Basílica Nossa Senhora do Pilar – Parte II: O segundo templo mais antigo da cidade de Buenos Aires

Localizada junto ao cemitério, a Igreja do Pilar é a segunda mais antiga da cidade. Sua história começou em 1708, quando foi construída como igreja e convento para receber os frades “Recoletos” da Ordem Franciscana, que vieram da Espanha.

E foi assim que surgiu o nome do bairro: Recoleta.

Também conheceremos as histórias de Juan de Narbona e Torcuato de Alvear, as duas pessoas que mais fizeram para transformar o bairro da Recoleta em um dos mais distinguidos e aristocráticos da cidade de Buenos Aires.

Quinta de los Ombúes

Em 11 de junho de 1580, Juan de Garay fundou a cidade de “Santa María de Buenos Aires”. Em 24 de outubro, ele fez a distribuição de terrenos entre os primeiros colonos, os viajantes que o acompanharam em sua expedição às terras do sul do Rio da Prata. Seis dos 65 futuros quintos estavam localizados no atual bairro de Recoleta.

O número 5 da sorte correspondeu a Rodrigo Ortíz de Zárate, que seis anos depois seria nomeado governador de Buenos Aires. Ele o nomeou “Quinta de los Ombúes”, pois a área era caracterizada por montanhas baixas, onde havia muitos árvores ombúes.

Vista da cidade de Buenos Aires, atribuída ao italiano Fernando Brambila, 1794

Este traçado ficava fora dos muros da cidade e correspondia á região de Monte Grandes, (ate o atual San Isidro), sendo por muitos anos um lugar despovoado e perigoso, reunião de “orilleros”, preguiçosos e bandidos. É aí que, mais tarde, são instaladas pulperías e rinha de galos, onde delitos eram traçados, pois seus autores contavam com a impunidade de se esconder em valas, buracos e túneis existentes na area.

Deve-se lembrar que esses lugares fora dos muros eram intransitáveis e habitados por pessoas com más vidas, onde itens roubados eram vendidos, e o consumo de bebida sempre acabava em briga. Tanta era la delinqüência que os próprios pulperos decidiram colocar barras nos balcões. E assim as vemos nas litografias da época, curiosamente enredadas em ferro ou madeira, como um recurso único de autodefesa.

Pulpería: Florencio Molina Campos, Pintura

Se chegava ao bairro através da rua Largo de la Recoleta, que mais tarde foi chamada Republica e hoje Presidente Quintana. Era uma rua de terra, lama e valas, consertada muitas vezes sem sucesso e depois enladrillada (tijolos) em formal desigual.

Depois da rua Larga, o mais típica era a rua de Chavango, hoje Las Heras, que tinha início no “Hueco de las Cabecitas”, assim chamada porque os carros que levavam o gado dos Corrales jogavam, ao passar, as cabeças de vaca, ovelha, cordeiro, etc., “por não ser comestíveis”. Estamos falando da época em que os matadouros de gado tomavam conta da prolifera indústria de carnes. Esses Corrales existiam no auge das ruas de Callao e Pueyrredón, e eram chamados Corrales del Norte ou Mataderos de la Recoleta.

Em 1810, a renda da Alfândega de Buenos Aires aumentava cada vez mais. Enquanto as exportações de couro, considerada o símbolo do poder econômico da época, os números de crescimento são significativamente surpreendentes. Até 1778, a exportação era calculada em 150.000 couros por ano. Depois de 1783, esse número aumentou para 1.400.000.

As 30 varas de Callao

Av. Callao

Em 1827 o “engenheiro municipal” envia um relatório sobre a largura da Rua Callao ao Presidente do Município e resolve: “Sob a direção do Departamento Topográfico, o Poder Executivo, por decreto de 9 de maio de 1827, concordou que a Rua Callao , de Rivadavia (então de La Plata) até a base da Recoleta, deveria ter a largura de 30 varas “.

Rua Chavango

Com relação à Rua Chavango, uma anégdota única aconteceria em 1885, quando o então prefeito de Buenos Aires, Torcuato de Alvear, modifica e impõe o nome de Las Heras a esta rua.

Alguns dias depois, ele recebeu uma carta indignada na qual a viúva do coronel Chavango, em seu nome e no de seus filhos, reclamava a ofensa a que se submetia à memória de quem havia morrido heroicamente em batalha.

O nome Chavango possivelmente se deve a um dos primeiros habitantes do local onde esta rua está localizada. O Dr. Julio A. Luqui Lagleyze sugere a possibilidade de que esse nome provenha de um criadero de alpacas, llamas e guanacos que, no início do século XIX, haviam sido trazidos do norte do país e instalados nos quintos próximos. De acordo com sua hipótese, “chavango” é o nome com o qual os filhos/crias de animais são geralmente conhecidos no idioma quichua (quichua: chavancu).

Apesar das inúmeras investigações feitas por Alvear, ninguém foi capaz de fornecer dados sobre este coronel Chavango. Alguns dias depois, descobriu-se que a carta era uma piada de seu amigo Lucio Vicente López, escritor, jornalista, advogado e também político argentino, neto de Vicente López y Planes, autor das letras do Hino Nacional da Argentina.

Doação do terreno para construir a igreja

Litografia de Pellegrini em 1841

Voltando o relato pra a primitiva “Quinta de los Ombúes” de Rodrigo Ortíz de Zárate, seu filho mais velho, Juan, herda o quinto, e decide vendê-lo para o capitão francês de Beaumont (ou Viamonte) em 1606, recebendo como pagamento “um terno completo masculino feito de roupas íntimas, roupas com mangas, gibão e capa”. Essa circunstância, que não é frequente em outros depoimentos, era um sinal da miséria dos colonos primitivos que às vezes não podiam comparecer à missa porque não tinham uma “capa, manta ou camisa” para proteger sua nudez. Dizem que o primeiro centenário de Buenos Aires não foi comemorado em 1680, devido à grande pobreza, uma vez que “os vizinhos não tinham roupas para cobrir suas carnes”.

Em 1608, Viamonte vende a fazenda “Los Ombues” a Juan Domingo Palermo, que mais tarde nomearia o bairro vizinho, onde ele tinha outras propriedades e procurava expandir seus dominios.

Dez anos depois, Martín Dávila y Villavicencio o adquire, depois herda Enrique de Mendoza, que o vende a Inés Romero de Santa Cruz e Isabel Frías de Martel. Em seguida, obtém Juan de Herrera e Hurtado, que deixa o quinto para sua filha Gregoria, casada com o capitão Inclán. Este último casal daria o terreno para construir a igreja para os pais recoletos. Foram eles que cederam a Juan Narbonne a parte mais alta de sua fazenda para construir uma igreja e um convento para os frades Recoletos da ordem franciscana, recém-chegados da Espanha em 1708.

A construção do templo

Foi o Frei Pedro de la Torre, a prefeitura e o governador que solicitou permissão de seu rei Felipe V para a construção de um templo. Para isso, eles receberiam uma doação muito forte de Pedro de Bustinza. A concretização das ordenanças do Cabildo foi adiada pela preocupante situação de conflito em Colonia del Sacramento (Uruguai), sujeita às tropas portuguesas. A construção foi autorizada em 1705, aguardando confirmação do Conselho das Índias.

Em 1716, Fray Diego de Ceballos, leigo do convento, fez uma nova petição perante a Corte, obtendo o certificado real que a autorizava. Até então, Fray Pedro e o doador Pedro de Bustinza, já haviam morrido. É quando Juan de Narbona aparece e constrói uma capela modesta e quatro células para os franciscanos. Como o novo doador era devoto da Virgem de Pilar de Zaragoza, impus como condição que a igreja permaneça sob sua invocação.

Em 1717, a escritura de compromisso foi assinada entre o comerciante Juan de Narbona e o capitão Inclán. Narbonne era para alguns suspeito de contrabandista e, nos jornais, um simples comerciante. Ele não assinou aquele documento porque disse que não sabia e foi assinado por Domingo Lazcano, notário público do Cabildo. Narbonne, que também doou a igreja y convento de Santa Catalina de Siena – outra relíquia arquitetônica da cidade – não figura em vários dicionários biográficos nativos e desfruta de um esquecimento inversamente proporcional à sua contribuição para a cidade de Buenos Aires.

A Igreja Pilar em uma fotografia tirada por Gonnet em 1864

As obras começaram em 1720, de acordo com um projeto atribuído aos irmãos Juan Krauss e jesuíta Juan Wolff – ambos de origem alemã, embora a fachada tenha sido projetada pelo arquiteto italiano e jesuíta Andrés Blanqui ou Bianchi (os mesmos que intervieram nas obras da Catedral de Córdoba e a maioria das igrejas de Buenos Aires daquele período).

Sua inauguração ocorreu apenas em 11 de outubro de 1732, em ato formal presidido pelo governador Bruno Mauricio de Zabala e os membros do Cabildo na íntegra.

João de Narbonne: Sonhos debaixo de uma árvore

Enquanto o templo estava sendo construído, Narbonne construiu sua casa ao lado, onde hoje funcionam os escritórios do cemitério e embaixo do piso estão as ruínas da antiga casa de catorze quartos.

Dizem que Narbonne teve uma viagem complicada para a América. Ele aterrissou muito jovem e carecia de fortuna. Ele dormia sob uma densa árvore sob a ravina da atual Avenida del Libertador, mas a prosperidade o levou a devolver as graças recebidas e embelezar aquele lugar. Finalmente, ele tinha uma casa com 14 quartos ao lado do convento e até precisava de terras vizinhas de María de Herrera e Hurtado, que hoje conformam parte do cemitério e do bairro anexo.

Lá, ele estabeleceu (desde antes de 1716) dois fornos onde mais de dois milhões de tijolos foram cozidos para o templo e o convento, e também ergueu duas salas, um galpão e cavou um “aljibe” que, por escrito, seria deixado para o dono.

À mercê das doações feitas por Dom Juan de Narbonne, em 1732 foram concedidas as terras entre os riachos “Del Sauce” e “Las viboras” na costa leste do Rio da Prata. Lá, ele instalou suas caleras que forneceram a matéria-prima para a explosão urbana que caracterizou Buenos Aires no século XVIII, resultado da expansão econômica do porto e o do contrabando.

Sua melhor biografia é parte de uma edição uruguaia que detalha as origens da fazenda Narbonne, perto de Nueva Palmira, cujo casco é um dos edifícios  mais antigos em pé do Uruguai, onde o zaragozano morou em tempos prósperos.

Em 1740, Narbonne se casou com María Teresa Robles, mas só viveu mais uma década: morreu em 12 de abril de 1750. Sua filha Juana María herdou a casa da Recoleta ao lado do convento.

Igreja do Pilar: A Fachada


A igreja é uma das obras mais importantes da arquitetura colonial e mantém seu estilo barroco original. É o segundo templo mais antigo da cidade. Sua fachada foi projetada por Fray Andrés Blanqui e é composta por um conjunto de pilastras duplas sob uma frente clássica, coroada por cinco pináculos.

No lado direito, há una espadaña (ou torre sineira aberta) de dois arcos, coroado por três pináculos, onde foi posteriormente incorporado ao relógio de alvenaria (o primeiro em Buenos Aires), de origem inglesa, construído em Londres pelo mestre relojoeiro Thomas Windmill.

Torre sineira da Igreja do Pilar

No lado oposto, a torre sineira ergue-se, com uma base quadrada, encimada por um tambor com janelas encimadas por uma cupulina em forma de sino, coberta com azulejos de Calais (França) em 1866.

A Igreja do Pilar só possui uma torre

Na extremidade superior, uma bola de bronze suporta uma cruz de ferro forjado e um cata-vento. Na época de sua construção, era o ponto mais alto da cidade de Buenos Aires.

Centro_Cultural_recoletos_Franciscanos_Atrio_Cemitério
12 de Outubro é a data para comemorar o santo padroeiro da Virgem do Pilar

Átrio: No lado direito do átrio, há um busto dedicado à memória de Rafaela de Vera e Aragón, esposa do VIII vice-rei do Rio da Prata, Joaquín del Pino e Rozas. Na parede izquerda, um mural mostra a imagem da igreja vista do rio no final do século XVIII, feita pelo artista valenciano José Remo.

Em 1822, devido à reforma eclesiástica de Rivadavia, os frades recoletos foram despejados e o templo permaneceu inativo por 8 anos. O convento tornou-se um quartel, depois um asilo de mendigos, depois um lar de idosos.

Em 18 de novembro de 1829, a paróquia de El Pilar foi criada com sede no antigo templo do convento dos Recoletos, sendo o Pbro. José Martínez, seu primeiro pároco. Em 1930, sendo o pároco o mons. Carlos Martínezo, o arquiteto Millé empreendeu o trabalho de restauração do templo que durou até 1934.

 

fonte:

  • www.lanacion.com.ar
  • www.basilicadelpilar.org.ar/
  • www.historiahoy.com.ar/iglesia-del-pilar-n446
  • Itinerario Historico de Recoleta- ELBA VILLAFAÑE BOMBAL

 

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *