foi preenchido com óleos, aquarelas, pastéis, templos e pinturas de têmpera feitas em tela, papel e madeira; esculturas em pedra, bronze, como assim também gravuras e desenhos feitos com os mais variados procedimentos. Cerca de 5.000 peças compõem a coleção de fotografias digitalizadas.

O Museu de Belas Artes de La Boca oferece a possibilidade de conhecer a extensa obra artística de Quinquela Martín. O último andar tem a modalidade de Casa Museu, pois trata-se da própria casa e atelier do pintor, com amplos terraços que atuam como sala de exibição da importante mostra escultórica do museu. Continue lendo “Museu de Belas Artes Benito Quinquela Martín (MBQM) no bairro de La Boca”

Complexo Quinqueleano no bairro de La Boca

Através de seu trabalho artístico, Quinquela Martín percorreu a Argentina e viajou por vários países ao redor do mundo. Seu prestígio aumentou muito, mas ele sempre se manteve firme e fiel a sua temática: o trabalho no porto, os navios, a fumaça de carvão e a vida humilde daquele bairro que estava gravado no fundo do coração: La Boca.

Adotado aos 6 anos de idade, sua infância pobre e o ambiente do porto em que ele foi formado determinaram sua concepção de arte como parte da vida e do artista como um membro ativo e transformador da sociedade.

Em 1933, comprou vários terrenos que doou ao Estado para construir instituições dedicadas à divulgação de obras de arte e sociais. Assim, em 1936 foi inaugurada a escola Pedro de Mendoza e, em 1938, o Museu de Artistas Argentinos, hoje conhecido sob o nome de Museu de Belas Artes Benito Quinquela Martín. Mais tarde, ele doou outros espaços para criar o famoso “Teatro de la Ribera”, o Hospital de Odontologia Infantil, uma Escola Infantil, e um berçário.

“Não considero minhas doações como tal, mas como retornos. Eu devolvi ao meu bairro uma boa parte do que ele me fez ganhar com a minha arte”, disse o pintor.. O Complexo Quinqueleano virou realidade graças a sua  generosidade. No ultimo andar do Museu de Belas Artes o mestre Quinquela Martín instalou sua casa e oficina em 1948. Continue lendo “Complexo Quinqueleano no bairro de La Boca”

Caminito: A criação de Benito Quinquela Martín no bairro La Boca

A paisagem mais colorida da cidade de Buenos Aires foi oficialmente inaugurada em 18 de outubro de 1959. Originalmente correspondia a uma trilha de um trem de carga que abastecia o Puerto de la Boca.

Abandonado pelos serviços da empresa ferroviaria, esse beco virou um terreno baldio cheio de lixo que, em 1959, e graças aos vizinhos e Quinquela Martín, foi reaberto com o nome de um dos mais famosos tangos: Caminito.

Dessa forma, Quinquela Martín transforma o local em um museu ao ar livre criando uma galeria de esculturas e comissiona relevos feitos especialmente para localizá-los lá. Com o tempo, tornou-se um ícone turístico que identifica Buenos Aires. Continue lendo “Caminito: A criação de Benito Quinquela Martín no bairro La Boca”

MARÍLIA de DIRCEU: Casa Museu Tomás Antônio Gonzaga, Ouro Preto – Parte II

Inconfidência_Mineira_Maria_Dorotéa _Marília_Dirceu_Seixas_Patrimônio_estrada real_Unesco_Iphan

Todo mundo gosta de romance e ainda mais, de amores impossíveis. Pois bem, esta história tem todos os ingredientes de uma trama trágica, pois tendo data marcada para o casamento, o destino quis separar eles poucos dias antes da sagrada união. Por causa da Conjuração Mineira o poeta foi condenado ao exílio na África, sem nunca mais voltar a ver á namorada azarada, quem permaneceria solteira até o dia de sua morte.

Nesta segunda parte do post relacionado ao Museu Casa Tomás Antônio Gonzaga situado no casco histórico da cidade de Ouro Preto vamos a abordar o tão falado romance de Marília de Dirceu, personagens líricos dos poemas que Gonzaga dedicara a sua amada, Maria Doroteia.

Teve efeituado varias leituras ate achar a maravilhosa tese de Ana Cristina Magalhães Jardim (citada na fonte) para conseguir debelar os por menores de este romance, que conta com variadas e dissimiles versões, muito confusas e a maioria delas indocumentadas, fazendo muito difícil a tarefa de conseguir separar o mito da realidade. Continue lendo “MARÍLIA de DIRCEU: Casa Museu Tomás Antônio Gonzaga, Ouro Preto – Parte II”

COLOMBIA: Os 9 sítios declarados Patrimônio da Humanidade

A UNESCO promoveu importantes convenções globais, gerando diretrizes para a proteção desse legado natural e cultural para seus Estados membros. O primeiro deles, sobre a proteção do patrimônio cultural e natural mundial, foi realizado em 1972 e a Colômbia aderiu a ele em 1983.

Com esta convenção, é criada a Lista do Patrimônio Mundial de locais culturais, naturais e mistos do mundo. Na Lista do Patrimônio Mundial existem 1018 locais e nove deles estão na Colômbia (dois locais naturais e seis culturais). Em 2018, o Chiribiquete Park entrou na lista da Unesco como mista, ou seja, se destaca por sua cultura e natureza.

Esses lugares todos combinam charme, magia e natureza, incluem assim algumas das cidades mais antigas da Colômbia,  cidades que foram epicentros de grandes eventos históricos que marcaram o curso do país. Continue lendo “COLOMBIA: Os 9 sítios declarados Patrimônio da Humanidade”