FIEMG – Parte I: História do incêndio do “Antigo Hotel Pilão”

Praça Tiradentes_Minas Gerais_Estada Real_Unesco_Patrimônio_Museu_Centro Cultural_incêndio_bar cafe

A Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (FIEMG) localiza-se no centro histórico, ocupando um dos prédios do entorno da Praça Tiradentes. O edifício abriga o Centro Turístico e de Informações sede da FIEMG, cujo objetivo é prestar atendimento aos turistas que chegam à cidade.

Neste local, havia o antigo “Hotel Pilão” que foi completamente destruído e arrasado por um incêndio na noite de 14 de abril de 2003. Três anos depois, em 2006, a FIEMG juntamente com a Prefeitura Municipal de Ouro Preto uniu forças para efetivar o processo de restauração do casario no complexo de prédios arquitetônicos da Praça. Continue lendo “FIEMG – Parte I: História do incêndio do “Antigo Hotel Pilão””

Igreja N S das Mercês e Perdões – Parte I: A Mercês de Baixo de Ouro Preto (MG)

Mercês de baixo_Nossa Senhora das Merces_Estrada Real_Brasil_Minas_Gerais_Unesco_Patrimonio_Humanidade

Esta igreja foi erguida a partir da primitiva Capela chamada Bom Jesus dos Perdões (Cristo Crucificado) edificada pelo padre José Fernandes Leite, que ele mesmo  doou em 1760 à Irmandade de Nossa Senhora das Mercês. Da justaposição abreviada das duas devoções deriva a singular denominação de Nossa Senhora das Mercês e Perdões, pela qual a igreja é conhecida popularmente.

A igreja localizava-se numa região geográfica abaixo da outra irmandade de Mercês, ficando conhecida também como “Mercês de baixo” e a outra como “Mercês de cima” ou “Mercês e Misericórdia”. Continue lendo “Igreja N S das Mercês e Perdões – Parte I: A Mercês de Baixo de Ouro Preto (MG)”

Patrimônio Cultural Imaterial no Brasil: Lista Representativa e disciplinas nomeadas pela Unesco como Patrimônio da Humanidade – Parte VI

O Fandango Caiçara é uma expressão musical-coreográfica-poética e festiva, cuja área de ocorrência abrange o litoral sul do estado de São Paulo e o litoral norte do estado do Paraná.

A celebração do Espírito Santo é uma manifestação cultural e religiosa, de origem portuguesa, disseminada no período da colonização e ainda hoje presente em todas as Regiões do Brasil, especialmente na cidade de Paraty (RJ).

A Festa do Senhor Bom Jesus do Bonfim integra o calendário litúrgico e o ciclo de Festas de Largo da cidade de Salvador e é realizada anualmente, sem interrupção, desde o ano de 1745. A festa articula duas matrizes religiosas distintas, a católica e a afro-brasileira, assim como incorpora diversas expressões da cultura e da vida social soteropolitana.

A existência da devoção a São Sebastião na Região do Marajó remonta ao período de colonização e à ação missionária no século XVI. A ampla ocorrência das Festividades do Glorioso São Sebastião em toda  a região do Marajó e sua relevância cultural paras essas populações  possibilitaram sua inclusão no conjunto de bens imateriais reconhecidos como Patrimônio Cultural do Brasil, referências de memória e identidade para todos os brasileiros. Continue lendo “Patrimônio Cultural Imaterial no Brasil: Lista Representativa e disciplinas nomeadas pela Unesco como Patrimônio da Humanidade – Parte VI”

Teatro Municipal de Ouro Preto – Parte II: Restauração da Casa da Ópera

Barroco_Casa da Ópera_Patrimônio Cultural _Humanidade_Unesco_Restauração_Estrada Real_Minas Gerais_Brasil

Em estilo barroco, possui três andares laterais, camarote central e plateia em forma de Lira para 300 lugares no total. É um dos mais belos do Brasil e ainda é palco de muitas apresentações artísticas e culturais em Ouro Preto.

Em 2015 uma das joias mais refinadas da arquitetura colonial mineira voltou a brilhar aos olhos do público e recuperou a função de palco barroco das artes cênicas. Fechado quase dois anos, após interdição pelos bombeiros, a Casa da Ópera de Ouro Preto, tem novamente programação regular e “segurança” para atores, plateia e funcionários, conforme garantem as autoridades locais. Continue lendo “Teatro Municipal de Ouro Preto – Parte II: Restauração da Casa da Ópera”

Patrimônio Cultural Imaterial no Brasil: Lista Representativa e disciplinas nomeadas pela Unesco como Patrimônio da Humanidade – Parte V

O cultivo da mandioca e apresenta como base social os mais de 22 povos indígenas, localizadas ao longo do rio Negro relacionado às diversas etnias das famílias linguísticas aruak e tukano.

A Festa de Sant’ Ana de Caicó é uma celebração tradicional que ocorre há mais de 260 anos e reúne diversos rituais religiosos, profanos e outras manifestações culturais da região do Seridó norte-rio-grandense.

As Bonecas Karajá representarem cenas do cotidiano e dos ciclos rituais do povo indígena Karajá, elas portam e articulam sistemas de significação da sua cultura e, dessa forma, são também lócus de produção e comunicação dos seus valores.

Continue lendo “Patrimônio Cultural Imaterial no Brasil: Lista Representativa e disciplinas nomeadas pela Unesco como Patrimônio da Humanidade – Parte V”

Nossa Senhora das Mercês e Misericórdia de Ouro Preto (MG) – Part II: A Mercês de Cima

Mercês de cima_Nossa Senhora das Merces_Estrada Real_Brasil_Minas _Gerais_Unesco_Patrimonio_Humanidade

A devoção de Nossa Senhora da Mercês em Ouro Preto tem duas igrejas onde ela é a padroeira: a “Mercês de baixo” (cujo nome correto é Nossa Senhora das Mercês e Perdões e a outra é a “Mercês de cima” (situada acima da cidade e bem próxima do Hospital da Irmandade da Misericórdia).

A irmandade de Nossa Senhora das Mercês, oriunda a partir da Arquiconfraria da Igreja São José, era uma associação de pardos e crioulos, representante de segmentos que buscaram afirmação social na antiga Vila Rica, sobretudo, a partir da década de 1740, quando os pardos começaram a adquirir presença na estrutura social da época.

Conhecida popularmente como a “Mercês de Cima”, foi construída entre 1771 e 1793. Continue lendo “Nossa Senhora das Mercês e Misericórdia de Ouro Preto (MG) – Part II: A Mercês de Cima”

Patrimônio Cultural Imaterial no Brasil: Lista Representativa e disciplinas nomeadas pela Unesco como Patrimônio da Humanidade – Parte IV

O Toque dos Sinos em Minas Gerais é produzido pela percussão dos sinos das igrejas católicas, para anunciar rituais religiosos e celebrações, como festas de santos e padroeiros, Semana Santa e Natal. Essa prática tem sido sustentada por as irmandades religiosas que surgiram junto às cidades mineiras durante o ciclo do ouro.

O Modo de Fazer Renda Irlandesa, tendo como referência este ofício em Divina Pastora/SE, foi inscrito no Livro de Registro dos Saberes, em 2009.

O Ritual Yaokwa é a mais longa e importante celebração realizada por este povo indígena, que habita uma única aldeia localizada na região noroeste do estado do Mato Grosso. Continue lendo “Patrimônio Cultural Imaterial no Brasil: Lista Representativa e disciplinas nomeadas pela Unesco como Patrimônio da Humanidade – Parte IV”

Porque Ouro Preto tem duas Igrejas das Mercês? … a Mercês de Baixo e a Mercês de Cima

Mercês de baixo_Nossa Senhora das Merces_Estrada Real_Brasil_Minas_Gerais_Unesco_Patrimonio_Humanidade_Matriz Antonio Dias

Em Ouro Preto a devoção a Nossa Senhora das Mercês existem duas igrejas onde ela é a padroeira.  Os nativos diferenciam de modo peculiar, baseados na topografia da montanhosa cidade: uma é a “Mercês de baixo” (cujo nome correto é Nossa Senhora das Mercês e Perdões), situada nas baixadas do bairro dos Paulistas, a caminho da Nossa Senhora da Conceição de Antonio Dias, e a outra é a “Mercês de cima” (situada acima da cidade e bem próxima do Hospital da Irmandade da Misericórdia). Continue lendo “Porque Ouro Preto tem duas Igrejas das Mercês? … a Mercês de Baixo e a Mercês de Cima”

Teatro Municipal de Ouro Preto – Parte I: A Casa da Ópera

Barroco_Casa da Ópera_Patrimônio Cultural _Humanidade_Unesco_Restauração_Estrada Real_Minas Gerais_Brasil

A Casa da Ópera de Vila Rica, é o Teatro Municipal de Ouro Preto, que ostenta, segundo a tradição, o título de mais antiga casa de espetáculos em funcionamento da América do Sul e entrou até para o Guinness Book devido a essa condição.

Preserva a construção original, que demorou de 1745 a 1770 para ficar pronta. A simples fachada externa esconde o interior que remete aos tempos glamorosos do império, quando Ouro Preto era chamada de Vila Rica e o Brasil ainda era colônia de Portugal.

A casa de espetáculo traz também no seu histórico o fato de ter sido o primeiro teatro onde mulheres pisaram em um palco no Brasil. Continue lendo “Teatro Municipal de Ouro Preto – Parte I: A Casa da Ópera”

Igreja Nossa Senhora das Mercês – Parte I: A Oredem das Mercês em Tiradentes

Igreja_Barroco_Patrimônio_Humanidade_Unesco_Restauração_Estrada Real_Minas Gerais_Brasil_Mercedários_Virgem Generala

A Igreja de Nossa Senhora das Mercês dos pretos crioulos está localizada no Largo das Mercês, perto do Largo das Forras, no Centro Histórico de Tiradentes.

A Irmandade das Mercês, durante a época colonial, era reservada aos pretos nascidos no Brasil e aos mulatos principalmente. Em Minas Gerais tornou-se extremamente popular. Em praticamente todas as vilas mineiras existiram irmandades de Nossa Senhora das Mercês.

A igreja do final do século XVIII, construída em estilo rococó, esconde detras de sua fachada simples um interior com belas pinturas atribuídas a Manoel Victor de Jesus, das quais Kellen Cristina Silva fez um estudo iconológico muito detalhado em sua tese de graduação citada na fonte deste post. Continue lendo “Igreja Nossa Senhora das Mercês – Parte I: A Oredem das Mercês em Tiradentes”