GALERÍA GÜEMES – Parte II: Um microcosmo urbano em estilo Art Nouveau na Rua Florida

A Galeria Güemes é o primeiro edifício construído inteiramente em concreto armado da América do Sul, o primeiro no mundo a combinar um arranha-céu com uma galeria comercial. Mas acima de tudo, destaca-se por conformar um edifício multifuncional, à maneira de um microcosmo urbano: escritórios, residências, agência bancária, galeria comercial, cinema-teatro, dois restaurantes, salão de festas e um mirante que permitia acesso ao ponto mais alto da cidade de Buenos Aires.

Em toda a extensão da galeria, destacam-se detalhes de primorosa construção, com belas cúpulas envidraçadas e elevadores decorados em ferro forjado e cobre. O arquiteto Francisco Gianotti explorou ao máximo os últimos avanços nas técnicas construtivas e apelou à exposição de uma parafernália de recursos e técnicas decorativas desconhecidas para aquela época.

Galeria Güemes


A primeira versão do projeto contemplava apenas o setor da rua Flórida. Posteriormente, um acordo com o Banco Supervielle, proprietário do terreno da rua San Martin (rua paralela), determinou a ideia definitiva de um edifício-galeria que ligasse as duas ruas.

A construção da Galeria Güemes começou em 10 de março de 1913 e foi concluída em 32 meses. A construtora foi a Compañía General de Obras Públicas (GEOPE), que assumiu também a construção da primeira linha de metrô em Buenos Aires, a Linha A, conhecida por ser o primeiro metrô da América do Sul.

Em 15 de dezembro de 1915, a Galeria Güemes foi inaugurada sendo a primeira obra do país totalmente construída em concreto armado e fez a sensação de dois transeuntes na Rua Flórida.

Art Noveau


Francisco Gianotti

No início do século 20, muitas cidades passaram a ter um estilo jovial, moderno e mais livre das regras clássicas. A art nouveau ganhou relevância e seus traços se espalharam pelo mundo. Na cidade de Buenos Aires, os arquitetos encontraram neste estilo uma forma de se opor ao academicismo francês que caracterizava o gosto da burguesia local.

O arquiteto Francisco Gianotti formou-se na Academia de Belas Artes de Torino, onde obteve o título de Arquiteto em 1904. Chegou a Buenos Aires em 1909 com 28 anos e ingressou imediatamente como desenhista ao estúdio dos arquitetos Arturo Prins e Oscar Ranzenhofer.

Confeitaria La Paris, demolida em 1956

Pouco depois, em 1911, iniciou o seu trabalho de forma autónoma, criando residências e edifícios para aluguer e utilizando um repertório estilístico de raízes italianas e francesas. A empresa familiar dele; de ferro forjado, móveis, vitrais e bronzes artísticos forneceu materiais importados desde Itália para várias de suas obras.

Outra derivação da sua atividade, neste caso mais significativa, foi o seu casamento com Amelia Vercesi em 1919, a quem conheceu enquanto trabalhava nas obras da Confiteria La Paris, propriedade do seu pai, Pedro Vercesi.

Confeitaria El Molino, recentemente restaurada

Da produção de Gianotti, outra obra de grande relevância foi a Confitería del Molino, inaugurada em 9 de julho de 1916, que fica na esquina da Av. Callao com Av.Rivadavia, em frente ao Congresso Nacional.

O grosso da sua obra (cerca de 50% dos edifícios construídos) é da década de 1910. Gianotti continuou a sua obra até 1959, contando durante algum tempo com a colaboração dos filhos Aníbal e Pedro. Passou assim, meio século de arquitetura em Buenos Aires, cidade na qual morreu em 13 de fevereiro de 1967, quando completava 86 anos.

As fachadas


O complexo construído é composto por duas estruturas, o que significa que na verdade são dois edifícios. O primeiro corpo do edifício era constituído por um bloco uniforme de seis pisos, enquanto a galeria comercial corre ao longo do piso térreo com acesso às duas ruas. A torre residencial de oito andares ergue-se na ala que dá para a Rua Florida, mas o recuo significativo que apresenta em relação à linha municipal, hoje torna impossível vê-la da rua.

Por isso, não só os turistas, mas os próprios argentinos desconheciam a história deste edifício histórico, passando completamente despercebidos durante seus passeios pela famosa zona peatonal da Flórida.

A fachada do edifício, com 23 metros de altura na Rua Florida, foi construída em pedestal até atingir sua coroa no 5º andar onde acaba emoldurada por duas pequenas torres, que valorizam o conjunto estético.

No dia 10 de setembro de 1971, ocorreu um incêndio na loja de camisetas “El Cisne” sobre a rua Flórida que se espalhou por toda a fachada, destruindo toda a sua decoração original. A reconstrução não foi a mais bem-sucedida, com ares de modernidade a entrada foi recortada em altura para instalação de um mezanino ainda mais feio.

Fachada da rua Florida

A única fachada original é aquela voltada para a rua San Martin.

Fachada da rua San Martin

A frente reflete a arquitetura característica do movimento Art Noveau, harmonizado nas linhas, sóbrio e elegante nos detalhes.

A fachada foi revestida pelas cores do gesso “Terracit”, dentro da sua massa robusta, acompanhada por pilares e pelo grande arco construído em bloco de mármore bottieino, formando assim um fundo sobre o qual se destacam os conjuntos artísticos de estatuas.

Durante 2011, a fachada da rua San Martín foi aprimorada. Essa obra, que levou meses para ser concluída, incluiu a recuperação de materiais e ornamentos de ferro e bronze. A partir deste último material são feitas as estátuas femininas que foram realocadas nos cantos das varandas principais e nas sacadas, como eram originalmente.

A galeria


É uma longa nave que atravessa todo o bloco, bem proporcionada, à maneira clássica, e coberta por uma abóbada de cañón corrido. A galeria possui três setores bem marcados por duas cúpulas e o setor central, o qual tem exatamente o dobro das extremidades.

A altura da passagem é de 14 metros. ½ e sua largura de 8 ½. A perspectiva se estende desde a rua Flórida até a rua San Martín

A configuração isométrica do terreno obrigou ao traçado do corredor que conforma a galeria apoiando-o na vertente oriental da fracção pertencente ao Banco Supervielle y Cia, na rua San Martín, preservando no seu desenvolvimento total uma única largura, a mesma elevação, numa aparência estética uniforme até a rua Florida.

A galeria, com 14 metros de altura e 8 de largura, tem duas grandes salas de circulação, onde a altura é de 20 metros e o diâmetro de 12 metros; esses espaços são coroados por uma cúpula circular, que realça a majestade da passagem. Esses halls permitem o acesso às torres pelas escadas e pelos 14 elevadores localizados em ambos os lados.

As cúpulas coroam as entradas dos “edifícios”, uma forma elegante de convergir os quatro corpos em que se divide o conjunto.

São quatro torres no total: Cangallo, San Martín, Supervielle e Mitre. Somente este último chega a 14 andares. O restante possui seis andares. Desde o subsolo, passando pela galeria e até ao sexto nível, o edifício é uma construção maciça que ocupa todo o lote. Do sexto andar, duas alas simétricas com os oito andares restantes que compõem o arranha-céu se erguem ao longo do eixo da passagem, próximo à rua Florida. Lá em cima, coroada por o grande salão do restaurante e pelo mirante, só pode ser acessado pela torre Mitre.

Um tesouro escondido


Apesar do esplendor que desfrutaram nas primeiras décadas do século passado, o esquecimento e a preguiça transformaram a galeria em corredores desolados com uma atmosfera sombria. Com o passar dos anos, a estética foi maltratada pela modernidade, já que intervenções desacertadas afetaram o esplendor da galeria. Em particular, tendo coberto o teto com uma laje de cimento, ocultando as duas cúpulas de ferro e vidro que permitiam a entrada de luz natural no corredor.

Os vidros das cúpulas quebravam com facilidade e apresentavam goteiras, portanto foram revestidas de concreto, utilizando suas ferragens como ferros de cofragem. As molduras de grafite da abóbada, esculturas, clarabóias e murais desapareceram sob várias camadas de tinta e sujeira.

As cúpulas permaneceram 75 anos ocultas

Já na década de 1940, decidiu-se cobri-los com concreto, explica o arquiteto responsável pela restauração Lemos: “Ninguém sabia que o que você vê agora, que é toda ferraria, estava dentro da estrutura, eu soube da existência desse tesouro por meio de um desenho de 1915, e acabei de conferir uma vez liberado o concreto”.

O teto do corredor decorado e interrompido por partes transparentes, em vidro opaco, sobre molduras de ferro forjado é adornado por obras de Pineel e diversas esculturas.

O segundo andar tem as janelas antigas dos escritórios, coroadas com bíforas, janelas formadas por dois vãos duplicados e arcos semicirculares de meio ponto. Em ambos os lados, emoldurados por grandes pilares e colunas de mármore, polidos com capitéis e figuras em bronze, apoiados em pedestal de granito polido, encontram-se os negócios no térreo do prédio, com grandes vitrines, e no segundo andar entre as bíforas protegidas por elegantes arcos de vela, as janelas dos escritórios do 2º andar. O efeito estético obtido é imponente.

Ao longo do corredor encontram-se dois grandes halls medindo 12 x 12 metros, coroadas por uma cúpula circular, suportada por oito colunas. A altura dos corredores é de 20 metros. Estes corredores têm como objetivo realçar e iluminar a passagem e têm como objetivo facilitar a circulação do público para o subsolo e para os pisos superiores, através de 14 elevadores situados em ambos os lados da escada.

Após a restauração, sistemas de iluminação de led e fibra óptica iluminam as cúpulas e corredores

No amplo corredor e corredor central, além da iluminação projetada, a presença das belas cúpulas permite a entrada de iluminação natural que se infiltra em toda a galeria através das partes envidraçadas dos tetos. O efeito da cúpula luminosa proporciona uma luz difusa que realça a beleza da galeria. Desta forma, a arquitetura não sofre a violência de uma iluminação direta intensa, que a tornaria áspera em suas linhas ou desfaria seus detalhes.

Voltando ao momento da construção em 1915, foi contratada para instalar vidros e cristais os serviços de Martín Vezzetti e filhos, que tiveram muitas dificuldades para vencer para ter sucesso na empresa, pois em certo momento estavam em sérios apuros para obter materiais que não existiam no mercado. O oportuno concurso da casa inglesa Pilkington, permitiu-lhes corrigir a tempo estes inconvenientes.

As instalações de luz eléctrica ficaram a cargo de duas casas especializadas: a casa Gino Cavallari, que teve uma intervenção principal nesta instalação, e a casa Laborde, que também fez sua parte.

Elevadores


O acesso aos edifícios era feito através da formação de halls acessíveis a partir da galeria e contando com 14 elevadores de alta velocidade (percorriam uma distância de aproximadamente 140 metros por minuto) com capacidade para 8 a 10 pessoas. A instalação dos mesmos, assim como das empilhadeiras e monta-cargas, correspondeu à casa Otto Franke & Cía.

Os elevadores eram um show de velocidade para a época, capazes de percorrer 140 metros em 60 segundos

Acima de cada elevador estava disposto um belíssimo conjunto escultórico fundido em bronze, que após o restauro realizado, hoje tem um aspecto esplêndido.

As escadas começam em cada piso com uma secção central de 1,80 metros de largura e chegam a um patamar de. 1,80 x 1,50 m que se ramifica em dois braços opostos que se elevam aos andares superiores interrompidos por patamares confortáveis ​​que mantêm uma largura de 1,50 metros. Esta distribuição permite obter uma circulação muito fácil e descontraída para o público. As escadas oferecem condições de segurança absoluta.

Piso


É muito interessante a variedade de mosaicos utilizados nesta obra, variedade imposta pelos múltiplos destinos dos locais. O material foi apresentado ao país pela casa Pettersen.

Grande parte dos mármores, obras escultóricas e toda a ferraria artística e bronzes forjados a partir de desenhos originais que abundam na obra, assim como todos os vitrais, artefatos leves e trabalhos em bronze em geral, provêm da antiga loja G.B. Gianotti de Milão. Os Srs. Isola e filhos também estiveram envolvidos nas obras de mármore.

O piso da entrada é em granito cinzento com guarda em granito vermelho. Calcários fossilíferos com estilólitos e travertinos podem ser reconhecidos nas paredes. O piso interior é constituído por baldosas de mármore branco com veios verdes de epidotos associados à impregnação por fissuras. No subsolo existem placas de travertino com os moldes de caules vegetais claramente preservados.

Estrutura


Desenhado dentro das linhas que marcam os critérios modernos do art noveau e construído com um cuidado meticuloso na precisão dos detalhes e harmonia do conjunto, o edifício da Galeria Güemes ergue-se como uma massa rígida e monolítica, na qual, os avanços da arte nos diversos ramos da construção, uniram-se para obter uma estrutura resistente aos agentes atmosféricos e às forças externas, e cuja vida está assegurada até um futuro para o qual é difícil encontrar termos de comparação em outros sistemas de edifícios construídos na cidade de Buenos Aires no início do século XX.

As fundações do edifício são assentadas diretamente sobre o solo resistente: são constituídas por um sistema de vigas longitudinais e transversais, pretendidas nos eixos das colunas (de 3 Kg/cm2). Sobre essas fundações erguem-se as cem colunas principais do edifício unidas por vigas ao nível de cada andar, formando um esqueleto de natureza monopolística. As junções das vigas normais de todo o edifício com as lajes dos mezaninos contribuem para a rigidez deste esqueleto.

As duas alas e o vazio central

Devido a este detalhe construtivo, foi possível reduzir a espessura dos mezaninos a um mínimo que varia entre 8 e 16 centímetros, dependendo da luminosidade dos diferentes ambientes; com a projeção das lajes monolíticas dos mezaninos, foram construídos na fachada detalhes arquitetônicos, balcões, cornijas, etc. Os feixes transversais de 8,50 e 11,20 metros de luz que sustentam a construção na altura do teto da galeria, transmitem aos seus respectivos suportes cargas que oscilam entre 70 e 140 toneladas: as quatro grandes colunas angulares do hall central, cada uma delas segurar cerca de 1.000 toneladas.

Outro detalhe interessante, entre tantos que se encontram neste edifício, é uma sala situada no piso XV, lá no topo tem as suas alas unidas por uma laje de cimento armado, uma verdadeira ponte suspensa no espaço, a uma altura superior a 60 metros .

As obras de alvenaria foram relegadas a um papel secundário, não interferindo na resistência estática do edifício, cumprindo simplesmente uma função de enchimento. Foram confeccionados com tijolos. As paredes dos nove andares acima elevadas, preferiu-se fazê-las com blocos ocos de cimento.

Além disso, de forma a eliminar, tanto dentro como fora do edifício, todo o trabalho em madeira, e consequentemente a possibilidade de propagação das chamas de um incêndio, de um piso a outro, através das treliças, rodapés, grades, etc., ferro e portas blindadas de amianto foram adotados para substituir os tipos comuns de madeira. As portas blindadas de ferro e amianto foram colocadas estrategicamente nos pontos de comunicação com as escadarias, para localizar o incidente, em caso de incêndio, em seu ponto inicial.

Em 1915, a carpintaria metálica foi fornecida pelo estabelecimento “Jay, Jalliffier & Cia., De Grenuoble (França), cujo representante em Buenos Aires, Sr. E. Perthuy, se encarregou da instalação. As aberturas equipadas com fecho metálico atingem 1.083 incluindo portas, bow windows, vitrais, janelas, etc. Sua área total é de 4.216 metros quadrados.

Em 2005, para as obras de restauração realizadas na metalurgia, houve um subsídio de US $ 50.000, concedido pelo Fundo Metropolitano de Cultura, Artes e Ciências Ministério da Cultura do Governo da Cidade Autônoma de Buenos Aires.

Lojas


“Tem muita mistura aqui: você tem uma perfumaria com 70 anos, Ruiz e Roca, mas também uma loja de ferragens, para a qual muitos clientes vêm especialmente. Até uma casa de carimbo com mais de 60 anos, onde muita gente do campo vem fazer gravuras também. A loja é atendida pela neta dos primeiros proprietários”, destaca Cecilia Osler, diretora da empresa proprietária e administradora do prédio. “É que, apesar desta diversidade de lojas, o imóvel tem um único dono, o qual permitiu uma identidade ao longo de um século de vida, mesmo com todas as voltas e reviravoltas e a falta de investimento que a galeria sofreu”.

Cada empresa tem suas correspondentes instalações para depósitos localizados no subsolo em comunicação direta através de uma confortável escada de mármore, que fica nos fundos. Esses depósitos têm uma altura de 3 metros. Perfeitamente iluminados, ventilados e servidos por uma via para o transporte de mercadorias desde a entrada da galeria, obtendo assim meios de abastecimento práticos, cómodos e adequados, fora da via pública interna da galeria.

Atualmente, as 45 lojas da galeria são o suporte econômico da empresa. De acordo com o gerente Humberto Magistrelli, há dois anos a ocupação dos escritórios vem caindo, que agora é de 65%. “Há uma mudança no perfil dos moradores e um deslocamento comercial do centro para outras áreas da cidade”, justifica. Tradicionalmente, as 350 unidades de 25 m2 eram ocupadas por leiloeiros, companhias de navios, advogados e notários. Agora, esses espaços são procurados por serviços que demandas os próprios trabalhadores de escritório, lideradas por centros de beleza femininos e aulas de pilates ou ioga. Neste sentido, as plantas tipo com cerca de 25 escritórios por piso apresentam um design versátil que permite configurar os espaços em distintos tamanhos.

Os três sobsolos


No primeiro subsolo localizaram-se os armazéns das instalações comerciais. Estes, que proporcionavam excelente iluminação e ventilação, eram servidos também por uma via para o transporte de mercadorias desde a entrada até ao corredor. O segundo subsolo destinou-se à construção de um restaurante e de um teatro. Ambos os espaços deviam cumprir as normas em vigor em matéria de teatros em caso de sinistros. No terceiro subsolo foram instaladas as salas das máquinas, as bombas, os quadros elétricos e as salas auxiliares.

A passagem, coberta com abóbada de berço contínuo, foi desenhada com 116 metros de comprimento, 8,5 de largura e 14 de altura na sua parte central. A perspectiva seria ininterrupta da Flórida a San Martín se não fosse a presença dos dois salas de 12 x 12 m, coroadas por duas cúpulas circulares de 20 m de alto, apoiadas por sua vez em 8 imponentes colunas de marmore.

Dois teatros no porão


No segundo subsolo do edifício, o arquiteto conseguiu criar uma obra-mestre de distribuição, projetando com belas proporções e sob um inspirado conceito artístico, um teatro e um salão de festas unidos por um hall central de dez metros por trinta.

A placa do Teatro Florida anuncia o espetáculo de “La Revista Picaresca”

Desde a sua inauguração, este espaço recebeu a alta sociedade portenha que se reunia no teatro, conhecido como Teatro Privado Emelco e no salão de festas adjacente: o Verona. Porém, ao longo dos anos, o espaço dedicado ao teatro tornou-se em um Teatro de Revista, o chamado “Teatro Florida”, que combina a participação de comediantes com vedetes, enquanto a casa de chá virou um cabaré, o Abdullah Club (mais tarde Florida Dancing). Em meio dessas transformações, os dois espaços passaram a exibir filmes “realistas”, hoje chamados de pornôs.

Em 1963 fechou suas portas ao público y reabriu recém em 2008. Inacreditavelmente, este espaço ficou fechado por 45 anos, ate que em 2004 foram encarados os trabalhos de restauração que acabaram em 2008 devolvendo toda sua magia e esplendor do novo espaço batizado “Teatro Astor Piazzolla”.

A sala Astor Piazzolla com capacidade para 380 pessoas, luce totalmente restaurada

O setor da plateia ainda se encontra montado sobre a laje original de concreto armado, que, por sua vez, possui um suporte giratório capaz de alterar a inclinação da sala. E o que é mais surpreendente: ainda funciona até hoje.

Em 2019, os novos donos decidiram converter o salão de festas anexo em outro teatro e chamá-lo de Carlos Gardel. Hoje os dois espaços compõem o complexo “Palacio Tango”, que estão localizados no primeiro subsolo.

Novo Teatro Carlos Gardel oferece show-jantar

O próprio Carlos Gardel apareceu neste teatro em 1917. O mesmo ano em que estrelara a “primeira obra do tango-canção” intitulada “Mi Noche Triste”. Esta obra é gravada alguns meses depois por Carlos Gardel com o Selo Odeón, tornando-se no primeiro cantor nacional a interpretar o primeiro tango com letra, o denominado “tango-canção” e que dera o pontapé inicial e lançamento da sua carreira internacional.

Escritórios e vivendas


A torre maior, na rua Flórida e retirada do frente da linha municipal. Ela foi constituída em U com duas esguias alas unidas pelo núcleo de circulação vertical do edifício. Acima, o grande espaço central foi rematado por um último andar que ocupa toda a planta, enquanto quatro pequenas torres terminadas em agulhas coroam a face norte do bloco.

O primeiro corpo do edifício no térreo foi composto por instalações comerciais e cinco pisos superiores. Os pisos 3º, 4º e 5º destinaram-se a escritórios, enquanto os 4º e 5º pisos voltados para a rua San Martín foram concebidos para a instalação de banhos (turco-romanos, aromáticos, hidroterapêuticos, helioterapêuticos, etc.); incluindo um grande terraço com piscinas para quem gostaria de tomar banho ao ar livre.

Na primeira parte do edifício, que está intimamente ligada à galeria, do subsolo para o segundo piso, elevam-se os pisos III, IV, V e VI, até completar a sólida parte central de toda a construção; daqui os oito pisos superiores são lançados ao espaço em duas alas simétricas, coroadas no terraço pelo grande miradouro que tinha um farol (hoje inexistente) na sua parte terminal.

Os escritórios projetados nos três primeiros andares, algumas distribuídas em grupos de dois, comunicadas por uma pequena sala intermediária, outras servidas por uma pequena sala de estar ou sozinhas, estão dispostas a traves de amplos corredores de desenvolvimento geométrico, atingindo 200 metros de comprimento em cada andar, em comunicação fácil e rápida com as escadarias centrais e os banheiros. O conforto dos escritórios atinge a sua plenitude com os serviços especiais que dispunham eles desde a sua inauguração: correio interno pneumático, elevadores, telefones internos, etc.

As passagens retilíneas decoradas com seus arcos vazados, animadas pelas notas de cor dos azulejos ou da tinta, os pisos de mosaico veneziano, os de “Terrano” para os ambientes, o conforto dos amplos sanitários, conferem a cada um desses pisos um selo imponente e prático.

Nos oito andares que vão do VI ao XIII, existem 58 grupos de confortáveis ​​apartamentos compostas por sala/escritório ou quarto/1 banheiro, localizados em cada andar de fácil comunicação interna. Cumprindo todos os requisitos de uma casa moderna: ar, luz, aquecimento, água em todas as suas diferentes aplicações e longe do tumulto da rua, resolviam perfeitamente o problema da habitação para o cidadão solteiro.

O restaurante mais alto de Buenos Aires


O prédio marcou a transformação de Buenos Aires em uma grande cidade, por muito tempo, foi o ponto mais alto do país. O farol aceso em sua cúpula a 87 metros de altura, servia de referência para os barcos do Río de la Plata. Os curiosos esperaram sua vez e pagaram vinte centavos para subir ao mirante que possuía um telescópio, e assim contemplar a cidade desde as alturas.

No andar XIV foi instalado um grande restaurante de 21 x 30 metros, desde cujas janelas se avistava o magnífico panorama da cidade, com o seu grande porto e o seu soberbo rio.

No último andar havia um restaurante e um mirante com vista de 360​​°

O Restaurante Florida era o ponto de encontro para reuniões da alta sociedade, políticos e militares. Atualmente aquele restaurante não existe, mas o mirante ainda é a grande atração pois tem uma vista de 360​​°, está no centro da cidade, por isso tem vistas dos edifícios históricos mais emblemáticos e em dias claros permite ver a costa uruguaia.

Sistemas e materiais contra incêndio


Incêndio na loja “A la Ciudad de Londres” – 1910

Na época da construção da Galeria Güemes ainda se lembrava o infeliz incêndio que em 19 de agosto de 1910 tomara conta do controle do prédio da loja “A la Ciudad de Londres”, sendo as perdas totais. O incêndio durou seis horas, houve vítimas fatais e inúmeros feridos.

Por isso na Galería Güemes os cuidados foram tomados ao máximo aplicando carpintaria metálica, em vez de madeira nos pontos  considerados perigosos para a propagação do fogo. Para o serviço de bombeiros, foram previstas 3 motobombas com capacidade para elevar 24.000 litros por hora cada uma, a uma altura total de mais ou menos 80 metros. Cada bomba é acoplada a um motor de corrente contínua de 440 Volt, 20 cavalos de potência e 2.400 rotações por minuto.

Dos três grupos de bombas, 3 tubos de 3” sobem até o tanque existente na torre que tem capacidade para 20.000 litros. Este tanque de pressão também enche automaticamente 4 tanques que existem na torre e têm capacidade de 15.000 litros cada. Destes tanques derivam as tubulações para alimentação dos hidrantes. Esta instalação esteve a cargo da casa Siemens-Schuckert. Ltda que alias instalou 72 alarmes automáticos de incêndio distribuídos no primeiro andar, térreo e subsolo.

Aquecimento


O aquecimento geral do edifício esteve a cargo de três casas especializadas: a parte correspondente ao Banco Supervielle foi contratada com a de Grouvelle e Arquembourg; a seção da Flórida, com a casa Liebner e a outra seção com a Compañía Nacional de Calefacción.

No subsolo a secura do ar, que em muitos casos dificulta a respiração, é corrigida pela emissão de pequenas quantidades de água vaporizada, obtendo-se assim o seu perfeito estado hidrométrico. A renovação do ar nesses locais é feita oito vezes por hora, enquanto a atmosfera contaminada é absorvida e expelida por condutores especiais.

A renovação do ar é retirado em uma parte do prédio a uma altura de 40 metros. Seu movimento de impulso em direção aos filtros purificadores, obtido com uma instalação mecânica adequada. Depois de purificado, o ar passa para uma câmara de aquecimento ou resfriamento, conforme a necessidade, e sua umidade e temperatura podem ser ajustadas à vontade.

A câmara de aquecimento e principalmente a câmara de refrigeração, capaz de baixar a temperatura ambiente em 6 graus, foram objeto de estudos especiais e o investimento que sua instalação acarretou na época foi considerável.

As instalações de ventilação e refrigeração do edifício ficaram a cargo da Casa Koerting Hnos e casa Agar Cross.

 

 

fonte:

  • http://galeriaguemes.com.ar/galeria/
  • http://www.trascarton.com.ar/aniversarios/los-100-anos-de-la-galeria-gueemes
  • http://www.acciontv.com.ar/soca/bsas/fotos6/guemes.htm
  • https://www.lanacion.com.ar/espectaculos/musica/el-ex-piazzolla-tango-reabre-hoy-gran-nid2530226/
  • http://www.petitherge.com/article-galeria-guemes-calle-florida-buenos-aires-104061345.html
  • https://www.buenosairesantiguo.com/pasaje-guemes/
  • http://www.arquitectura.com/historia/protag/gianotti/gianotti.asp

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *