Igreja San José de Calasanz – Parte II: O Interior do Templo

A história desta igreja começa em 1900 quando os Padres Escapulários viram a construção de seu colégio concluída sob risco do arquiteto Juan Antônio Buschiazzo. Ele chegou da Itália aos quatro anos de idade, formou-se engenheiro e arquiteto desempenhando com excelência sua função de Diretor do Gabinete dos Engenheiros Municipais da Prefeitura justamente no momento em que Buenos Aires (recentemente declarada capital oficial da República Argentina) enfrentava um processo de remodelação inédito, onde a antiga imagem colonial deu lugar à qualificação do tecido urbano com o traçado de avenidas e parques, paralelepípedos, pontes e a construção do primeiro .

A família aristocrática Ortiz Basualdo foi a principal benfeitora que permitiu a construção do templo. O estilo românico-bizantino com influências lombardas escolhidas por Buschiazzo e o fino interior com o seu Altar-mor em mármore carrara e grandes vitrais, todos trazidos da Europa, conferem à Igreja de San José de Calasanz um local digno de visitar.

A modernidade que transformou Buenos Aires


Juan Artonio Buschiazzo

A nova e definitiva condição de Buenos Aires como Capital Federal marca uma virada no processo de transformação da cidade em metrópole. Uma cidade em permanente crescimento populacional, edifícios precários convivendo com casas suntuosas, todas próximas à sede do poder político: a Plaza de Mayo reproduzia ecos da época colonial. Com uma infraestrutura de serviços insuficiente, um baixo percentual de ruas de paralelepípedos, transporte caro para os setores populares, as mudanças que ocorrerão durante a grande gestão do primeiro prefeito de Buenos Aires marcarão as principais linhas de uma cidade que levará várias décadas para se consolidar.

As principais reformas em torno da regularização incidem sobre a remodelação da Plaza de Mayo; a abertura das diagonais Norte e Sul; as avenidas Santa Fé, Córdoba, Corrientes, Belgrano, Independencia e Caseros, a pavimentação de grande parte das ruas da cidade e a criação de praças e passeios, como Recoleta. A expansão e construção de hospitais, casas de saúde e cemitérios, a encomenda dos terminais de transporte: Praças Once e Constitución e os mercados de abastecimento, até aos primeiros regulamentos de construção.

Este processo reconhece um momento de particular consolidação quando Buenos Aires foi declarada Capital da República em 1880. É então, durante a gestão de seu primeiro prefeito, Torcuato de Alvear, que emerge a figura de Juan Artonio Buschiazzo. Ele é convocado desde o primeiro momento por Alvear, em 1880. Embora seja visível que as grandes estratégias urbanas são ideias do prefeito, ele sem dúvida encontrou em Buschiazzo seu aliado mais eficiente. Desempenhando tarefas de projeto, gestão de profissionais e fiscalização de obras, até avaliações, orçamentos e elaboração de regulamentos urbanísticos, soube interpretar com excelência a sua função de Diretor do Gabinete dos Engenheiros Municipais.

As igrejas de Buschiazzo


Juan Antonio Buschiazzo nasceu no Piemonte italiano em 1845. Veio da Itália para a Argentina quando tinha 4 anos. Sendo engenheiro formou-se arquiteto em 1878, na Faculdade de Ciências Físicas e Matemáticas de Buenos Aires, tornando-se o segundo graduado dessa faculdade, criada em 1874.

Dentro de seu portfólio de obras não encontramos muitas igrejas. Participou na conclusão da Igreja da Imaculada Conceição de Belgrano (La Redonda), na Igreja de La Piedad e na remodelação da Igreja de Nuestra Señora de la Merced, datada de 1779, modificando a sua fachada e interiores.

  • Paróquia Nossa Senhora do Carmen (1884/88), Rodriguez Peña 840
  • Paróquia de Imaculada Conceição (1895/97), Lincoln

Nas igrejas projetadas inteiramente por ele, ele não recorreu aos modelos clássicos, fugindo dos modelos típicos de igrejas. A estrutura e fachadas de suas igrejas assumiram um posicionamento diante da questão tipológica extremamente aggiornada. O debate europeu, durante grande parte do século 19 (França com Viollet-le-Duc; Alemanha com Hoffstadt e Reichensperger; Inglaterra com John Ruskin) girou em torno da busca de arquiteturas nacionais. Neste quadro, a revalorização de estilos típicos do passado, deu origem ao surgimento do Neo-Românico e do Neo-Gótico. Buschiazzo não traz esse debate, mas a tipologia sim.

  • Colégio San José de Calasanz (1896/1900)
  • Paróquia San José de Calasanz, Avenida La Plata 955 (1912/1915)

Uma nave com 45 metros de comprimento, 27 metros de altura e 12 metros de comprimento. Desenhada em estilo românico bizantino possui uma única torre na fachada.

Paróquia de San José de Calasanz: O Templo


No momento do novo templo ser inaugurado, ainda tem os altares de madeira que se encontravam na Capela interna do Colégio, porque, devido aos incómodos causados ​​pela 1ª Guerra Mundial no transporte marítimo, aqueles adorados objetos não chegaram da Europa como se esperava. Em 1913, a Sra. Inés Ortiz Basualdo de Peña já havia encomendado a construção de um magnífico Altar-Mor, quatro Altares Laterais e o comungatório numa casa em Lille, França.

Em 23 de abril de 1916, na Páscoa, foi inaugurado o relógio da enorme torre e os cinco sinos, dedicados a Santa María Magdalena, o Sagrado Corazón de Jesús, San José de Calasanz, Santa Inés e Jesús Infante em nome dos membros das Famílias Ortiz Basualdo, Peña e Uribelarrea. No final do ano, os filhos e familiares da senhora Ortiz Basualdo de Peña entregam à paróquia um presépio de Natal de 30 peças e o conjunto escultórico do altar do Calvário, entre outros presentes.

A nave


A nave, com 45 metros de comprimento, 27 metros de altura e 12 de largura, é em estilo românico bizantino, muito proporcionada nas suas dimensões que dá a sensação de algo acabado e perfeito.

Em 5 de novembro de 1921, seis anos após a fundação, os padres Os Escolapios recebem o Altar-Mor, feito artisticamente em mármore de Carrara.

Altar-mor


O Altar-mor, dedicado a San José de Calasanz, tem o caráter de um altar privilegiado. Em mármore de Carrara, exceto as colunas do tabernáculo, que são de ônix. No nicho central está a imagem de San José de Calasanz e, nas laterais, de menor tamanho, as estátuas de San Joaquín e Santa Ana.

Ao lado do Altar Principal, está a bela imagem da Virgen de las Escuelas Pías, que ficava em um altar lateral.

Altares Laterais


Todos os altares laterais são coroados por vitrais de grandes proporções. Eles representam passagens da vida do Santo. O primeiro, dedicado à Virgen del Carmen, com bela ornamentação. Possui também as imagens de Santa Inés e Santa Teresa de Jesús. O vitral reproduz a cena de Calasanz quando criança, pregando para um grupo de meninos da mesma idade.

Então segue o altar do Calvário. Composto pelas figuras de Jesus Crucificado, a Bem-Aventurada Virgem Maria. E abraçando a cruz, María Magdalena, enquanto o vitral, lembra José de Calasanz apresentando sua tese de doutorado no claustro de Alcalá de Henares.

Vitreaux


Após intermináveis ​​e enteados trâmites alfandegários, em 23 de junho de 1917 chegaram os 8 magníficos vitrais para a Igreja que D. Inés encomendou à Casa Maumejean de Paris, San Sebastián e Madrid. O dia 27 de agosto de 1917, em celebração do Terceiro Centenário das Escolas Pias o templo completa sua ornamentação com os novos vitrais instalados.

Com 6,60 metros de altura e 3 metros de largura cada, refletem passagens da vida de San José de Calasanz e ostentam o escudo das Escolas Pias.

No vitral mas próximo da entrada, consagrado ao adolescente Jesus, estão as imagens dos filhos e mártires Justo e Pastor. O vitral representa a visão de José de Calasanz na Plaza de Roma onde decidiu a sua vocação e o levou a fundar as Escolas Pias.

Os dois vitrais do coro representam, o Santo dando aula, no primeiro, o aparecimento de São Francisco com as três donzelas, representativas dos três votos, o outro.

Do outro lado, o primeiro altar é dedicado a San José Esposo acompanhado pelas estátuas de San Roque e San Antonio. Acima dele está um vitral onde o Santo está ajoelhado diante do Papa, pedindo-lhe que o liberte da honra do cardenalato.

A seguir, o altar da Virgem das Escolas Pias, com as imagens de São Tomé e São Pompílio, coroando a aparição da Virgem a São Calasanz e aos meninos. Por fim, chega o altar do Sagrado Coração com imagens da Imaculada Conceição e de São Cayetano, dominado pelo vitral que lembra a morte do Santo.

Órgão


Em 28 de novembro de 1925 foi abençoado e inaugurado o Órgão da Igreja, doado pela filha do benfeitor, senhora Elisa Peña de Uribelarrea. Construída pela casa E. F. Walcker & Co. na Alemanha, foi instalada pelo seu representante no país, J. Vollmer, e restaurada nos anos 60 pelo mestre espanhol Marcos Azumendi a pedido dos padres.

Foi doado à igreja pela filha da benfeitora, senhora Elisa Peña de Uribelarrea

O órgão possui 42 registros, em 3 teclados, de uma consola elétrica, com 2.455 tubos, construído pela empresa E.F. Waicker (de Ludwigsburg, Alemanha, 1924). Ele é considerado um dos melhores órgãos românticos do país.

Em torno deste órgão, há muitos anos, está reunido o Coro Mater Admirabilis, que acompanha as cerimônias religiosas da Paróquia. Sob indicação da casa Walcker, em 1969 o mecanismo relacionado á consola foi eletrificado, tornando-o muito mais confortável para o organista, com uma resposta mais rápida, precisa e uma manutenção muito mais simples.

Em 2016, foi feito uma restauração e  aprimoramento que devolveu ao templo a beleza que tinha quando foi construído.

 

fonte:

  • https://www.colegiocalasanz.org/
  • http://www.arquitectura.com/historia/protag/buschiazzo/buschiazzo.asp
  • MARZO, Victorio sch.p, “Comunicación dirigida a los feligreses de la Parroquia San José de Calasanz”, en Piedad y Letras, Nº 73, Julio-Agosto 2005, p. 20

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *