Basílica e Convento de Santo Domingo – Parte II: As Invasões Inglesas e Restauração da Capela do Rosário

O costume de oferecer as bandeiras capturadas ao inimigo à Virgem que cuidara maternalmente de seus devotos nos campos de batalha tem antecedentes distantes na Europa e logo depois durante as guerras de independência na América.

Pouco antes da invasão napoleônica na península ibérica, os ingleses entraram no Rio da Prata com o objetivo de apreender dos espanhóis, os domínios de Buenos Aires e Montevidéu, em duas ocasiões (1806 e 1807).

A pilhagem dos templos e as brigas nos conventos protagonizado pelos ingleses incentivaram a visão patriótica dos crioulos. O líder determinado da defesa e reconquista de Buenos Aires, Santiago Liniers, prometeu oferecer à imagem do Rosário as bandeiras capturadas ao inimigo. Após a vitória, várias imagens foram tiradas em procissão e as bandeiras foram depositadas diante do Rosário, dentro do templo.

Atualmente, é conhecida como Virgem do Rosário da Reconquista e Defesa de Buenos Aires, pois foi nesta igreja e convento onde aconteceu o combate decisivo de Santo Domingo, que terminaria com a derrota final do exército inglês.

Visitei a Basílica do Rosário em Julho de 2019 e depois em Janeiro de 2020, registrando em primeiro lugar os trabalhos de restauração na Capela do Rosário e tempo depois, os trabalhos concluídos da capela onde estão exibidas as bandeiras capturadas aos ingleses.

Restauração, Julho de 2019

Quando visitei a Basílica do Rosário em julho de 2019 consegui registrar os trabalhos de restauração da nave lateral leste do templo onde se encontra a imagem da Virgem do Rosario.  Foi um grande prazer ver que a nave lateral do altar principal estava sendo restaurada.

Invasiones_Inglesas_Belgrano_Monserrat_Dominicos_Monumento_Histórico_Nacional_Patrimonio_colonial_San Telmo_arquitetura_lighting_design

Em 2015, foi priorizado o trabalho de restauração de todas as fachadas e a intervenção nos terraços onde a cúpula principal se eleva acima do nível do teto. Dentro do domo – decorado com casetones de vários tamanhos, diminuindo em direção à claraboia/lucernario -, todo o casetonado foi restaurado.

Além disso, o gesso danificado foi reparado, a linha ornamental em torno do perímetro das janelas foi regenerada e a clarabóia foi intervinda com os mesmos critérios da cúpula. Terminada a intervenção, a pintura de acabamento foi aplicada.

Finalmente, os vitrais localizados nas naves laterais da igreja foram restaurados, onde seções de chumbo foram aplicadas e os perfis de ferro foram adicionados com tratamento anti-óxido.

Janeiro de 2020

Na minha última visita ao templo em janeiro de 2020 as obras tinham sido concluídas, pelo que desta vez o prazer foi maior, pois teve a chance de registrar os trabalhos de restauração acabados.

A cada lado do Altar mor se encontram localizadas as Capelas do Rosário e do Santíssimo Sacramento, construídas em 1885

Capela do Santíssimo Sacramento 

Capela do Rosario

A venerada imagem da Virgem do Rosário da Reconquista e Defesa de Buenos Aires, trazida do Peru, com mais de trezentos e cinquenta anos de existência. Esta imagem histórica foi transferida da catedral para o templo de Santo Domingo no final do século XVIII. Conhecido também pelo título alternativo de “Nossa Senhora das Vitórias”.

Lá dentro, no camarim da Virgem do Rosário, você pode ver as bandeiras capturadas durante as invasões inglesas.

Símbolo do orgulho nacional, detrás da Virgem do Rosário são exibidas as bandeiras tomadas das tropas britânicas em 1807.

Na moldura de madeira que as contém, as quatro bandeiras têm uma lenda semelhante: “Troféu da Reconquista de Buenos Aires em 1806”. Uma delas capturada na área de Retiro. Outras dois eram do 1º e 2º Batalhões do 71º Regimento Highlanders. E a última pertencia à infantaria da Guarda Marinha. As quatro bandeiras inglesas são o maior símbolo de um confronto que não apenas expulsou um invasor, mas, segundo alguns historiadores, também serviu para começar a pensar em abandonar o império espanhol e criar um país livre e soberano.

As bandeiras conquistadas por Liniers durante a segunda invasão em 1807 foram oferecidas à mesma irmandade, desta vez no estado interiorano de Córdoba.

Em 1906, por ocasião do Centenário da Invasão Britânica, foi realizada uma recriação da invasão inglesa do convento, em homenagem aos frades falecidos, Fray Martín Esparza (1770-1807) e Fray Francisco Moramilián (+1807), vítimas do ataque ao convento pelos ingleses. (fotos publicadas na revista Caras y Caretas).

   INVASÕES INGLESAS   

Dois dias após a ocupação de Buenos Aires e seu forte pelos ingleses, em 29 de junho de 1806, Don Santiago de Liniers entrou oculto na cidade. Enquanto Liniers rezava no convento de Santo Domingo, diante da imagem de Nossa Senhora do Santo Rosário, fez um voto solene de recuperar a cidade das mãos dos ingleses e oferecer-lhe as bandeiras que ele levaria do inimigo como troféus de guerra.

As circunstâncias do voto de Liniers estão registradas, em 25 de agosto de 1806, no Livro de Atas da Irmandade do Santíssimo Rosário, que tem sede na Igreja e convento de Santo Domingo.

Liniers então viajou pela Banda Oriental e recrutou voluntários que fizeram a travessia do Rio da Prata na noite de 3 de agosto de 1806, sem serem avistados por nenhuma das cinco canhoneiras inimigas afetadas pela vigilância da costa norte. Eles estavam protegidos por uma névoa espessa e por uma sudestada (típica tempestade do estuário do Rio da Plata), que mantinha os navios britânicos afastados. Assim, eles puderam desembarcar perto de San Fernando, cerca de 20 km fora da cidade e lentamente começaram a marchar em direção a ela.

 

 Primeira Invasão Inglesa (1806) 

Paralelamente ao frente de combate organizado pelo Liniers desde a Banda Oriental, outros surgiram na campanha de Buenos Aires. O ponto de encontro foi a cidade de Luján, onde chegaram os soldados comandados por Don Juan Martín de Pueyrredón, alguns bravos sob o comando de Don Martín Rodríguez e o regimento de Blandengues, sob o comando do tenente-coronel Don Antonio de Olavarría. Devido à sua graduação militar, Olavarría tinha o comando de toda a tropa.

Os voluntários decidiram se abrigar sob o patrocínio da Virgem Maria e levar a bandeira da Imaculada Conceição que o Cabildo de Luján lhes ofereceu para levar ao campo de batalha. As crônicas da época dizem que, antes do início da marcha para Buenos Aires, uma solene missa foi realizada pela manhã em homenagem à Imaculada e padroeira da cidade. A tropa inteira compareceu.

Dada a alegria e exaltação do povo reunido e a ânsia de enfrentar o inimigo, já perto das fazendas de Perdriel, perto de San Isidro, Pueyrredón e os oficiais acreditavam ter visto uma oportunidade na inferioridade numérica do inimigo naquela ocasião e decidiram iniciar o combate.

E assim, ao clamor de “Santiago y cierra España”, as tropas enfrentaram o inimigo britânico, veterano de cem batalhas. O tradicional grito de guerra dos cruzados espanhóis “Santiago” invoca o santo padroeiro da Espanha, Santiago Matamoros, que frequentemente aparecia ao lado dos soldados em combate, como um cavaleiro ao ataque. “Cierra” é uma voz arcaica que significa “ataque“.

No entanto, apesar do excesso de entusiasmo e do desperdício de coragem, o combate foi desfavorável para nossas forças. No entanto, o espírito não vacilou e com a confiança depositada na ajuda divina.

De fato, a chuva persistente impediu o exército britânico de lutar com os patriotas, que estavam avançando resolutamente em direção a Buenos Aires. Beresford preferiu não tomar medidas, dada a distância que suas tropas tinham que viajar desde a capital até á vanguarda crioula e também devido às inundações das estradas.

Esse fato foi reconhecido publicamente em um sermão pregado por Fray Grela, que não duvidou que fosse uma ajuda especial do céu para nossas tropas, que dessa maneira conseguiram avançar com um passo firme em direção a Buenos Aires sem serem detidas, lideradas pelo ” Herói reconquistador Liniers”, com o apoio de homens, mulheres e crianças, numa espécie de cruzada.

Avanço em direção a Buenos Aires

O apoio prestado por mulheres e crianças às tropas que avançavam em Buenos Aires, tanto logísticas quanto especificamente militares, foi significativo. Muitos levavam a imagem do santo escapulário, o que fez o general Beresford exclamar que queria confrontar o povo do escapulário.

Em 12 de agosto de 1806, o general William Carr Beresford se rendeu incondicionalmente às forças militares comandadas por Liniers
Liniers ordem de rendição ao Lord Beresford

Depois que o inimigo inglês foi derrotado, Liniers descrevia os troféus de guerra obtidos: “Além disso, apreendemos 26 armas e quatro obuses e as bandeiras do 71° regimento, que oferendamos a Nossa Senhora do Rosário”. Mantendo sua palavra, o famoso herói nacional ofereceu, em ato solene, as bandeiras inglesas à Virgem do Rosário. Após a Reconquista de 12 de agosto de 1806, várias comemorações cívicas, militares e religiosas se seguiram, todas com memorável solenidade e presença.

Em 3 de outubro de 2018, a Comissão Nacional da Reconquista doou à Academia Nacional de História (rua Balcarce 139) o documento holográfico em que Santiago de Liniers sugeriu ao general Beresford a rendição de suas tropas, em 12 de agosto de 1806.

Para destacar a importância dessa doação, o Presidente da Comissão Nacional da Reconquista, Marcos de Estrada, e o Diretor da Academia, Dr. Fernando Barba, falaram durante a cerimônia.

 

  Segunda Invasão Inglesa (1807)  

Em 28 de junho de 1807, os ingleses desembarcaram sessenta quilômetros ao sul de Buenos Aires, na Ensenada de Barragán, com um exército de mais de 10.000 homens, estupendamente armados e treinados. Liniers concentrou suas tropas na área de Chacarita, enquanto os ingleses o fizeram nos currais de Miserere, atual Plaza Miserere no bairro Once.

Segunda invasão inglesa, 1807

No entanto, o sucesso da defesa de Buenos Aires e a subsequente derrota britânica foram devidos ao surgimento de um líder natural dentre os moradores da cidade atacada: Don Martín de Alzaga … que adotou a tática inglesa usada na primeira invasão, ele ordenou que fossem colocados fuzileiros nos telhados, varandas e terraços da cidade, e que barricadas fossem erguidas e fossos defensivos cavados. A estratégia implementada deu a vitória aos portenhos quando as tropas dos “hereges” entraram nas ruas do ejido urbano, transformando-se em verdadeiros “caminhos da morte“.

Novamente, nesta ocasião, os moradores de todas as classes, idades ou condições deram provas da coragem crioula.

A área das maiores lutas de resistência foi justamente a área que hoje é a Basílica de Rosário.

As diferentes colunas inglesas foram superadas com certa facilidade, deixando um reduto que ofereceu resistência no convento de Santo Domingo, que foi saqueado e profanado pelos invasores. O convento foi tomado por tropas comandadas pelo general Craufurd e com a participação do tenente-coronel Dennis Pack, um veterano da primeira invasão e membro do regimento 71. O combate na igreja foi extremamente difícil: os defensores da cidade atiravam desde a esquina de Defesa e Moreno, onde ficava a casa de Francisco de Telechea.

Segunda invasão inglesa, 1807

Quando, em 2 de julho de 1807, os ingleses tentaram tomar Buenos Aires pela segunda vez, o convento foi palco de um episódio glorioso. Os invasores haviam se barricado ali e, a partir da única torre (atual no lado leste) ofereciam resistência às forças do Tercio de Cántabros Montañeses, comandado pelo coronel Pedro Andrés García, no que foi conhecido como o Combate de Santo Domingo. 

Na recuperação da igreja e do convento, a ação de um grupo conhecido como o “Terceiro de Gallegos”, um regimento de voluntários que sabia comandar Pedro Antonio Cerviño, também foi fundamental. A sétima companhia desse grupo, sob o comando de Bernardo Pompillo, foi a que obteve a rendição de Craufurd. Depois de duas horas e meia de luta, os combatentes de sua Majestade Britânica capitularam sem condições.

Muitos dos tiros disparados contra o convento atingiram a torre, deixando as balas embutidas. Na época de Juan Manuel de Rosas, Dom José Maria Iturriaga removeu as balas reais e, como lembrança, colocou em seu lugar cavilhas de madeira que ainda são preservadas.

Muitos dos tiros disparados contra o convento atingiram a torre, deixando as balas marcadas em sua fachada

As festividades e a agitação da cidade eram imensas. A Câmara Municipal de Buenos Aires afirmou que a vitória foi obtida “sob a graça do Rosário”. O próprio Conselho da Cidade decidiu celebrar um Te Deum muito solene. Outra ação de graças ocorreu na Igreja jesuíta de San Ignacio de Loyola com uma procissão do Santíssimo Sacramento em “alívio dos insultos que Sua Divina Majestade sofreu pelos maus cristãos e hereges ingleses … que profanaram vários templos”.

As cerimônias religiosas de agradecimento ao Santo dos Exércitos (Santo Ignácio de Loyola) e Nossa Senhora do Rosário ocorreram em todo o território do Virreinato e mesmo fora dele. As notícias do triunfo das armas do rei espanhol se espalharam rapidamente pelo continente e várias cidades da América se uniram ao júbilo nacional, celebrando a ajuda do céu aos protagonistas gloriosos, salvadores inquestionáveis ​​dos domínios da Espanha nas Índias.

Finalização do domínio espanhol em América: O Fim de Santiago Liniers também

Sem dúvida, essas vitórias aumentaram o espírito das forças patrióticas, aumentaram também o poder e a popularidade dos líderes militares crioulos de cara à iminente Revolução de Maio de 1810, que marcariam o fim do domínio espanhol nessas terras.

As notícias que chegavam da Espanha após a invasão Napoleônica prenunciaram a revolução libertadora na América

Com o rei Fernando VII prisioneiro, aumentaram as suspeitas de traição contra o Virrey Liniers, então o governo espanhol nomeou Baltasar Hidalgo de Cisneros como seu substituto. Quando ele chegou ao Rio da Prata, em julho de 1809, alguns portenhos exaltados pediram a Liniers que resistisse em entregar o comando, ao qual ele se recusou.

O Virrey Cisneros ordenou, em 14 de agosto de 1809, sua transferência para Mendoza até que ele pudesse fazer a viagem que planejava para a Espanha. Mas Liniers comprou e se estabeleceu em uma antiga fazenda jesuíta em Alta Gracia.

Em maio de 1810, quando ele estava pronto para retornar à Espanha, as notícias da Revolução de Maio chegaram a Córdoba. Enquanto alguns de seus conhecidos ativistas pró-independência em Buenos Aires o instaram a se juntar ao movimento, o próprio Cisneros o instou a se opor à Junta revolucionária.

Graças a sua gloriosa participação durante as invasões inglesas chegou a ocupar o cargo de Virrey do Rio da Prata

Santiago de Liniers era de nacionalidade francesa mas decidiu alistar-se no exercito espanhol e com 20 anos de idade partiu ao Rio da Prata em 1776, intervenho na toma da ilha portuguesa de Santa Catalina e no ataque á Colonia del Sacramento o 22 de maio do mesmo ano, posição que se lograria conservar definitivamente baixo a soberania espanhola.

A conseqüência direta da primeira invasão inglesa foi a deposição do Virrey Sobremonte Meses sendo nomeado a tal cargo Liniers, entre 1807 y 1809. Declarado Chefe da Gloriosa Reconquista e Defesa da cidade de Buenos Aires nas invasões inglesas recebeu o título monárquico de Conde de Buenos Aires.

Mesmo assim, o 26 de agosto de 1810 Liniers foi fuzilado junto com os outros chefes da resistência espanhola, enterrando os corpos em uma vala ao lado da igreja vizinha de Cruz Alta, município de Córdoba del Tucumán.

 

fonte:

  • LAS VÍRGENES GENERALAS: Acción guerrera y práctica religiosa en las campañas del Alto Perú y el Río de la Plata (1810-1818) – Pablo Ortemberg (1)
  • EL LLANTO DE LAS RUINAS: La Historia, el Arte y la Religión ultrajados en los templos de Buenos Aires 16 ‘ 17 de jumo de 1955- Pbro. ANÍBAL ROTTJER (2)
  • Invasiones Inglesas al Rio de la Plata – Instituto Historico de la ciudad de Buenos Aires (4)
  • Invasión, reconquista y defensa de Buenos Aires (1806-1807)- Compilador: Arnaldo Ignacio Adolfo Miranda (3)

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *