Igreja Santa Efigênia dos Pretos, Ouro Preto (MG) – Parte IV: A lenda do famoso “Chico Rei”

Mas também a historia da igreja de Santa Efigênia  esta ligada á lenda do famoso “Chico Rei”, que conheceremos neste post ao mesmo tempo que percorremos o interior do templo.  A lenda conta que foi construída com o ouro extraído da Mina Encardideira do Chico Rei, escravo que foi trazido do Congo, África, e que conquistou a sua liberdade com o trabalho e comprou a mina.

Irmandade do Rosário


As irmandades do Rosário foram um dos refúgios espirituais mais importantes dos negros escravos no Brasil

Segundo algumas versões a Irmandade do Rosário foi trazida pelos jesuítas e é mesmo possível que tenha vindo com confrades saídos de Portugal, empenhados em introduzir essa piedade nos lugares que procuravam.

Porem essa imagem religiosa está ligada à ocupação da África pelos portugueses e foi levada ao Congo pelos missionários dominicanos que introduziram a Irmandade de Nossa Senhora do Rosário no ano de 1570. Essa devoção veio ao Brasil pelos navios negreiros: É uma herança dominicana no Brasil, onde os dominicanos não estiveram presentes senão a partir do século XIX. Os frades capuchinhos que fizeram a ponte entre uma pastoral africana e uma brasileira conseguiram do superior geral dos dominicanos a licença de pregar a devoção entre os pretos.

Chico Rei – A lenda de Rei do Congo


A igreja de Santa Efigênia  esta ligada á lenda do famoso “Chico Rei”, nascido no Reino do Congo, chamava-se originalmente Galanga. Chegou ao Brasil em 1740, no navio negreiro “Madalena”, mas, entre os membros da família, somente ele e seu filho sobreviveram à viagem. Todo o lote de escravos foi comprado pelo Major Augusto, proprietário da mina da Encardideira, e foi levado para Vila Rica como escravo, juntamente com seu filho. Trabalhando como escravo conseguiu comprar sua liberdade e a de seu filho. Adquiriu a mina da Encardideira. Aos poucos, foi comprando a alforria de seus compatriotas.

Estrada real Iluminação arquitetura barroco Nossa Senhora do Rosário Aleijadinho Brasil Unesco Patrimônio Mundial
A historia de Chico Rei esta ligado á Igreja Santa Efigênia dos Pretos ou Igreja Nossa Senhora do Rosário do Alto da Cruz

A devoção à Nossa Senhora do Rosário dos Pretos e à Santa Efigênia fez com que Chico construísse com outros negros uma igreja dedicada às santas. A esta irmandade é atribuída a lenda dos escravos que escondiam o ouro em seus cabelos, indo-os lavar na Igreja de Santa Efigênia, de onde extraíam o dinheiro para a construção e embelezamento do templo, como também para a compra de alforrias.

Por ser uma figura tão importante no folclore de Ouro Preto, Chico Rei é celebrado na cidade no mês de janeiro, já que ele costumava organizar solenidades no Dia de Reis.

O Rei Chico restabeleceu danças e costumes africanos durante as festas que se celebravam. Ele é celebrado até hoje em festas populares que tem canto, dança, procissão e até coroação dos reis do Congo. Vem daí o nome dessa festividade: Congada, Congado ou simplesmente Congo. Diversos grupos de congado evocam Chico Rei como origem do congado, embora estudiosos eruditos contestem esta visão.

Estrada real Iluminação arquitetura barroco Nossa Senhora do Rosário Aleijadinho Brasil Unesco Patrimônio Mundial

Mas também deve-se notar que a história do Chico Rei, o rei africano tornado escravo no Brasil, não possui registros fidedignos.

Em 1966, o romancista Agripa de Vasconcelos publicou o seu romance Chico Rei, onde, usando a estrutura da nota de rodapé do livro História Antiga de Minas Gerais de Diogo de Vasconcelos, publicado em 1901, inventou novos personagens e reinventou a lenda de Chico Rei; nenhum documento anterior a essa data confirma ou sequer menciona a sua existência. 

Festa do Reinado de Nossa Senhora do Rosário e Santa Efigênia


O Reinado de Nossa Senhora do Rosário e Santa Efigênia é realizada em honra a Chico Rei no mês de janeiro. Como herança africana, a comemoração é movida pela fé e regada de alegria, música e dança, encantando as ruas de Ouro Preto.

A festa do Reinado abre o calendário de eventos da cidade, e tem o seu ponto alto em 12 de janeiro. Neste dia, está previsto cortejo pelas igrejas, missa Conga o adro da Capela do Padre Faria e apresentações de 35 grupos de congos, moçambiques e marujos vindos de todo o estado.

O Congado tem suas origens nos antigos reinos do Congo, Moçambique e Angol. Os registros apontam que a festa foi realizada pela primeira vez no Brasil há cerca de 200 anos, tornando-se uma tradição da fé afrodescendente.

 

A festa celebra a figura de Chico Rei que veio do Congo trazido como escravo para o Brasil. Em Ouro Preto, ele conseguiu comprar sua alforria e de outros conterrâneos, que o consideraram “rei”. A festa reúne cerca de 35 Guardas de Congado, Moçambique, Marujos, Caboclos, Catopés e Folias de várias regiões do Estado.

“O encontro que mistura fé, música e resistência abriu a festa do Reinado de Nossa Senhora do Rosário, Santa Efigênia e São Benedito é uma festa que representa a resistência do nosso povo não só na crença, que teve que passar pelo sincretismo religioso quando chegou ao Brasil, como também na cultura e tradições”, diz o Capitão da Guarda de Moçambique Nossa Senhora do Rosário e Santa Efigênia, Kedison Guimarães.

O evento tem suporte da Prefeitura, do Fundo de Patrimônio, e da Secretaria de Estado da Cultura de Minas Gerais, por intermédio do Fundo Estadual de Cultura.

Local: Igreja Matriz de Santa Efigênia, Capela do Padre Faria, Casa de Cultura Negra de Ouro Preto e Teatro Municipal Casa da Ópera.

 

fonte:

  • http://portal.iphan.gov.br/
  • http://eild.org/eild-2016-ouro-preto/
  • http://historicosop.blogspot.com/
  • Foto Credito: Ane Souza

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.