Aeroporto Internacional de Ezeiza, em Buenos Aires: O trabalho do novo terminal é suspenso

O Aeroporto Internacional Ministro Pistarini comemora 70 anos de história este ano. Foi inaugurado em 1949 e por três anos foi a maior base aérea do mundo.

O Aeroporto Internacional de Ezeiza, em Buenos Aires, está passando por uma grande modernização. A previsão era que em setembro seria inaugurado o novo terminal único de partidas denominado Zepellin, assim como um parking de 4 andares com 1.800 novas vagas.

Infelizmente parte da estrutura do aeroporto desmoronou durante a execução de uma reforma deixando 1 morto e 13 feridos. Desde terça-feira da semana passada, por decisão da juíza Villena, o trabalho do novo terminal foi suspenso e despejado sujeito à investigação.

Aeroporto Internacional de Ezeiza

O Aeroporto Internacional Ministro Pistarini, mais conhecido como Aeroporto de Ezeiza, fica a cerca de 35 km da capital de Buenos Aires e é o local onde a maioria dos vôos internacionais chega ao país.

Vista aérea do aeroporto de Ezeiza com a nova torre de controle e o próximo terminal de partida no fundo

A AA2000 é concessionária de 33 aeroportos nacionais em praticamente todos os estados há mais de 20 anos, incluindo as duas estações aéreas mais movimentadas, Ezeiza e Aeroparque. Embora Ezeiza não seja o aeroporto com o maior número de passageiros (em 2018 11,2 milhões de pessoas passaram, contra 13,3 milhões no Aeroparque), é o principal terminal internacional do país.

A obra, financiada em conjunto pelo Estado e pela concessionária Aeropuertos Argentina 2000 (AA2000), custará um total de 8.500 milhões de pesos nesta etapa, que inclui o novo terminal e um novo prédio de estacionamento, com 1.800 vagas adicionais.

Zeppelin

O aeroporto de Ezeiza terá um único terminal de partidas para todas as companhias aéreas a partir de setembro, com um edifício gigantesco que estão construindo atrás de onde o antigo Hotel Internacional ficava.

As obras incluem uma nova sala de embarque, a construção de estacionamento multi-nível, a remodelação da área de pré-embarque e do Centro de Controle Operacional, em um esforço para converter Ezeiza no aeroporto mais moderno da América Latina.

Em vez dos terminais A, B e C que atualmente trabalham para partidas e chegadas, Ezeiza terá um único edifício para fazer o check-in

O edifício, que já foi apelidado de “Zeppelin”, é uma estrutura metálica e redonda na forma de um dirigível flutuante, com um design futurista. Lá, controles de segurança e migrações antes do embarque dos passageiros serão instalados para otimizar o tempo.

Ezeiza, com a incorporação de voos da Aeroparque, terá um movimento de 14 milhões de passageiros este ano

Ele terá um investimento total de 15 bilhões de pesos, segundo o Ministério dos Transportes pois haverá uma segunda etapa em 2021, na qual buscará unificar o terminal de desembarque com mais espaços para retirada de bagagem, mais metros quadrados de free shop, novos controles de alfândega  e a incorporação de mais portões para receber uma quantidade maior de aviões. Este terminal pode acomodar até 25, 30 milhões de passageiros por ano, de acordo com o cálculo do aeroporto estabelecido em horários de pico rigorosos.

O “Zeppelin” será um prédio dentro de outro e se conectará à área de embarque. Haverá áreas interativas especiais para tirar fotos e ser o local de despedidas. Haverá 148 check-in no balcão e 60 posições de auto check-in de última geração, o triplo das disponíveis no momento.

Local do acidente

Os terminais A, B e C se tornarão os terminais de partida e chegada. O novo terminal de partidas substituirá os terminais A e C.

O Terminal C, por sua vez, será demolido e um conector será construído nele. A seção traseira do C será mantida e na parte da frente uma parte dela será desmontada para formar o caminho de conexão para todos os passageiros da zona interna.

O novo Terminal de Partidas será três vezes maior que o Terminal A: 48 mil metros quadrados terão o novo hall de partida, em contraste com os 15 mil metros quadrados dos terminais anteriores que sofrerão uma reestruturação e uma mudança de funções.

Em frente, também é construído um parking de estacionamento com um espaço coberto de cinco níveis, que terá 70 mil metros quadrados. Antes aqui estava o Anexo B. “Existem poucos casos em que o estacionamento está conectado ao terminal de partidas. Há um túnel onde você pode ir diretamente para o check-in. Serão 1.880 garagens com um sistema inteligente de orientação automática: dependendo de onde você sai, ele sugere onde estacionar e quais lugares estão disponíveis. Reduz o tempo e facilita o conforto dos passageiros ”, disse Ketchibachian o diretor do aeroporto Ezeiza.

Parking e nova torre de controle

Patricio Di Stefano, presidente do Órgão Regulador do Sistema Nacional de Aeroportos (ORSNA), alertou que, assim que a reconstrução do terminal de embarque acabar, o mesmo acontecerá com a área de chegada dos passageiros: “As chegadas continuarão onde eles são hoje, mas no futuro planejamos renová-lo completamente. No final do ano, entre dezembro e janeiro, iniciaremos a construção do novo terminal de desembarque, que será um edifício semelhante a este. Esta é a segunda parte do trabalho do aeroporto”.

A transferência das operações será progressiva, mas, quando terminar, todos os vôos, nacionais e internacionais, serão concentrados no novo terminal, denominado “Zeppelin” por seu teto em forma oval.

O trabalho do novo terminal é suspenso

Somente nas obras do novo salão e no estacionamento em vários níveis trabalham 1.200 pessoas. As tarefas serão concluídas, de acordo com as previsões das autoridades, durante o mês de agosto e estarão operacionais para receber passageiros no final de setembro, embora parte da estrutura do aeroporto desmoronou durante a execução de uma reforma deixando 1 morto e 13 feridos.

O episódio ocorrido em 24 de setembro foi registrado na área de obras do novo terminal de partidas do aeroporto, onde uma estrutura tubular que servia de suporte à área pela qual passam os operadores caiu um andaime que pertencia à empresa TANE.

Parte da estrutura do aeroporto desmoronou durante a execução de uma reforma deixando 1 morto e 13 feridos.

Em uma visita pela área dos eventos, o juiz federal de Lomas de Zamora Federico Villena encontrou uma testemunha que fez um aporte importante: ela havia capturado com a câmera do celular o estado do andaime onde a vítima estava antes do trágico acidente acontecer.

A mulher fotografou a estrutura que desabou 15 minutos antes da tragédia. Ela capturou a imagem precisamente porque viu que um setor do andaime estava inclinado. Naquele momento, ela conversou com outra mulher de  Segurança, que ao mesmo tempo foi alertar Bulacio, o capataz do TANE S.R.L. Bulacio subiu – de acordo com os depoimentos – para alertar os trabalhadores sobre essa situação, e tudo parece indicar que esse foi o momento em que a estrutura caiu. Havia seis pessoas no andar de cima, com 18 metros de altura.

E, de acordo com alguns depoimentos, os trabalhadores passavam materiais de um andaime para outro para acelerar a passagem, o que determinava que havia sobrecarga de peso (também devido à presença de muitas pessoas em um espaço pequeno), então finalmente tudo desmoronou. O outro fato que justificaria uma falha de segurança é que as torres não foram “apoiadas”, isto é, enganchadas, seguras, a um ponto fixo.

O episódio ocorrido em 24 de setembro de 2019, foi registrado na área de obras do novo terminal de partidas

A fotografia, que já foi incorporada no arquivo, pode ser a chave para determinar porque o colapso teria ocorrido. Desse modo, seria descartada a primeira hipótese que se pretendia instalar: que um guindaste enganchasse a estrutura tubular que serve de suporte à área onde os operadores trabalhavam.

A testemunha, cuja identidade não foi revelada, não era apenas importante para a fotografia que ela forneceu. Também foi fundamental para que não existissem mais mortes. Foi ela quem disse aos operadores que o andaime estava prestes a entrar em colapso e vários conseguiram se salvar antes do colapso.

Desde terça-feira da semana passada, por decisão da juíza Villena, o trabalho do novo terminal é suspenso e despejado sujeito à investigação

 

 

fonte:

  • LA NACION – Ricardo Pristupluk
  • Fotos Maximiliano Luna
  • www.infobae.com
  • www.clarin.com

 

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *