Esquina Homero Manzi: Show de tango no bairro de Boedo

Na esquina de San Juan e Boedo encontra-se um antigo café que deve seu nome a um dos letristas mais famosos da Argentina: a Esquina Homero Manzi.

Hoje o lugar é um ponto de encontro e de atrações culturais que lembra a cultura urbana dos anos 40, um lugar histórico que representa o verdadeiro subúrbio e evoca outros tempos . Por suas mesas passaram músicos de tango que protagonizaram a expressão artística mais representativa da cidade.

Em 2004, ele foi declarado “Café Notável” pela Comissão para a Proteção e Promoção dos Cafés, Bares, Bilhares e Confeitaria Notáveis da Cidade de Buenos Aires e no mesmo ano, a esquina da residência foi considerada Área de Proteção Histórica.

Um bairro típico de Buenos Aires: Boedo 


A Esquina de San Juan e Boedo é um lugar histórico e tradicional na cidade de Buenos Aires. O bar, construído naquela esquina em 1927, tornou-se o símbolo da cultura urbana na década de 1940. Os músicos que fizeram do tango a expressão artística mais representativa da cidade passaram por suas mesas.

 

Boedo está situado entre os bairros vizinhos de Almagro, Parque Patricios, San Cristóbal e Caballito (centro geográfico da cidade de Buenos Aires). O ponto mais importante é o cruzamento das avenidas San Juan e Boedo (a esquina mais famosa e representativa do bairro). Outras avenidas destacadas são Independencia e La Plata.

Nos meados do século XX, o espanhol Eugenio García alugou o local onde passaram glórias do tango como Homero Manzi, Aníbal Troilo e Osvaldo Pugliese. Teve sua época de esplendor nos anos ’50, quando os vizinhos se aproximavam para ouvir a música das vitrolas que se encontravam no cenário do bar. Os tangueiros se reuniam em suas mesas, e também o mundo político e seus personagens , somados aos torcedores do clube de futebol San Lorenzo.

O primeiro nome do local, construído em 1927 foi “Avião”. Em 1937, o café foi comprado por dois parceiros japoneses que mudaram o nome para “Nippon”. Onze anos depois, em 1948, entregaram o local para novos proprietários que decidiram chamar naquela época de “Bar Canadian”.

A partir de 1981, o café adquiriu seu nome atual Esquina Homero Manzi, em homenagem ao compositor, político e cineasta Homero Manzi, que escreveu o tango Sul neste estabelecimento, na esquina onde parava diariamente para se encontrar com seus amigos.

O charme e a importância cultural da tanguearia, declarado edifício histórico, é uma parada obrigatória para os turistas que visitam Buenos Aires

Esquina Homero Manzi: 

San Juan e Boedo Antigo, uma esquina de Tango


Anos mais tarde, veio a necessidade de recuperar o lugar e manter viva a magia do tango, que existia lá desde sempre

Foi restaurado pelo arquiteto Carlos Liuzzi, ele pasó entonces a reciclar o edifício para ele retornar como ponto de encentro y de interesse cultural, restaurando e as fachadas originais e conservando os critérios originais de edificação.

O revestimento antigo de carvalho foi mantido como cobertura de parte das paredes e as colunas com seus espelhos manchados pelo tempo; um mural com a letra de Sur, pintado por Curci, substituiu o anteriormente feito pelo pintor Félix Musculino.

Na decoração encontramos grandes quantidades de itens que fazem alusão ao grande escritor: partituras, fotografias, manuscritos e cartazes em filetes com fragmentos de suas grandes obras, como “Malena” e “Sul” entre os mais populares.

No sábado, 6 de março de 1999, o café foi fechado. Felizmente, em 2001, ele voltou a viver, reformado, mas fiel ao seu espírito tanguero. Sua reabertura implica um evento moderno, com equipamentos que garante conforto e desempenho para atender às demandas da cidade nos tempos atuais.

Em 2004, ele foi declarado Café Notável pela Comissão para a Proteção e Promoção dos Cafés, Bares, Bilhares e Confeitaria Notáveis da Cidade de Buenos Aires e no mesmo ano, a esquina da residência foi considerada Área de Proteção Histórica, com nível de proteção total. Mais tarde, foi patrocinado como Centro de Interesse Cultural pela Presidência da Nação e pelo Ministério do Turismo da Cidade de Buenos Aires.

Você pode comer no local, o show começa as 22 hs

A Esquina Homero Manzi oferece cozinha de classe mundial e recria os antigos aromas e sabores misturados em cozinhas, onde os imigrantes de diferentes partes da Europa combinam seu conhecimento com características culinárias da região, dando origem à cozinha denominada portenha, tão apreciada no mundo inteiro. O local também conta com uma adega equipada pelos melhores rótulos e marcas do pais.

Homero Manzi

Homero Manzi revolucionou o tango, transformando suas letras em poesia


Poeta, jornalista, roteirista, dramaturgo, diretor de cinema

Homero Nicolás Manzione Prestera, mais conhecido como Homero Manzi, nasceu na província de Santiago del Estero em 1º de novembro de 1907. Aos 9 anos de idade, foi enviado para Buenos Aires, onde distribuiu suas horas de estudo com suas andanças no bairro de Boedo. Em 1921, com apenas 14 anos, produziu sua primeira música, o vals “Porque no me besas”. Já em 1933, ele gozou de grande prestígio entre seus colegas por suas obras “Milonga sentimental” e “Milonga del 900”, gravadas pelo grande Carlos Gardel. Mais tarde, ele se aventurou a escrever em várias mídias gráficas, como a revista Radiolandia ou o Jornal Crítica.

Em 1937, ele começou seu frutífero trabalho como roteirista e diretor de cinema, sendo seus trabalhos mais famosos: A Guerra do Gaúcho, O Velho Mealheiro, Onde as Palavras Morrem, Pobre minha querida mãe. Entre 1948 e 1950, juntamente com Aníbal Troilo, lançou suas três composições principais: Sur, Che Bandoneón e Discepolín.

Vítima de câncer, ele morreu em 3 de maio de 1951. Após sua morte, deixou uma obra cheia de poemas de tango: El Pescante, Mi noche triste, Malena, Barrio de tango, De Barro, Mano Blanca, Fomos, Romântica, Llorarás,llorarás, etc.

Show de Tango


A década de 1940 foi sem dúvida a idade de ouro do tango; com um grande número de orquestras, cantores e compositores, que deram ao gênero uma riqueza de estilos que até hoje perduram.

O show de uma hora e meia,gira em torno das composições de Homero Manzi, sem esquecer os homenagens a Carlos Gardel e Astor Piazzolla. O visitante é transportado aos tempos dos subúrbios de Buenos Aires. O elenco é composto por 15 artistas no palco. 4 casais de dança, dois cantores e orquestra ao vivo dura 87 minutos.

A presença no palco de piano, baixo, acordeão, violino, violão, dois cantores conformam a orquestra que combina a dança de quatro de primeira classe comandados pelo diretor artístico Gachi Fernández.

Diversas ofertas de tour incluem alias do show, jantar translado de ida e volta desde hotéis no centro

A lenda conta que no bar da esquina de San Juan e Boedo, o compositor Homero Manzi escreveu a letra do tango Sur  (um dos mais famosos).

Hoje em dia, a Esquina Homero Manzi é um visitadíssimo ponto de reunião para todos aqueles que desejam curtir ao vivo um dos numerosos shows de tango que oferece a cidade de Buenos Aires.

O site permite fazer reservas, mas não vende online. Ingressos podem ser adquiridos mais baratos em carteleras, que são bilheterias genéricas, espalhadas pela cidade.

Se você fez opção por outro show de tango, bem vale a pena pegar umas aulas de tango, das segunda feiras até sábados ás 19 e 20 hs. com professores de renome, a assim conhecer esta tradicional esquina de Buenos Aires.

 

Endereço: Av. San Juan 3601, San Nicolás, Buenos Aires
Telefone: (011) 4957-848

 

fonte:

  • https://www.esquinahomeromanzi.com.ar/
  • https://turismo.buenosaires.gob.ar
  • http://www.laprensa.com.ar/

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *