Complexo Quinqueleano no bairro de La Boca

Através de seu trabalho artístico, Quinquela Martín percorreu a Argentina e viajou por vários países ao redor do mundo. Seu prestígio aumentou muito, mas ele sempre se manteve firme e fiel a sua temática: o trabalho no porto, os navios, a fumaça de carvão e a vida humilde daquele bairro que estava gravado no fundo do coração: La Boca.

Adotado aos 6 anos de idade, sua infância pobre e o ambiente do porto em que ele foi formado determinaram sua concepção de arte como parte da vida e do artista como um membro ativo e transformador da sociedade.

Em 1933, comprou vários terrenos que doou ao Estado para construir instituições dedicadas à divulgação de obras de arte e sociais. Assim, em 1936 foi inaugurada a escola Pedro de Mendoza e, em 1938, o Museu de Artistas Argentinos, hoje conhecido sob o nome de Museu de Belas Artes Benito Quinquela Martín. Mais tarde, ele doou outros espaços para criar o famoso “Teatro de la Ribera”, o Hospital de Odontologia Infantil, uma Escola Infantil, e um berçário.

“Não considero minhas doações como tal, mas como retornos. Eu devolvi ao meu bairro uma boa parte do que ele me fez ganhar com a minha arte”, disse o pintor.. O Complexo Quinqueleano virou realidade graças a sua  generosidade. No ultimo andar do Museu de Belas Artes o mestre Quinquela Martín instalou sua casa e oficina em 1948.

Benito Quinquela Martín


No início da década de 1930, a figura de Benito Quinquela Martín estava se consolidando no cenário internacional. Ele já havia exibido em Madri, Rio de Janeiro, Nova York, Havana, Paris, Roma e Londres; seu trabalho estava em coleções públicas e privadas muito importantes em todo o mundo, ele frequentou as mais altas personalidades e sua boa situação econômica deixaram para trás a pobreza de suas origens.

Agora outro sonho o norteava, ao qual ele direcionaria seus esforços pelo resto de sua vida. Em suas próprias palavras, ele iria “retribuir” ao bairro de La Boca parte do que o bairro lhe dera.

Quinquela começou a modelar na Vuelta de Rocha um polo de desenvolvimento cultural, educacional e de saúde que começou com a criação de um Museu-Escola e um Museu de Belas Artes. O pintor, que fora o embaixador cultural do bairro no mundo, convidou a comunidade para atividade artística como fator de desenvolvimento social.

As fundações do Complexo Quinquela


Já em maturidade, Quinquela transformou toda sua experiência em fundações que transformariam tanto a paisagem quanto a sociedade de La Boca. Em 1º de abril de 1933, dirigiu uma nota ao presidente do Conselho Nacional de Educação, oferecendo a doação de terras na Avenida Pedro de Mendoza, a fim de construir uma escola primária e noturna no térreo e primeiro andar, e um Museu de Belas Artes no segundo, que abrigaria obras de sua produção e outros artistas argentinos, que ao final de todo se tornariam propriedade do Conselho Nacional de Educação. Assim começou uma série de doações de bem público que mudariam profundamente a aparência da Vuelta de Rocha, no bairro de La Boca.

Logo após aceitar a oferta, a construção começou no edifício, que incluiria dezesseis murais executados pelo próprio Quinquela. O trabalho foi dirigido pelo arquiteto do Conselho, Alberto Gelly Cantilo. Em 19 de julho de 1936, foi inaugurada a área da Escola, no térreo. Na mesma data, mas dois anos depois, o Museu de Belas Artes de La Boca abriu suas portas ao público.

Note-se que nos planos originais do grande arquiteto Alejandro Virasoro, o edifício, apresentava uma fachada semelhante à proa de um navio, modificada pela atual em que, no entanto, ainda a inspiração marinha é percebida.

De izquierda a derecha: Escuela Museo, Museo de Bellas Artes de La Boca, Jardín de Infantes, Teatro de la RIbera, Lactario Municipal, Instituto Odontológico Infantil y Escuela Técnica de Artes Gráficas

Um fato não menos importante é que até aquele momento o único museu na Argentina que possuía um edifício projetado para esse fim era o de La Plata. Ainiciativa quinqueliana coincidia também com a construção da sede do Museu de Ciências Naturais Bernardino Rivadavia de Buenos Aires e o Museu Histórico Provincial Doutor Julio Marc de Rosario.

Não contente com esta criação, Quinquela continuou seu projeto em 1947, quando o Lactarium Municipal nº 4 e um Jardim de Infância (escola infantil) foram inaugurados na rua Lamadrid, cuja terra foi doada pelo professor em 1944.

Em 1950, a Escola de Artes Gráficas para Trabalhadores abre suas portas, que hoje levam seu nome. Em 1957, ele doou outra propriedade vizinha ao Museu-Escola de Teatro Infantil – cuja construção começou em 1966 – que abriu suas portas em 1971 como o Teatro Ribera, aproveitando seu segundo andar como uma extensão das salas dos museus que já tenha extendido o uso para os terraços a fim de acolher uma exibição de esculturas de artistas argentinos.

Como vemos, nada está mais longe de Quinquela do que a idéia romântica do artista solitário tocado pelas musas. Sua infância proletária e o ambiente em que ele foi formado geraram ou determinaram sua concepção de arte como parte da vida e do artista como um membro ativo e transformador da sociedade. Nas suas próprias palavras:

“O que fiz e quanto recebi, devo ao meu bairro. Daí o impulso irreprimível que inspirou minhas fundações, todas baseadas em La Boca. Portanto, não considero minhas doações como tal, mas como retornos. Eu devolvi ao meu bairro uma boa parte do que ele me fez ganhar com a minha arte”.

Museu de Belas Artes de La Boca onde o mestre instalou sua casa e oficina em 1948

Museu de Belas Artes de La Boca (MBQM)

Dois anos após a inauguração da Escola Pedro de Mendoza, que hoje conta com quase mil alunos, distribuídos em turnos diferentes, foi inaugurado o primeiro Museu de Belas Artes de La Boca, que opera no mesmo prédio, se bem, independentemente disso.  Sua coleção ofereceria um panorama exaustivo da arte argentina e tinha como um dos principais objetivos participar de processos educacionais que visavam forjar um forte senso de pertencimento nacional.

O pensamento que norteou a fundação do museu e que continua a guiar seus líderes é que todos os artistas de toda a República Argentina estejam representados nele, sem esquecer os pioneiros e iniciadores das artes plásticas no país.

Em 1938, quando Quinquela abriu seu museu, muitas cidades começaram a manifestar seus interesses culturais, criando seus próprios museus de arte. Algumas dessas instituições se tornariam referências de arte moderna e contemporânea internacional, como o Museu de Arte Moderna de Nova York, fundado em 1929, o Museu de Arte Moderna de Paris (1937) ou o Museu Guggenheim (1939).

Em 1938, o Museu Municipal de Belas Artes Eduardo Sívori, em Buenos Aires, também abriu suas portas e, um ano antes, outros importantes museus municipais foram inaugurados: o de Tandil e o Juan B. Castagnino de Rosario.

Piedra fundamental de la Escuela de Artes Gráficas. Quinquela junto al Presidente Juan D. Perón, Eva Duarte y el cardenal Copello, 1947
Escuela de Artes Gráficas

A coleção deveria ser estruturada em torno de dois eixos principais: por um lado, a afirmação dos fundamentos de uma tradição artística nacional, cujos começos foram reconhecidos no trabalho dos artistas que definiram nosso campo cultural no último quartel do século XIX.

Por outro lado, a preocupação em apresentar um vasto repertório de obras de artistas de “toda a República”, através de cujas representações a arte contribuiu ao integrar a diversidade de paisagens, tipos e costumes à configuração de uma “identidade nacional”.

Quinquela, rodeado de personalidades y vecinos, recibe la llegada del primer trolebús a La Boca

A linha rigorosa seguida por Quinquela, conseguiu reunir uma coleção variada que hoje, à luz de uma perspectiva histórica maior, nos admira por representar uma visão muito completa das principais tendências figurativas que tiveram destaque desde o final do século XIX até meados do século XX.

Mural

A presença, na Argentina, do muralista mexicano David Alfaro Siqueiros, entre maio e dezembro de 1933, causou grande interesse na esfera cultural e política de Buenos Aires.

Abril de 1939. Quinquela posa junto a su mural destinado al Círculo Médico y al Centro de Estudiantes de Medicina

A pregação ardente de Siqueiros em sua visita a Buenos Aires não passou despercebida para Quinquela. Embora não saibamos se o pintor argentino assistiu às palestras de Siqueiros, ele estava indubitavelmente ciente da proposta do muralista mexicano. Prova disso é que, a partir daquele ano, iniciou os procedimentos de doação de terras ao Conselho de Educação, a fim de construir uma escola primária decorada com dezesseis pinturas monumentais.

Aula com mural Carregadoras de Laranjas em Corrientes (Bella Vista)

Essas obras inauguraram uma sequência de setenta e cinco murais que ele fez entre 1936 e 1972, trazendo para o seus murais os mesmos temas que ele representava em seus cavaletes: o porto, o mastros, chaminés de fábrica e trabalho.

Fotografia de Quinquela olhando seu trabalho Desembarque de canhões para o Tiro Federal Argentino, 1937. Fonte: Arquivo do Museu de Belas Artes de La Boca “Benito Quinquela Martín”

A maioria de suas obras murais de Quinquela Martín está concentrada nos anos trinta. Durante esse período, ele espalhou seus painéis pintados nas escolas, clubes esportivos e escritórios do ministério, sempre pintando motivos relacionados ao porto.

Quinquela Martín, Lutadores no mar, 1937. Cimento policromático de 9x7m, no fundo da piscina do Tiro Federal Argentino

Quinquela pintou muráis para: o partido Socialista, la Escuela República de México, Casa del Teatro, Biblioteca Vélez Sársfield de Córdoba, Hospital del Azul, Cofradía de Luján de Rosario, Hospital Cosme Argerich, Escuela N 8 del Consejo Escolar X V II, Liga Argentina de Higiene Mental, Comisión Agentina de Fomento Interamericano, Asistencia Pública de la Capital, Casa de Descanso en Córdoba para la gente de teatro, Hospital Vecinal de Wilde, Comité Ayuda a Italia, Federación de Asociaciones de Empleadas Católicas, Club Atlético Boca Juniors, Tiro Federal Argentino, etc.

No entanto, apesar de sua produção mural ser muito extensa, ela ficou invisível

cghbncg

 

fonte:

  • https://www.buenosaires.gob.ar/museoquinquelamartin
  • El museo de La Boca. El museo de Quinquela – Lic. Víctor G. Fernández. Director MBQM

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *