El Viejo Almacén: o Velho Armazém do bairro de San Telmo

Andando pelas ruas do bairro San Telmo, suas casas antigas resistem à passagem do tempo. E assim chegamos a um canto famoso do Tango, Balcarce e Independencia, uma esquina reconhecida internacionalmente por abrigar a casa de tango mais tradicional, a pioneira: El Viejo Almacén.

Há 50 anos, o tanguero Edmundo Rivero transformou o local para sempre em uma Casa de Tango: um reduto que inevitavelmente nos leva ao momento mais romântico de Buenos Aires, um tempo de tradição, cortes e quebradas.

O Velho Armazém da Buenos Aires Colonial

O edifício remonta ao final do século XVIII, mais precisamente ao ano de 1769, no vice-reinado do Rio da Prata, onde funcionou como um armazém de campanha em seus primeiros anos.

Por volta de 1840 e depois de várias obras de expansão se tornaria o Hospital Britânico, onde em junho de 1844 aplicou-se pela primeira vez sobre o uso de éter em uma operação cirúrgica realizada pelo Dr. Mackena.

Então, o hospital mudou-se e o Gabinete Geral de Alfândega da Nação, uma das instituições mais antigas da Argentina, foi instalado lá. Quando a Aliança Tríplice declara guerra ao Paraguai (1865-1868), as instalações do antigo armazém são usadas para abrigar combatentes feridos ou atacados pelas pragas.

Com a epidemia de febre amarela, o edifício é usado como um lar de idosos. Depois, tornou-se um refugio de malandros, funcionou um bordel, um conventillo (cortiços) com um bar na frente, até se tornar uma loja geral, onde além de vender bebidas alcoólicas eram vendidas as mais diversas mercadorias.

Bar El Viejo Almacén


Por volta de 1900, Paula Kravinik apelidada de “La Volga”, imigrante russa, abriu um local nesta esquina onde cantores, músicos e poetas se reúnem para compartilhar, entre as bebidas, os acordes aquela música popular que começavam a fazer história. No final do século passado, a cidade cresceu com a chegada de imigrantes de todo o mundo misturando-se com nossos crioulos e dessa união por esses subúrbios, nasceu o Tango.

Assim “La Volga”, passou a ser frequentada pelo povo boêmio sobretudo para conhecer e curtir a música popular

Em 1969, Edmundo Leonel Rivero transformou-o em um “Templo do Tango”, a partir daquele momento o EL VIEJO ALMACÉN passou a ser a indicação obrigatória das melhores expressões da música cidadã.

Em 9 de maio de 1969, Rivero fundou o El Viejo Almacén e, o seu nome, foi inspirado pela letra do tango “Sentimento Gaucho”, de Francisco e Rafael Canaro , com letras de Juan Caruso.:

“Em um antigo armazém no Paseo Colón … para onde vão os que perderam a fé …”

Também é conhecida como La Catedral del Tango, na tradicional esquina de Balcarce e Avenida Independência, em Buenos Aires, palco de 2 x 4 lendas desde Aníbal Troilo, Osvaldo Pugliese, Roberto Goyeneche, Horacio Salgán, Leopoldo Federico e o Sexteto Tango, entre outros.

Endereço: Esquina de Balcarce e Independência, bairro San Telmo

Sua demolição foi planejada em 1977 e o escritor Ernesto Sábato foi um dos notáveis ​​que se opuseram a essa decisão. Embora todo o projeto não tenha sido concluído, 140 m² do edifício foram suprimidos durante o alargamento da Avenida Independência.

Em 1982 o Bar “El Viejo Almacén” foi oficialmente designado “Patrimônio Cultural da Cidade de Buenos Aires”, pois também promoveu diversas atividades, como o ciclo de Poesia Aberta, por dez anos. Foi o cenário para a apresentação de livros e registros, em vários gêneros, e para reuniões de instituições como a “Academia Porteña de Lunfardo”.

Seu fundador, Edmundo Rivero, morre de um problema cardíaco em 18 de janeiro de 1986, aos 74 anos. Finalmente, em 1993 chegou a falência comercial, anunciada por Jorge e Edmundo Rivero (filho).  O local teve de fechar as portas devido a problemas financeiros, mas no início de 1996 foi reaberto pelo empresário Luis H. Veiga, então presidente do Club de Futebol Argentinos Juniors, que decidiu transformar a tanguería tradicional em um complexo gastronômico internacional com o melhor show de tango tradicional de Buenos Aires.

Em março de 1996, os Riveros se separaram da sociedade e “El Viejo Almacén” passou a fazer parte da “Veiga Producciones SA”, mas nunca igualou o esplendor da instituição na época do cantor. As lembranças permanecem daquele antigo armazém no bairro de San Telmo, onde há casas e ainda portas e janelas centenárias.

Uma esquina de Tango


Em 2009, na véspera de seu aniversario numero quarenta o local estreou outro espaço em um prédio em frente às instalações clássicas que o cantor Edmundo Rivero tenha criado em 1969.

O novo complexo inclui um bar e três restaurante na frente do Antigo Armazém

Dada a demanda e o crescimento do turismo, as autoridades do Velho Armazém adquiriram uma propriedade na esquina em frente à tanguería para expandir mais serviços. Assim, aqueles que assistirem ao Show de Tango com o jantar incluso, no novo local terão a oportunidade de comecar sua experienca no térreo do edifício chamado Lobby Bar. Enquanto isso, no primeiro andar, fica o restaurante Mi Buenos Aires Querido, no segundo andar fica o restaurante Bandoneón,e no terceiro, o El Mirador (VIP), com varanda com capacidade para 65 pessoas. As reformas do novo prédio foram realizadas pelo arquiteto Marcelo González, e a decoração foi criada por Martín Roig.

Depois de desfrutar de um jantar gourmet nas salas imponentes do restaurante, os visitantes atravessam a estreita rua Balcarce para se localizarem neste local histórico, emoldurado pelas chamadas casas coloniais.

Enquanto o novo local atende a parte gastronómica, o “Viejo Almacen” foi acondicionado como um pequeno teatro onde acontece o Show de Tango

O local hoje esta ambientado como um teatro/café concert. Um espaço que mantém a atmosfera original e contém milhares de memórias, anedotas e histórias de personagens de renome que já ocuparam uma mesa nesta esquina de San Telmo.

Graças à sua distribuição privilegiada de um andar principal e um primeiro andar que varre a sala de estar com seus antigos trilhos originais, a Tanguería permite que você desfrute de um show místico e íntimo de qualquer um de seus lugares.

Edmundo Rivero


Leonel Edmundo Rivero nasceu em 8 de junho de 1911. Esse importante artista do século passado, foi treinado inicialmente em música clássica, estudando canto e violão como o principal instrumento do Conservatório Nacional no bairro de Belgrano.  Ele teve uma carreira extensa como compositor, mas destacou-se fundamentalmente no tango, onde impôs sua característica voz grave, profundamente portenha.

Sua carreira como cantor de tango começou com José de Caro, mais tarde em 1935, ele se juntou definitivamente à sua orquestra como vocalista principal. Depois faria parte de outras orquestras, como as de Horacio Salgán e “El Pichuco” Aníbal Troilo.

Edmundo tinha um tom de voz muito grave e profunda. Para alguns músicos de tango do momento que não estavam acostumados a esse tipo de registro, eles não estavam convencidos de que essa voz funcionaria. “Abandonei o canto por vários anos: ninguém queria me contratar e eles chegaram a me dizer que, com uma voz tão “grossa”, eu ficaria enjoado”, diz Edmundo Rivero.

Da mano de Anibal Troilo, no final da década de 1940, ele se destacou com uma das maiores vozes do tango. Participou dos filmes  Heaven in the Hands  (1949) e  Al compás de tu mentira  (1951). Posteriormente, o próprio Edmundo Rivero escreveria sua própria autobiografia em um livro   intitulado ” Uma luz de armazém”.

O Lunfardo 


O lunfardo é a gíria  que pode ser definida como uma forma de falar bem argentina, bastante popular e muito usada nas letras dos tangos.  A formação do lunfardo teve grande influência dos imigrantes – especialmente italianos e espanhóis – que chegaram de forma massiva ao país durante a segunda metade do século XIX e o início do século XX.

Como produto do cruzamento de tantas línguas novas expressões surgiram e se incorporaram na linguagem quotidiana

Entre 1869 e 1914, a população estrangeira era maior ou igual à população local; por exemplo, em 1887 a cidade tinha 432.000 habitantes: 228.000 eram estrangeiros (138.000, italianos) e 204.000 eram argentinos.

No final da década de 1920, e o vínculo tango-lunfardo se tornou mais perceptível. Nos anos 30, o tango, através do rádio espalhava e perturbava a linguagem  incluindo o típico lunfardo das classes mais baixas.

Porem, no início da década de 1940, a pressão de grupos puristas foi sentida e o lunfardo foi banido no rádio.  Os autores tiveram que mudar as letras de seus tangos que continham lunfardo como palavras, ou se resignar a não espalhá-las.

Edmundo Rivero é considerado sinônimo de lunfardo. Dedicou varias obras de sua carreira discográfica ao estudo e difusão da língua não oficial do Rio da Prata.

Em maio de 1969, ele abriu o Bar El Viejo Almacén, apaixonada pelo edifício localizado na esquina de Balcarce e Independencia, no coração do bairro de San Telmo.

O local rapidamente se tornou um centro de irradiação cultural, com a apresentação de livros e discos, ciclos de leitura de teatro, poesia aberta, visitas guiadas, reuniões de instituições de tango.
Sua fama rapidamente o tornou um ponto de encontro de personalidades importantes e visitas famosas de estrangeiros e turistas em geral.

 

fonte:

  • https://www.buenosaires.gob.ar/
  • https://www.viejoalmacen.com.ar/
  • https://www.clarin.com/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *