Porque Ouro Preto tem duas Igrejas das Mercês? … a Mercês de Baixo e a Mercês de Cima

Mercês de baixo_Nossa Senhora das Merces_Estrada Real_Brasil_Minas_Gerais_Unesco_Patrimonio_Humanidade_Matriz Antonio Dias

Em Ouro Preto a devoção a Nossa Senhora das Mercês existem duas igrejas onde ela é a padroeira.  Os nativos diferenciam de modo peculiar, baseados na topografia da montanhosa cidade: uma é a “Mercês de baixo” (cujo nome correto é Nossa Senhora das Mercês e Perdões), situada nas baixadas do bairro dos Paulistas, a caminho da Nossa Senhora da Conceição de Antonio Dias, e a outra é a “Mercês de cima” (situada acima da cidade e bem próxima do Hospital da Irmandade da Misericórdia). Continue lendo “Porque Ouro Preto tem duas Igrejas das Mercês? … a Mercês de Baixo e a Mercês de Cima”

Virgem de Caacupé – Parte II: A Virgem de origem Guarani em Paraguai e Argentina

Virgem de Caacupé_Tupâsy Ka'acupe_Assunção_Argentina_Patrimonio_santuário_Paraguai_Milagros_Parque Rivadavia_Caballito_União Sagrada dos Sagrados Corações_Imigrantes_mbayás_Tobatí_Iglesia_interior

Costuma-se dizer que Caacupé é a capital espiritual do Paraguai, porque possui o maior santuário do país pois a Virgem de Caacupé é a padroeira do Paraguai. Durante sua visita ao pais em 2015, o Papa Francisco elevou o Santuário da Virgen de Caacupé à categoria de Basílica Menor.

Em 1986 a Virgem chega a Argentina acompanhada como consequência da grande imigração paraguaia que vem acontecendo nas ultimas décadas, junto a outras nacionalidades latino-americanas como as procedentes de Bolívia, Peru e Venezuela. A Virgem chegou para se instalar no bairro de Caballito na antiga igreja fundada pelas freiras britânicas pertencentes à ordem francesa da União Sagrada dos Sagrados Corações, que construíram nos finais do século 19 junto ao Colégio da irmandade.

Em Paraguai, em 4 de novembro de 1980, a primitiva Igreja e Santuário de Tupao Tujá foi demolida para construir o novo Santuário da Virgem, hoje a Basílica Menor de Nossa Senhora de Caacupé. Para que a nova Basílica fosse construída, eles demoliram uma igreja do século 18.

Em 1937 o governo argentino desaproprio das freiras o Colegio e Igreja com o intuito de estabelecer lá o novo Palácio Municipal de Buenos Aires, fato que nunca chegou a se concretizar. A igreja infelizmente foi transformada em depósito, separada do prédio da escola, a capela ficou inativa e abandonada ao seu destino por mais de 40 anos.

Neste post vamos conhecer os templos da Virgem de Caacupé em  Paraguai e Argentina e descobrir como é que aconteceu esses sucessos tão infelizes para Patrimônio Histórico de amos os dois países. Continue lendo “Virgem de Caacupé – Parte II: A Virgem de origem Guarani em Paraguai e Argentina”

A Basílica Nossa Senhora do Socorro – Parte I: A igreja da colónia que acolheu ao Cristo Senhor dos Milagres em Buenos Aires

Igreja_Iglesia_Retiro_Argentina_Patrimonio_Parroquia_Cristo_Señor_Milagros_Misa Criolla_Segade _Cantoría del Socorro

Na periferia da cidade, ao norte, havia um oratório denominado “dos pescadores”. Nessa área, em 1750, o espanhol Alejandro del Valle doou um terreno para a construção de um templo dedicado a Nossa Senhora do Socorro. Em 1769, essa igreja foi nomeada vice-paróquia da Catedral, e uma paróquia foi erguida em 25 de março de 1783. O templo foi consagrado em 20 de maio de 1896 pelo Arcebispo de Buenos Aires, Uladislao Castellano. E pouco depois, em 12 de fevereiro de 1898, o Papa Leão XIII a declarou Basílica Menor, sendo o primeiro templo em nosso país a alcançar esta distinção eclesiástica. Continue lendo “A Basílica Nossa Senhora do Socorro – Parte I: A igreja da colónia que acolheu ao Cristo Senhor dos Milagres em Buenos Aires”

Igreja de São Juan Bautista de Betharram – Parte IV: Imaginária, Virgens e Santos

Bairrro_Monserrat_Buenos_Aires_Argentina_Iglesia_Patrimonio_Cultural_Religioso_ San_Telmo_Historico_Clarisas_Capuchinas_Clarissas_Capuchinhas_Betharram_Assis_Bayoneses

Como em todas as minhas visitas ás igrejas, sempre procuro achar a Santeria Paroquial, o lugar onde habitualmente são vendidas estampas, rosários e imagens religiosas dos santos e virgens, na procura (com maior e menor sorte), de livros ou publicações que falem da historia e arquitetura do templo.

Não é o caso de esta igreja, alias no momento da minha visita a missa estava por começar. Abordo uma das fieis que estava envolvida na preparação do ritual junto ao padre. Diz-me que não tem nada impresso, mas que sim podia enviar um arquivo pdf a meu email (fez na hora) que falava alguns detalhes da igreja.

Dias depois abri com surpresa e descobri que se tratava de uma antiga publicação escaneada com a descrição precisa dos Altares Laterais e Altar-mor, repleta de imagens de santos da Ordem das Irmãs Clarissas Capuchinhas, devotas de Santa Clara de Assis, ordem religiosa feminina da ordem franciscana.

Agradecendo ter recebido tão detalhada informação foi que decidi dedicar este post á Imaginaria, ou seja, todo o conjunto de imagens, exibidas nesta igreja. Também vou falar da Tapeçaria Histórica que as Freiras Capuchinhas tinham nesta igreja e corresponde à obra de arte mais importante que a Argentina teve no século XIX; “A Adoração dos Reis Magos”, de Rubens. Continue lendo “Igreja de São Juan Bautista de Betharram – Parte IV: Imaginária, Virgens e Santos”

Virgem de Caacupé – Parte I: Padroeira da Republica do Paraguai no bairro de Caballito

Virgem de Caacupé_Tupâsy Ka'acupe_Assunção_Argentina_Patrimonio_santuário_Paraguai_Milagros_Parque Rivadavia_Caballito_União Sagrada dos Sagrados Corações_Imigrantes_mbayás_Tobatí_Iglesia_ Alejandro Christophersen

O curioso é que sua entrada principal fica nos fundos do estabelecimento, uma vez que pertencia à escola fundada pelas freiras britânicas pertencentes à ordem francesa da União Sagrada dos Sagrados Corações. Hoje o ingresso acontece por uma porta lateral com vista para a Avenida Rivadavia, desde onde você pode ver a abside da igreja, que virou fachada principal.

A historia desta igreja é bastante particular porque mesmo sendo de uma beleza imensa, obra do famoso arquiteto Alejandro Christophersen, ficou relegada ao esquecimento logo depois da desapropriação do colégio para estabelecer nele o Palácio do Governo Municipal, coisa que nunca aconteceu, ficando a igreja inativa.

Em 1983, após décadas de negligência, a igreja foi completamente restaurada é restituída ao clero recebendo a imagem da Virgem de Caacupé, padroeira do Paraguai. Assim, a igreja  transformou-se em um local de adoração muito importante  para a grande comunidade paraguaia que reside em Argentina. Continue lendo “Virgem de Caacupé – Parte I: Padroeira da Republica do Paraguai no bairro de Caballito”

Igreja de São João Evangelista, Tiradentes (MG) – Parte II: O interior do Templo

Iglesia_Museu_TOLEDO_MINAIS_GERAIS_Patrimônio_arquitetura_Estrada_Real_

Esta igreja pertencia à Irmandade dos Homens Pardos, A capela abriga as irmandades do santo padroeiro São João Evangelista, de São Francisco de Assis e de Nossa Senhora das Dores.

O conjunto de imaginária é constituído por excelente escultura, com policromia ao gosto rococó, certamente de um mesmo santeiro, devendo datar de fins do século XVIII ou início do XIX.

Em junho de 2016, foi realizada a entrega da obra de restauração artística e arquitetônica da Igreja de São João Evangelista, na cidade histórica mineira de Tiradentes, acompanhada de Missa de Ação de Graças promovida pelo Instituto Histórico e Geográfico de Tiradentes. Continue lendo “Igreja de São João Evangelista, Tiradentes (MG) – Parte II: O interior do Templo”

Basílica Nossa Senhora do Pilar – Parte III: O Templo e o Convento

Centro_Cultural_recoletos_Franciscanos_Altar_Reliquias_Capilla_Cemitério

Em 1715, os frades recoletos descalços começaram a construção da igreja e do convento no que é hoje o bairro de Recoleta, em Buenos Aires. Inaugurada em 12 de outubro de 1732, a basílica Nuestra Señora del Pilar é o segundo templo mais antigo da cidade de Buenos Aires e o que melhor preserva o estilo colonial barroco original.

Construída pelos jesuítas, a Basílica Nuestra Señora del Pilar conserva altares, imagens e ornamentos originais. A igreja é um relicário de obras de arte, entre as quais destacam-se os Altares Laterais da Virgem do Carmo e do Cristo da Paciência e Humildade e uma escultura de San Pedro de Alcántara atribuída a Alonso Cano.

O visitante também tem a oportunidade de visitar um pequeno museu, onde antes ficavam os claustros dos frades recoletos. Fechados por quase três séculos, as galerias, praticamente intactas, foram abertas ao público em 1997, como um museu de arte. Continue lendo “Basílica Nossa Senhora do Pilar – Parte III: O Templo e o Convento”

Igreja de São Juan Bautista de Betharram – Parte III: O Templo e o Convento

Bairrro_Monserrat_Buenos_Aires_Argentina_Iglesia_Patrimonio_Cultural_Religioso_ San_Telmo_Historico_Clarisas_Capuchinas_Clarissas_Capuchinhas_Betharram_Assis_Bayoneses

Bem antes da chegada dos Padres Bayoneses em 1856, a igreja acolheu um grupo de Freiras Capuchinas que vinheram de Santiago do Chile, elas construíram do lado da igreja o Convento de Nossa Senhora do Pilar das Freiras Capuchinha, em 174 7. Os únicos dois mosteiros de clausura que Buenos Aires possuía durante o período colonial foram: Santa Catalina de Sena, das freiras dominicanas – “calzadas” – e Nossa Senhora do Pilar, de freiras capuchinas – “descalzas” -.

Vamos conhecer nesta postagem o Interior do Templo e o Convento que em parte foi demolido. Por sua vez a igreja foi vitima de incêndio e roubo prejudicando consideravelmente seu acervo. Continue lendo “Igreja de São Juan Bautista de Betharram – Parte III: O Templo e o Convento”

Igreja de São Juan Bautista de Betharram – Parte II: Historia e Fachada

Bairrro_Monserrat_Buenos_Aires_Argentina_Iglesia_Patrimonio_Cultural_Religioso_ San_Telmo_Historico_Clarisas_Capuchinas_Clarissas_Capuchinhas_Betharram_Assis_Bayoneses_Convento_Mosteiro_Invasões _Inglesas_ Fachada

Bairrro_Monserrat_Buenos_Aires_Argentina_Iglesia_Patrimonio_Cultural_Religioso_ San_Telmo_Historico_Clarisas_Capuchinas_Clarissas_Capuchinhas_Betharram_Assis_Bayoneses_Convento_MosteiroMonserrat sedia a praça más importante da Argentina, a Plaza de Mayo, por tanto, a vida do bairro iniciou-se no primeiríssimo começo do nascimento da Cidade. O bairro de Monserrat vai ate a Av. Rivadavia pelo qual inclui a Casa Rosada e todos os edifícios históricos na famosa Av. de Maio, ate a praça e Congresso da Nação.

A Igreja de San Juan Bautista está localizada a poucos quarteirões da “Manzana da las luces”, sobre a mesma rua, Alsina.

Em 1646, a primitiva capela surgiu como local de oração, o “Curato de Indios” e escravos. Monserrat era conhecido como o “Bairro do Tambor” sendo no começos bairro de marginais, famoso por sua música, candombes e carnavais. Do outro lado da praça de Maio, o bairro de São Nicolas se ergueria como o mais abastado da sociedade portenha.

No século seguinte, os catalães e bascos estabelecidos na zona construíram una capela dedicada a Nossa Senhora de Montserrat (atual Igreja de Montserrat), evocação da Virgem venerada em Cataluña.

Na igreja de San Juan Bautista também tomaram conta os bascos, havia grande imigração dos nascidos no Pais Basco (norte da Espanha), que foram ao templo para assistir à missa. Por esse motivo, os Padres da Ordem do Sagrado Coração ou Padres Bayoneses ou Padres de Betharram chegaram aqui em 1856. E ahi que a Igreja San Juan Bautista ganha seu último sobrenome. Continue lendo “Igreja de São Juan Bautista de Betharram – Parte II: Historia e Fachada”

Igreja Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos, Tiradentes (MG) – Parte I

Arquitetura_Barroca _ Minas Gerais_Patrimônio_ Homens Pretos_Misterios_ Irmandade_Estrada Real

A mais antiga igreja da cidade é um dos melhores exemplares de templos construídos pela Irmandade de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos em Minas Gerais e um dos principais bens históricos de Tiradentes.

A primitiva capela começou a ser construída provavelmente em 1708 e foi concluída em 1719. Provavelmente, foi a partir de 1760 que passou por reformas na parte arquitetônica e decorativa. A construção foi refeita em alvenaria, e a posição do sino manteve a solução tradicional de Tiradentes, com a sineira incorporada ao corpo da igreja.

Nesta primeira parte veremos detalhes de sua fachada e da incredível pintura de perspectiva ilusionista no forro da Capela-mor. Essa pintura de autor desconhecido é sem dúvida contemporânea do retábulo, podendo ambos datar de cerca de 1760.

Continue lendo “Igreja Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos, Tiradentes (MG) – Parte I”