Igreja de São Juan Bautista de Betharram – Parte IV: Imaginária, Virgens e Santos

Como em todas as minhas visitas ás igrejas, sempre procuro achar a Santeria Paroquial, o lugar onde habitualmente são vendidas estampas, rosários e imagens religiosas dos santos e virgens, na procura (com maior e menor sorte), de livros ou publicações que falem da historia e arquitetura do templo.

Não é o caso de esta igreja, alias no momento da minha visita a missa estava por começar. Abordo uma das fieis que estava envolvida na preparação do ritual junto ao padre. Diz-me que não tem nada impresso, mas que sim podia enviar um arquivo pdf a meu email (fez na hora) que falava alguns detalhes da igreja.

Dias depois abri com surpresa e descobri que se tratava de uma antiga publicação escaneada com a descrição precisa dos Altares Laterais e Altar-mor, repleta de imagens de santos da Ordem das Irmãs Clarissas Capuchinhas, devotas de Santa Clara de Assis, ordem religiosa feminina da ordem franciscana.

Agradecendo ter recebido tão detalhada informação foi que decidi dedicar este post á Imaginaria, ou seja, todo o conjunto de imagens, exibidas nesta igreja. Também vou falar da Tapeçaria Histórica que as Freiras Capuchinhas tinham nesta igreja e corresponde à obra de arte mais importante que a Argentina teve no século XIX; “A Adoração dos Reis Magos”, de Rubens.

Altar Lateral – 1 


  • San Miguel Garicoits
  • Nossa Senhora de Lujan
  • Santa Rosa Lima
  • Santa Coleta

Em seguida, o altar de San Miguel de Garicoits: é quase inteiramente de estilo barroco, com alguns toques do estilo toscano, como a vitrine onde se encontra a imagem de Nossa Senhora de Luján, abaixo da imagem de San Miguel. Este santo (nascido na França em 1794), de oficio pastor depois estudou para sacerdote, ele fundou em 1815 a congregação do “Sagrado Coração de Jesus“, conhecida no continente americano como congregação dos “Padres Bayoneses”. Ele realizou vários milagres, dois deles na República Argentina. 

A imagem da Virgem de Lujan é venerada há mais de trezentos anos. Foi trazida de barco da Espanha para Buenos Aires e foi colocada em uma carreta, assim, começou sua jornada cujo destino era um local no estado de Santiago del Estero onde sua imagem havia sido solicitada, mas quando chegou à vizinhança das margens do Rio Lujan , os homens que estavam transportando a virgem pararam e, quando quiseram continuar o passeio, ocorreu um fato de características particulares: os animais que puxaram o carro pararam, foram embalados e, em um dos balanços, a imagem da virgem caiu no chão e a própria caixa abriu para a surpresa de seus portadores, entendendo eles assim, que a Virgem de Lujan queria ficar lá.

 À direita de Nossa Senhora de Lujan está a imagem de Santa Rosa de Lima (a flor mais bonita do Peru, padroeira não apenas de sua terra natal, mas também da América Latina e das Ilhas Filipinas).

À esquerda, Santa Coleta: era freira reformadora da Ordem das Clarissas, que também se encontra no retábulo do altar principal que descreveremos mais adiante. Esta santa nasceu na França, na cidade de Corbie, em 1381, órfã de mãe e pai, ela distribuiu seus bens entre os pobres e usava o hábito de terceira ordem, viveu seu retiro espiritual por três anos e depois entrou nas Clarissas, com a permissão do Santo Padre, restaurou o modo de vida franciscano primitivo em vários conventos em a primeira e a segunda ordem, inculcando a pobreza e a oração. Ela morreu em 1447.

Altar Lateral – 2


  • Santo Antonio
  • Santa Apolonia
  • São Luis Gonzaga
  • Vitreax S Elias
  • Vitreax S Francisco

Em seguida, encontramos o altar com a imagem de Santo Antônio de Pádua, nascido na cidade de Pádua (Portugal) no ano de 1195. Desde tenra idade, ele entrou na Catedral de Lisboa, pertencente à ordem dos canónigos. Ele permaneceu na África dos mouros, onde converteu muitas pessoas ao cristianismo. Morrendo em 1231 devido a uma doença, ele foi canonizado e enterrado na igreja que leva seu nome.

Este altar tem uma arquitetura com as mesmas características dos altares mencionados anteriormente. Ao lado de Santo Antônio está à esquerda: a imagem de São Luis Gonzaga (de origem nobre, de uma família piemontesa), serviu na corte do rei Felipe II da Espanha e depois voltou à Companhia de Jesus, abdica do princípio de Mântua em favor de seu irmão, morre na cidade de Roma (Itália), afetado por uma febre maligna. Ele foi nomeado Patrono da Juventude.

À direita, encontramos a imagem de Santa Apolônia, natural da cidade de Alexandria, considerada padroeira dos dentistas, desde que ela foi martirizada e seus dentes foram arrancados e queimada na fogueira. No topo, vemos um sol dourado simbolizando a luz de Deus na terra, a cabeça do anjo simbolizando a custódia dessa luz que emana de Deus.

Altar Lateral – 3


  • Nossa Senhora do Carmen
  • Virgem da Begônia
  • São Bernardo
  • Santo domingo
  • Vitreaux S Pedro
  • Vitreaux S Pablo

A continuação o altar da Virgen do Carmen se ergue, é feito em estilo barroco, a virgem está localizada na parte central; e ao lado, as imagens de São Bernardo e Santo Domingo. Dizem que a Virgem de Nossa Senhora de Carmen fez sua aparição no Monte Carmelo (Itália), onde ela deu seu escapulário “aqueles que o carregam estarão livres do fogo do inferno“. Ela é a padroeira do nosso país irmão, o Chile, e da Congregação das Irmãs de Los Carmelos (freiras carmela, carmelitas, etc.) e padroeira do Exército Nacional.

A imagem de San Bernardo está no lado esquerdo. Ele era doutor em teologia, nasceu na França e fez importantes trabalhos religiosos.

No lado direito está a imagem de Santo Domingo de Guzmán, nascido na Espanha, em 1770, era padre e professor universitário. Como resultado da pobreza que vivia na cidade, vendeu todos os seus livros e distribuiu o dinheiro entre os mais carentes. Então ele fez uma viagem à França para converter hereges ao catolicismo, e fundou a Ordem Dominicana. Ele morreu na pobreza e sempre pregando a palavra de nosso Senhor Jesus Cristo. Voltando à parte central do altar mencionado, onde se encontra a imagem de Nossa Senhora de Carmen, esta imagem é em tamanho real, esculpida à mão e policromada, nos braços ela segura o menino Jesus e os olhos dela são feitos de vidro.

De ambos os lados você pode ver dois pequenas portas, esses eram os velhos confessionários das freiras enclausuradas (já que não podiam sair do templo), a entrada para elas era por uma porta pequena, em uma delas encontramos uma poltrona de madeira e couro muito antiga, e supõe-se que ela tenha sido construída dentro do confessionário, pois, devido às suas medidas, não pode sair pela porta. As freiras, desde o convento, confessaram através de uma abertura feita na parede e coberta por uma grade.

Altar-mor


O altar-mor possui um importante trabalho de ornamentação realizado na técnica de dourado á folha, característica da arquitetura que se reflete em toda a igreja.

Na parte central superior há um relevo que representa a Virgem do Pilar (data dos anos 1748/1750) aproximadamente com um ornamento de rosas e o apóstolo Santiago, e de ambos os lados as imagens à esquerda de Santa Margarita de Corlona e à direita Santa Catalina de Bolonia.

Abaixo, encontramos quatro imagens de similares características do que os anteriormente nomeados: à direita, Santa Verónica e Santa Coleta, e à esquerda, Santa Isabel da Hungria e Santa Agnes. Esses últimos seis santos pertencem à Ordem das Irmãs Clarissas, todos canonizados nos séculos 14 e 15.

O altar acima mencionado é dividido em duas partes por uma cornija de ambos os lados e um arco semicircular em sua parte central, dentro do qual você pode ver uma imagem de São João Batista, feita de gesso com suas roupas correspondentes feitas de cabelo de camelo e seus atributos: o livro e o cajado acabados em forma de cruz: essa imagem está custodiada  por dois anjos da guarda também executados em gesso. Sob a imagem de São João Batista, encontra-se a imagem de Nossa Senhora Lourdes, também em gesso, localizada em um nicho agregado e abobadado, é ladeado por quatro colunas com capiteis compostos de ordem jónico (volutas) e corintio (folhas de asento).

São João Batista: Patrono desta igreja, filho de Zacarias e Isabel. Ele nasceu cinquenta anos antes de Nosso Senhor Jesus Cristo. De acordo com uma tradição antiga, supõe-se que sua cidade de origem era a cidade de En-Karim, distante 8 km da cidade de Jerusalém. Este profeta é o pregador do batismo. São João realizou os batismos nas margens do rio Jordão. Ele teve no comando o batismo de Jesus, sua aparição não foi bem vista pelo imperador Herodes de Antipas, que a pedido de sua enteada Salomé, foi decapitado. A data nos santoral é de 24 de Junho.

Nossa Senhora de Lourdes: sua aparição foi dentro de uma gruta na cidade de Lourdes (Portugal), onde atualmente se ergue uma igreja monumental onde é venerada a Santa Virgem.

Nas laterais da Virgem de Nossa Senhora de Lourdes surgem as imagens originais de Santa Clara de Assis (à direita) e San Francisco de Assis (à esquerda), ambos de grande valor histórico. Santa Clara de Assis nasceu no ano de 1194 na mesma cidade que São Francisco, em Assis, (Itália), dedicou toda a sua vida aos necessitados.

Santa Clara de Assis foi canonizada em 13 de agosto de 1255, seus restos mortais estão na cidade em que nasceu. Foi fundadora da Congregação das Irmãs Clarissas.

Parede direita do altar-mor:

Há também uma cerca de ferro preto, era o local do coro religioso (lugar de oração) das freiras capuchinhas. No chão, há uma pedra marmol indicando que lá estão depositados os restos do quinto vice-rei do Rio da Prata, Dom Pedro Melo de Portugal e Villlenas, que antes de sua morte pediu para ser enterrado nesta igreja.

Na parede mencionada, havia uma tapeçaria muito valiosa que as freiras capuchinhas possuíam quando se mudaram para o mosteiro localizado em Moreno (província de Buenos Aires). Esta tapeçaria é a obra de arte mais importante que a Argentina teve no século XIX. Corresponde a uma série de sete tapeçarias sobre a história de Cristo, encomendadas pelo rei da Espanha a Rubens, seu artista favorito.

No meio do século XX, as Capuchinhas não tinham lugar em seu novo convento na cidade de Moreno, e entregaram-no para ser colocado no Palácio da Conferência Episcopal Argentina (Suipacha 1034), após obras de restauração de mestres artesãos especializados serem realizadas. O magnífico trabalho foi pendurado na sala principal no primeiro andar e permanece lá até hoje.

Parede esquerda do altar-mor. A sacristia

Nesta parede, podemos ver uma porta que leva à sacristia da igreja. Nesta parede havia uma pintura representando passagens de São Francisco de Assis, que também foram transferidas pelas irmãs para Moreno quando o convento na igreja de San Juan Bautista parou de trabalhar.

No lado esquerdo, você pode ver um altar pertencente à Virgen de la Dolorosa, que data do início da construção da igreja primitiva. Está localizado dentro de um nicho delimitado por um arco semicircular. Sabe-se que esta imagem tenha aproximadamente 200 anos e é feita de chumbo fundido. Seus atributos são o coração perfurado por uma espada; que representa as dores sofridas por Jesus na cruz.

Altar das Reliquias: onde você pode ver dois pequenos quadrinhos com noventa relíquias cada. Essas relíquias são pedaços de ossos de santos e freiras com os nomes dos mesmos escritos em latim.

“Altares Laterales” do Altar-mor


Nossa Senhora de Betharram

O altar de Nossa Senhora de Betharram é feito inteiramente de mármore, a imagem da Virgem é de gesso; no frontispício está o rosto da Virgem de “La Dolorosa”. Nos dois lados da Imagem de Nossa Senhora de Betharram, há uma coluna feita de folha de ouro e capital composto, por sua combinação dos estilos jônico e coríntio.

A Virgem de Betharram é de origem basca e é considerada a santa padroeira dos filhos e dos Padres Bayoneses. Apareceu na França, na cidade de Lourdes, antes da Virgem de Lourdes. Conta a lenda que uma menina caiu no córrego do rio que desce da montanha e a água a levou embora, então a menina começou a orar à virgem e apareceu-lhe com um galho e levou-a à margem do rio.

Altar de São José

Nesse altar, é venerada a imagem de São José, pai de Jesus e marido da Virgem Maria. A Igreja Católica o venera em 19 de março. Nos lados deste altar estão símbolos de trabalho e elementos de carpintaria; o esquadro e o alicate (à esquerda) e o compasso (à direita).

As colunas são de eixo esculpido e capitel composto como os outros altares. Os dois círculos  simbolizam “o mundo de Cristo”. A imagem do Santo é acompanhada por uma imagem do menino Jesus em tamanho natural. O altar termina em um pequeno frontispício.

Altar Lateral – 4


  • Altar da Virgem de Belém
  • São Joaquin
  • Santa Ana
  • Vitreax Sma Virgin
  • Vitreax S José

Esta virgem é esculpida em madeira e está catalogada na coleção de arte religiosa do Rio da Prata, esta imagem data do ano (1790). Leva este nome devido ao aparecimento da Virgem Santa na cidade de Belém, onde é venerada. O altar tem características semelhantes às descritas acima, a seus pés vemos um lustre com sete velas que simbolizam os sete dons do Espírito Santo.

Nos nichos laterais estão as imagens dos Padres da Virgem Maria, à esquerda Santa Ana e San Joaquin. Sobre este altar estão as hostes consagradas à Eucaristia.

Altar Lateral – 5


  • Altar do Sagrado Coração
  • São Luís
  • São Vicente do Paul
  • Virgem do Gra
  • Vitreax S Teresa
  • Vitreax S Clara

Esta imagem está localizada em um nicho cujos lados estão: No lado direito, a imagem de São Luís (rei da França) e, à esquerda, São Vicente do Paul.

Na parte inferior, abaixo do Sagrado Coração de Jesus, dentro de uma vitrine se encontra o busto da Virgem, uma das relíquias desta igreja. Nas laterais da imagem da Virgem encontramos alguns símbolos, à direita os dados: devido a que os soldados romanos costumavam sortear as vestimentas de Jesus antes da crucificação.

Sob os símbolos anteriores, encontramos outros, como o pote que simboliza quando Pilatos lava as mãos durante o julgamento de Jesus. No lado esquerdo, o martelo e a pinça; crucificação de Cristo. E no fundo destes um cálice com uva; simbolizando o sangue de Cristo.

Altar Lateral – 6


  • Santa Rita de Cássia
  • São Cayetano

Nesse altar, a imagem de Santa Rita de Cássia, nascida na Itália, é venerada aproximadamente entre os séculos XI e XIII, seu verdadeiro nome era Margarita. Ela é invocada como advogada por causas difíceis ou impossível, por causa dos obstáculos que precisou superar para alcançar a santidade. Consegui ser admitida na religião, uma vez que havia sido negada três vezes consecutivas.

Esta imagem também foi profanada e queimada em 1955. Debaixo, há uma vitrine na qual a cabeça de Cristo Nazareno foi exibido, queimada no mesmo ano. Ela teve que ser retirada em 1982 devido a uma tentativa de roubo. Hoje ocupa esse lugar uma imagem de São Cayetano.

O altar apresenta duas colunas de haste lisa em seus respectivos lados, com a técnica de dourado a folha, repetida nos símbolos localizados na parte superior, o Sagrado Coração de Jesus, na parte central os símbolos da religião católica: a cruz, o rosário, o escapulário, o livro, as flores (à esquerda); a coroa, a tocha, os bastões (à direita) e, no fundo, um livro aberto, com a  frase “Santa Rita de Casia – Ora Pro Nobis”, (Santa Rita ore por nós).

Altar Lateral – 7


  • Santa Teresa de Ávila

Este retábulo, onde a imagem se encontra, possui duas colunas com haste lisa, com decorações florais ao redor e apresenta um capitel segurando um arco semicircular. Esses detalhes são de estilo barroco, assim como as duas pequenas guirlandas abaixo do retábulo.

No topo está a imagem da santa segurando nas mãos um buquê de flores e um crucifixo. Em baixo está a santa em seu leito de morte, com os mesmos símbolos descritos acima.

Santa Teresa fundou 32 conventos em diferentes partes do mundo

Santa Teresa nasceu na cidade de Ávila na Espanha, em 28 de março de 1515. Morreu em Alba de Tormes na noite de 15 de outubro de 1582 aos 67 anos, e em 1622 foi proclamada santa.

No lado direito uma pequena imagem de São Expedito, “santo das causas justas e urgentes”. Questionado o seu origem ate sua existência, formou-se um folclore ao seu redor e ele é objeto de grande devoção popular em muitos países. Com traje legionário, vestindo uma túnica curta e um manto jogado militarmente atrás dos ombros, tendo postura militar. Em uma mão segura uma palma e na outra uma cruz.

 

 

A Tapeçaria Histórica do Rei da Espanha


Corresponde à obra de arte mais importante que a Argentina teve no século XIX, completa a série encomendada pelo rei Felipe. Esta série de sete tapeçarias sobre a história de Cristo, encomendadas a Rubens, seu artista favorito, só falta uma, a sétima, que é La Anunciação da Virgem e cujo destino ainda é incerto, a sexta é a encontrada em Buenos Aires.

Em 1580, Felipe II “o Prudente” reinou na Espanha, na época o monarca mais poderoso da Terra. Este soberano encomendou aos grandes mestres estofadores de “Bruselas Bravante”, na Holanda, uma bela tapeçaria decorativa inspirada em um motivo religioso de Ticiano: “A Adoração dos Reis Magos” (1559).

Os ourives trabalharam incansavelmente e, depois de um tempo, terminaram o trabalho e enviaram o trabalho à corte, onde foi colocado em uma parede do Palácio Real, à vista de todos. A fabulosa tapeçaria tem sete metros de comprimento por cinco metros de altura.

Em 1657, Felipe IV deu a tapeçaria às Clarissas de Madri, freiras Capuchinhas da Ordem de São Francisco, que receberam o presente com entusiasmo, colocando-o ao lado do coro inferior, onde ficou exposto até 1808.

Fernando VII decidiu prestar homenagem ao governador das Ilhas Filipinas, enviando-lhe a magnífica tapeçaria como presente e despachando-o para um destino tão remoto, no oceano Pacífico sul, a bordo de um navio de seu exército em 1815, do outro lado do planeta.

Aconteceu que nas Ilhas Canárias o navio encontrou no seu caminho um navio corsário argentino que, sob o comando de Walter Davies Chitty, (cunhado do almirante Brown), o capturou e assumiu a carga. Uma vez em Buenos Aires, seguindo o costume da época, o governo de Buenos Aires decidiu colocá-lo em leilão público.

Aconteceu que o padre da Catedral Dr. Pablo Pablo Vidal, estava interessado na magnífica obra de arte, pagando por ela a soma de 19 onças de ouro que pagou em “perucones”, moedas de uso na época, (chamadas assim por representar o monarca espanhol com uma peruca grande), e o doou à Igreja San Juan Bautista, em Alsina y Piedras, onde permaneceu entre 1820 e 1982.

O padre, que sabia muito sobre arte e de tapeçarias, entendeu desde o primeiro momento que essa textura, suas cores vivas e a precisão do design eram evidências de que ele estava diante de uma obra de arte de valor incalculável. Depois de determinar sua autenticidade, ele o enviou como presente ao Convento de Santa Clara, a cargo das irmãs Capuchinhas.

Convento de Nossa Senhora do Pilar das Freiras Capuchinhas

Mas numa época, uma das freiras, com pena das freiras velhas, que no meio do inverno tinham que se ajoelhar no chão congelado durante as missas, decidiu fazer alguns tapetes cortando vários retângulos da tapeçaria. Em outro momento, quando uma janela lateral foi quebrada, as irmãs não tiveram ideia melhor do que cobrir a lacuna com o que restava do tecido, para que a chuva, granizo e umidade não estragassem o antigo órgão do templo.

Por volta de 1870, quando a Madre Carmen era abadessa, executivos da fábrica de Paris Gobelin chegaram a Buenos Aires, com a missão de certificar a antiguidade e a autenticidade da peça.

No meio do século XX, as Clarissas não tinham lugar em seu novo convento na cidade de Moreno, e entregaram-no para ser colocado no Palácio da Conferência Episcopal Argentina, (rua Suipacha 1034), após obras de restauração de mestres artesãos especializados serem realizadas. O magnífico trabalho foi pendurado na sala principal no primeiro andar e permanece lá até hoje.

A gravura em preto e branco de Lucas Vorsterman sobre o desenho de Rubens, que foi a base da tapeçaria. Pode ser vista no Museu Nacional de Varsóvia. e o “papelão” no qual os artesãos trabalhavam fica na abadia de Saint Servatius, em Grimbergen, Bélgica.

E em pouco tempo em Malta, um museu especial será inaugurado para exibir a coleção completa de 29 tapeçarias (The History of Religion) de Rubens, incluindo uma cópia do porteño.

Freiras Capuchinhas e Dominicanas


Juan de Narbona_Juan Andrés Bianchi_mosteiro_templo_Convento_Juan Buschiazzo_¬freiras_dominicas_recoletas_descalças
Convento de Santa Catalina de Siena

Os únicos dois mosteiros de clausura que Buenos Aires possuía durante o período colonial foram: Santa Catalina de Sena, das Freiras Dominicanas – “calzadas” – e Nossa Senhora do Pilar, de Capuchinhas – “descalzas” -.

O enorme crescimento demográfico e econômico de Buenos Aires no século XVIII deu origem à necessidade no setor “nobre” (espanhóis e crioulos) de espaços conquistados e a criação de outros novos. Os conventos foram uma resposta adequada para as mulheres desse setor.

Na América Latina, durante o período colonial, a lei e os imperativos culturais ofereceram às mulheres três alternativas:

  • casamento
  • vida religiosa
  • ou ficar solteiras   

As mulheres tinham ganhado seu próprio espaço a partir de meados do século XVIII, quando freiras capuchinhas e dominicanas abrem conventos separados na cidade de Buenos Aires. As que optaram pela vida religiosa, por sua vez, tinham duas opções: ser freira ou beatas. Opções tão diferentes que deram origem a trajetórias e instituições individuais muito diferentes, com diferentes propósitos comunitários.

Juan de Narbona_Juan Andrés Bianchi_mosteiro_templo_Convento_Juan Buschiazzo_¬freiras_dominicas_recoletas_descalças
Igreja e Convento de Santa Catalina de Siena

Em 1745, o Convento de Santa Catalina de Siena foi fundado em Buenos Aires, de Freiras Catalinas (da Ordem Dominicana), com freiras de Córdoba del Tucumán; e em 1749, o convento de Nuestra Señora del Pilar (Freiras Capuchinhas), com freiras de Santiago do Chile, ambas de clausura. Dessa forma, um novo espaço foi aberto sobretudo para as mulheres de Buenos Aires, em primeiro lugar, mas também para outra que vinham de outras cidades.

Já em 1715, Don Dionísio de Torres Briseño, vizinho de Buenos Aires, pregador presbítero de Sua Majestade, que residia na época em Madri, em seu primeiro memorial apresentado ao rei, diz: «Na população de Buenos Aires não houve pessoas ou associações que se esforcem para fundar um mosteiro de monjas … não foi fundada por não ter-se juntado os fundos necessários, apesar de ter nessa cidade muitas mulheres virtuosas que, por indicação voluntária e simples voto de castidade elas vivem segregadas do mundo … e trancadas em uma casa sem o mérito glorioso de um voto solene ».

Torres Briseño prometeu contribuir com 40.000 pesos e algumas propriedades com as quais o Convento de Santa Catalina de Siena foi fundado. Para a fundação do Convento de Nossa Senhora do Pilar, foi Dom Domingo de Acasos, comerciante de Buenos Aires, quem doou a igreja de San Nicolás de Bari, ponto de partida da fundação, e que mais tarde se estabeleceriam finalmente na Igreja San Juan Bautista, num espaço mais confortável.

Também encontramos cartas do governador e do bispo de Buenos Aires, do Conselho Secular e Eclesiástico, dos dominicanos, dos franciscanos e dos mercedários, bem como “dos principais vizinhos” . O pedido surgiu, sem dúvida, do setor superior da sociedade, composto pelos “nobres” e “pessoas da razão”.

 

 

As Capuchinhas eram freiras de uma ordem mais austera, austeridade que se manifestava por não ter propriedades, alimentos e roupas.

A criação Vice- Reinado do Rio da Prata junto a todas suas mudanças trariam consequências de transformação na natureza social da cidade. A sociedade de Buenos Aires era formada por espanhóis (peninsulares e crioulos), negros, pardos e alguns índios. O peninsulares e seus descendentes – que se autodenominavam “nobres e pessoas da razão”– queriam para si mesmos e frequentemente obtinham as melhores posições na administração, na Igreja, no exército e no comércio. Esse grupo de espanhóis, muito grande no caso de Buenos Aires, foi ameaçado de fora do próprio grupo por um setor de mulatos livres, geralmente artesãos, que alcançaram economicamente uma situação semelhante à de alguns espanhóis no setor da clase media e baixa . A outra ameaça veio do próprio grupo “nobre”, eram os “pobres nobres” ou “sem-teto”. No que diz respeito a eles, aqueles com uma situação financeira mais rica se sentiam obrigados a ajudá-los por meio de esmolas ou caridade. Mas quando algum membro desse grupo empobrecido tentou dar um salto muito alto na escala social, ele poderia ser acusado de não ter a “limpeza do sangue”, essencial para acessar os grupos já mencionados. Esse setor de nobres precisava, portanto, não apenas de preservar os espaços já conquistados, mas de criar novos para seus membros. A fundação de conventos em meados do século XVIII respondeu em grande parte a esse crescimento e transformação da cidade.

Quem eram essas freiras, como elas viviam e como se diferenciavam?

Para entrar no convento das freiras dominicanas, as candidatas tinham que pertencer a famílias de boa posição e contribuir com um “dote”. Menos rígida e mais austera, as capuchinhas era para filhas de “pobres nobres” e até acomodava algumas filhas ilegítimas.

O Convento das Catalinas estava preparado para abrigar mulheres de alta posicao social que pudessem contribuir com um dote. A intenção deste convento de abrigar mulheres e meninas órfãs para serem educadas nunca foi cumprida. Aquele com as capuchinhas seria destinado a filhas de pais “pobres nobres”, que não poderiam contribuir com nenhum dote.

Buenos Aires é descrita como um local particularmente difícil para as “donzelas filhas de pais nobres pobres”, uma dificuldade criada pelas contingências da fragilidade humana, pela escassez de homens em casamento e pela falta de dinheiro de muitas famílias que tornou quase impossível casar suas filhas com homens do mesmo setor social, um requisito muito importante na hora de organizar um casamento.

O convento é apresentado como um novo espaço para “mulheres de qualidade” ou “pobres nobres” que, não encontrando um lugar no mundo ou fugindo dele por sua própria determinação ou enfrentando um “chamado de Deus”, decidem entrar na religião.

 

fonte:

 

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *