Museu Nacional Rio de Janeiro: Um triste final

O dia 2 de setembro de 2018 vai ficar marcado na história do Brasil como a data em que o Museu Nacional do Rio de Janeiro foi completamente destruído por um incêndio de grandes proporções.

Localizado na Quinta da Boa Vista, em São Cristóvão, Zona Norte do Rio, o prédio abrigava um acervo de cerca de 20 milhões de itens, dos quais mais de 3 mil estavam expostos para o público. O fogo começou por volta das 19h30 de domingo e foi controlado no fim da madrugada da segunda-feira seguinte, no que já é considerada a maior tragédia museológica do Brasil.

Funcionários avaliam que cerca de 90% do acervo em exposição foi consumido pelas chamas.

O museu é o lugar onde se guardam e preservam as coisas que são importantes para a história de um país, assim o museu, cumpre o papel social e educativo de transmitir cultura para a sociedade.

Um pouco de Historia

Museu família real Luzia dinossauro incêndio fogo patrimônio

 

O Museu Nacional era a instituição científica mais antiga do Brasil, tendo completado 200 anos há pouco, em 2018 mesmo.

Inicialmente chamado de Museu Real, foi fundado pelo rei Dom João VI em 1818.

O Museu Nacional se beneficiou muito da presença da família real portuguesa que tendo fugido de Lisboa em 1808 continuou governando o país europeu a partir do próprio Rio de Janeiro.

A família real portuguesa só saiu com o fim da monarquia no Brasil, quando aconteceu a Proclamação da República em 1889. Porém, nesses 81 anos de ocupação real e imperial, o Palácio (ou Paço) de São Cristóvão foi palco de eventos históricos de muita importância, como a assinatura do documento que libertava oficialmente o Brasil de Portugal em 1822, o nascimento de Dona Maria II, futura rainha de Portugal, de Dom Pedro II, futuro imperador do Brasil e, posteriormente, da Princesa Isabel.

Abrigou a família imperial brasileira até 1889 e sediou a primeira Assembleia Constituinte Republicana de 1889 a 1891.

Em 1892, Ladislau Neto, então diretor do Museu Nacional que ainda ficava no Campo de Santana, conseguiu que fosse aprovada a transferência da instituição para o Palácio de São Cristóvão.

O palácio foi tombado no ano 1938 pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN).

No ano 1946, o Museu passou a ser administrado pela então Universidade do Brasil, atual UFRJ. Administração que segue até os dias atuais.

ACERVO PERDIDO

  • Biblioteca Francisco Keller, com um amplo acervo de 537 mil livros.
  • Luzia, nome dado ao fóssil humano mais antigo encontrado nas Américas, com cerca de 11 mil anos.
  • A coleção de etnologia africana e afro-brasileira era uma das maiores do mundo.
  • A coleção egípcia do Museu Nacional era considerada a maior da América Latina.
  • O acervo de Botânica também se perdeu. O herbário do museu chegou a ter 550 mil espécimes de todos os biomas brasileiros, que refletiam a riqueza da fauna e flora brasileira, muitas delas espécies estão extintas.
  • Um dos elementos de maior valor é o mais antigo fóssil humano encontrado no Brasil, batizada de Luzia, parte da coleção de Antropologia Biológica. Achado em Lagoa Santa, em Minas Gerais, em 1974, trata-se de uma mulher que morreu entre os 20 e os 25 anos de idade e foi uma das primeiras habitantes do país.
  • Também exposto no saguão do museu estava o maior meteorito já encontrado no Brasil, o Bendegó, com 5,36 toneladas. O meteorito foi achado em 1784, em Monte Santo, no Sertão da Bahia. Na época do achado era o segundo maior do mundo. Atualmente, ocupa a 16ª posição. A pedra espacial parece ser uma dos poucos objetos sobreviventes ao incêndio, integrava a coleção do Museu Nacional desde 1888.
  • A primeira réplica de um dinossauro de grande porte já montada no Brasil. O Maxakalisaurus topai, um herbívoro de 9 toneladas e 13 metros de comprimento, tinha uma sala só para ele.
  • As múmias também estavam entre os grandes destaques do acervo. O corpo mumificado de um índio Aymara, grupo pré-colombiano que vivia junto ao Lago Titicaca, entre o Peru e a Bolívia, abre a série de múmias andinas do Museu Nacional.
  • O Museu Nacional tinha a maior coleção de múmias egípcias da América Latina. A maior parte das peças foi arrematada por D. Pedro I, em 1826.
  • Um dos destaques da coleção de pedras do museu era amostra de quartzo proveniente de Minas Gerais, doada pelo presidente Getúlio Vargas ao museu em 1940.

Museu família real Luzia dinossauro incêndio fogo patrimônio

Um caso isolado?

Em 2018, o museu não recebeu integralmente a verba de R$ 520 mil por ano para sua manutenção cotidiana. Segundo o reitor, em 2015 foi apresentado um projeto do BNDES para instalação de um novo sistema de prevenção de incêndios, mas o dinheiro atrasou e só foi liberado neste ano. A reforma começaria após as eleições.

Várias instituições culturais sofrem com a falta de manutenção e de investimento, o que demonstra o descaso dos governos com o patrimônio e a ciência.

Infelizmente não é um caso isolado no Brasil. Já pegaram fogo a Cinemateca Brasileira (2016), o Museu da Língua Portuguesa (2015), o Liceu de Artes e Ofícios (2014), o Memorial da América Latina (2013), o Museu de Ciências Naturais da PUC Minas (2013) e o arquivo do Hospital Psiquiátrico do Juqueri (2005). No Rio de Janeiro, em 1978 um incêndio destruiu quase todo o acervo do Museu  de Arte Moderna, com mais de mil obras de arte.

No ano passado,  a Prefeitura do Rio de Janeiro cortou as verbas de manutenção do Instituto de Pesquisa e Memória Pretos Novos. O museu, erguido sobre uma enorme cova repleta de ossos de escravos, atraiu 70.000 visitantes em 2016. Este ano, sobrevive com a doação de amigos para pagar itens como luz e material de limpeza.

Em 2017, o Museu Paraense Emílio Goeldi, o segundo mais antigo do país, quase fechou por falta de recursos. A instituição sofreu um corte de 40% da verba, o que ameaçou o funcionamento de suas bases. O museu possui mais de 4,5 milhões de itens sobre a fauna e a flora da Amazônia.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *