Igreja San Pedro González Telmo – Parte IV: Divisão eclesiástica 

Igreja San Pedro González Telmo: Divisão eclesiástica 

A população primitiva e pequena que se desenvolvera em torno da Plaza Mayor, em uma área não superior a cinco quarteirões, sob a influência do Cabildo e a tutela espiritual da Catedral, estava crescendo e se expandindo para os dois limites dos traços da cidade de Buenos Aires: o Zanjón de Granados (Rua Chile) e o Zanjón de Matorros (Rua Tres Sargentos).

Por volta de 1769, existiam quatro grandes centros populacionais ou bairros orilleros que foram precursores do crescimento da cidade: Santo Domingo e Alto de San Pedro ao sul, la Merced e da Socorro para o norteSanto Domingo e La Merced se desenvolveram mais rapidamente, devido à sua localização excepcional; o Alto de San Pedro e o Socorro, localizados fora dos muros, cresceram mais lentamente.

Até meados do século XVIII, apenas a Iglesia Mayor (Catedral) exercia jurisdição em um território de aproximadamente 50 léguas ao redor da Plaza Mayor; mas com o aumento do bairro de Buenos Aires e “seus subúrbios”, os dois padres orientadores do mesmo, não puderam cumprir satisfatoriamente as várias funções religiosas. A princípio, para resolver esse problema, foi estabelecido que certas igrejas como a de Concepción, São Francisco e San Nicolás, ajudassem a Catedral.

Primeira divisão eclesiástica

No final de 1769, foi realizada a primeira divisão eclesiástica da cidade de Buenos Aires devida de certa maneira à importância que as igrejas primitivas haviam adquirido. Casamentos, nascimentos, batismos e mortes foram registrados em cada um delas; foi prestada ajuda aos necessitados e, além disso, constituíram o ponto de encontro das comissões do bairro, para o tratamento de assuntos extremamente graves, como epidemias e inundações.

Esta primeira divisão eclesiástica deveu-se aos esforços do bispo Manuel Antonio de la Torre, que propôs a divisão do território da cidade em seis cuarteles, a saber: a Catedral, a Conceição, Monserrat, San Nicolás, La Piedad e Socorro.

O curato ou Paróquia da Conceição cobria a área limitada entre as ruas atuais Caseros, San José, Chile e as margens do Rio da Prata; consequentemente, o Alto de San Pedro deixou de pertencer à jurisdição da Catedral e tornou-se dependente da Paróquia de Conceição.

No início do século XIX, o Alto de San Pedro, que já fazia parte do traçado da cidade, adquirira grande importância. El 31 de maio de 1806, graças á iniciativa do Bispo Lué estabeleceu-se a paróquia de San Pedro González Telmo, tirada da jurisdição da paróquia de Conceição.

A partir dessa data, começou a segunda grande etapa de história do bairro de San Telmo, ao mesmo tempo que a paróquia de San Telmo, foi estabelecida como centro espiritual do bairro.

As ruas de San Telmo, empoeiradas no verão e enlameadas no inverno, careciam dos benefícios da pavimentação. La Rua Defesa , ex Camino do Comercio, era o caminho direto para a Plaza Mayor, e por causa de seu dinamismo, resultante do tráfego pesado de carros provenientes do interior do país, tornou-se um dos mais progressistas do bairro.

A segunda divisão eclesiástica

Após a queda de Rosas e até o início do último terço do século XIX, o bairro havia se tornado o local de residência de vários fazendeiros, proprietários de terras, arrendatários e profissionais; mas a grande massa de sua população era constituída por diaristas.

Em 1859, a cidade de Buenos Aires foi dividida em onze paróquias, os seguintes limites correspondentes à paróquia de San Telmo: Brasil, Defesa, Caseros, Bolívar e Chile. É necessário salientar que essa jurisdição eclesiástica também se estendeu na área dos bairros de Boca e Barracas. Nos arredores, em Puerto de los Tachos (hoje Vuelta de Rocha), foi possível observar um grande número de casas de madeira, sinalizando o nascimento do populoso bairro de La Boca .

Nesse mesmo ano, o Hospital General de Hombres foi construído  próximo à igreja paroquial de San Pedro González Telmo.

A terceira divisão paroquial

Em 1867, sendo capital provisória da Nação em Buenos Aires, foram estabelecidos os novos limites do município, a saber: o Riachuelo, as ruas atuais Sáenz, Boedo , Medrano e Córdoba e o riacho Maldonado.

As paróquias foram: Catedral, San Telmo, Concepção, Monserrat, Balvanera, San Miguel, San Nicolás, El Socorro, Pilar e a Piedade.

Em 1869, San Telmo se tornou um dos bairros mais populosos da cidade de Buenos Aires. De uma população total de 177.787 pessoas residia no San Telmo 12.329 indivíduos, dos quais 6588 eram argentinos.

A edificação adquirira grande importância. Num total de 1283 casas, predominaram as casas de material de um corpo com terraço; mas também era possível ver casas de material com telhado de telha, casas de madeira e ranchos de adobe com telhado de colmo.

Em 1869, a cidade de Buenos Aires foi dividida em treze tribunais e paróquias. A jurisdição do Tribunal a e da Paróquia de San Pedro González Telmo foi delimitada pelas seguintes ruas: Martín García, Bolívar, Caseros, Chacabuco e México. É necessário ressaltar que, pela primeira vez, desde a fundação da cidade de Buenos Aires, as fronteiras civis, policiais e eclesiásticas de San Telmo coincidiram.

Finalmente, neste bairro populoso, dinâmico e tradicional de Buenos Aires, limitado na época pelas ruas Martín García, Chacabuco e México, nele penetrou e se espalhou no início de 1871 o terrível flagelo da febre amarela, que dizimou sua população. Naquele ano trágico, San Telmo se tornou o bairro mártir da cidade de Buenos Aires.

 

 

fonte:

  • Iglesia San Pedro González Telmo – Nora Bazzi Figueroa de Pérez Alen (1)
  • Los Límites Primitivos de San Telmo – Dr. Rafael Berruti (2)
  • Los hospitales coloniales- Federico Pérgola (3)
  • www.revisionistas.com.ar

Igreja San Pedro González Telmo – Parte III: O Templo

Argentina_Patrimônio_Iglesia_Jesuítas_Belen_Bethlemitas_Zanjón Granados_Buenos Aires_ Plaza_Dorrego_Praça_Feira_Feria_San Telmo_Hospital

O começo da construção desta igreja é muito antigo, em outubro de 1734,  sendo fundada em primeiro lugar pelos frades Jesuítas. O risco do templo como a residência erguida do lado ficou a cargo do arquiteto irmão Blanqui, autor de muitos templos na época. Os ornamentos, carpintaria e marcenaria ficaram nas mãos do irmão  jesuíta José Schmidt. A comparação com a outra igreja jesuíta em Buenos Aires (San Ignacio de Loyola, no bairro de Monserrat), resulta inevitável … para surpresa de muitos a igreja de San Telmo é muito maior.

Vamos conhecer neste post o interior deste templo, que acompanhou o nascimento e desenvolvimento do antigo arraial de San Pedro, para transformar-se no centro de referencia espiritual do atual bairro de San Telmo, um dos bairros mais adorados pelo turismo internacional. Continue lendo “Igreja San Pedro González Telmo – Parte III: O Templo”

Igreja San Pedro González Telmo – Parte II: Fachada e Historia

Argentina_Patrimônio_Iglesia_Jesuítas_Belen_Bethlemitas_Zanjón Granados_Buenos Aires_ Plaza_Dorrego_Praça_Feira_Feria_San Telmo_Hospital

Os jesuítas estabelecidos na igreja de San Ignacio de Loyola fundaram sua segunda sede aqui, iniciando a evangelização do bairro incipiente da era colonial, quando San Telmo era conhecido com o nome de “Altos de San Pedro” ou “Ex-Mercado de Carretas”,  onde os viajantes pararam para descansar e dar de beber aos bois, antes de atravessar o Zanjón de Granados e entrar finalmente na cidade de Buenos Aires.

Em 1734, começou a construção da capela e foi em honor a Nuestra Señora de Belén. Em 1795 quando os jesuítas foram expulsos o local foi ocupado pelos frades Bethlemitas, uma irmandade muito ligada aos hospitais, tendo fundando um hospital na antiga residência dos jesuítas, eles assumiram a igreja.

A fachada de estilo italiano foi inspirada na Igreja dos Santos Vincenzo ed Anastasio, em Roma. O arquiteto desconhecido simplificou o conjunto de tímpanos que é uma das características dessa fachada, sem a coerência do modelo original. Foi alterado nas décadas do pintoresquismo (as duas primeiras décadas do século XX), pelo estilo colonial que é vista hoje.

Em uma intervenção que distorceu as características coloniais, a fachada foi completamente transformada por Pelayo Sainz em 1931, de acordo com um projeto neocolonial. Continue lendo “Igreja San Pedro González Telmo – Parte II: Fachada e Historia”

Basílica Nossa Senhora do Pilar – Parte III: O Templo e o Convento

Centro_Cultural_recoletos_Franciscanos_Altar_Reliquias_Capilla_Cemitério

Em 1715, os frades recoletos descalços começaram a construção da igreja e do convento no que é hoje o bairro de Recoleta, em Buenos Aires. Inaugurada em 12 de outubro de 1732, a basílica Nuestra Señora del Pilar é o segundo templo mais antigo da cidade de Buenos Aires e o que melhor preserva o estilo colonial barroco original.

Construída pelos jesuítas, a Basílica Nuestra Señora del Pilar conserva altares, imagens e ornamentos originais. A igreja é um relicário de obras de arte, entre as quais destacam-se os Altares Laterais da Virgem do Carmo e do Cristo da Paciência e Humildade e uma escultura de San Pedro de Alcántara atribuída a Alonso Cano.

O visitante também tem a oportunidade de visitar um pequeno museu, onde antes ficavam os claustros dos frades recoletos. Fechados por quase três séculos, as galerias, praticamente intactas, foram abertas ao público em 1997, como um museu de arte. Continue lendo “Basílica Nossa Senhora do Pilar – Parte III: O Templo e o Convento”

Igreja e Mosteiro Santa Catalina de Siena – Parte III: O primeiro convento de freiras de Buenos Aires

A cidade de Buenos Aires teve dois mosteiros de freiras durante o período colonial, ambos fundados em meados do século XVIII. O Mosteiro de Santa Catalina de Siena (bairro San Nicolas), de freiras dominicanas e o Mosteiro de Nossa Senhora do Pilar (bairro Monserrat), de freiras capuchinhas.

Durante o ano de 2001 foram realizadas obras de arqueologia no convento e igreja, a fim de instalar o grande evento de design Casa FOA. Durante os trabalhos, foi encontrado um poço com um objeto metálico que representava um Macho Cabrío, com chifres e asas. Isso foi queimado e enterrado no pátio do convento transformando-o em um evento de difícil explicação, instalando-se por sua vez, o mito dum evento de exorcismo feito pelas freiras do convento … será verdade? Continue lendo “Igreja e Mosteiro Santa Catalina de Siena – Parte III: O primeiro convento de freiras de Buenos Aires”

Basílica Nossa Senhora do Pilar – Parte I: Recoleta o bairro mais elegante de Buenos Aires

Centro_Cultural_recoletos_Franciscanos_Ombúes_Virgem_Cemitério

O bairro Recoleta, em Buenos Aires, possui uma enorme variedade de atrações turísticas para todos os gostos. Uma das atrações mais importantes do ponto de vista histórico e cultural é a Basílica Nuestra Señora del Pilar.

Caminhando pela Avenida Alvear, cheia de palácios, hotéis e residências aristocráticas, chegamos á Praça Intendente Torcuato de Alvear e  a Praça França. Nos arredores, é possível fazer um belo passeio turístico pelo Cemitério da Recoleta, pelo Centro Cultural Recoleta, pelo Buenos Aires Design Center e por uma grande variedade de estabelecimentos gastronômicos em um dos bairros mais elegantes da cidade de Buenos Aires.  Continue lendo “Basílica Nossa Senhora do Pilar – Parte I: Recoleta o bairro mais elegante de Buenos Aires”

Fortalezas em Santa Catarina: Os sistemas de defesa marítima do Brasil

Florianópolis_Santa_Catarina_Brazil_ilha_Brasil_Patrimônio_Unesco_ fortificações_Forte

A Ilha de Santa Catarina era um ponto de defesa estratégico, localizada exatamente na rota entre a Espanha e suas principais colônias na América do sul, Buenos Aires Assunção. Nesse cenário, o conjunto de fortes da Ilha de Santa Catarina compôs à época um sistema defensivo para impedir uma provável invasão espanhola, que mais cedo ou mais tarde haveria de acontecer, como aconteceu de fato.

Construídas pela Coroa Portuguesa a partir de 1739, com a função de guarnecer a entrada da Barra Norte da Ilha, as fortalezas de Santa Cruz de Anhatomirim, Santo Antônio de Ratones e São José da Ponta Grossa foram projetadas por José da Silva Paes, brigadeiro, engenheiro militar e primeiro governador da capitania de Santa Catarina. As obras deram início ao sistema defensivo da Ilha, que posteriormente foi ampliado com outras dezenas de fortificações, como fortes, baterias e trincheiras.

O sistema de fortificações na Ilha de Santa Catarina garantia a posse do território defendendo-a contra qualquer nação inimiga, em especial, a Espanha e o apoio logístico entre o Rio de Janeiro (onde Portugal tinha o seu vice-reinado) e a parte sul do continente. Quatro fortalezas foram construídas inicialmente, entre 1739 e 1744, incluindo também a edificação da Fortaleza de Nossa Senhora da Conceição de Araçatuba, na Barra Sul.

Santa Catarina chegou a somar cerca de 40 fortificações até o início do século XIX. Porém, ainda na primeira metade daquele século, a maioria das construções já havia desaparecido, por arruinamento, abandono ou demolição. Mesmo o tombamento como patrimônio histórico brasileiro, em 1938, pelo Sphan, (atual IPHAN), não foi suficiente para assegurar a preservação ou a recuperação dessas construções. Continue lendo “Fortalezas em Santa Catarina: Os sistemas de defesa marítima do Brasil”

Basílica e Convento de Santo Domingo – Parte III: Chegou a hora de entrar no Templo e conhecer os detalhes do interior

Na Parte I falamos da historia do templo e sua fachada, junto a historia da Ordem dos Pregadores Dominicanos em América  e sua chegada a Buenos Aires para fundar a Basílica do Rosário e Convento Santo Domingo.

Na Parte II narrei a historia que une Virgem do Rosário com o título de Patrona da Reconquista e Defesa de Buenos Aires durante as Invasões Inglesas, cujas bandeiras conquistadas ao inimigo são exibidas nesta igreja.

Por fim chegou a hora de entrar no templo e apreciar a maravilhosas talhas em mármore nas colunas, confessionários e no Altar mor.  e dos increivel quadros venezianos que representam os 15  Misterios do Rosario. Desta vez, depois de navegar pelo interior do templo vamos falar sobre o culto e devoção da Virgem do Rosário em diferentes pontos de América Latina.

Também vamos falar do infeliz incêndio do antigo retábulo, uma historia que entristece a todos os amantes do patrimônio histórico da cidade de Buenos Aires.

Continue lendo “Basílica e Convento de Santo Domingo – Parte III: Chegou a hora de entrar no Templo e conhecer os detalhes do interior”

Basílica e Convento de Santo Domingo – Parte II: As Invasões Inglesas e Restauração da Capela do Rosário

Argentina_Monserrat_ San Telmo_Patrimônio_invasão_inglesa_iglesia_Reconquista_Convento_Dominicanos Dominicos_Gusmão_irmandad_Misterios_Virgem

O costume de oferecer as bandeiras capturadas ao inimigo à Virgem que cuidara maternalmente de seus devotos nos campos de batalha tem antecedentes distantes na Europa e logo depois durante as guerras de independência na América.

Pouco antes da invasão napoleônica na península ibérica, os ingleses entraram no Rio da Prata com o objetivo de apreender dos espanhóis, os domínios de Buenos Aires e Montevidéu, em duas ocasiões (1806 e 1807).

A pilhagem dos templos e as brigas nos conventos protagonizado pelos ingleses incentivaram a visão patriótica dos crioulos. O líder determinado da defesa e reconquista de Buenos Aires, Santiago Liniers, prometeu oferecer à imagem do Rosário as bandeiras capturadas ao inimigo. Após a vitória, várias imagens foram tiradas em procissão e as bandeiras foram depositadas diante do Rosário, dentro do templo.

Atualmente, é conhecida como Virgem do Rosário da Reconquista e Defesa de Buenos Aires, pois foi nesta igreja e convento onde aconteceu o combate decisivo de Santo Domingo, que terminaria com a derrota final do exército inglês.

Visitei a Basílica do Rosário em Julho de 2019 e depois em Janeiro de 2020, registrando em primeiro lugar os trabalhos de restauração na Capela do Rosário e tempo depois, os trabalhos concluídos da capela onde estão exibidas as bandeiras capturadas aos ingleses. Continue lendo “Basílica e Convento de Santo Domingo – Parte II: As Invasões Inglesas e Restauração da Capela do Rosário”

MUSEU ZANJÓN de GRANADOS: A cidade de Buenos Aires e seus rios – Parte II

Patrimônio_Argentina_Arquitetura_Casa_Conventillo_Defensa_Arqueología_pluviais_ Jorge Eckstein_Schávelzon

Em 1985, Jorge Eckstein, antigo morador do tradicional bairro de San Telmo, em Buenos Aires, comprou a casa abandonada na vizinhança, a qual pretendia transformar num local cultural e gastronómico. Pouco tempo depois de começar a obra, ele descobriu, por acaso, o que se tornaria um dos sítios arqueológicos mais importantes da cidade.

Uma equipe de arqueólogos analisou a fundação do casarão para entender melhor sua história. Sob a casa descobriram uma construção arqueada diferente, que escavações posteriores acabaram revelando ser a cobertura de um túnel subterrâneo. A investigação revelou que a antiga mansão se encontrava em cima de um intrincado sistema de drenagem.

O processo total demorou quase 20 anos para finalmente mudar o velho casearão no atual museu. A iniciativa do desenvolvimento foi privada a cargo do próprio Eckstein, inaugurado em 2003.

Durante o passeio pela casa e nos túneis, a guia (inglês/espanhol) se encarrega de transportar os visitantes ao passado, contando uma interessante história capaz de nos manter intrigados durante todo o percurso. Continue lendo “MUSEU ZANJÓN de GRANADOS: A cidade de Buenos Aires e seus rios – Parte II”