Cartagena corre o risco de ser expulsa da lista de Patrimônio da Humanidade da UNESCO

A cidade de Cartagena das Índias, na Colômbia, corre o risco de ser expulsa da lista de patrimônio histórico e cultural da humanidade da UNESCO devido a construção do polêmico projeto habitacional de 4 torres Aquarela, que mudaria para sempre a paisagem tombada do entorno do centro histórico e da fortaleza de San Felipe.

A cidade tem até dezembro de 2020 para apresentar uma solução para o caso. Ou poderá perder o título de Patrimônio da Humanidade, que ostenta desde 1984.

CARTAGENA e a UNESCO

Os eventos históricos que ocorreram na cidade, bem como a riqueza cultural, arquitetônica e artística de Cartagena, foram os motivos pelos quais foi declarada Patrimônio Nacional da Colômbia em 1959 e Patrimônio Histórico e Cultural da Humanidade em 1984 pela UNESCO.

Cartagena é uma cidade que atrai turistas de todas as esferas da todas as edades em busca de um clima romântico nas suas ruínas de pedra com casas e varandas em estilo colonial, das boas opções gastronômicas e de lazer, dois passeios para ilhas paradisíacas.

O projeto interfere directamente na visualização do Castillo de San Felipe, no centro histórico de Cartagena

A Unesco recomendou através de um documento que o prédio Aquarela seja demolido, pois está localizado a poucos metros do emblemático Castelo de San Felipe.

O aviso foi dado pela UNESCO nos comitês onde são revisados o estado de conservação dos locais do patrimônio mundial, mas no mês passado, no Azerbaijão, a organização fez essa recomendação novamente e “pediu a finalização e aprovação dos Planos Especiais de Manejo e Proteção (PEMP), no qual estão trabalhando o MinCultura, a Prefeitura de Cartagena e a Escola Talher de Cartagena , no Centro Histórico e nas Fortificações e Estruturas da Baía, levando em consideração as recomendações da missão de 2017 ″.

A entidade da ONU finalmente publicou um relatório sobre o caso e recomenda que a prefeitura de Cartagena suspenda o projeto e realize demolição de mais de 20 pavimentos da primeira torre que já estão construídos. O estudo foi feito por Luis Maria Calvo, do Conselho Internacional de Sítios e Monumentos (ICOMOS) para a Unesco, após visita ao local.

Projeto Aquarela

O projeto de cinco edifícios de cerca de 30 andares, chamado Aquarela, que a UNESCO recomenda desde 2017 para demolir, porque sua construção destruirá a relação visual e simbólica histórica entre o Castelo de San Felipe e seus arredores.

Por seu turno, o procurador-geral da Nação, Fernando Carrillo, comemorou o conceito da Unesco, enfatizando que desde o início, o órgão de controle afirmou que a construção do referido prédio era irregular e que afetava a integridade do castelo.

“Se o projeto permanecer em pé e for concluído”, diz um documento da Unesco em dezembro de 2018,  Cartagena passaria para a Lista do Patrimônio em risco

Em dezembro de 2020, a Colômbia deve enviar ao Centro do Patrimônio Mundial, um relatório atualizado sobre o estado do patrimônio em Cartagena e a implementação das recomendações emitidas no mês passado, para consideração do Comitê do Patrimônio Mundial em sua próxima sessão em 2021, de acordo com uma declaração do Ministério da Cultura.

Aquarela se defende

Por meio de comunicado, o projeto Aquarela afirmou que cumpria rigorosamente as normas de planejamento urbano e outros requisitos da lei exigidos pelas entidades de controle. Ele ressalta que isso foi demonstrado durante as audiências realizadas pelo Juiz Criminal Municipal com a Função de Controle de Garantia de Cartagena.

O Tribunal Administrativo de Bolívar ratificou a decisão do Décimo Tribunal Administrativo de Cartagena, na qual suspendeu permanentemente a construção do prédio Aquarela. A decisão do tribunal superior baseia-se no fato de a localização do projeto afetar a conservação urbana da cidade, portanto o curador deve ter cuidado ao emitir licenças que aprovam a construção de um projeto da magnitude de Aquarela.

Aquarela afeta diretamente o registro, comprometendo o Valor Universal Excepcional (VUE)

O Comitê do Patrimônio Mundial da Unesco, que se reúne esta semana no Azerbaijão, concedeu à Colômbia um prazo até 2021 para demolir a polêmica torre ‘Aquarela‘, que um homem particular constrói a pouca distancia do emblemático Castillo de San Felipe de Barajas, en Cartagena.

A Unesco também concedeu o mesmo prazo ao Distrito para aprovar os dois planos especiais de gestão e proteção do patrimônio: o Plano Especial de Gerenciamento e Proteção do Centro Histórico, Pemp, e o POT, Plano de Planejamento Territorial, para encerrar o caos urbano na cidade e evitar a violação dos regulamentos de construção.

O comitê do patrimônio também está preocupado com o novo Hotel Santa Catalina, construído no local anteriormente ocupado pela Magaly Paris, na Plaza de los Coches, em frente à Torre do Relógio. Um trabalho com várias perguntas, mas segundo o Ministério da Cultura, o Instituto de Patrimônio e Cultura de Cartagena, Ipcc, não respondeu.

Mas a torre ‘Aquarela‘ não é o único problema enfrentado pelo patrimônio arquitetônico da cidade heróica. Fortes como San Fernando, na ilha de Bocachica e a propria Muralha da Cidade Histórica de Cartagena, já sentem o rigor das mudanças climáticas.

 

fonte:

  • https://www.jornalspnorte.com.br/
  • http://www.redmas.com.co/
  • https://www.gazetadopovo.com.br/

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *