Patrimônio Histórico da Colômbia: História de eventos que afetaram seu patrimônio cultural

Terremotos e Incêndios são as principais ameaças que sofre o Patrimônio Histórico e Cultural da Colômbia. As forcas da natureza colocam em evidência a vulnerabilidade dos edifícios mais antigos provocando perdidas irreparáveis. Continue lendo “Patrimônio Histórico da Colômbia: História de eventos que afetaram seu patrimônio cultural”

Igreja de São Juan Bautista de Betharram – Parte III: O Templo e o Convento

Bairrro_Monserrat_Buenos_Aires_Argentina_Iglesia_Patrimonio_Cultural_Religioso_ San_Telmo_Historico_Clarisas_Capuchinas_Clarissas_Capuchinhas_Betharram_Assis_Bayoneses

Bem antes da chegada dos Padres Bayoneses em 1856, a igreja acolheu um grupo de Freiras Capuchinas que vinheram de Santiago do Chile, elas construíram do lado da igreja o Convento de Nossa Senhora do Pilar das Freiras Capuchinha, em 174 7. Os únicos dois mosteiros de clausura que Buenos Aires possuía durante o período colonial foram: Santa Catalina de Sena, das freiras dominicanas – “calzadas” – e Nossa Senhora do Pilar, de freiras capuchinas – “descalzas” -.

Vamos conhecer nesta postagem o Interior do Templo e o Convento que em parte foi demolido. Por sua vez a igreja foi vitima de incêndio e roubo prejudicando consideravelmente seu acervo. Continue lendo “Igreja de São Juan Bautista de Betharram – Parte III: O Templo e o Convento”

Basílica e Convento de Santo Domingo – Parte III: Chegou a hora de entrar no Templo e conhecer os detalhes do interior

Na Parte I falamos da historia do templo e sua fachada, junto a historia da Ordem dos Pregadores Dominicanos em América  e sua chegada a Buenos Aires para fundar a Basílica do Rosário e Convento Santo Domingo.

Na Parte II narrei a historia que une Virgem do Rosário com o título de Patrona da Reconquista e Defesa de Buenos Aires durante as Invasões Inglesas, cujas bandeiras conquistadas ao inimigo são exibidas nesta igreja.

Por fim chegou a hora de entrar no templo e apreciar a maravilhosas talhas em mármore nas colunas, confessionários e no Altar mor.  e dos increivel quadros venezianos que representam os 15  Misterios do Rosario. Desta vez, depois de navegar pelo interior do templo vamos falar sobre o culto e devoção da Virgem do Rosário em diferentes pontos de América Latina.

Também vamos falar do infeliz incêndio do antigo retábulo, uma historia que entristece a todos os amantes do patrimônio histórico da cidade de Buenos Aires.

Continue lendo “Basílica e Convento de Santo Domingo – Parte III: Chegou a hora de entrar no Templo e conhecer os detalhes do interior”

Igreja São San Juan Bautista de Betharram Parte I: Qual é a diferença entre San Telmo e Monserrat?

Bairrro_Monserrat_Buenos_Aires_Argentina_Iglesia_Patrimonio_Cultural_Religioso_ San_Telmo_Historico_Clarisas_Capuchinas_Clarissas_Capuchinhas_Betharram_Assis_Bayoneses_Convento_Mosteiro

Há muito tempo na área onde os primeiros habitantes da cidade foram estabelecidos, Monserrat é o mais antigo de dois bairros de Buenos Aires e os dois mais interessantes a nível turístico.

Este bairro abriga a praça mais importante da Argentina, a Plaza de Mayo, cenário central da segunda fundação de Buenos Aires por Juan de Garay em 1580. Portanto, a vida do bairro começou no início do nascimento de a cidade.

Seu limite ao norte é a Av Rivadavia, pelo qual dentro dele, são encontrados os locais históricos mais importantes de Buenos Aires; Cabildo, Casa Rosada e Catedral, Praça do Congresso, Manzana de las Luces, o Palácio Barolo e as igrejas de Monserrat, San Ignacio, São Francisco, Nossa Senhora do Rosário e… a igreja a San Juan Bautista.

Este bairro geralmente é confundido com o vizinho e famoso bairro de San Telmo, com um perfil marcadamente turístico e promovido como o Casco Histórico da cidade.

Mas falar do bairro de Monserrat é, acima de tudo, referir-se a outros tempos. Juntamente com o bairro de San Nicolas, a ambos os lados da Plaza de Mayo, eles foram os primeiros a se desenvolver em torno do “Forte Real”, um edifício que a coroa espanhola construía em cada domínio, como centro de administração e defesa. Continue lendo “Igreja São San Juan Bautista de Betharram Parte I: Qual é a diferença entre San Telmo e Monserrat?”

Basílica e Convento de Santo Domingo – Parte II: As Invasões Inglesas e Restauração da Capela do Rosário

Argentina_Monserrat_ San Telmo_Patrimônio_invasão_inglesa_iglesia_Reconquista_Convento_Dominicanos Dominicos_Gusmão_irmandad_Misterios_Virgem

O costume de oferecer as bandeiras capturadas ao inimigo à Virgem que cuidara maternalmente de seus devotos nos campos de batalha tem antecedentes distantes na Europa e logo depois durante as guerras de independência na América.

Pouco antes da invasão napoleônica na península ibérica, os ingleses entraram no Rio da Prata com o objetivo de apreender dos espanhóis, os domínios de Buenos Aires e Montevidéu, em duas ocasiões (1806 e 1807).

A pilhagem dos templos e as brigas nos conventos protagonizado pelos ingleses incentivaram a visão patriótica dos crioulos. O líder determinado da defesa e reconquista de Buenos Aires, Santiago Liniers, prometeu oferecer à imagem do Rosário as bandeiras capturadas ao inimigo. Após a vitória, várias imagens foram tiradas em procissão e as bandeiras foram depositadas diante do Rosário, dentro do templo.

Atualmente, é conhecida como Virgem do Rosário da Reconquista e Defesa de Buenos Aires, pois foi nesta igreja e convento onde aconteceu o combate decisivo de Santo Domingo, que terminaria com a derrota final do exército inglês.

Visitei a Basílica do Rosário em Julho de 2019 e depois em Janeiro de 2020, registrando em primeiro lugar os trabalhos de restauração na Capela do Rosário e tempo depois, os trabalhos concluídos da capela onde estão exibidas as bandeiras capturadas aos ingleses. Continue lendo “Basílica e Convento de Santo Domingo – Parte II: As Invasões Inglesas e Restauração da Capela do Rosário”

Basílica e Convento de Santo Domingo – Parte I: A Ordem dos Pregadores Dominicanos na Argentina

Invasiones_Inglesas_Belgrano_Monserrat_Dominicos_Monumento_Histórico_Nacional_Patrimonio_colonial_San Telmo_arquitetura_lighting_design

Percorrendo o bairro de Monserrat e sua elegante Avenida Belgrano, chego à esquina da rua Defensa, aquela que os dias domingo se transforma em uma feira muito popular no bairro contíguo de San Telmo.

Nessa esquina (Av. Belgrano e Defensa) fica a igreja e o convento da Ordem dos Pregadores Dominicanos. O nome correto é Basílica de Nossa Senhora do Rosário e Convento de Santo Domingo, muitas vezes denominada abreviadamente como Basílica do Rosário (Santo Domingo).

A avenida não apenas homenageia o General Manuel Belgrano, herói da revolução e independência da Argentina, como assim também faz o átrio da Basílica onde se encontra o mausoléu do herói da pátria e criador da bandeira nacional argentina.

Curiosamente, neste local são exibidas as bandeiras conquistadas durante as batalhas contra o exército inglês nas chamadas invasões inglesas de 1806 e 1807. Continue lendo “Basílica e Convento de Santo Domingo – Parte I: A Ordem dos Pregadores Dominicanos na Argentina”

Revista Museus: Museu do Amanhã, Rio de Janeiro

Novo ícone da revitalização da região portuária do Rio de Janeiro, o Museu do Amanhã nasce na Praça Mauá como um museu de ciência que se dedica a explorar, pensar e projetar as possibilidades de construção do futuro.

O Museu do Amanhã é primeiro projeto no Brasil do celebrado arquiteto espanhol Santiago Calatrava. As obras de fundação começaram em agosto de 2010 e foi inaugurado em 17 de dezembro de 2015 com a presença da presidente Dilma Rousseff. O museu foi parte do projeto de renovação da área portuária da cidade para as Olimpíadas de 2016.

 

Download

  Continue lendo “Revista Museus: Museu do Amanhã, Rio de Janeiro”

Museu Nacional Rio de Janeiro: Um triste final

Museu família real Luzia dinossauro incêndio fogo patrimônio

O dia 2 de setembro de 2018 vai ficar marcado na história do Brasil como a data em que o Museu Nacional do Rio de Janeiro foi completamente destruído por um incêndio de grandes proporções.

Localizado na Quinta da Boa Vista, em São Cristóvão, Zona Norte do Rio, o prédio abrigava um acervo de cerca de 20 milhões de itens, dos quais mais de 3 mil estavam expostos para o público. O fogo começou por volta das 19h30 de domingo e foi controlado no fim da madrugada da segunda-feira seguinte, no que já é considerada a maior tragédia museológica do Brasil.

Funcionários avaliam que cerca de 90% do acervo em exposição foi consumido pelas chamas. Continue lendo “Museu Nacional Rio de Janeiro: Um triste final”