Catedral Santa Catalina de Alejandría (Cartagena de Indias)

São os primeiros dias de janeiro e me vejo andando pelas ruas de Cartagena, onde os ornamentos de iluminação devido aos feriados de Natal e Ano Novo ainda permanecem nas ruas embelecendo a cidade com um efeito fantasioso muito original. A linda cúpula, adornada com belas cores e iluminada à noite, serve de farol e representa uma das jóias mais destacadas da cidade amuralhada.

A Catedral  de Santa Catalina de Alejandría está localizada no centro histórico de Cartagena no canto leste do Parque de Bolívar, na Praça da Proclamação, e é a sede episcopal do Arcebispo de Cartagena, uma das mais antigas sedes e catedrais da América.

A planta da Igreja está relacionada às igrejas construídas na Espanha na época dos monarcas católicos. Seu design se deve ao arquiteto Simón González, que inspirou-se em algumas igrejas da Andaluzia.

Deve-se dizer também que talvez tenha sido uma das igrejas que teve mais problemas a serem concluídos, pois sofreu intervenções para mudar de posição, colapsos e ataques de piratas com o inglês Drake que sitiou Cartagena durante dois meses em 1586.

Catedral Santa Catalina de Alejandría – História

As principais ordens religiosas estavam instaladas em Cartagena. Em 1550 os dominicanos se estabeleceram na cidade, seguidos dos franciscanos e agostinianos, nos anos de 1555 e 1582 respectivamente. No início do século XVII, em 1604, foi a vez dos jesuítas aportarem em Cartagena. Além destes grupos, a cidade contava com os conventos dos mercedários e de São Diego, bem como os conventos femininos de Santa Clara e Santa Teresa.

A atual Catedral corresponde ao terceiro edifício construído na historiada cidade. O primeiro, dirigido pelo frade dominicano Tomas de Toro e Cabrero, o primeiro bispo da cidade, estava localizado no quarteirão atrás da atual catedral, de frente para a rua Coliseu. Sua construção começou em 1535, apenas dois anos após a fundação da cidade, e terminou em 1537. Era uma estrutura de madeira, juncos e palha que desapareceu por causa de um incêndio que varreu a cidade em 1552. Em sua substituição, entre 1563 e 1568, foi realizada uma construção de madeira um pouco mais permanente com um telhado de colmo, da qual um traço modesto é conservado.

Pedro Fernández de Busto, governador da cidade, impulsionou significativamente as obras arquitetônicas realizadas e empreendeu o trabalho de realizar importantes projetos na esfera urbana, como dessecação e saneamento da entrada principal da cidade; a Praça da Alfândega; a construção de um hospital e a aquisição de casas para a administração da justiça; a cadeia e o Cabildo.

A idéia de fornecer a Cartagena um edifício decente que serviria como Igreja Maior surge e também é impulsionada por ele. Por volta de 1575, um concurso público foi convocado para escolher o projeto do novo  edifício, apresentado pelos professores Eugenio de la Vega, Hernando Esteban, Juanes Guerra e Simón González. O projeto apresentado por o último foi nomeado ganhador.

Assim, a construção da terceira catedral começou por volta de 1575, quando o frade dominicano Dionísio de Santis era bispo, situado agora em um terreno de esquina próximo a atual Praça Bolívar, em obedeça á forte e antiga tradição da igreja cercada, com o tempo, por os edifícios mais significativos da cidade, como a sede do Poder Civil e o Santo Ofício.

Orientação do terreno: Em 1577, quando as fundações ainda estavam sendo abertas, a possibilidade de mudar de orientação e girar seu eixo noventa graus foi discutida no Cabildo, mas desistiu na falta de dinheiro para comprar propriedades que a mudança proposta impunha. Os trabalhos foram continuados conforme planejados.

Em 1585, dez anos após sua iniciação, afirma-se que o corpo da igreja estava coberto e, em geral, o trabalho finalizado, mesmo quando faltavam unidades próximas e a torre, de modo que a construção estava quase concluída.

No exterior a igreja apresenta, no volume da capela principal, torres sob a forma de postos de controle que se destacam em elevação e cobertos por chapiteles cônicos que em seu interior albergam escadas em espiral que permitem a passagem para a cobertura e os telhados antigos.

Nos intercolumnios existem nichos que abrigavam as figuras de pedra de San Pedro, San Pablo, San Gregorio e San Sebastián, e que deram o nome submisso à rua em frente à Catedral: Calle dos Santos de Piedra . O entablamento tem um friso convexo e, acima de tudo, um frontão triangular.

Toda a parede interior e exterior estava coberta e forrada para cobrir e proteger a alvenaria de pedra coralina, tijolo e argamassa de cal e areia.

Embelezamento de Cidades

Por toda a cidade amuralhadatem luzes penduradas em tresbolillo nas ruas, suspensas entre postes de luz, colocadas como bandeira nas varandas das casas, também cobrem os arcos de entrada da cidade, a famosa Torre do Relógio.

Colômbia_Reloj_Latinoamerica_Arquitetura_Patrimonio_Colonial_Unesco_Bolivar_ Praça_Igreja

 

Algumas luzes simulam o galho gelado de algumas árvores no Parque Centenario, pequenas borboletas penduram das árvores no Parque Bolivar, enquanto ainda continuo fascinado pelas imagens geométricas estelares que peguei na frente da Catedral de Cartagena.

O Templo

Consiste em três naves, dos quais a planta central é consideravelmente mais larga e de maior altura iluminada com clarabóias circulares. As capelas laterais aparecem no testador como leilões simples dos mesmos navios, cobertos com abóbadas de borda.

Na porta principal, a parte inferior é composta por colunas duplas no estilo coríntio. É emoldurado por contrafortes que recebem o impulso dos arcos moldados e se estendem para o segundo corpo formando as bases da pirâmide.

Colômbia_Reloj_Latinoamerica_Arquitetura_Patrimonio_Colonial_Unesco_Bolivar_ Praça_Igreja

O arco do cruzeiro e os do presbitério são apoiados por uma pilastra com quatro meias colunas geminadas que se elevam à altura das outras colunas, onde a pilastra continua sozinha até atingir a maior altura necessária. Todos os arcos são de meio ponto e de seção quadrada. O teto dos navios é feito de madeira.

A capela-mor, cujo volume é evidenciado para o exterior, é de um planta ochavada e é coberta por uma abóbada cortada com lunetas, na qual existem clarabóias circulares semelhantes às que iluminam a nave central.

As colunas, que são de eixo liso e cilíndrico, consistem em tambores de pedra, repousam sobre pedestais cúbicos e são finalizadas pelas capitais toscanos. Foi necessário adicionar mais um suporte a cada lado, para que sete pares de colunas apareçam.

Colômbia_Reloj_Latinoamerica_Arquitetura_Patrimonio_Colonial_Unesco_Bolivar_ Praça_Igreja

 

Do lado do evangelho e ao pé do templo fica a torre, que tem uma escada central e planta quadrada. A antiga capela do santuário, localizada ao lado da torre, tem uma planta retangular e uma abóbada de borda no presbitério e de cânion no restante.

Um pórtico dá acesso à capela do santuário e a antiga casa capitular, por sua vez, está conectada à nave do lado do Evangelho. Após o antigo salão capitular se encontra a sacristia, que se comunica com a capela principal através de uma pequena abertura.

Mas o destaque para mim foi a Via Sacra, com quadros feitos de pintura e escultura

A planta do projeto original de Simón González foi de uma igreja do tipo basílica, com três naves separadas por seis pares de colunas, com espaço nas laterais das duas naves laterais para construir capelas particulares que seriam acessadas pela nave lateral através de arcos.

O Pulpito talhado

Invasão e saqueio Inglês: “O Pirata Drake”

No ano seguinte da conclusão dos trabalhos finais da Catedral, o pirata Sir Francis Drake chegou … e não foi precissamente uma vista muito grata para a cidade.

Colômbia_Reloj_Latinoamerica_Arquitetura_Patrimonio_Colonial_Unesco_Bolivar_ Praça_Igreja
Obviamente os conventos, os monastérios e as igrejas eram os principais alvos dos piratas porque guardavam as maiores relíquias.

Herói para os ingleses, mas um pirata para os espanhóis, famoso entre outras coisas, por ter sido o primeiro inglês a realizar uma volta ao mundo (1577-1580), ocupou a cidade por mais de dois meses.

Em  1586, 23 navios de guerra e mais de 3.000 homens atacaram a cidade, na qual foi a ação militar mais importante realizada no século XVI contra os portos da América. A cidade foi tomada e Drake dedicou-se aos saqueios e, dada a recusa de seus habitantes em pagar um resgate, ameaçou derrubar a Catedral, que naquela época deveria ser o bem mais precioso da cidade. Então ele atirou nela e derrubou parte de sua estrutura. A bala atingiu uma das colunas, que foi ao chão e levou outras duas.

Finalmente, Cartagena pagou 120 mil ducados de prata e Drake concordou em não continuar com a destruição da cidade.

De maneira casual e coincidente, em sua viagem a Quito, o professor Benito de Morales passou pela cidade que, a pedido do governador, inspecionou a Catedral, avaliou os danos e colaborou na reconstrução da Catedral que foi concluída após um período de catorze anos.

No entanto, na noite de 7 de agosto de 1600, os conveses da nave principal e da nave do Evangelho desabaram, eram pesados ​​demais para a estrutura, e decidiu-se então substituí-los por telhados. Os mil ducados doados pelo rei em 1602, juntamente com o dinheiro arrecadado entre os vizinhos, foram insuficientes para a conclusão dos trabalhos de reconstrução, que marcharam muito devagar, a conclusão total das obras foi garantida em 1612, incluindo elementos como portas e o portão do coro.

Intervenção drástica

Na primeira metade do século XX, ela sofreu uma intervenção drástica do arquiteto francês Gastón Lelarge, patrocinado pelo arcebispo italiano Pedro Adán Brioschi, que alterou totalmente a fisionomia da igreja, cobrindo todo o interior com estuque e pinturas .

A foto mostra a vista da Catedral de Cartagena das Índias, por volta de 1900, você pode ver a torre original, antes de ser alterada para a atual em 1922.

Fotografía tomada del libro Cartagena de indias, puerto y plaza fuerte de Enrique Marco Dorta

A intenção era dar a aparência de mármore à pedra coralina de Tierrabomba. Ele também ocultou o teto coberto da nave central com uma falsa abóbada de toco e estuque; ele falsificou a fachada, remodelou substancialmente a torre, elevando-a consideravelmente e coroando-a com uma cúpula e uma clarabóia que modificaram completamente o design original, que tinha um corpo de sinos com orifícios de meio ponto emoldurados entre pilastras, de aparência muito semelhante à da Igreja de Santo Domingo.

Coroa Espanhola – Catedrais e Igrejas

Na ânsia da Coroa Espanhola de dotar as jovens dioceses americanas de edifícios definitivos e dignos que substituiriam as construções primitivas de materiais perecíveis, no século XVI foram projetados e construídos a maior parte das catedrais americanas e boa parte das igrejas paroquiais.

Sim duvida este fato estava relacionado a um movimento construtivo que ocorreu na península Ibérica durante os séculos XV e XVI, em que edifícios importantes foram realizados, como as catedrais de Salamanca e Segóvia, na primeira metade do século XVI.

Praticamente todas as catedrais americanas foram derivadas dos estilos do Renascimento europeu das Catedrais de Granada, na Andaluzia, e a Catedral de Jaen , que  em 1525 sofreu uma grande reforma, que acabou transformando o templo gótico na catedral renascentista que hoje contemplamos.

Catedral de Granada, Andaluzia

A Catedral de Cartagena das Índias está inserida neste programa de construção do século XVI e é posterior ao layout ou início das obras das catedrais do México (1563), Mérida (1563), Tunja (1567), Guadalajara (1571), Bogotá (1572).

Por outra parte é contemporâneo ao de Puebla (1583), de Lima (1583) e Cuzco (1583), todos abrangidos na segunda metade do século XVI.

O tipo de templo ao qual pertence a Catedral de Cartagena, com planta basílica e presbitério retangular com suportes de haste cilíndrica e capitais, tem antecedentes em Portugal, nas igrejas de Maravilla e Santarém.

Na Península Ibérica e, principalmente na Espanha, as soluções dadas em Cartagena foram frequentemente usadas durante os séculos XV e XVI. Durante o século 16, o tipo de igreja do convento com uma nave única prevaleceu na Nova Espanha; no entanto, os dominicanos tentaram e os franciscanos realizaram o raro esquema para o México da igreja de três naves.

Plano geral da Catedral de Cartagena das Índias, Colômbia. Fonte – Instituto Carlos Arbeláez Camacho Planoteca

A Catedral de Cartagena das Índias não é apenas importante por ser um edifício isolado, mas também por ser um modelo na costa do Caribe da América do Sul da construção de muitas outras igrejas que repetiram seu esquema básico. Como templo paroquial de La Asunción, na Ilha Margarita (Venezuela), 1570; a Catedral de Santa Ana de Coro (1583) e Igreja do Convento de São Francisco de Caracas, elaborada em 1593.

Em Cartagena, a Catedral influenciou o layout da Igreja da Trindade, e a maneira de relacionar no presbitério as capelas laterais com a capela principal é repetida em soluções posteriores, como a Catedral de Santa Marta , projetado em 1647; ou em Santa Ana do Panamá, depois de 1673.

A solução arquitetônica da Catedral de Cartagena das Índias é um modelo que adquiriu uma difusão muito grande dentro do vice-reinado de Nova Granada e teve uma longa permanência no tempo. Um modelo que “fazia fortuna na costa do Caribe” .

Em 1953, o Papa Pio XII concedeu ao templo o título litúrgico da Basílica Menor. Ddevido ao seu significado histórico, valor arquitetônico e cultural, foi declarado Monumento Nacional da Colômbia por Decreto 1911, de 2 de novembro de 1995.

 

 

Fonte

  • Dos iglesias cartageneras del siglo XVI: la Catedral y Santo Domingo – Juan  Luis Isaza  Londoño. Arquitecto de  la Universidad Pontificia Bolivariana (Medellín), Colômbia
  • A disputa por poder em Cartagena das Indias: o embate entre o governador Francisco de Murga e o Tribunal do Santo Ofício (1629-1636) – Dissertação de Mestrado apresentada ao Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Estadual de Campinas, Brasil – CARLOS GUILHERME ROCHA

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *