Igreja e Convento Santo Domingo, Cartagena Colômbia

Igreja e Convento de Santo Domingo – História

A igreja do convento de Santo Domingo fica em um terreno de esquina formado pela Callejón de los Estribos e Calle de Santo Domingo, ambas retas; no entanto, seu ângulo de união é obtuso. A igreja foi desenvolvida com seu eixo principal paralelo ao Beco dos Estribos, em frente à fachada principal, a Plaza de Santo Domingo uma das mais animadas e concorridas praças de Cartagena, cheia de barzinhos, lar da famosa escultura “Gertrudis”, do mestre Fernando Botero.

O primeiro convento de Cartagena das Índias foi chamado Santo Domingo e foi fundado em 1551

O atual templo substituiu algumas construções primitivas de madeira e palha feitas entre 1534 e 1539, que inicialmente abrigavam os frades e desapareciam no incêndio de 1552. O local original ficava na antiga Plaza de la Yerba, hoje Plaza dos Carros. A transferência para o terreno que hoje ocupa foi doada por Francisco Lipar, no mesmo ano de 1552.

Em 1579, o governador Don Pedro Fernández de Busto notificou o início das obras. O traço original é de autor desconhecido, embora seja provável que tenha sido executado pelo pedreiro Simón González, que na época gozava de grande prestígio na cidade.

Em 1582, boa parte das muralhas e da cobertura principal são feitas e, embora fora atigida pelo pirata Francis Drake, em 1586. Portanto em 1588, por cedula real, foi concedido um auxílio para reparar os danos causados ​​por Drake. Da mesma forma, por certidão real de 1596, foi ordenado que os fundos destinados à construção da Catedral, uma vez concluídos, fossem destinados a finalizar a construção dos claustros de San Agustín e Santo Domingo.

Os trabalhos progrediram muito lentamente. Em 1620, as paredes da igreja estavam niveladas e faltava apenas a cobertura, que, por falta de recursos, só foi concluída, aproximadamente, em 1630. Nessa mesma época, o grande benfeitor da obra, presente Gonzalo de Herrera, marquês de Villalta, doou o dinheiro com o qual foram construídos os quatro arcos transversais grossos que reforçavam a estrutura do telhado, que ameaçava arruinar.

Depois, foi necessário reforçar a fachada externa com cinco contrafortes grossos, que finalmente estabilizaram a estrutura e deram o nome à rua em que aparecem: o Beco dos Estribos.

Beco dos Estribos, foi necessário reforçar a fachada externa

Quanto à fachada, pode-se dizer que em geral, reflete o estilo de uma etapa do Renascimento Espanhol que corresponde cronologicamente muito bem à fachada que lhe foi atribuída em 1580.

Quanto ao frontão dividido, um elemento tão característico do barroco, mostra um momento de transição que, cronologicamente, ocorre por volta de 1600. A cornija curva que encerra toda a fachada também é de estilo barroco que o resto do complexo renascentista não possui. Marco Dorta (1951) explica essa justaposição de elementos, observando que o primeiro corpo da capa é provavelmente do século XVI, como alguns documentos indicam, e que no final do segundo corpo, no início do século XVII, por razões econômicas, foram introduzidos elementos decorativos de sabor barroco.

A fachada consiste em dois corpos com colunas dóricas, encimadas por um frontão quebrado que acomoda uma clarabóia circular. A porta, um arco semicircular, é ladeada por dois pares de colunas que repousam sobre pedestais. Aproximadamente metade do eixo abaixo, dois nichos aparecem no entrecalle e um entablamento clássico separa os dois corpos. O segundo corpo, menor em tamanho, é dividido por quatro colunas em três ruas; os lados são praticamente ocupados por janelas retangulares destacadas e, na rua central, outro nicho parece maior que os anteriores e abriga uma imagem de Santo Domingo. As colunas suportam um entablamento com friso convexo.

Continuando a linha das colunas externas do segundo corpo e no frontão, há um acabamento em forma de esferas. A clarabóia circular, por sua vez, quebra uma caixa que indica a presença anterior de uma clarabóia circular elíptica, que também é vista parcialmente na parede interna, mas coberta por um dos arcos grossos da laje. Uma saliência curvada cobre toda a fachada e mostra o perfil da abóbada que cobre a igreja, enquanto um pináculo de terra envidraçada com momposina cobre todo o conjunto no poço.

O Templo

A planta do Santo Domingo, e a mais importante de todas as igrejas conventuais daquela cidade, construída entre 1527 e 1537, apresenta uma nave única com capelas, grandes armas de cruzeiro, presbitério oblato e planta essencialmente retangular. A igreja tem uma grande nave única e capelas laterais que são acessadas a partir da nave. Apresenta um navio de cruzeiro, que não excede a largura total do templo, e uma capela principal rasa, com cabeçera ochavada.

A nave é coberta por uma abóbada com arcos grossos de lajes, que são sustentados, por sua vez, por grandes pilares de seção reta presos às paredes laterais, que aparecem como contrafortes interiores.

As junturas dos arcos, como suas chaves, são típicas de Cartagena, e cada uma de suas quatro extremidades possui pináculos piramidais.

A terra do lado da epístola foi demolida pela ação de um raio e nunca foi reconstruída.

Foto tomada de “Conventos Dominicanos que construyeron un país” Bucaramanga: Dibujo Óscar Leonardo Millán García, USTA, 2010.

Das nove capelas laterais, cinco são cobertas por abóbadas laterais e quatro por abóbadas cortadas, que se alternam sem nenhuma ordem ou ritmo. O coro, ao pé, é sustentado por uma abóbada que, de acordo com as versões populares locais, era o arco plano mais arrojado construído durante a Colônia, por ser uma abóbada abaixada, iluminada com jarros de argila, método amplamente utilizado no Vice-reinado de Nova Espanha.

O corpo dos sinos na torre lateral da epístola não é paralelo à fachada, mas perpendicular ao eixo da igreja. A partir disso, a tradição popular de Cartagena conta que foi movida e distorcida pelo diabo. Da mesma forma, é construído em tijolo e apresenta em cada uma de suas quatro faces quatro aberturas com arcos semicirculares, emoldurados entre pilastras.

O convento

O processo de construção do convento e igreja de San José (Santo Domingo), em Cartagena das Índias, encarregado da Ordem dos Pregadores Dominicos, foi longo e exaustivo … levou quase três séculos para ficar completamente acabado.

Patio interno do Convento de Santo Domingo

Os núcleos denominados Conventos eram formados por um grupo de pessoas que viviam sob o mesmo teto e cujas relações entre si e com o resto da congregação eram reguladas por seu próprio regime juridico. O convento era a reunião de vários religiosos sometidos a essas regras e, portanto, o prédio onde moravam levava o mesmo nome.

Os religiosos da Ordem dos Pregadores Dominicanos que vieram com Pedro de Heredia, foram os primeiros sacerdotes que administravam os santos sacramentos. Há registro dos nomes dos frades dominicanos que acompanharam Heredia na época da fundação de Cartagena em 1533.

Embora o estabelecimento do convento e igreja dominicana na cidade, pelo menos em sua parte construtiva, tenha progredido lentamente, com muitos obstáculos e dificuldades econômicas, a evangelização o fez aos trancos enormes, porque um ano após a chegada da Ordem dos Pregadores ao na costa do Caribe, já havia a redução de quatro aldeias nos arredores de Cartagena: Carex, Mahates, Turbaco e Bahaire que aumentaram com mais duas em Cipagua e Malambo em 1534, atingindo o número de 20 em 1571.

Em fevereiro de 1552, é registrado um incêndio que destrói a cidade e inicia o processo de reconstrução do atual Complexo Monumental Dominicano em Cartagena das Índias.

O estudo arqueológico realizado no Claustro de Santo Domingo serviu para estabelecer não apenas as características estruturais do edifício e suas possíveis intervenções ao longo do tempo, mas também forneceu informações valiosas sobre as práticas realizadas por seus ocupantes. A descoberta de frascos de argila, material cerâmico e restos de ossos, permitiu estabelecer aspectos do cotidiano dos frades.

Neste estudo, foi encontrado um cemitério infantil que se estende da entrada principal do corredor até o pátio central até cerca de 15 metros em direção à entrada principal do convento.

Eventos culturais acontecem no pátio interno, enquanto no final do passeio existe um Salão de Exposições Temporárias. Nesta ocasião, uma amostra da cultura afro-colombiana.

O projeto de restauração realizado no Convento de Santo Domingo em Cartagena das Índias durante os anos de 2000 a 2004, pelo arquiteto Alberto Samudio Trallero, com o patrocínio da Agência Internacional de Cooperação Espanhola, abre a possibilidade de refletir sobre um destino semelhante para outras propriedades que ainda estão em território colombiano. A função que o claustro restaurado cumpre hoje demonstra o desenvolvimento de um programa que garante sua sustentabilidade como um espaço para atividades culturais e serve como exemplo para as administrações locais da maneira correta de recuperar propriedades de valor patrimonial.

 

Fonte

  • EL CONVENTO DE SANTO DOMINGO EN CARTAGENA DE INDIAS – María Fernanda Reyes Rodrígue, Historiadora de la Universidad Indus­trial de Santander
  • Dos iglesias cartageneras del siglo XVI: la Catedral y Santo Domingo – Juan  Luis Isaza  Londoño. Arquitecto de  la Universidad Pontificia Bolivariana (Medellín), Colômbia
  • A DISPUTA POR PODER EM CARTAGENA DAS ÍNDIAS: o embate entre o governador Francisco de Murga e o Tribunal do Santo Ofício (1629-1636) – Dissertação de Mestrado apresentada ao Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Estadual de Campinas, Brasil – CARLOS GUILHERME ROCHA

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *