MUSEU DE FORTABAT: A Coleção de Arte “Amalia Lacroze de Fortabat” está exposta em Puerto Madero

A Coleção Particular Amalia Lacroze de Fortabat é uma maravilhosa seleção de obras de reúne artistas como Andy Warhol, Marc Chagall, Salvador Dalí, Auguste Rodin, Paul Gauguin, Edgar Degas e Joan Miró, entre outros, que está exibida permanentemente ao público em Puerto Madero.

A colecionadora, falecida em 2012, sempre se recusou a usar a palavra museu para definir o escopo de seu acervo. Por isso, o magnífico edifício, localizado no exclusivo bairro de Puerto Madero, é denominado “Coleção de Arte Amalia Lacroze de Fortabat” e não Museu Fortabat, como é popularmente conhecido.

O ponto forte desta coleção é a pintura argentina com ênfase em artistas plásticos argentinos residentes em Paris na segunda década do século 20 e que formaram o grupo conhecido como Escola de Paris.

Museu Fortabat


O museu está localizado em Puerto Madero e abriga a importante coleção particular de arte da empresária Amalia Lacroze de Fortabat, que em 2008 doou este prédio e a coleção de arte que ela guardava por mais de 30 anos.

A fachada oeste, de cara para um dos antigos diques é totalmente envidraçada desde o primeiro nível. A fachada oriental, voltada para o rio, é em vez de concreto. Desta forma, cumprem-se dois dos principais objetivos do arquiteto Viñoly para esta obra: manter uma relação visual permanente com a cidade e integrar o edifício na arquitetura das docas portuárias recicladas num estilo sóbrio inglês.

O edifício reflete o contexto marítimo de Puerto Madero e, ao mesmo tempo, cria uma arquitetura contemporânea que se encaixa na exposição de arte e se abre para a cidade. O perfil do edifício tem uma característica de transatlântico, que se integra perfeitamente ao ambiente dominado pelos grandes edifícios de armazenamento do porto.

Possui quatro níveis e duas salas amplas, além de uma hemeroteca e área de serviço. Possui seis mil e oitocentos metros quadrados cobertos e está coroada por uma cúpula de vidro e aço, com painéis móveis de alumínio que se abrem ou fecham conforme a posição do Sol, de forma que o último andar pode ser totalmente aberto ao ar e se tornar um terraço enorme.

O museu destaca-se pelos dispositivos móveis únicos que funcionam como guarda-sóis durante o dia, controlando a luz que entra nas salas abobadadas, expondo a transparência da nave após o pôr-do-sol.

No telhado abobadado, possui 12 guarda-sóis móveis que filtram a luz solar que ilumina o edifício. O telhado em si é uma abóbada envidraçada sobre o piso principal e as salas do mezanino, com nervuras de aço que sustentam a superfície envidraçada de alta qualidade e a série de painéis sobrepostos que funcionam como cortinas de sol. Dependendo da hora do dia e das condições climáticas, esses painéis controlados por computador podem ser posicionados de diferentes maneiras para fornecer sombra à galeria, ou permitir a entrada de luz difusa. À noite, os guarda-sóis podem ser totalmente abertos, transformando o edifício em uma presença translúcida e cintilante sobre a água e oferecendo aos visitantes uma vista espetacular do horizonte da cidade.

Mas à noite, quando as sombrinhas são levantadas, o lugar passa por uma transformação misteriosa: os quatro andares do museu são iluminados e cerca de 200 obras de arte tremeluzem como vaga-lumes presos dentro de um navio de vidro.

Os visitantes entram no saguão de pé direito duplo por uma passagem externa coberta no andar térreo. Em frente ao corredor da entrada principal existe uma cafetaria com acesso independente a partir da praça do museu e da esplanada do cais, que integra o museu na vida pública do bairro. Dois terraços externos estendem o piso da galeria principal fora da envolvente do edifício, proporcionando mais espaço ao ar livre para socializar e contemplar o centro de Buenos Aires.

Por ocasião da inauguração, Amalita descreveu em entrevista como tal empreendimento foi concebido: “Eu estava em minha casa em Hamptons quando Viñoly me propôs diversos projetos. No início, nenhum deles me deixou louca. Depois vieram anos muito difíceis para a Argentina (refere-se à crise de 2001, uma das mais duras que o país passou e que mais atingiu sua empresa Loma Negra). Finalmente, em 2005, quando entrou um pouco mais de dinheiro, comecei o projeto novamente. Não fiquei muito entusiasmada, porque dá muito trabalho corrigir e acertar todos os detalhes … Mas no final consegui e aqui está”.

No dia 22 de outubro de 2008, ao se despedir de seu museu e de suas obras e deixar seu legado artístico para todos os argentinos, Amalita conversou pela última vez com a imprensa. Com um suspiro de alívio, ela concluiu: “Mais uma tarefa da qual me livrei”, disse ela. Minutos depois, na porta da frente, entregou as chaves ao recém-nomeado administrador geral, José María Ugarte. Ela saiu e nunca mais voltou.

Amalita Fortabat


Amalita Fortabat, foi uma proeminente empresária milionária, magnata, filantropa e colecionadora de arte argentina. Foi diretora da cimenteira Loma Negra de 1976 a 2005 chegando a ser a mulher mais rica da Argentina.

Ela foi a criadora da Fundación Teatro Colón e da Fundación Amalia Lacroze de Fortabat, que doou mais de 40 milhões de dólares para instituições de caridade em toda a Argentina desde 1976.

Amalita foi nomeada presidenta do Fundo Nacional de Belas Artes em 1992, pelo qual ela era uma grande conhecedora do mercado de arte mundial

Segundo o livro Os Donos da Argentina, do jornalista Luis Majul, entre os bens estariam 23 campos com 170 mil cabeças de gado­­; cinco empresas de cimento; um edifício inteiro na avenida Libertador (uma das mais caras de Buenos Aires); uma casa em Mar del Plata; um duplex no Hotel Pierre, em Nova Iorque; dois aviões, um helicóptero, um barco e diversos automóveis.

Devido a várias dívidas, o CEO da Loma Negra, seu neto Alejandro Bengolea, teve que assumir o processo de reconversão da empresa em 2000. Porém, deixou o cargo em 2002. Em 2005, Lacroze vendeu a Loma Negra para o grupo brasileiro Camargo Correa, por 1025 milhões de dólares.

O Acervo do Museu


Na museografia há uma organização onde se vê o processo evolutivo das artes na Argentina. Existe toda uma parede que começa em Berni e vai até Butler, Basaldúa, Forner, Berni, Spilimbergo, que são todos os artistas que se formaram na Escola de Paris nos anos 20 e 30. Muitas obras tradicionais e históricas argentinas pintores nunca foram vistos e que foram exibidos pela primeira vez nesta coleção.

A coleção é claramente figurativa. Há muito pouco trabalho abstrato. Nesse sentido, a política de arrecadação é muito mais parecida com as compras feitas pelo Museu de Arte do Tigre do que com as do MALBA, embora o edifício Fortabat esteja mais relacionado a uma construção contemporânea. Na realidade, o edifício é muito mais contemporâneo do que aquilo que alberga, que é tradicional e figurativo.

Entre as pinturas latino-americanas do século XIX, destacam-se “Apartando en el corral” e “Los Capataces”, de Prilidiano Pueyrredón, o primeiro pintor a incorporar nus à arte argentina. Entre os do século XX, destacam-se “La Resistencia” e “El indeciso” de Emilio Pettoruti, ao lado do “O Almoço” de Antonio Berni, que durante anos ficou pendurado na sala de reuniões da Torre Fortabat, a 400 metros do museu.

O museu é centro de diversas atividades artísticas

Qual é o valor da coleção? … O número é praticamente incalculável. Embora deva ser observado aqui que apenas duas pinturas, dispostas em uma sala dedicada a obras extraordinárias de grandes mestres de várias épocas, somam US $ 120 milhões. “O censo de Belén”, do flamengo Pieter Brueghel, o “Jovem” (1564-1638) – que retrata o inverno em uma pequena cidade flamenga do século 16 e todos apontam como “o favorito de Amalita” -, foi cotado por 50 milhões de dólares. Enquanto “Julieta y su niñera”, uma pintura do britânico Joseph Mallord William Turner (1775-1851) que reflete uma vista espetacular da Praça de São Marcos de Veneza, hoje está avaliada em 70 milhões. Foi com a compra desta última pintura que pagou 6,4 milhões em 1980, pelo que Amalita inscreveu seu nome na lista dos maiores colecionadores de arte do planeta.

Amalita Fortabat contou uma anedota que lhe aconteceu com os retratos de seus netos feitos por Antonio Berni: “Era um homem encantador, eu tinha uma grande amizade com ele. Foi o Berni quem cuidou do conserto das abóbadas das Galerias Pacífico, e eu o ajudei vagamente com a escada e tal, então ele me deu os três quadros dos meus netos. Mas eu teve um grande problema para exibir eles no museu, porque não tinha nota fiscal. Ninguém conhece o problema que significa exibir as obras que foram obsequiadas. E nem vamos falar de quando o artista já está morto. Eles simplesmente não podem ser exibidos em um museu” Nos últimos anos, Amalita parou de comprar obras de arte. “Vocês não imaginam a quantidade de obras que eu tenho; Acho que daria para outro museu mais”, disse ela.

Retrato, Andy Warhol

Existem três retratos de Amalita de três épocas muito diferentes. A primeira é de 1946, a segunda é de 1962, ambas do catalão Vidal-Quadras, e a última, de 1980, que é uma serigrafia de Warhol.

No retrato que Andy Warhol pintou da Sra. Amalia Lacroze de Fortabat, ele usa uma moldura que usou para personalidades do mundo internacional, onde apenas um fragmento dos ombros da mulher pode ser visto. Na superfície quadrada da obra, a mulher retratada foi representada olhando para a frente, atitude com a qual estabelece uma comunicação franca com o observador.

“Julieta y su niñera” de Turner

“Julieta y su niñera” de Turner é uma pintura brilhante e polêmica. Acabado de terminar, em 1836, o pintor foi acusado de “senilidade mental” por ter colocado os personagens de Shakespeare em uma varanda de Veneza, em vez de Verona. Mas é o “Censo de Belém” de Brueghel, uma pintura diabolicamente boa, a garota bonita da coleção. Por trás do vidro à prova de balas, o estranho frescor e a precisão de cada toque de cor são preservados intactos.

O “Censo de Belém” de Brueghel
“O Almoço” de Antonio Berni

Os artistas mais representados são Alonso e Soldi, há também um Quinquela Martín e outro quadro de Ernesto Sábato, denominado “Taça com fruta”, de 1990.

Não há escultura na coleção, o que é muito interessante porque mostra que a burguesia argentina gosta de pintura, não de escultura. As únicas esculturas que existem são decorativas ou arqueológicas. Há uma ânfora grega, algumas telas bizantinas, mas também há algo muito extraordinário, uma figura egípcia da 6ª Dinastia de um guerreiro.

 

fonte:

  • https://coleccionfortabat.org.ar
  • Conversaciones en un transatlántico sobre la nueva Colección Fortabat – Fermín Eguía, Roberto Amigo y José Fernández Vega
  • https://vinoly.com/works/coleccion-de-arte-amalia-lacroze-de-fortabat/?lang=es

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.