MARÍLIA de DIRCEU: Casa Museu Tomás Antônio Gonzaga, Ouro Preto – Parte II

Inconfidência_Mineira_Maria_Dorotéa _Marília_Dirceu_Seixas_Patrimônio_estrada real_Unesco_Iphan

Todo mundo gosta de romance e ainda mais, de amores impossíveis. Pois bem, esta história tem todos os ingredientes de uma trama trágica, pois tendo data marcada para o casamento, o destino quis separar eles poucos dias antes da sagrada união. Por causa da Conjuração Mineira o poeta foi condenado ao exílio na África, sem nunca mais voltar a ver á namorada azarada, quem permaneceria solteira até o dia de sua morte.

Nesta segunda parte do post relacionado ao Museu Casa Tomás Antônio Gonzaga situado no casco histórico da cidade de Ouro Preto vamos a abordar o tão falado romance de Marília de Dirceu, personagens líricos dos poemas que Gonzaga dedicara a sua amada, Maria Doroteia.

Teve efeituado varias leituras ate achar a maravilhosa tese de Ana Cristina Magalhães Jardim (citada na fonte) para conseguir debelar os por menores de este romance, que conta com variadas e dissimiles versões, muito confusas e a maioria delas indocumentadas, fazendo muito difícil a tarefa de conseguir separar o mito da realidade. Continue lendo “MARÍLIA de DIRCEU: Casa Museu Tomás Antônio Gonzaga, Ouro Preto – Parte II”

Fortalezas em Santa Catarina: Os sistemas de defesa marítima do Brasil

Florianópolis_Santa_Catarina_Brazil_ilha_Brasil_Patrimônio_Unesco_ fortificações_Forte

A Ilha de Santa Catarina era um ponto de defesa estratégico, localizada exatamente na rota entre a Espanha e suas principais colônias na América do sul, Buenos Aires Assunção. Nesse cenário, o conjunto de fortes da Ilha de Santa Catarina compôs à época um sistema defensivo para impedir uma provável invasão espanhola, que mais cedo ou mais tarde haveria de acontecer, como aconteceu de fato.

Construídas pela Coroa Portuguesa a partir de 1739, com a função de guarnecer a entrada da Barra Norte da Ilha, as fortalezas de Santa Cruz de Anhatomirim, Santo Antônio de Ratones e São José da Ponta Grossa foram projetadas por José da Silva Paes, brigadeiro, engenheiro militar e primeiro governador da capitania de Santa Catarina. As obras deram início ao sistema defensivo da Ilha, que posteriormente foi ampliado com outras dezenas de fortificações, como fortes, baterias e trincheiras.

O sistema de fortificações na Ilha de Santa Catarina garantia a posse do território defendendo-a contra qualquer nação inimiga, em especial, a Espanha e o apoio logístico entre o Rio de Janeiro (onde Portugal tinha o seu vice-reinado) e a parte sul do continente. Quatro fortalezas foram construídas inicialmente, entre 1739 e 1744, incluindo também a edificação da Fortaleza de Nossa Senhora da Conceição de Araçatuba, na Barra Sul.

Santa Catarina chegou a somar cerca de 40 fortificações até o início do século XIX. Porém, ainda na primeira metade daquele século, a maioria das construções já havia desaparecido, por arruinamento, abandono ou demolição. Mesmo o tombamento como patrimônio histórico brasileiro, em 1938, pelo Sphan, (atual IPHAN), não foi suficiente para assegurar a preservação ou a recuperação dessas construções. Continue lendo “Fortalezas em Santa Catarina: Os sistemas de defesa marítima do Brasil”

Museu da Historia do Traje, Buenos Aires: Tango e Moda

Patrimônio_Argentina_Museo_tango_Moda_Montserrat_San Telmo_Cultura

O Museu Nacional da História do Traje abriga uma coleção importante e variada. As peças expostas estão enquadradas no panorama sociocultural da Argentina, especialmente da cidade de Buenos Aires, e ilustram as modas, usos e costumes do final do século XVIII até os dias atuais. Está localizado em uma típica casa antiga do século XIX e possui salas de exposições, auditório, biblioteca, áreas de lazer e um amplo espaço reservado para a oficina de armazenamento e coleções.

No momento de minha visita ao Museu dou com uma mostra relacionada á história do tango e sua vestimenta. Apreciar o tango a partir do vestuário é uma aproximação muito bacana para alguém como eu, que adoro assistir as “milongas”, os locais de baile dedicado aos apaixonados da música e dança de Buenos Aires. Continue lendo “Museu da Historia do Traje, Buenos Aires: Tango e Moda”

MUSEU ZANJÓN de GRANADOS: A cidade de Buenos Aires e seus rios – Parte II

Patrimônio_Argentina_Arquitetura_Casa_Conventillo_Defensa_Arqueología_pluviais_ Jorge Eckstein_Schávelzon

Em 1985, Jorge Eckstein, antigo morador do tradicional bairro de San Telmo, em Buenos Aires, comprou a casa abandonada na vizinhança, a qual pretendia transformar num local cultural e gastronómico. Pouco tempo depois de começar a obra, ele descobriu, por acaso, o que se tornaria um dos sítios arqueológicos mais importantes da cidade.

Uma equipe de arqueólogos analisou a fundação do casarão para entender melhor sua história. Sob a casa descobriram uma construção arqueada diferente, que escavações posteriores acabaram revelando ser a cobertura de um túnel subterrâneo. A investigação revelou que a antiga mansão se encontrava em cima de um intrincado sistema de drenagem.

O processo total demorou quase 20 anos para finalmente mudar o velho casearão no atual museu. A iniciativa do desenvolvimento foi privada a cargo do próprio Eckstein, inaugurado em 2003.

Durante o passeio pela casa e nos túneis, a guia (inglês/espanhol) se encarrega de transportar os visitantes ao passado, contando uma interessante história capaz de nos manter intrigados durante todo o percurso. Continue lendo “MUSEU ZANJÓN de GRANADOS: A cidade de Buenos Aires e seus rios – Parte II”

MUSEU CASA CARLOS GARDEL: Herança sem lugar – Parte II

Não sinto menos do que indignação quando um turista observa: “como não há um museu de tango?!!!”. … Infelizmente, não existe um museu onde esta importante herança nacional seja exibida, uma paixão que abrange o mundo inteiro e tem sua origem na Argentina: Tango e Gardel.

Conheceremos neste post a história do MUSEU CASA CARLOS GARDEL, suas restaurações controversas e o colecionador Walter Santoro, que possui a maior coleção de objetos de Carlos Gardel e ainda aguarda um local onde eles possam ser expostos. Continue lendo “MUSEU CASA CARLOS GARDEL: Herança sem lugar – Parte II”

Museu e Academia Nacional do Tango, Buenos Aires, Argentina

Avenida de Maio_Café Tortoni_ Carlos Gardel_Palacio_Arquitetura_Mundial_lunfardo_Patrimônio_Cultural

O museu cobre uma ampla área do Palácio Carlos Gardel, onde funciona desde 1993 a sede da Academia Nacional de Tango, no mesmo edifício onde funciona o emblemático Café Tortoni, o bar mais antigo da cidade de Buenos Aires.

O Museu do Tango faz um tour pela história do tango desde 1850 até o presente através de uma série de vitrines que são pouco atraentes e confusas quando se refere a  sua expografía. O edifício é um velho casarão, com três salões de dança, tetos ornamentados e lustres antigos; no entanto, o museu não está integrado ao espaço, é necessário fazer um projeto que descreva e guie os visitantes de maneira clara e atraente, acerca da origem e evolução do tango.

Por outra parte, dizem que a Avenida de Maio foi projetada pelos franceses, construída pelos italianos e onde finalmente moravam os espanhóis. Talvez a maneira mais certa de descrever a europeização da cidade no final do século XIX. Veremos como este fenômeno afetou as cidades de Rio de Janeiro e Buenos Aires, para descobrir finalmente que entre a historia do Tango e a historia do Samba, existem muitas coincidências para destacar. Continue lendo “Museu e Academia Nacional do Tango, Buenos Aires, Argentina”

MUSEU CASA GUIGNARD em Ouro Preto: Considerado um dos maiores pintores e desenhistas brasileiros do século XX

Pintor_Minas Gerais_Brasil_arte_IPHAN_Estrada Real_Patrimônio_ Aleijadinho_acervo_Retrato_Design

Alberto Guignard foi sem duvida um dos maiores retratistas da arte brasileira. Através de pinturas, desenhos e objetos o Museu Guignard oferece uma visão ampla sobre a trajetória do mestre. Todo o seu universo de paisagens, retratos, auto-retratos, flores, naturezas-mortas, temas religiosos e outros revelam que Guignard  pintava o invisível como se imerso em estado de sonho.

Como o artista costumava dizer “o Brasil me deu Ouro Preto”. Ele amava e freqüentava muito a cidade, adorava suas igrejas, torres e colinas, o casario esparramado pelas ladeiras. Nunca chegou a realizar o sonho de ter uma casa própria aqui. Mas Ouro Preto tem uma casa especial para Guignard.

Se “o Brasil lhe deu Ouro Preto”. Ouro preto lhe deu o Museu Casa Guignard. Continue lendo “MUSEU CASA GUIGNARD em Ouro Preto: Considerado um dos maiores pintores e desenhistas brasileiros do século XX”

TIRADENTES (MG): Igreja Matriz de Santo Antônio – Parte I: Fachada do mestre Aleijadinho

Matriz_Patrimônio_Unesco_arquitetura_Estrada_Real_Aleijadinho_ Irmandade_Barroco Mineiro_Irmandade_Latino America

Valorizando a figura do herói da Inconfidência Mineira, em 6 de dezembro de 1889, o governo republicano homenageia Tiradentes colocando seu nome na antiga cidade de Santo Antônio da Ponta do Morro. Atualmente, o centro histórico da cidade de Tiradentes é reconhecido como Patrimônio Cultural da Humanidade, tomado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), considerado um dos pontos turísticos mais importantes do Brasil.

A Igreja Matriz de Santo Antônio, impõe-se à paisagem de Tiradentes e pode ser apreciada de diversos pontos da cidade. Ela compõe belos quadros com a Serra de São José, ipês amarelos e casarões coloniais. 

Em esta primeira parte vamos a conhecer o exterior da igreja cujo risco da fachada pertence ao mais famoso artista do Barroco Mineiro: o Aleijadinho. Na segunda parte veremos o interior deslumbrantemente dourado já que esta igreja é considerada a segunda igreja em ouro do Brasil, sendo a primeira em Salvador, Bahia. No seu interior um órgão datado de 1788, trazida pelos portugueses e que é classificado como um dos quinze mais importantes do mundo.

Continue lendo “TIRADENTES (MG): Igreja Matriz de Santo Antônio – Parte I: Fachada do mestre Aleijadinho”

Museu da Inconfidência em Ouro Preto, Minas Gerais – Parte II

Brasil_Minas Gerais_ Vila Rica_Câmara_ Cadeia_Independência_Arquitetura_Barroco_Mineiro_ MDINC

O museu ocupa uma das mais belas construções do período colonial, na área mais central de Ouro Preto, a praça Tiradentes. Em seus amplos salões distribuídos por dois andares, há um vasto acervo de peças que testemunham a evolução social que tornou possível o movimento de 1789; a Inconfidência Mineira, permitindo, ainda, uma nova leitura da vida social, política e artística mineira dos séculos XVIII e XIX.

Em 1936, o presidente da República, Getúlio Vargas, promoveu o repatriamento de seus restos mortais a fim de criar o Panteão dos Heróis da Independência. O Museu, totalmente completo, veio finalmente abrir suas portas somente em 11 de agosto de 1944, por ocasião das comemorações do bicentenário do poeta e inconfidente Tomás Antônio Gonzaga.

O núcleo inicial do acervo do MDINC é formado a partir de três fontes principais: Museu Arquidiocesano de Mariana, Coleção Vicente Racioppi e IPHAN. A partir daí, foi sendo ampliado por meio de compras e doações.

O Programa de Exposições contempla a exposição de longa duração, inaugurada em 1944 e modernizada em 2006 a cargo do especialista francês Pierre Catel, apresentando no primeiro andar a infraestrutura que determinou a Inconfidência Mineira – a evolução social, política e econômica de Ouro Preto – e no andar superior a superestrutura – a Igreja e sua influência no desenvolvimento artístico, a obra dos grandes artistas do período, destacando-se o Aleijadinho e Ataíde, bem como o mobiliário característico dos séculos XVIII e XIX.

Neste segundo post vamos percorrer o segundo andar do museu para continuar conhecendo seu incrível acervo museologico. Continue lendo “Museu da Inconfidência em Ouro Preto, Minas Gerais – Parte II”

MUSEU ZANJÓN de GRANADOS: A cidade de Buenos Aires e seus rios – Parte I

Os túneis encontrados sob esta antiga casa no bairro de San Telmo não têm nada a ver com os túneis misteriosos da “Manzana de las Luces“, atribuídos a rotas de fuga ou contrabando, uma atividade recorrente nos primeiros tempos da colônia.

A maior parte do sistema de drenagem original de Buenos Aires estava conformado por vários arroyos (riachos/córregos) e foram substituídos por dutos canalizados, enterrados e cobertos. Seu traçado original pode ser descoberto na estrutura em zigue-zague de muitas ruas portenhas.

Este é o caso de dois túneis do Zanjón de Granados que foram descobertos no coração do bairro de San Telmo.

Para falar sobre o Museu Zanjón de Granados, achei que era preciso relatar em primeiro lugar a conformação do sistema pluvial da cidade de Buenos Aires. Para isso vamos falar da bacia do Arroyo Maldonado que nasce nos bairros de Tres de Febrero, La Matanza e Morón. Ela uma das maiores e mais importantes bacias da cidade, uma vez que atravessa todo o centro, de oeste para leste. Continue lendo “MUSEU ZANJÓN de GRANADOS: A cidade de Buenos Aires e seus rios – Parte I”