San Telmo representa o “Distrito das Artes”: Museu de Arte Contemporâneo de Buenos Aires (MACBA)

Inaugurado em 1º de setembro de 2012, o Museu de Arte Contemporâneo de Buenos Aires (MACBA) tem o acervo composto pela coleção privada de Aldo Rubino, que data da década de 80 e reúne itens da produção artística contemporânea local e internacional com tendências de abstração geométrica, linha que identifica o acervo permanente da instituição.

O MACBA está situado na Av. San Juan ao lado do MAMBA (Museu de Arte Moderno de Buenos Aires), no bairro de San Telmo, numa região declarada “Distrito das Artes”.

Todos os anos é apresentado um programa de exposições temporárias focado em artistas locais e estrangeiros contemporâneos que participam ou deram uma contribuição notável às línguas da arte geométrica.

Museu de Arte Contemporânea


O Museu de Arte Contemporânea fica no coração do casco histórico, no bairro de San Telmo. Em 2011, esta área foi declarada pelo governo da cidade como o “distrito das artes”, juntamente com o bairro de La Boca e parte do bairro de Barracas. Assim, o MACBA está registrado em uma área de grande atração turística, ao lado do Museu de Arte Moderna (MAMBA), bem perto da famosa Feira de antiguidades de San Telmo e das igrejas e mansões preservadas da região sul da cidade de Buenos Aires do final do século XVIII.

A origem deste museu é a coleção particular de Aldo Rubino, cuja temática é a pintura abstrata e geométrica internacional

O MACBA surge a partir da paixão de Aldo Rubino pela arte e pela filantropia que iniciou sua coleção no final dos anos 80. Com o tempo, surgiu a ideia de fundar um museu para abrigar a crescente coleção. Com um interesse especial na abstração geométrica e arte contemporânea, o MACBA reuniu uma importante herança que inclui obras de meados do século XX até os dias atuais. Seu patrimônio continua a crescer com a incorporação de obras de artistas que já fazem parte da história da arte.

Composição da arquitetura


O edifício, especialmente construído para o museu, é um projeto do estudo Vila Sebastián realizado no ano 2010 e construído ao longo do ano 2011. Ele esta composto por três subsolos, térreo e seis andares, onde o programa de salas de exposições de arte nos andares inferiores é combinado com os usos do escritório, loja e cafeteria no último andar.

A singularidade está em sua fachada, uma frente integral envidraçada de 15 x 12 metros, que permite conectar o exterior com seu interior e vislumbrar as amostras e os eventos internos. É um volume ortogonal que permite iluminação e ventilação naturais.

Embora o projeto MACBA procura se integrar volumetricamente ao museu MAMBA, sua caixa completamente envidraçada o distingue entre os edifícios vizinhos.

O edifício tem uma imagem forte, mas relacionada ao seu entorno

O projeto é obra do estúdio Vila Sebastian Arquitetos, dos arquitetos Marcelo Vila e Adrián Sebastián, que o consideraram como uma caixa transparente, recuada nas ambas as frentes nos seus andares inferiores e “pregada” no chão para “gerar nessas plantas uma condição de iluminação zenital  em ambos os lados, apropriada para um espaço de museu”, explicam seus autores.

O edifício é composto por 7 andares e 3 subsolos. Resolvido com uma estrutura de concreto exposto e pele de tecido vitrificado, o museu reflete uma imagem minimalista e contemporânea, de acordo com a coleção que abriga.

O volume interno do edifício possui dois espaços de altura múltipla, um na entrada e outro na extremidade traseira da propriedade, que permite a entrada de luz natural no subsolo, o que, combinado com a iluminação artificial, fornece uma visibilidade adequada nas salas de exibição.

As atividades do museu são realizadas em quatro andares, distribuídos por uma área total de 1.500 m2. Cada andar, com seus respectivos serviços sanitários, é conectado por meio de uma rampa que facilita a circulação e é complementado por um elevador com capacidade máxima para 10 pessoas. O edifício possui ventilação artificial e ar condicionado em todos os níveis, respeitando os padrões internacionais para a exibição de obras de arte. Os pisos são de madeira de carvalho americano e a iluminação foi responsabilidade da empresa alemã ERCO.

A colecção do museu


Aldo Rubino, CEO do Jefferies Investment Bank e fundador-presidente do MACBA, mora na Flórida (EUA) e recebeu o Patron Award em 2013 por sua contribuição à cultura na Argentina.

“Como regra geral, nunca comprei uma obra porque o artista está na moda. Sou mais conservador na minha maneira de selecionar, dou grande importância ao treinamento e ao desenvolvimento de sua carreira, bem como à galeria que o representa, estou interessado em conhecê-lo pessoalmente e conversar com ele, sabendo o que ele pensa, qual é o seu conceito e o que seus trabalhos refletem”, diz Aldo Rubino.

A importância da abstração geométrica na Argentina justifica a existência de uma coleção que se propõe a historiá-la, aprimorá-la e contextualizá-la.

Aldo Rubino começou a colecionar no final dos anos 80. Ao longo dos anos, um perfil baseado na arte contemporânea local e internacional foi definido com ênfase especial na abstração geométrica. No entanto, a expansão para outros idiomas já estava prevista como parte do dinamismo de qualquer coleção.

Antes de abrir seu próprio prédio, o MACBA realizou suas atividades de maneira virtual e itinerante em espaços de natureza pública e privada

Atualmente, o museu possui obras das tendências mais representativas da geometria internacional. Das figuras históricas da arte concreta argentina: Enio Iommi (1926), Gyula Kosice (1924) e Raúl Lozza (1911-2008). Das gerações posteriores nos anos sessenta e setenta, Ary Brizzi (1930), Rogelio Polesello (1939) e Alejandro Puente (1933), representantes de arte ótica e “geometriasensível”, respectivamente. Também os mestres do cineticismo Victor Vasarely (Hungria, 1906-França, 1997) e o venezuelano Carlos Cruz-Diez (1923) estão presentes com obras representativas.

Das diferentes escolas norte-americanas, a chamada geometria de bordas netas o hard edge é representada por artistas da Califórnia como Lorser Feitelson (1898-1978), Frederick Hammersley (1919-2009) e Karl Benjamin (1925). Enquanto na Escola de Nova York Leon Polk Smith (1906-1996), Ilya Bolotowsky (1907-1981) e Tadasky (1935) se destacam.

A coleção também conta com artistas brasileiros pós-concretos de destaque, como Lothar Charoux (1912-1987), Almir da Silva Mavignier (1925), João José Costa da Silva (1931) e o mineiro contemporâneo Marcos Coelho Benjamim (1952).

A coleção MACBA baseia sua herança em diversos pontos de vista, de aspectos contemporâneos. As primeiras aquisições respondem à abstração geométrica, enfatizando artistas que representam a vanguarda desse movimento, principalmente na América Latina.

Posteriormente, a coleção cresceu com obras de artistas contemporâneos que revelam essas expressões e propõem novas linguagens para exibição. O MACBA planeja fortalecer sua coleção com obras de artistas atuais que estão crescendo no circuito internacional de arte. Assim, o Museu faz parte do processo de inserção de Buenos Aires na turnê mundial da oferta de centros de arte contemporânea.

 

fonte:

  • https://www.buenosaires.gob.ar/cultura
  • http://www.macba.com.ar/
  • https://arquitecturadecalle.com.ar/
  • http://vilasebastian.net/home.php

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *