Museu Enrique Larreta: “Un regalo para Evita. Trajes, cultura y política”, Belgrano, Buenos Aires

Comemorando o centenário do nascimento de Evita e mais de setenta anos de sua emblemática viagem pela Europa, a exposição é baseada na coleção de 50 trajes regionais espanhóis apresentados a Eva Duarte de Perón em 1947 por ocasião da viagem da primeira-dama a esse país.

A amostra é composta por uma seleção desses trajes, nos quais todas as províncias espanholas são representadas através de seus vestidos, chapéus, sapatos, jóias e acessórios. Hoje, o conjunto dessas roupas forma uma coleção única no mundo que reflete a diversidade cultural dos povos da Espanha, combinando arte, design e história.

Mas essa coleção teve percurso particular, sempre ligada aos altos e baixos da história nacional, de tesouros perdidos e achados, que sem duvida merece ser contada. Por várias razões que detalharemos mais na frente, essa exposição artística foi exibida apenas cinco vezes: 1947, 1985, 2002, 2011, 2019.

O Museu de Arte Espanhola Enrique Larreta, localizado no belo bairro de Belgrano, foi quem salvou e preservou esta maravilhosa coleção que preserva o espírito e a essência da tradição das cinqüenta províncias espanholas e revive outro capítulo emocionante na vida de Evita.

O desfile das cem meninas

Uma multidão recebeu Evita na noite de sua chegada a Madri, em 8 de junho de 1947, e também no dia seguinte, quando ela foi galardoada com a grande Cruz de Isabel a Católica no Palácio Real.

A Espanha foi o ponto de chegada e partida de uma viagem pela Europa que durou 70 dias na qual Evita viajou pela Itália, França, Suíça, Portugal, Mônaco e Vaticano.

Evita na viagem pela Europa que durou 70 dias

Os vestidos foram recebidos no dia 10 de junho, durante uma noite de cerimônia com danças folclóricas organizadas em sua homenagem , no imenso palco montado no centro da Plaza Mayor, em Madri. As 50 províncias que então formaram aquele país ofereceram a ela seu traje tradicional. Eram cinquenta vestidos acompanhados de sapatos, jóias e toucas ou chapéus. Cerca de 800 peças muito requintadas.

Então, ali, Evita viu uma centena de meninas desfilando na frente dela, vestindo trajes tradicionais e oferecendo um igual para ela em cestas de vime abertas. Além disso, deram-lhe malas com as jóias e toucas ou chapéus correspondentes.

 “Un regalo para Evita. Trajes, cultura y política” – Museu Larreta

Exposição de Evita no Museu de Arte Espanhola “Enrique Larreta”

Patricia Nobilia é doutora em arte pela UBA e curadora desta exposição que propõe um passeio por mais da metade dos trajes que Evita recebeu na Espanha (todos os 50 fazem parte do patrimônio do Museu Larreta) e outros três concedidos pelo Museu Evita (da sua coleção particular). “É a primeira vez que um curador externo a essa instituição pode selecionar peças para uma amostra. Aqui você pode ver três vestidos que Eva usou em diferentes atividades da turnê na Espanha”.

Aquele que ela usou a noite em que os trajes tradicionais foram presenteados não é parte da mostra por uma coincidência singular: “É um vestido branco bordado com uma saia e aplicações pretas, que ela já usara para o primeiro retrato oficial como primeira-dama ao lado do general Perón. Portanto, faz parte da exposição permanente do Museu Evita”, diz Nobilia.

Multimídia, documentários acompanham a exposição artística

Além de refinada, a coleção é única no mundo. “Nem o Museu do Traje da Espanha tem algo assim”, diz a curadora. Os dados não são menores, porque as oitocentas peças sobreviveram aos ódios e amores que seguiram Eva Perón desde então. “A história desta coleção merece ser contada e é algo que tem seu espaço nesta exposição”, diz Nobilia.

A coleção de fantasias é uma beleza artesanal que atravessa todo o conhecimento ancestral e influências culturais desenvolvidas na Península Ibérica. A da Galicia é costurada em veludo preto com bordados e mostacillas.

O figurino de Barcelona, ​​destaca-se o padrão e a qualidade de sua renda, que também é testemunho da importante indústria têxtil existente em Catalunha. A de Sevilha tem um vestido de algodão azul claro com bolinhas brancas com faralaes ou babados com renda e fitas azuis e brancas. É a roupa andaluza emblemática para dançar “flamenco”.

Por sua vez, o traje “Huertana” (de Múrcia) tem a graça e o charme feminino que foram impostos à moda espanhola no século 18 com a chegada dos Borbones ao poder. A tradição muçulmana baseia-se na riqueza ornamental de suas peças, como o xale de tule com lantejoulas e fios de ouro e o gibão branco bordado.

O de Córdoba é um traje de amazona, composto por botas, fusta e saia, que a mulher usa para montar a cavalo. Finalmente, o vestido de León, adaptado ao frio e à umidade do lugar, sintetiza as contribuições greco-romanas e árabes incorporadas à austeridade cristãs. As iniciais bordadas “E. D. de P. ”que respondem ao nome de seu destinatário: Eva Duarte de Perón.

Após a turnê européia de Evita, os vestidos foram exibidos no Museu Nacional de Arte Decorativa, sob o título: Trajes da Espanha. Coleção Dona María Eva Duarte de Perón. “Na inauguração de 29 de novembro de 1947, junto com Eva, estava o presidente da república, Juan Domingo Perón; o diretor do museu, Ignacio Pirovano e o embaixador espanhol, José M. Areilza, entre outros. A amostra teve um grande impacto. Mais de 157.000 pessoas desfilaram pelos corredores, das quais 46.000 correspondiam a visitantes de escolas.

Evita na turnê européia

A primeira dama argentina esteve na Espanha por alguns dias, entre cerimônias e banquetes, mas aquela ocasião foi especial: agradecer a traves da visita oficial de Evita, o suprimento de trigo por parte de Argentina para um povo empobrecido nos tempos da guerra.

Durante esta turnê européia, a Argentina sai para apresentar sua chamada terceira posição e fechar acordos diplomáticos, econômicos e políticos fora dos Estados Unidos e da URSS. A Espanha por sua vez, sob a ditadura de Franco, ficou isolada no contexto internacional e a Argentina foi o único país que envia ajuda a uma Espanha com muita fome após a Guerra Civil, diz Santiago Régolo, pesquisador do Museu Evita.

“A visita de Eva Perón marcou o começo do fim do severo isolamento internacional, do ostracismo ao qual o regime de Franco foi submetido pelas potências vitoriosas na Segunda Guerra Mundial desde 1945″, disse o historiador Xosé M. Núñez Seixas, professor nas universidades de Santiago de Compostela e Munique.

“A viagem teve um alto conteúdo simbólico. A Argentina foi apresentada como um dos poucos aliados de Franco e injetou oxigênio e legitimidade internacional. Além disso, os acordos com Perón permitiram importar trigo e carne argentinos, o que contribuiu para melhorar a situação do suprimento de alimentos”.

Por isso, diz Núñez Seixas, que a viagem “recebeu um amplo eco de propaganda, na imprensa e no noticiário documental que eram transmitidos nas salas de cinema”. Até houve “duelos de estilo” entre Evita e a esposa de Franco na época: “Embora o contraste entre ela e a esposa do ditador, Carmen Polo, uma senhora impopular, muito católica e distante, permaneceu em evidência desde os primeiros momentos da visita ante a beleza e juventude de Evita”.

Franco, bastante condicionado porque precisava da ajuda da Argentina, teve que engolir as reuniões que Evita manteve com lideres sindicais onde se falava sobre justiça social e voto das mulheres.

Ë importante destacar a singularidade da turnê, estamos falando de uma primeira-dama sem cargo oficial, uma mulher de 28 anos, com grande responsabilidade e que foi recebida por primeiros-ministros, presidentes e o Papa em 1947, e a importância que teve na vida política de seu protagonista. A viagem à Europa será um antes e um depois para Eva na construção de sua liderança. Já na Argentina, veremos isso como parte fundamental do primeiro peronismo, seu ativismo pelo voto das mulheres e a criação do Partido das Mulheres Peronistas.

Em 26 de junho depois de passar dezessete dias em solo espanhol, Eva e sua comitiva marcharam em direção a Roma, enquanto as cestas com os figurinos, juntamente com o resto dos presentes recebidos, partiram em um navio para Buenos Aires.

A primeira dama argentina tinha então 28 anos.

Tempos sombrios

Todo aquele esplendor foi seguido por tempos sombrios. A chamada Revolução Libertadora derrubou Perón em 1955, ordenou a demolição da residência presidencial e confiscou todos os seus bens. A coleção de fantasias, como tantos outros pertences, permaneceu em custódia por anos no Banco Municipal.

Em 1967, por meio de decreto presidencial, foi acordado que a coleção de “trajes hispânicos” fosse transferida para o Museu de Arte Espanhola Enrique Larreta, legitimando a entrada em seu patrimônio. “Mas as quase oitocentas peças chegaram ao museu em uma espécie de “remessa secreta” que apenas a então diretora Isabel Padilla de Borbon e alguns colaboradores conheciam” reconstrói a curadora da exposição.

Assim, nas cestas originais, os figurinos, juntamente com os manequins e perucas usados ​​na primeira exposição, foram escondidos no porão do museu até 1973. “Com o retorno de Perón ao país, eles puderam vir à luz e toda a equipe descobriu a coleção extraordinária que permaneceu escondida por tanto tempo ”, acrescenta.

Não havia tempo para organizar nenhuma mostra. Perón morreu pouco depois e a ditadura empurrou a coleção de volta ao porão frio e escuro. Finalmente, em 1985, com o retorno da democracia, trinta e oito anos após a exposição inaugural, o público Argentino poderia admirar os trajes espanhóis novamente. Foi a primeira vez que a coleção foi exibida no Museu Larreta. Devido à falta de espaço disponível, a coleção é exibida apenas em exposições temporárias: houve uma segunda em 2002, outra em 2011 e a atual, aberta em julho-agosto de 2019.

Comumente se faz referencia a esta mostra como “Os Vestidos de Evita”, e tal vez possa surgir a interpretação de que se trata dos vestidos que ela usava. Pois não, os vestidos pessoais de Evita se encontram expostos no Museu Evita (Lafinur 2988), perto de Plaza Italia.

Evita nunca usou as roupas dadas por Franco, mas as valorizou como uma lembrança preciosa daqueles meses intensos de viagens que a mudaram para sempre. Segundo lembra Paco Jamandreu, Evita acostumava visitar e olhar os vestidos durante a convalescência de sua doença, trazendo belas lembranças daquela viagem.

 

Museu de Arte Espanhola Enrique Larreta

Endereço: Juramento 2291, Belgrano, Argentina

Este museu, localizado no bairro de Belgrano, vale a pena ser visitado por sua coleção de arte espanhola, que pertenceu ao escritor argentino Enrique Larreta, mas também pelo casarão que o abriga e seu magnífico jardim de estilo andaluz, único em seu tipo na América do Sul.

 

fonte:

  • Débora Campos – www.clarin.com
  • www.elpais.com
  • www.lanacion.com

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *