BARES NOTABLES de Buenos Aires: O dia que a Flor de Barracas se marchetou

O famoso Bar Notavel “La Flor de Barracas” não escapou daquilo que vivem centenas de bares em decorrência da pandemia do coronavírus. Os custos de manutenção desses estabelecimentos, as contas caras de luz e gás e a baixa arrecadação resultaram no fechamento de diversos estabelecimentos gastronômicos na cidade de Buenos Aires.

La Flor de Barracas


O típico Café de esquina: La Flor de Barracas, está localizado a 100 metros da rua Lanín no bairro de Barracas. Tem uma fachada muito bonita com janelas de guilhotina que dão para a Avenida Suárez e a rua Arcamendia.

Este tão procurado local é considerado desde 2011 como um dos mais notáveis ​​Cafés da cidade, graças à sua estrutura, constituída por um piso calcário original, um balcão de madeira e estanho nas bordas e biombos ferroviários pendurados no tecto.

O local possui um espaço que foi batizado de Salón Villoldo, em homenagem ao pai do tango, Ángel Villoldo, também ilustre vizinho de Barracas. Nesta sala realizam-se diversas apresentações de livros, palestras temáticas, eventos de filmes, diversas exposições fotográficas, workshops, casamentos, entre muitos outros.

O bar também funcionou como um espaço de cultura em que a Biblioteca Impopular Roberto Fontanarrosa foi colocada à disposição da clientela com todos os seus contos e bibliografia sobre Barracas, Buenos Aires e Argentina.

La Flor de Barracas não só tem o setor cafeteria, mas também tem um espaço semicoberto chamado Patio Arolas, em homenagem ao famoso Tigre do Bandoneón que vivia a 150 metros da esquina.

Também teve um papel social e inclusivo ao trabalhar com a carpintaria do Hospital Borda na restauração de mesas e cadeiras e apoio na venda de artesanato dos talheres do hospital. Também deu cabida ao cinema por meio de um ciclo Independente e cedeu suas instalações para o Ciclo de Filmes Etnográficos a professores e pesquisadores da UBA e do CONICET.

A crise devido ao coronavírus: La Flor de Barracas fecha suas portas


Anos atrás, quando o bar fechou as portas em 2015, todos temiam que ele desaparecesse. Mas o alívio foi rápido: Victoria Oyhanarte, dona do imóvel desde 2009 e gerente do restaurante até aquele ano, esclareceu de imediato que quem administrasse deveria continuar no rubro gastronômico, como tinha sido feito sem interrupção há mais de um século.

Por acaso, o projeto caiu nas mãos de Carlos Cantini, escritor, gestor cultural e amante dos bares de Buenos Aires (cujas paixões registra em seu blog Café Contado). Junto com seu irmão Fernando, seu primo Lúcio (renomado chef) e sua esposa, a arquiteta Gabriela Ahumada, eles decidiram aceitar o desafio.

A situação econômica com alta inflação dos últimos anos e a pressão tributária vinham afetando as finanças o histórico Café Notavel de Carlos Cantini e sua família. No entanto, a crise que desencadeou a pandemia covid-19 fez com que seu proprietário não tivesse escolha a não ser fechar o local.

“Queremos informar que infelizmente, por motivos públicos e conhecidos, somos obrigados a não continuar em frente a La Flor de Barracas.” Assim começa a mensagem que Carlos Cantini publicou na rede social Facebook. “O coronavírus, com a extensa quarentena que traz como consequência, acaba sufocando nossa atividade que já estava prejudicada e se sustentava à custa de um grande esforço familiar”.

Em meio a uma pandemia de coronavírus, como salas de aula, apresentações e milongas (encontros tradicionais para dançar tango) foram suspensas em Buenos Aires. Sem faturamento desde então, com dificuldades para pagar o aluguel, serviços e salários de seus funcionários, Cantini garantiu que teria que decidir pelo fechamento do negócio que havia iniciado em 2015.

Carlos Cantini, o ultimo dono do bar

Cantini afirmou que não há como resistir a três meses sem faturamento. Ele garantiu que a ajuda do governo para pagar os salários chegou, mas que “uma infinidade de despesas que continuam existindo, como pagamento de ART (seguro de emprego), aluguel e serviços tornam a situação insustentável. “A dívida vem arrastada de quatro anos fatais. Começamos 2015 com a melhor das intenções, mas depois você percebe que o sistema é mau. Não há como superar todos os impostos que estão nesta atividade. Passamos a ter cada vez mais dívidas”, descreveu.

“Fiz um grande esforço para valorizar um lugar como este. Mas acabou. Toda a família trabalhava no negócio. Primos, irmãos, amigos e três funcionários. Também tínhamos funcionários temporários. Mas não existe apoio  nem compreensão nem nada para quem pretende abrir fontes de trabalho e realizar um lugar histórico ”, questionou.

Cantini destacou que criaram pratos que se tornaram os mais solicitados com denominações que ativaram repertórios locais como La Puñalada (A facada), ou também Los Sueglios, lembrando aos seus ancestrais italianos. Durante sua gestão, La Flor de Barracas ganhou prêmios de prestigiosas aplicações gastronômicas internacionais e foi visitada por turistas de todo o mundo.

Um dos frequentadores do local é Marino Santamaría, o artista plástico cuja oficina fica a pouca distância, na colorida passagem Lanín. Nesse sentido, Santamaría explicou que o fechamento da Flor de Barracas não gerou apenas tristeza, mas também impotência. “Eu sinto que deveria ter sido evitado, que devíamos ter evitado todos juntos. Com o seu fechamento, uma parte muito importante da identidade do bairro se perdeu”.

 

fonte:

  • https://noticiasdebarracas.com/
  • https://www.perfil.com/
  • https://www.baenegocios.com/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *