MUSEU FERNÁNDEZ BLANCO – PARTE I: O Palácio Noel e o Museu Casa Fernández Blanco compõem as duas sedes do Museu de Arte Hispanoamericana Isaac Fernández Blanco (MIFB)

O Museu Fernández Blanco possui duas unidades.

  • O Palacio Noel do bairro Retiro é dedicado à arte colonial.
  • A Casa Fernández Blanco, no bairro do Congreso, representa a arte e ao design do século XIX e início do século XX

El Palacio Noel, foi construído em estilo neocolonial na década de 1920 pelo arquiteto Martín Noel como residência própria. O design de inspiração barroca, com varandas mirantes e frontis tipo retábulo que inclui elementos espanhóis, como os jardins andaluzes.

Palacio Noel

Suipacha 1422


A partir da década de 1880, um forte gosto pelo francês começou a invadir a cidade de Buenos Aires, ao que reagiu o “primeiro nacionalismo” na década de 1910, impulsionado por figuras do mundo literário e cultural. Um de seus mais importantes promotores acadêmicos foi Martín Noel, que, seguindo essas idéias, inaugurou sua casa em 1922 como uma reavaliação das raízes hispano-americanas da arquitetura Argentina.

O resgate e a difusão das tradições e artes ibéricas foram considerados os meios pelos quais as nações americanas deveriam se unir para se distinguir dos demais povos e reconstruir sua identidade rumo a um maior desenvolvimento. O promotor mais impetuoso da área universitária foi Martín Noel, arquiteto argentino formado na École Specialle d’Architecture de Paris.

Um ano após seu retorno à Argentina, em 1914, e após importantes viagens de pesquisa e escavações pela Espanha, Bolívia e Peru, Martín Noel instalou em seu grupo académico a polêmica do ecletismo vs. neocolonialismo. Com mais de vinte volumes publicados e inúmeros artigos na mídia especializada, foi um dos mais destacados teóricos desse novo movimento arquitetônico.

Em um terreno de mais de 3.000 m² de propriedade de sua mãe, o arquiteto projetou este edifício que articulou uma casa para seu irmão; Carlos Martín Noel (que foi prefeito da cidade de Buenos Aires entre 1922 e 1927); e a sua casa própria.

A família Noel morou na casa por um curto período, pois em 1936, devido ao alto custo de manutenção, decidiram vendê-la à comuna por um valor simbólico que incluía a maior parte do acervo de arte hispano-americana e espanhola que Martín Noel tinha adquirido em suas viagens pelo continente e Espanha.

O arquiteto teve um excelente património da pintura de Cuzco, mobiliário espanhol e vice-reinado de estilo frailero, imaginaria e cerâmica espanhola, e ainda todos os elementos arquitetônicos antigos que integraram o casarão no seu acabamento: portas de igreja, retábulos, balcones limeños e outros. Com base neste patrimônio, foi fundado o primeiro museu que funcionou na residência e ficou conhecido como Museu Colonial.

Em 1943, um decreto municipal determinou a fusão do acervo da Casa Fernández Blanco (Hipólito Yrigoyen 1420) com o acervo do Museu Colonial (Suipacha 1422), do arquiteto Martin Noel, elegendo o Palacio Noel como única sede, devido ao conceito arquitetônico do seu edifício e maior capacidade.

A partir de 1947, passou a se chamar Museu Isaac Fernández Blanco de Arte Hispanoamericana, cumprindo a cláusula de doação de Isaac Fernández Blanco que estabelecia o nome que o museu deveria ter.

Este museu é o único lugar dedicado à história e arte do período colonial, com 15 salas de coleções permanentes do Vice-reinado da Prata, pinturas de Cuzco, Potosi,  imagens religiosas (em madeira, alabastro e marfim); móveis barrocos, vestimentas civis e religiosas, cerâmicas espanholas, numismática, gravuras, joias e antigas coleções bibliográficas.

Casa Fernández Blanco

Hipólito Yrigoyen 1420


Desde a década de 1910, o casarão Fernández Blanco abriu suas portas para visitantes interessados ​​do país e estrangeiros e foi Naïr, a filha mais nova da família, a encarregada de conduzir as visitas guiadas. Isso deu à casa e sua coleção a distinção de ser o primeiro museu privado da Argentina.

Naqueles anos, iniciou-se o afluxo de doações espontâneas, pois as famílias crioulas não procuravam mais apenas comercializar suas antigas coleções, mas, percebendo o valor intrínseco de suas heranças, aspiravam a localizá-las em um ambiente permanente e de prestígio.

Em 1922, Fernández Blanco vendeu o prédio à Prefeitura de Buenos Aires e doou todo o seu acervo, abrindo sua casa como museu permanente para toda a comunidade. Fernández Blanco permaneceu como Diretor Honorário até 1926, quando seu estado de saúde o obrigou a se aposentar, embora tenha continuado a aumentar o acervo do Museu, adquirindo obras de arte de maneira particular e depois doando-as à instituição. Sua morte ocorreu em 1928.

Isaac Fernández Blanco Suárez foi um colecionador de arte que montou o primeiro museu privado da Argentina em sua própria casa. Em 1922, o senhor  vendeu o prédio para a Prefeitura de Buenos Aires e doou todo o seu acervo, transformando-o em um museu para toda a comunidade.

Fernández Blanco era engenheiro por vocação; mas também gostava muito de violino e a fortuna da família permitiu-lhe ter uma importante coleção de instrumentos de cordas. Mais tarde, ele ampliou seu interesse por objetos da cultura hispano-americana: prataria, ícones religiosos, pinturas, móveis, livros e documentos. O patrimônio do Museu Fernández Blanco, que soma cerca de 10.000 obras, é considerado um dos mais importantes da arte hispano-americana, principalmente na arte e na prata do Peru.

A coleção de arte peruana apresenta extensa prataria e artes plásticas, esta última incluindo numerosas obras originais da Escola de Cuzco do período colonial. Outras coleções incluem obras da bacia do Río de la Plata, iconografia jesuíta e de Quito, móveis brasileiros e artes decorativas da América Latina colonial e da Espanha.

O mesmo método de ampliação do acervo foi implementado por seu genro e sucessor no cargo, Dr. Alberto Gowland, grande admirador e colecionador de arte do vice-reinado. Ao final de sua gestão, o Museu de Arte Hispanoamericana tinha mais de 9.500 peças dos séculos XVI a XX como patrimônio dos cidadãos de Buenos Aires.

Destaque para a mostra dos chapéus.

Em 1947, atendendo a um decreto de 1943 sobre a especificação de museus, a coleção hispano-americana do Museu Fernández Blanco foi transferida para sua localização atual, o Palacio Noel, em Suipacha 1422.

Por ocasião do aniversário de noventa anos do Museu, desenvolve-se o projeto de recuperação e reconversão da antiga casa Fernández Blanco, como segunda sede institucional.

Após um processo de restauração e valorização, a nova sede abrigou seu vasto acervo de artes aplicadas dos séculos XIX e XX. As três primeiras salas foram dedicadas à coleção de bonecas antigas de Mabel e María Castellano Fotheringham.

 

A instituição, na última década, fixou-se como objetivo trabalhar com todos os temas do seu vasto acervo, incorporando o trabalho tradicional na investigação, conservação e divulgação da arte vice-reinante e da primeira parte do período republicano.

Destaque para a coleção de Peinetones (antigos pentes de chifre) e leques

Destaca-se também o acervo de instrumentos musicais, a pesquisa, conservação e incorporação de antigos arquivos fotográficos e sua especialização em fotografia americana, obra que o torna interlocutor dos mais importantes museus internacionais de fotografia.

Outra das facetas mais reconhecidas do seu trabalho artístico foi a incorporação da dimensão musical, a organização de temporadas de música de câmara (de cem concertos por ano), os programas de formação musical e a criação e desenvolvimento do seu conjunto residente de música barroca americana.

 

fonte:

  • https://www.buenosaires.gob.ar/museofernandezblanco
  • https://www.buenosaires.gob.ar/museofernandezblanco/casa-fernandez-blanco

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.