MUSEUS VIRTUAIS: Projeto “Era Virtual” integra Turismo e a Cultura do Brasil

Nunca visitou as cidades de Ouro Preto e Congonhas, em Minas Gerais? Está montando um roteiro turístico de sua próxima viagem a Minas? Ou quer relembrar bons momentos vividos durante uma visita que fez àquelas cidades? … Então aqui vai uma boa notícia para você: com apenas um clique, pela internet, você pode viajar e visitar os Patrimônios Históricos Brasileiros sem sair de casa.

O ERA Virtual é um projeto pioneiro na disponibilização de visitas pela internet com visualização 360º dos museus brasileiros e seus acervos. O objetivo final é aplicar o modelo para criação de museus virtuais em sítios históricos de relevante interesse patrimonial, como os patrimônios mundiais tombados pela UNESCO no Brasil. Continue lendo “MUSEUS VIRTUAIS: Projeto “Era Virtual” integra Turismo e a Cultura do Brasil”

JARDIM JAPONÊS de BUENOS AIRES – Parte II: Yasuo Inomata, o Mestre sem discípulo

Em cada cidade, o jardim japonês se torna uma ferramenta importante para expandir a consciência ambiental. As atividades educacionais, de lazer e de conscientização que ali são geradas também fazem parte da identificação cidadã, pois em muitos casos se torna um marco urbano de emoção coletiva e um sentimento de enraizamento para os imigrantes japoneses no Brasil e na Argentina.

Neste post vamos conhecer o engenheiro paisagista Yasuo Inomata, autor do Jardim Japonês de Buenos Aires mundialmente conhecido como o maior jardim japonês fora do Japão. Continue lendo “JARDIM JAPONÊS de BUENOS AIRES – Parte II: Yasuo Inomata, o Mestre sem discípulo”

OURO PRETO (MG): Igreja do Bom Jesus de Matozinhos e São Miguel e Almas – Parte I: Analise da belíssima portada do Mestre Aleijadinho

Como em outras localidades de Minas e de Portugal, nesta igreja o culto ao Bom Jesus de Matosinhos está associado à devoção a São Miguel e Almas. Sua locação no afastado bairro de Cabeças, longe do circuito turístico ouro-pretano, não chama a atenção dos turistas que apenas dão conta da inúmera oferta de igrejas, museus e lazer que oferece o centro da cidade histórica agrupada entorno à Praça Tiradentes.

Você precisa saber que esta igreja está fechada por restauração desde 2014. Também é preciso destacar que a belíssima portada é obra do famoso Mestre Aleijadinho executada por volta de 1778. Neste post conheceremos as origens desta igreja e veremos com precisão os detalhes desta magnifica escultura autoria do grande mestre do Barroco Mineiro. Continue lendo “OURO PRETO (MG): Igreja do Bom Jesus de Matozinhos e São Miguel e Almas – Parte I: Analise da belíssima portada do Mestre Aleijadinho”

SEMANA SANTA em OURO PRETO (MG): Dia 7 – Quinta Feira Santa: Cerimônia do Lava-Pés e a Procissão do Fogaréu

A Quinta-Feira Santa lembra a última ceia de Jesus com os doze apóstolos e revive a Cerimônia do Lava-Pés, na qual Jesus lava os pês de sues fies seguidores em demonstração de humildade e purificação divina. A encenação é realizada no adro da Igreja São Francisco de Assis (nos anos impares) e no adro da Igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Pretos (nos anos pares), onde um imponente palco esta sendo montado para a celebração do dia seguinte, a mais importante da Semana Sena Santa: Sexta-feira da Paixão.

Um importante resgate na tradição da Semana Santa em Ouro Preto é a Procissão do Fogaréu, que foi novamente incluída nos ritos em 2019, após cerca de um século sem ser realizada na cidade. Continue lendo “SEMANA SANTA em OURO PRETO (MG): Dia 7 – Quinta Feira Santa: Cerimônia do Lava-Pés e a Procissão do Fogaréu”

SEMANA SANTA em OURO PRETO (MG): Dia 6 – Quarta Santa: Ofício de Trevas

A estremecedora cerimônia do Ofício de Trevas inclui uma utilização simbólica da luz. As 15 velas do Tenebrário são apagadas uma a uma a medida que as leituras dos Salmos se sucedem. O templo fica na completa escuridão, só uma delas fica acesa. O sacerdote oficiante leva esta vela para trás do altar por uns instantes e regressa. A obscuridade nesse momento no templo é imensa, o silencio também.

De repente faz-se um barulho do bater dos pés dos devotos presentes no chão do templo, símbolo da perturbação desse eclipse solar na ocasião da morte de Cristo. Porém, a vela reaparece, sem ter perdido nada da sua luz; o barulho cessa, e todos rendem homenagem ao Vencedor da morte. Continue lendo “SEMANA SANTA em OURO PRETO (MG): Dia 6 – Quarta Santa: Ofício de Trevas”

SEMANA SANTA em OURO PRETO (MG): Dia 4 – Segunda Santa: A disputa entre a Matriz do Pilar e a Matriz do Antônio Dias

A rivalidade entre os antigos arraiais dos Jacubas o dos Mocotós persistiram mesmo despois que o processo de urbanização chegara a consolidar a união deles no Morro da Quitéria, atual Praça Tiradentes.

As irmandades do Santíssimo Sacramento, presente na Matriz do Pilar e na Matriz de Antônio Dias foram responsáveis pela promoção da festividade socialmente integradora do corpo de Deus (Corpus Christi) e a celebração da Semana Santa.

A rivalidade ficou plasmada desde os tempos da colônia, sendo determinada a alternância na condução dos cerimoniais: nos anos pares, a Paróquia de Nossa Senhora do Pilar fica encarregada de organizar as celebrações; nos anos ímpares, essa função fica a cargo da Paróquia de Nossa Senhora da Conceição, do Antônio Dias. Continue lendo “SEMANA SANTA em OURO PRETO (MG): Dia 4 – Segunda Santa: A disputa entre a Matriz do Pilar e a Matriz do Antônio Dias”

O FORUM de OURO PRETO: Historia do incêndio em 1949 e sua reconstrução

Ouro Preto está situada na Região dos Inconfidentes, no sudeste de Minas Gerais. O município, que já foi chamado de Vila Rica, foi capital de Minas Gerais e atualmente é considerado Patrimônio Mundial pela UNESCO. Na época da extração de ouro, o município chegou a ser uma das cidades mais populosas da América Latina.

O Fórum era onde funcionava o Poder Judiciário que ocupava um espaço clave na estrutura de poderes: na Praça de Tiradentes, do lado do Palacio dos Governadores. Infelizmente foi atingido por um incêndio em março de 1949 e teve sua reconstrução iniciada em 1953. O edifico atual ja não tem mais os grandes arcos na fachada, os trabalhos de restauração foram assumidos pelo SPHAN quem visava pela restauração e cuidado do Patrimônio Nacional Brasilero, antes do atual IPHAN. Muitas intervenções foram muito discutidas, e hoje conheceremos uma delas: O Forum que pegou fogo em Ouro Preto, Minas Gerais. Continue lendo “O FORUM de OURO PRETO: Historia do incêndio em 1949 e sua reconstrução”

SEMANA SANTA em OURO PRETO (MG): Dia 1 – Sexta-Feira das Dores: O Setenário de Nossa Senhora das Dores

Em Ouro Preto existem duas Igrejas que protagonizam o chamado Setenário de Nossa Senhora das Dores, que explicaremos neste post. Elas são: Igreja de Nossa Senhora das Dores do Calvário e a Igreja Matriz do Pilar.

Ali os fiéis passam a realizam anualmente, nos sete dias que antecedem o início da Semana Santa, o Setenário das Dores, que consta de cânticos barrocos e orações tradicionais, através dos quais venera-se a Mãe de Deus em seus sofrimentos e dores. Continue lendo “SEMANA SANTA em OURO PRETO (MG): Dia 1 – Sexta-Feira das Dores: O Setenário de Nossa Senhora das Dores”

OURO PRETO (MG): Igreja de Nossa Senhora das Dores do Calvário no Arraial de Antônio Dias

A pequena capela no alto do morro já não é a construção original. A primeira obra no local datava do final do século XVIII e foi construída a pedido da Irmandade de Nossa Senhora das Dores e Calvário. A atual construção data de meados do século XIX. A igreja não se destaca pela arquitetura ou rico interior. Também não se conhece o autor do projeto.

A igreja celebra duas festas em honra de Nossa Senhora das Dores: a primeira na sexta feira da semana da paixão, anterior à Semana Santa, e a segunda no dia 15 de setembro. A primeira é celebrada na Igreja desde 1727, instituída pelo papa Bento VIII. A segunda foi determinada por Pio VIII em 18 de setembro de 1814, festeja o dia da padroeira.

Continue lendo “OURO PRETO (MG): Igreja de Nossa Senhora das Dores do Calvário no Arraial de Antônio Dias”

OURO PRETO (MG): Igreja de São Francisco de Paula – Parte I: A última igreja a ser construída no período colonial

Meu querido amigo Raul (argentino como eu) estava curtindo férias em Rio de Janeiro e decidiu presentear-me com sua presencia na data do meu aniversário. Aquela noite fomos para “Pura Harmonia” um boteco mineiro no bairro do Castelo que traz para Belo Horizonte (MG) o mais genuíno espírito da musica carioca. Como pode-se apreciar na foto a alegria foi imensa, como foi imensa a quantidade de cerveja em balde que bebemos até altas horas da madrugada.

Para o dia seguinte tínhamos marcado fazer a mais tradicional viagem do roteiro turístico mineiro: a maravilhosa cidade de Ouro Preto. Partimos para rodoviária quase sem dormir e pegamos o ônibus carregando toda nossa ressaca, que com certeza pesava mais do que as nossas mínimas mochilas.

Ao descer na rodoviária de Ouro Preto fomos os últimos em descer, fazia frio e uma espessa neblina cegava nossa primeira impressão.  Em estado inconsciente seguimos qual cabrinhas a manada da nossa frente, quando de pronto percebi os fundos de uma imensa Igreja que nunca tinha visto. Rapidamente entendi que em vez de ter pegado a Rua Padre Rolim em direção à Praça Tiradentes, aquele rebanho tinha nos conduzido por outro caminho.

Foi quando cheguei ao adro na frente da Igreja que percebi que se tratava da Igreja São Francisco de Paula, aquela que desde o centro da vila fica sempre longe e distante no topo de uma colina, como um cartão postal permanente. A paisagem sumida dentro daquela densa neblina, a cidade banhada de nuvens, o silencio e o frio da manhã, todo nos referia a sensação de que a gente tinha chegado a um lugar magico deste planeta.

Os sambas e pagodes da noite anterior ainda ressoavam dentro na minha cabeça como um tambor batendo em uma nuvem de álcool. Descemos aquele morro passando pela Igreja de São José que também estava fechada. Como dois peregrinos cansados e sem fé, continuamos nosso caminho até chegar a esta rua, e foi lá onde está o farol, que nossas almas voltaram para nossos corpos da mão de uma milagrosa cura: o Café da manhã.

Ouro Preto: A cidade que em cada virada de esquina oferece um cartão postal

Continue lendo “OURO PRETO (MG): Igreja de São Francisco de Paula – Parte I: A última igreja a ser construída no período colonial”